16 de setembro de 2019 em Social

Unidades do CRAS promovem atividades lúdicas e culturais para idosos

Reuniões durante a semana garantem sociabilidade e cuidados com a saúde mental


uma roda de idoso assiste a apresentação de um violeiro
As atividades lúdicas e culturais permeiam a vida de mais de 2 mil idosos em Fortaleza, sendo uma média de 80 por unidade do CRAS

Manhãs e tardes cheias de partilha, alegria, convívio muitas risadas. Essas são características da rotina de idosos que se reúnem duas vezes durante a semana para participar das atividades do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) dos 27 Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) em Fortaleza.

As atividades lúdicas e culturais permeiam a vida de mais de dois mil idosos em Fortaleza, sendo uma média de 80 por unidade do CRAS, ajudando na socialização e na prevenção ou recuperação de problemas de saúde mental. Dança, artesanato, música, rodas de conversa e passeios culturais são algumas das iniciativas realizadas.

A socialização é o principal atrativo para de Verônica das Dores Nogueira, de 60 anos. Ela faz parte de um grupo de cerca de 80 idosos do CRAS Jacarecanga. Inicialmente, ela veio a convite da prima, já integrante. Mesmo ainda relutante em conhecer o projeto, acabou ficando. “Já estou em uma idade na qual não preciso me preocupar com tanta coisa em casa, como quando mais jovem. Aí vim, gostei e fiquei, isso há quase dois anos. Toda semana eu venho e sinto falta quando não tem”, conta.

senhora posa para a foto sorrindo
Para dona Verônica das Dores Nogueira, a companhia dos colegas e o tratamento dado pelas pedagogas são os diferenciais do projeto

Dona Verônica conseguiu superar um início de depressão a partir das atividades sociais. A companhia dos colegas e o tratamento dado pelas pedagogas, para ela, são os diferenciais do projeto. “Além disso, gosto muito dos passeios. Todo canto que elas convidam, a gente quer ir logo. Já fomos ao teatro, ao clube, ao zoológico”, descreve.

No entanto, foi o conjunto dos benefícios que garantiram a permanência dela. “Eu me sinto mais valorizada como pessoa e hoje em dia, quando eu venho para cá, não penso mais as coisas que pensava quando tinha depressão. Vir para cá me dá vida, me dá alegria, e por isso eu venho sempre. Meu marido me incentiva muito, também”, finaliza dona Verônica.

As equipes que organizam as atividades fazem parte do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família (PAIF), presente nas 27 unidades na Capital. Conforme Leiliane Martinz, coordenadora do CRAS Jacarecanga, para participar, o idoso passa por um atendimento inicial, que realiza o cadastro e avalia de que forma o idoso pode se programar dentro das atividades do CRAS.

Leiliane conta que a maioria dos profissionais do CRAS é formada por jovens. Nesse sentido, há uma intensa troca de experiências entre as gerações, além dos benefícios da geração estar participando ativamente das atividades. “A gente recebe idosos com depressão e isolamento social. Esse tipo de atividade resgata o idoso para que ele possa ter qualidade de vida nessa fase. Temos muitos relatos sobre a mudança que participar desse grupo promoveu na vida deles”, destaca a coordenadora.

Engajamento

No CRAS do Bom Jardim, quem participa das atividades desde 2013 é o senhor Eridan de Sousa, de 72 anos. O engajamento foi tanto que ele virou membro do conselho do bairro, liderando reuniões e participando ativamente das ações. Morador do Bom Jardim há mais de 50 anos, para ele, o grupo funciona como um momento de terapia, onde ele descobriu a importância não apenas de se ajudar, mas também de poder melhorar a vida de outras pessoas.

foto do rosto de um senhor
"O centro de convivência nos dá essa condição para viver em grupo, não só aqui mas em outras esferas da sociedade", Eridan de Sousa

“O equipamento não apenas nos recebe, há muitas atividades a serem feitas depois disso. E o centro de convivência nos dá essa condição para viver em grupo, não só aqui mas em outras esferas da sociedade. Isso aqui é tudo para mim e, terça e quinta, eu tenho que estar aqui interagindo com essas pessoas. É a minha alegria de viver”, conta.

Portanto, em meio a dificuldades pessoais, ele viu no CRAS do Bom Jardim uma oportunidade de acolher outras pessoas, da mesma maneira como foi acolhido. “Eu falo que ninguém é tão rico que não possa receber e nem tão pobre que não possa ajudar. Deve haver sempre essa troca entre as pessoas, independentemente de quem seja”.

O planejamento das atividades é feito conforme a vivência dos idosos, de acordo com a pedagoga Ana Cláudia Rodrigues. Ela explica que, além do tema pessoal, no qual eles se reconhecem como idosos e falam sobre si mesmos, eles também são inseridos em discussões sobre percepção do território e da comunidade.

"Isso potencializa a individualidade, mas também trabalha no sentido deles se sentirem cidadãos, dando-nos a oportunidade de reconhecer as demandas deles dentro da família e da sociedade”, ressalta.

Sobre os CRAS

Localizados em áreas de vulnerabilidade social, os CRAS atuam com famílias e indivíduos em seu contexto comunitário, visando fortalecer dos convívios sócio familiar e coletivo. Atualmente, Fortaleza conta com 27 CRAS distribuídos em seis Regionais. O equipamento faz parte da rede socioassistencial da Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria dos Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SDHDS).

Além disso, são feitos encaminhamentos à rede socioassistencial, atendimentos individuais, atendimento do Cadastro Único, visitas domiciliares e institucionais, dentre outros serviços. Confira a lista com a localização dos CRAS em Fortaleza.

