20 de abril de 2017 em Mobilidade

Fortaleza é a única cidade do Nordeste convidada a participar do Fórum Internacional de Transportes em Paris

Evento receberá membros de 34 cidades do mundo para promover um diálogo acerca de melhorias nos transportes, contemplando população, mobilidade e tráfego


 

 

foto aérea de fortaleza
Em pauta, estarão aspectos voltados a questões políticas direcionadas a todos os tipos de condução

Fortaleza será a única cidade do Nordeste convidada a participar, em Paris, do Fórum Internacional de Transportes, que será realizado nos dias 20 e 21 de abril, e que se configura na maior reunião mundial a tratar do tema e que receberá membros de 34 cidades do mundo. Além de Fortaleza, Rio de Janeiro e São Paulo são as únicas cidades brasileiras com representantes no evento que busca promover um diálogo global acerca de melhorias nos transportes, contemplando população, mobilidade e tráfego.

Em pauta, estarão aspectos voltados a questões políticas direcionadas a todos os tipos de condução. Objetivando promover uma plataforma de discussão e pré-negociação, serão analisadas tendências e será promovida a partilha de experiências e de informações entre as cidades, capazes de beneficiar todo o conjunto da sociedade por meio dos tomadores de decisão.

Denominada de “Safer City Streets”, a rede de segurança de tráfego global para cidades busca promover um trânsito mais harmônico por meio do compartilhamento de dados, experiências e conhecimentos. Os membros têm, portanto, acesso a elementos relevantes para a política, frutos do diálogo entre uma rede de especialistas. A iniciativa auxilia, por conseguinte, a melhoria do desempenho das cidades no tocante à segurança rodoviária. O secretário executivo da Secretaria de Conservação e Serviços Públicos de Fortaleza, Luiz Alberto Sabóia, será o representante da capital cearense no fórum.

Fortaleza compõe o grupo de cidades brasileiras participantes, ao lado de São Paulo e do Rio de Janeiro. Além delas, comporão o grupo Águas Calientes, Amsterdam, Astana, Auckland, Barcelona, Belgrade, Berlin, Bogotá, Bordeaux, Brussels, Buenos Aires, Copenhagen, Dublin, Guadalajara, Kiev, La Paz, Lisbon, London, Lyon, Melbourne, Mexico City, Milan, Montreal, Morelia, Nantes, New York, Paris, Riga, Rome, Stockholm, The Hague, Vilnius, Warsaw, Zurich. Nessa perspectiva, são criadas redes globais, que proporcionam, ainda, o estabelecimento de aprendizagem para funcionários e realizam pesquisas sobre temas de interesse comum.

Segundo dados fornecidos pelo ITF (Fórum Internacional de Transportes), a cada minuto, uma pessoa morre no trânsito das cidades. A cada ano, nas mesmas circunstâncias, milhões são feridas ou mortas, comprometendo cerca de 3% do PIB mundial. Dentre as vítimas, oito em cada dez são pedestres, ciclistas e outros usuários vulneráveis.

A redução de riscos no trânsito encoraja, a partir desse cenário, formas de transporte sustentáveis e impacta positivamente a contenção da poluição, o combate aos congestionamentos e a promoção de cidadãos mais saudáveis.

Histórico

O Fórum Internacional dos Transportes foi criado em 18 de maio de 2006 por ministros de 43 países. As raízes da ITF remontam a 1953, quando 16 países europeus estabeleceram a “Conferência Europeia dos Ministros dos Transportes (CEMT)”, uma organização internacional para “coordenar e racionalizar os transportes terrestres europeus de importância internacional”.

A Safer City Streets, rede gerida pelo ITF, contou com um projeto-piloto iniciado em 2013, do qual participaram nove cidades da Europa e da América do Norte. Nesse sentido, houve um consenso relacionado ao compartilhamento dados sobre acidentes, população, mobilidade e tráfego. O sucesso do projeto deu origem à ideia de uma rede mundial. O projeto Safer City Streets é desenvolvido e modelado na rede global de segurança rodoviária dos países hospedados pelo ITF (conhecido como International Traffic Safety Data and Analysis Group, ou IRTAD), que existe há mais de 25 anos. O grupo IRTAD foi reconhecido pela Organização Mundial de Saúde como “um modelo de um esforço de vários países” e seus dados de colisão como “simplesmente o melhor do mundo” pela Global NCAP, o programa de avaliação de carros.

