02 de fevereiro de 2021 em Saúde

Comitê de Enfrentamento à Covid-19 anuncia novas medidas para conter avanço da pandemia em Fortaleza

A partir desta quarta-feira (03/02), de segunda a domingo, das 20h às 6h do dia seguinte, fica suspenso o funcionamento de quaisquer atividades do comércio, indústria ou serviços não essenciais


Sarto, Camilo Santana e Cabeto falam diante de câmeras
O governador Camilo Santana (PT) e o prefeito de Fortaleza, José Sarto (PDT), acompanhados do secretário estadual da Saúde, Dr. Cabeto, divulgaram as ações durante live transmitida pelas redes sociais (Foto: Divulgação/Governo do Estado)

O Comitê Estadual de Enfrentamento à Covid-19 reuniu-se, nesta terça-feira (02/02), e definiu novas medidas restritivas de combate ao coronavírus em Fortaleza. O governador Camilo Santana (PT) e o prefeito de Fortaleza, José Sarto (PDT), acompanhados do secretário estadual da Saúde, Dr. Cabeto, divulgaram as ações durante live transmitida pelas redes sociais. Entre as medidas, Camilo anunciou a renovação do decreto de calamidade pública no Ceará por mais seis meses.

Acesse o decreto municipal

No caso específico de Fortaleza, com o objetivo de combater o avanço da doença e diante da suspeita da nova variante do vírus, foi estabelecido que, a partir desta quarta-feira (03/02), de segunda a domingo, das 20h às 6h do dia seguinte, fica suspenso o funcionamento de quaisquer atividades do comércio, indústria ou serviços não essenciais. Essas atividades poderão atender, nesse período, através de delivery. E podem funcionar normalmente, após às 20h, as farmácias, supermercados, serviços de saúde e outros serviços essenciais.

Aos sábados e domingos, o atendimento presencial em restaurantes, barracas e demais estabelecimentos para alimentação fora do lar poderão funcionar somente para almoço, até as 15h. Após esse horário, o serviço de delivery seguirá funcionando normalmente.

As medidas terão vigência de 3 a 17 de fevereiro. O Comitê de Enfrentamento à Covid-19 é liderado pelo Governo do Estado e formado por profissionais de Saúde, Prefeitura de Fortaleza, presidentes do Tribunal de Justiça e Assembleia Legislativa, e Ministério Público Estadual e Federal.

“Essas medidas foram tomadas por conta do grande aumento do número de casos no Ceará, principalmente na Capital cearense, além do aumento de uma demanda significativa por assistência à saúde, como a procura por um posto de saúde, por uma UPA, um hospital, não só no sistema público, mas também no privado”, disse o governador.

Camilo destacou a preocupação com o emprego, com a economia e com a situação da população cearense e lembrou o início da vacinação no Ceará. “Iniciamos a vacinação, é uma grande esperança para todos, mas ainda não temos um calendário disponível para que possamos vacinar em massa a população, pois ainda não temos uma perspectiva de quando teremos um grande número de vacinas para imunizar todos os cearenses. Por conta dessas incertezas, e com base nos números crescentes, nós do comitê científico decidimos que precisávamos colocar em prática essas medidas”, explicou o governador, que garantiu que a Assembleia Legislativa já está com a mensagem de pedido extensão de calamidade pública na saúde do Ceará por mais seis meses.

O prefeito Sarto enfatizou também a curva com tendência de crescimento nos óbitos em Fortaleza. “Estamos fazendo tudo o que é possível ao vacinar os grupos prioritários, aumentar a capacidade de atendimento nas UPAs, enfim, mas nada disso é suficiente se a população de Fortaleza não colaborar. Lamentavelmente, o que temos observado é a desobediência aos protocolos que estabelecemos junto ao comitê”, alertou.

O novo Decreto Estadual está previsto para ser publicado no Diário Oficial do Ceará desta quarta-feira (03/02), e as novas medidas serão válidas pelos próximos 15 dias, inicialmente.

Conforme o governador, as decisões foram tomadas considerando que, possivelmente, festas e aglomerações vêm causando o avanço da doença e, por isso, é necessário reforçar o apelo para a população. “A pandemia não acabou, e nós só podemos sair disso juntos, se todos colaborarem. Precisamos evitar as festas, as aglomerações, que as pessoas sigam as orientações sanitárias, principalmente quanto ao uso da máscara, para que a gente possa ter tempo de vacinar a população e salvar vidas”, ressaltou Camilo.

Mutação no vírus

Dr. Cabeto explicou que existe uma grande interrogação sobre algumas mutações do novo coronavírus, que possivelmente têm implicações na gravidade e no número de casos no Brasil, como tem sido observado em Manaus. “Nós temos um número de pessoas jovens infectadas, que representa a maioria, estamos falando aqui de 70% da população. Ou seja, essa parte da população está sustentando a disseminação do vírus de forma comunitária, fazendo vulnerável a população mais idosa e os portadores de comorbidades”, analisou.

Ampliação de leitos

Durante a live, governador e prefeito reforçaram que estão ampliando novamente os leitos exclusivos para atendimento de pacientes com Covid-19 no Hospital Leonardo DaVinci, no Hospital da Mulher e em todos os hospitais regionais do Estado, além do reforço dos serviços e equipes em todos os hospitais.

