16 de novembro de 2021 em Mobilidade

Fortaleza registra o trimestre de agosto a outubro menos violento no trânsito dos últimos 20 anos

Os meses de agosto, setembro e outubro tiveram redução de mais de 50% de vítimas fatais no trânsito na comparação com a média do mesmo período nos últimos 20 anos


vias50km
Ações integradas que envolvem educação no trânsito, engenharia - como a expansão das vias com velocidade de 50 km/h -, e fiscalização preventiva tornam as vias da Capital menos violentas

A política de segurança viária integrada tem reduzido o número de mortes nas vias de Fortaleza. De acordo com levantamento da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), os meses de agosto, setembro e outubro somaram 39 mortes ocasionadas por acidentes em vias da Capital. Nos últimos 20 anos, a média desse trimestre era de 83 mortes em vias. Isso representa uma redução de 53%. O resultado é o menor desde o início da série histórica, em 2001.

Outubro deste ano foi também o menos violento para o mês em 20 anos. Foram registradas 13 mortes ocasionadas por sinistros de trânsito, uma redução pela metade no número de óbitos se comparada à média de 27 mortes registradas para o mesmo mês em anos anteriores.

A redução da violência no trânsito é atribuída às ações conjuntas que envolvem educação no trânsito, engenharia - como a expansão das vias com velocidade de 50 km/h -, e fiscalização preventiva. Essas políticas de segurança viária têm como base o constante monitoramento de dados, que auxiliam no planejamento e na tomada de decisões. "A Prefeitura de Fortaleza faz o acompanhamento de todas as pessoas que perdem a vida no nosso trânsito. Há mais de 20 anos temos um banco de dados que compila todas as informações, com análise estatística mês a mês, para que consigamos planejar e executar ações para evitar que mais pessoas sejam vítimas, tanto feridas quanto fatais em sinistros aqui na Capital", aponta a superintendente da AMC, Juliana Coelho.

Perfil das vítimas

Os condutores de motocicletas continuam sendo os mais vulneráveis no trânsito de Fortaleza. Em outubro, sete usuários de motocicletas morreram no período, o que equivale a mais da metade (53%) das mortes, resultado semelhante aos meses anteriores. Os outros sinistros envolveram três pedestres (23%), dois ocupantes de carro (16%) e um ciclista (8%).

"O motociclista é o condutor que mais se fere e também morre no trânsito de Fortaleza. Nós temos intensificado ações de fiscalização e educação para estes condutores, de forma a mudar o comportamento de risco que alguns adotam e se tornam mais vulneráveis de sofrer algum sinistro", pontua Juliana Coelho.

A AMC continua ofertando gratuitamente o curso de pilotagem segura para motociclistas. A formação tem como meta desenvolver habilidades na condução do veículo para enfrentar qualquer situação no trânsito e estimular um comportamento mais seguro para que não se envolvam em sinistros.

A intensificação da fiscalização nas ruas também está mantida. Para aumentar a segurança viária, a operação Saturação pela Vida, parceria com a Guarda Municipal de Fortaleza e a Polícia Rodoviária Estadual (PRE), realizou 17.842 abordagens em outubro. Essas blitze resultaram em mais de 3 mil condutores submetidos aos testes de alcoolemia, sendo 26 testes positivos e 167 recusas, o que indica ingestão de álcool.

A escolha dos locais da fiscalização é definida com base no acompanhamento feito pela Plataforma Vida, que indica os bairros com maior índice de sinistros de trânsito.

Redução de mortes

Assim como outubro, Fortaleza já havia registrado no último mês de setembro o menor número de mortes nas vias, se comparado ao mesmo período nos últimos 20 anos. Com a consolidação dos dados, foram onze óbitos contabilizados, o que representa uma redução de 60%. Cerca de 25 pessoas perderam a vida, em média, nos meses de setembro desde 2001. Com resultado semelhante no mês passado, a expectativa é que 2021 seja o sétimo ano consecutivo de redução de mortes em sinistros de trânsito. O ano registra até o momento 155 óbitos.