 

Fortaleza é a única cidade do Nordeste convidada a participar do Fórum Internacional de Transportes em Paris

Evento receberá membros de 34 cidades do mundo para promover um diálogo acerca de melhorias nos transportes, contemplando população, mobilidade e tráfego

 

 

foto aérea de fortaleza
Em pauta, estarão aspectos voltados a questões políticas direcionadas a todos os tipos de condução

Fortaleza será a única cidade do Nordeste convidada a participar, em Paris, do Fórum Internacional de Transportes, que será realizado nos dias 20 e 21 de abril, e que se configura na maior reunião mundial a tratar do tema e que receberá membros de 34 cidades do mundo. Além de Fortaleza, Rio de Janeiro e São Paulo são as únicas cidades brasileiras com representantes no evento que busca promover um diálogo global acerca de melhorias nos transportes, contemplando população, mobilidade e tráfego.

Em pauta, estarão aspectos voltados a questões políticas direcionadas a todos os tipos de condução. Objetivando promover uma plataforma de discussão e pré-negociação, serão analisadas tendências e será promovida a partilha de experiências e de informações entre as cidades, capazes de beneficiar todo o conjunto da sociedade por meio dos tomadores de decisão.

Denominada de “Safer City Streets”, a rede de segurança de tráfego global para cidades busca promover um trânsito mais harmônico por meio do compartilhamento de dados, experiências e conhecimentos. Os membros têm, portanto, acesso a elementos relevantes para a política, frutos do diálogo entre uma rede de especialistas. A iniciativa auxilia, por conseguinte, a melhoria do desempenho das cidades no tocante à segurança rodoviária. O secretário executivo da Secretaria de Conservação e Serviços Públicos de Fortaleza, Luiz Alberto Sabóia, será o representante da capital cearense no fórum.

Fortaleza compõe o grupo de cidades brasileiras participantes, ao lado de São Paulo e do Rio de Janeiro. Além delas, comporão o grupo Águas Calientes, Amsterdam, Astana, Auckland, Barcelona, Belgrade, Berlin, Bogotá, Bordeaux, Brussels, Buenos Aires, Copenhagen, Dublin, Guadalajara, Kiev, La Paz, Lisbon, London, Lyon, Melbourne, Mexico City, Milan, Montreal, Morelia, Nantes, New York, Paris, Riga, Rome, Stockholm, The Hague, Vilnius, Warsaw, Zurich. Nessa perspectiva, são criadas redes globais, que proporcionam, ainda, o estabelecimento de aprendizagem para funcionários e realizam pesquisas sobre temas de interesse comum.

Segundo dados fornecidos pelo ITF (Fórum Internacional de Transportes), a cada minuto, uma pessoa morre no trânsito das cidades. A cada ano, nas mesmas circunstâncias, milhões são feridas ou mortas, comprometendo cerca de 3% do PIB mundial. Dentre as vítimas, oito em cada dez são pedestres, ciclistas e outros usuários vulneráveis.

A redução de riscos no trânsito encoraja, a partir desse cenário, formas de transporte sustentáveis e impacta positivamente a contenção da poluição, o combate aos congestionamentos e a promoção de cidadãos mais saudáveis.

Histórico

O Fórum Internacional dos Transportes foi criado em 18 de maio de 2006 por ministros de 43 países. As raízes da ITF remontam a 1953, quando 16 países europeus estabeleceram a “Conferência Europeia dos Ministros dos Transportes (CEMT)”, uma organização internacional para “coordenar e racionalizar os transportes terrestres europeus de importância internacional”.

A Safer City Streets, rede gerida pelo ITF, contou com um projeto-piloto iniciado em 2013, do qual participaram nove cidades da Europa e da América do Norte. Nesse sentido, houve um consenso relacionado ao compartilhamento dados sobre acidentes, população, mobilidade e tráfego. O sucesso do projeto deu origem à ideia de uma rede mundial. O projeto Safer City Streets é desenvolvido e modelado na rede global de segurança rodoviária dos países hospedados pelo ITF (conhecido como International Traffic Safety Data and Analysis Group, ou IRTAD), que existe há mais de 25 anos. O grupo IRTAD foi reconhecido pela Organização Mundial de Saúde como “um modelo de um esforço de vários países” e seus dados de colisão como “simplesmente o melhor do mundo” pela Global NCAP, o programa de avaliação de carros.