Comitê de Enfrentamento à Covid-19 anuncia novas medidas para conter avanço da pandemia em Fortaleza

A partir desta quarta-feira (03/02), de segunda a domingo, das 20h às 6h do dia seguinte, fica suspenso o funcionamento de quaisquer atividades do comércio, indústria ou serviços não essenciais

Sarto, Camilo Santana e Cabeto falam diante de câmeras
O governador Camilo Santana (PT) e o prefeito de Fortaleza, José Sarto (PDT), acompanhados do secretário estadual da Saúde, Dr. Cabeto, divulgaram as ações durante live transmitida pelas redes sociais (Foto: Divulgação/Governo do Estado)

O Comitê Estadual de Enfrentamento à Covid-19 reuniu-se, nesta terça-feira (02/02), e definiu novas medidas restritivas de combate ao coronavírus em Fortaleza. O governador Camilo Santana (PT) e o prefeito de Fortaleza, José Sarto (PDT), acompanhados do secretário estadual da Saúde, Dr. Cabeto, divulgaram as ações durante live transmitida pelas redes sociais. Entre as medidas, Camilo anunciou a renovação do decreto de calamidade pública no Ceará por mais seis meses.

Acesse o decreto municipal

No caso específico de Fortaleza, com o objetivo de combater o avanço da doença e diante da suspeita da nova variante do vírus, foi estabelecido que, a partir desta quarta-feira (03/02), de segunda a domingo, das 20h às 6h do dia seguinte, fica suspenso o funcionamento de quaisquer atividades do comércio, indústria ou serviços não essenciais. Essas atividades poderão atender, nesse período, através de delivery. E podem funcionar normalmente, após às 20h, as farmácias, supermercados, serviços de saúde e outros serviços essenciais.

Aos sábados e domingos, o atendimento presencial em restaurantes, barracas e demais estabelecimentos para alimentação fora do lar poderão funcionar somente para almoço, até as 15h. Após esse horário, o serviço de delivery seguirá funcionando normalmente.

As medidas terão vigência de 3 a 17 de fevereiro. O Comitê de Enfrentamento à Covid-19 é liderado pelo Governo do Estado e formado por profissionais de Saúde, Prefeitura de Fortaleza, presidentes do Tribunal de Justiça e Assembleia Legislativa, e Ministério Público Estadual e Federal.

“Essas medidas foram tomadas por conta do grande aumento do número de casos no Ceará, principalmente na Capital cearense, além do aumento de uma demanda significativa por assistência à saúde, como a procura por um posto de saúde, por uma UPA, um hospital, não só no sistema público, mas também no privado”, disse o governador.

Camilo destacou a preocupação com o emprego, com a economia e com a situação da população cearense e lembrou o início da vacinação no Ceará. “Iniciamos a vacinação, é uma grande esperança para todos, mas ainda não temos um calendário disponível para que possamos vacinar em massa a população, pois ainda não temos uma perspectiva de quando teremos um grande número de vacinas para imunizar todos os cearenses. Por conta dessas incertezas, e com base nos números crescentes, nós do comitê científico decidimos que precisávamos colocar em prática essas medidas”, explicou o governador, que garantiu que a Assembleia Legislativa já está com a mensagem de pedido extensão de calamidade pública na saúde do Ceará por mais seis meses.

O prefeito Sarto enfatizou também a curva com tendência de crescimento nos óbitos em Fortaleza. “Estamos fazendo tudo o que é possível ao vacinar os grupos prioritários, aumentar a capacidade de atendimento nas UPAs, enfim, mas nada disso é suficiente se a população de Fortaleza não colaborar. Lamentavelmente, o que temos observado é a desobediência aos protocolos que estabelecemos junto ao comitê”, alertou.

O novo Decreto Estadual está previsto para ser publicado no Diário Oficial do Ceará desta quarta-feira (03/02), e as novas medidas serão válidas pelos próximos 15 dias, inicialmente.

Conforme o governador, as decisões foram tomadas considerando que, possivelmente, festas e aglomerações vêm causando o avanço da doença e, por isso, é necessário reforçar o apelo para a população. “A pandemia não acabou, e nós só podemos sair disso juntos, se todos colaborarem. Precisamos evitar as festas, as aglomerações, que as pessoas sigam as orientações sanitárias, principalmente quanto ao uso da máscara, para que a gente possa ter tempo de vacinar a população e salvar vidas”, ressaltou Camilo.

Mutação no vírus

Dr. Cabeto explicou que existe uma grande interrogação sobre algumas mutações do novo coronavírus, que possivelmente têm implicações na gravidade e no número de casos no Brasil, como tem sido observado em Manaus. “Nós temos um número de pessoas jovens infectadas, que representa a maioria, estamos falando aqui de 70% da população. Ou seja, essa parte da população está sustentando a disseminação do vírus de forma comunitária, fazendo vulnerável a população mais idosa e os portadores de comorbidades”, analisou.

Ampliação de leitos

Durante a live, governador e prefeito reforçaram que estão ampliando novamente os leitos exclusivos para atendimento de pacientes com Covid-19 no Hospital Leonardo DaVinci, no Hospital da Mulher e em todos os hospitais regionais do Estado, além do reforço dos serviços e equipes em todos os hospitais.