Fortaleza registra o trimestre de agosto a outubro menos violento no trânsito dos últimos 20 anos

Os meses de agosto, setembro e outubro tiveram redução de mais de 50% de vítimas fatais no trânsito na comparação com a média do mesmo período nos últimos 20 anos

vias50km
Ações integradas que envolvem educação no trânsito, engenharia - como a expansão das vias com velocidade de 50 km/h -, e fiscalização preventiva tornam as vias da Capital menos violentas

A política de segurança viária integrada tem reduzido o número de mortes nas vias de Fortaleza. De acordo com levantamento da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), os meses de agosto, setembro e outubro somaram 39 mortes ocasionadas por acidentes em vias da Capital. Nos últimos 20 anos, a média desse trimestre era de 83 mortes em vias. Isso representa uma redução de 53%. O resultado é o menor desde o início da série histórica, em 2001.

Outubro deste ano foi também o menos violento para o mês em 20 anos. Foram registradas 13 mortes ocasionadas por sinistros de trânsito, uma redução pela metade no número de óbitos se comparada à média de 27 mortes registradas para o mesmo mês em anos anteriores.

A redução da violência no trânsito é atribuída às ações conjuntas que envolvem educação no trânsito, engenharia - como a expansão das vias com velocidade de 50 km/h -, e fiscalização preventiva. Essas políticas de segurança viária têm como base o constante monitoramento de dados, que auxiliam no planejamento e na tomada de decisões. "A Prefeitura de Fortaleza faz o acompanhamento de todas as pessoas que perdem a vida no nosso trânsito. Há mais de 20 anos temos um banco de dados que compila todas as informações, com análise estatística mês a mês, para que consigamos planejar e executar ações para evitar que mais pessoas sejam vítimas, tanto feridas quanto fatais em sinistros aqui na Capital", aponta a superintendente da AMC, Juliana Coelho.

Perfil das vítimas

Os condutores de motocicletas continuam sendo os mais vulneráveis no trânsito de Fortaleza. Em outubro, sete usuários de motocicletas morreram no período, o que equivale a mais da metade (53%) das mortes, resultado semelhante aos meses anteriores. Os outros sinistros envolveram três pedestres (23%), dois ocupantes de carro (16%) e um ciclista (8%).

"O motociclista é o condutor que mais se fere e também morre no trânsito de Fortaleza. Nós temos intensificado ações de fiscalização e educação para estes condutores, de forma a mudar o comportamento de risco que alguns adotam e se tornam mais vulneráveis de sofrer algum sinistro", pontua Juliana Coelho.

A AMC continua ofertando gratuitamente o curso de pilotagem segura para motociclistas. A formação tem como meta desenvolver habilidades na condução do veículo para enfrentar qualquer situação no trânsito e estimular um comportamento mais seguro para que não se envolvam em sinistros.

A intensificação da fiscalização nas ruas também está mantida. Para aumentar a segurança viária, a operação Saturação pela Vida, parceria com a Guarda Municipal de Fortaleza e a Polícia Rodoviária Estadual (PRE), realizou 17.842 abordagens em outubro. Essas blitze resultaram em mais de 3 mil condutores submetidos aos testes de alcoolemia, sendo 26 testes positivos e 167 recusas, o que indica ingestão de álcool.

A escolha dos locais da fiscalização é definida com base no acompanhamento feito pela Plataforma Vida, que indica os bairros com maior índice de sinistros de trânsito.

Redução de mortes

Assim como outubro, Fortaleza já havia registrado no último mês de setembro o menor número de mortes nas vias, se comparado ao mesmo período nos últimos 20 anos. Com a consolidação dos dados, foram onze óbitos contabilizados, o que representa uma redução de 60%. Cerca de 25 pessoas perderam a vida, em média, nos meses de setembro desde 2001. Com resultado semelhante no mês passado, a expectativa é que 2021 seja o sétimo ano consecutivo de redução de mortes em sinistros de trânsito. O ano registra até o momento 155 óbitos.