19 de novembro de 2021 em Mobilidade

860 vidas foram preservadas no trânsito de Fortaleza em quase seis anos

Em alusão ao Dia Mundial das Vítimas de Acidente de Trânsito, AMC fará ato em defesa da vida e da segurança no trânsito


homem e mulher atravessando uma avenida na faixa de pedestres
Ações e políticas de segurança viária evitaram acidentes com maior severidade e mortes

Levantamento da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) aponta que 860 pessoas tiveram a vida preservada no trânsito de Fortaleza entre janeiro de 2015 e outubro deste ano. A projeção considera que ações e políticas de segurança viária evitaram acidentes com maior severidade e mortes.

O número é calculado tendo como base a tendência de óbitos anteriores às consecutivas reduções de vítimas fatais registradas no trânsito da Cidade nos últimos seis anos. Antes de 2015, a variação de mortes apresentava uma tendência estável com média de 355 óbitos por ano. A partir disso, é feita a projeção para os anos seguintes.

Em 2020, o sexto ano consecutivo de redução de mortes no trânsito da Capital, foram estimadas 357 mortes no trânsito, mas consolidou 193 óbitos; o que significa que 164 vidas foram poupadas no período. Este ano, até outubro, foram 155 registros de óbitos diante de uma projeção de 292. Até o momento, foram 137 vidas preservadas.

Ato em defesa da vida

Na próxima segunda-feira (22/11), às 7h, a AMC vai realizar um ato a favor da vida para chamar a atenção da população sobre um comportamento seguro na vias da Capital em frente ao Painel de Contagem de Vidas Perdidas no Trânsito de Fortaleza, localizado na Praça da Imprensa. A ação reunirá pessoas que sobreviveram a acidentes e familiares que farão um abraço coletivo no entorno do equipamento. O evento ocorre em alusão ao Dia Mundial em Memória das Vítimas de Trânsito, lembrado no domingo, 21 de novembro.

"Essa ação é uma forma de conscientizar a população que obedecer as regras de circulação viária, como respeitar os limites de velocidade, a sinalização e os mais vulneráveis no trânsito, é essencial para reduzirmos os sinistros com severidade. O cuidado no trânsito é buscar garantir que a saudade não chegue antes da hora", destaca a superintendente da AMC, Juliana Coelho.

Redução nas mortes

As estatísticas mostram queda nos números de mortes no trânsito de Fortaleza. O trimestre de agosto a outubro deste ano registrou o menor número de mortes nas vias da Capital nos últimos 20 anos. A redução foi de 53%. "As 39 vidas perdidas no período impactam familiares, parentes e equipes de emergências e do trânsito que lidam diariamente com as consequências traumáticas das mortes e lesões no trânsito. Nenhuma perda é tolerável", destaca Juliana Coelho.

A redução da violência no trânsito é atribuída às ações conjuntas que envolvem educação no trânsito, engenharia, como a expansão das vias com velocidade de 50 km/h, e fiscalização preventiva.

Compromisso com a ONU

Em maio, o prefeito de Fortaleza, José Sarto, assinou uma carta de compromisso com a Organização das Nações Unidas (ONU) para reduzir o número de mortes no trânsito até 2030. Entre 2011 e 2020, a Capital conseguiu alcançar a meta um ano antes do prazo, minimizando a incidência de ocorrências fatais em mais de 51%.

A renovação do compromisso reforça um ir e vir mais seguro, além de reafirmar a importância de adequar os limites de velocidade para salvar vidas, construindo ambientes mais seguros, saudáveis e habitáveis.

860 vidas foram preservadas no trânsito de Fortaleza em quase seis anos

Em alusão ao Dia Mundial das Vítimas de Acidente de Trânsito, AMC fará ato em defesa da vida e da segurança no trânsito

homem e mulher atravessando uma avenida na faixa de pedestres
Ações e políticas de segurança viária evitaram acidentes com maior severidade e mortes

Levantamento da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) aponta que 860 pessoas tiveram a vida preservada no trânsito de Fortaleza entre janeiro de 2015 e outubro deste ano. A projeção considera que ações e políticas de segurança viária evitaram acidentes com maior severidade e mortes.

O número é calculado tendo como base a tendência de óbitos anteriores às consecutivas reduções de vítimas fatais registradas no trânsito da Cidade nos últimos seis anos. Antes de 2015, a variação de mortes apresentava uma tendência estável com média de 355 óbitos por ano. A partir disso, é feita a projeção para os anos seguintes.

Em 2020, o sexto ano consecutivo de redução de mortes no trânsito da Capital, foram estimadas 357 mortes no trânsito, mas consolidou 193 óbitos; o que significa que 164 vidas foram poupadas no período. Este ano, até outubro, foram 155 registros de óbitos diante de uma projeção de 292. Até o momento, foram 137 vidas preservadas.

Ato em defesa da vida

Na próxima segunda-feira (22/11), às 7h, a AMC vai realizar um ato a favor da vida para chamar a atenção da população sobre um comportamento seguro na vias da Capital em frente ao Painel de Contagem de Vidas Perdidas no Trânsito de Fortaleza, localizado na Praça da Imprensa. A ação reunirá pessoas que sobreviveram a acidentes e familiares que farão um abraço coletivo no entorno do equipamento. O evento ocorre em alusão ao Dia Mundial em Memória das Vítimas de Trânsito, lembrado no domingo, 21 de novembro.

"Essa ação é uma forma de conscientizar a população que obedecer as regras de circulação viária, como respeitar os limites de velocidade, a sinalização e os mais vulneráveis no trânsito, é essencial para reduzirmos os sinistros com severidade. O cuidado no trânsito é buscar garantir que a saudade não chegue antes da hora", destaca a superintendente da AMC, Juliana Coelho.

Redução nas mortes

As estatísticas mostram queda nos números de mortes no trânsito de Fortaleza. O trimestre de agosto a outubro deste ano registrou o menor número de mortes nas vias da Capital nos últimos 20 anos. A redução foi de 53%. "As 39 vidas perdidas no período impactam familiares, parentes e equipes de emergências e do trânsito que lidam diariamente com as consequências traumáticas das mortes e lesões no trânsito. Nenhuma perda é tolerável", destaca Juliana Coelho.

A redução da violência no trânsito é atribuída às ações conjuntas que envolvem educação no trânsito, engenharia, como a expansão das vias com velocidade de 50 km/h, e fiscalização preventiva.

Compromisso com a ONU

Em maio, o prefeito de Fortaleza, José Sarto, assinou uma carta de compromisso com a Organização das Nações Unidas (ONU) para reduzir o número de mortes no trânsito até 2030. Entre 2011 e 2020, a Capital conseguiu alcançar a meta um ano antes do prazo, minimizando a incidência de ocorrências fatais em mais de 51%.

A renovação do compromisso reforça um ir e vir mais seguro, além de reafirmar a importância de adequar os limites de velocidade para salvar vidas, construindo ambientes mais seguros, saudáveis e habitáveis.