Unidades do CRAS promovem atividades lúdicas e culturais para idosos

Reuniões durante a semana garantem sociabilidade e cuidados com a saúde mental

uma roda de idoso assiste a apresentação de um violeiro
As atividades lúdicas e culturais permeiam a vida de mais de 2 mil idosos em Fortaleza, sendo uma média de 80 por unidade do CRAS

Manhãs e tardes cheias de partilha, alegria, convívio muitas risadas. Essas são características da rotina de idosos que se reúnem duas vezes durante a semana para participar das atividades do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) dos 27 Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) em Fortaleza.

As atividades lúdicas e culturais permeiam a vida de mais de dois mil idosos em Fortaleza, sendo uma média de 80 por unidade do CRAS, ajudando na socialização e na prevenção ou recuperação de problemas de saúde mental. Dança, artesanato, música, rodas de conversa e passeios culturais são algumas das iniciativas realizadas.

A socialização é o principal atrativo para de Verônica das Dores Nogueira, de 60 anos. Ela faz parte de um grupo de cerca de 80 idosos do CRAS Jacarecanga. Inicialmente, ela veio a convite da prima, já integrante. Mesmo ainda relutante em conhecer o projeto, acabou ficando. “Já estou em uma idade na qual não preciso me preocupar com tanta coisa em casa, como quando mais jovem. Aí vim, gostei e fiquei, isso há quase dois anos. Toda semana eu venho e sinto falta quando não tem”, conta.

senhora posa para a foto sorrindo
Para dona Verônica das Dores Nogueira, a companhia dos colegas e o tratamento dado pelas pedagogas são os diferenciais do projeto

Dona Verônica conseguiu superar um início de depressão a partir das atividades sociais. A companhia dos colegas e o tratamento dado pelas pedagogas, para ela, são os diferenciais do projeto. “Além disso, gosto muito dos passeios. Todo canto que elas convidam, a gente quer ir logo. Já fomos ao teatro, ao clube, ao zoológico”, descreve.

No entanto, foi o conjunto dos benefícios que garantiram a permanência dela. “Eu me sinto mais valorizada como pessoa e hoje em dia, quando eu venho para cá, não penso mais as coisas que pensava quando tinha depressão. Vir para cá me dá vida, me dá alegria, e por isso eu venho sempre. Meu marido me incentiva muito, também”, finaliza dona Verônica.

As equipes que organizam as atividades fazem parte do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família (PAIF), presente nas 27 unidades na Capital. Conforme Leiliane Martinz, coordenadora do CRAS Jacarecanga, para participar, o idoso passa por um atendimento inicial, que realiza o cadastro e avalia de que forma o idoso pode se programar dentro das atividades do CRAS.

Leiliane conta que a maioria dos profissionais do CRAS é formada por jovens. Nesse sentido, há uma intensa troca de experiências entre as gerações, além dos benefícios da geração estar participando ativamente das atividades. “A gente recebe idosos com depressão e isolamento social. Esse tipo de atividade resgata o idoso para que ele possa ter qualidade de vida nessa fase. Temos muitos relatos sobre a mudança que participar desse grupo promoveu na vida deles”, destaca a coordenadora.

Engajamento

No CRAS do Bom Jardim, quem participa das atividades desde 2013 é o senhor Eridan de Sousa, de 72 anos. O engajamento foi tanto que ele virou membro do conselho do bairro, liderando reuniões e participando ativamente das ações. Morador do Bom Jardim há mais de 50 anos, para ele, o grupo funciona como um momento de terapia, onde ele descobriu a importância não apenas de se ajudar, mas também de poder melhorar a vida de outras pessoas.

foto do rosto de um senhor
"O centro de convivência nos dá essa condição para viver em grupo, não só aqui mas em outras esferas da sociedade", Eridan de Sousa

“O equipamento não apenas nos recebe, há muitas atividades a serem feitas depois disso. E o centro de convivência nos dá essa condição para viver em grupo, não só aqui mas em outras esferas da sociedade. Isso aqui é tudo para mim e, terça e quinta, eu tenho que estar aqui interagindo com essas pessoas. É a minha alegria de viver”, conta.

Portanto, em meio a dificuldades pessoais, ele viu no CRAS do Bom Jardim uma oportunidade de acolher outras pessoas, da mesma maneira como foi acolhido. “Eu falo que ninguém é tão rico que não possa receber e nem tão pobre que não possa ajudar. Deve haver sempre essa troca entre as pessoas, independentemente de quem seja”.

O planejamento das atividades é feito conforme a vivência dos idosos, de acordo com a pedagoga Ana Cláudia Rodrigues. Ela explica que, além do tema pessoal, no qual eles se reconhecem como idosos e falam sobre si mesmos, eles também são inseridos em discussões sobre percepção do território e da comunidade.

"Isso potencializa a individualidade, mas também trabalha no sentido deles se sentirem cidadãos, dando-nos a oportunidade de reconhecer as demandas deles dentro da família e da sociedade”, ressalta.

Sobre os CRAS

Localizados em áreas de vulnerabilidade social, os CRAS atuam com famílias e indivíduos em seu contexto comunitário, visando fortalecer dos convívios sócio familiar e coletivo. Atualmente, Fortaleza conta com 27 CRAS distribuídos em seis Regionais. O equipamento faz parte da rede socioassistencial da Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria dos Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SDHDS).

Além disso, são feitos encaminhamentos à rede socioassistencial, atendimentos individuais, atendimento do Cadastro Único, visitas domiciliares e institucionais, dentre outros serviços. Confira a lista com a localização dos CRAS em Fortaleza.