11 de maio de 2022 em Juventude

Liderança Jovem: intercambistas retornam a Fortaleza para realizar intervenções sociais em suas comunidades

O programa é uma iniciativa da Prefeitura de Fortaleza por meio da Secretaria Municipal da Juventude


grupo de pessoas posa para a foto
Desembarque dos selecionados do Liderança Jovem em Fortaleza ocorreu na última terça-feira (10/05) (Foto: Rodrigo Carvalho)

Os selecionados do Liderança Jovem desembarcaram em Fortaleza na última terça-feira (10/05), após intercâmbio social de oito semanas pelo Brasil. O programa é uma iniciativa da Prefeitura de Fortaleza por meio da Secretaria Municipal da Juventude, e selecionou jovens de 18 a 29 anos que já tenham atuado em projetos sociais. Agora, as lideranças devem realizar intervenções nas suas comunidades com base na experiência adquirida.

Com 19 anos, Aisha Paz sempre prezou pela justiça social. Atuou com políticas públicas, tem experiência na execução de soluções sustentáveis e já possui sua própria organização. A jovem busca crescer profissionalmente em seus papéis sociais, e foi no Liderança que ela viu a chance de se aperfeiçoar como líder jovem. “Uma das coisas mais legais que conquistei aqui foi a conexão com outros líderes mais experientes e outros menos. A experiência macro é muito importante, mas meu maior ganho foi na micro, conhecer os líderes com quem eu estava convivendo e trabalhando”, relata a jovem, que viveu a experiência social em Recife.

No total, 66 inscritos foram selecionados para passar oito semanas nas seguintes cidades do Brasil: Campo Grande (MS), Manaus (AM), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP). Os jovens, durante o intercâmbio, atuaram como voluntários em Organizações Não Governamentais (ONGs), a fim de ganhar experiência e aprendizado para, ao fim do LJ, realizar uma intervenção social em sua comunidade.

Durante o intercâmbio, os jovens tiveram reuniões semanais de acompanhamento e atendimento psicossocial à disposição, conforme explica a coordenadora do programa, Jéssica Santana. “A participação dos jovens tem sido excelente, eles se mostraram muito eficientes, dedicados e independentes nos seus processos”, aponta. O acompanhamento segue em Fortaleza nesta segunda etapa do programa.

“Os projetos de intervenção estão a todo vapor, os jovens estão muito animados. Nas reuniões semanais de acompanhamento psicossocial, tivemos também exercícios para trabalhar as ideias e colocá-las no papel. Temos uma diversidade de líderes e projetos, as expectativas são muito grandes. Os projetos estão com muita identidade e atrelados a experiência que cada um teve”, ressalta a coordenadora.

João Rafael da Silva Tomé, de 27 anos, viveu a experiência em Manaus. O jovem atuou na ONG Hermanitos, um centro de apoio aos venezuelanos. Para ele, as conexões que adquiriu no projeto foram essenciais, pois conheceu pessoas e organizações importantes que contribuíram para o seu aprendizado. “Esse Intercâmbio tem a possibilidade de mudar sua vida, mas só vai depender de você. O conselho que mais escutei antes de vir, foi: ‘faça sua parte e dê seu melhor’”, relata.

Quando retornar, Rafael pretende aplicar seus conhecimentos na comunidade de Miguel Arraes, no bairro Siqueira. O jovem quer levar uma programação de exercícios para idosos, realizar inclusão social de crianças e adolescentes através do esporte e colaborar na alfabetização do complexo da Lagoa da Viúva.

Liderança Jovem: intercambistas retornam a Fortaleza para realizar intervenções sociais em suas comunidades

O programa é uma iniciativa da Prefeitura de Fortaleza por meio da Secretaria Municipal da Juventude

grupo de pessoas posa para a foto
Desembarque dos selecionados do Liderança Jovem em Fortaleza ocorreu na última terça-feira (10/05) (Foto: Rodrigo Carvalho)

Os selecionados do Liderança Jovem desembarcaram em Fortaleza na última terça-feira (10/05), após intercâmbio social de oito semanas pelo Brasil. O programa é uma iniciativa da Prefeitura de Fortaleza por meio da Secretaria Municipal da Juventude, e selecionou jovens de 18 a 29 anos que já tenham atuado em projetos sociais. Agora, as lideranças devem realizar intervenções nas suas comunidades com base na experiência adquirida.

Com 19 anos, Aisha Paz sempre prezou pela justiça social. Atuou com políticas públicas, tem experiência na execução de soluções sustentáveis e já possui sua própria organização. A jovem busca crescer profissionalmente em seus papéis sociais, e foi no Liderança que ela viu a chance de se aperfeiçoar como líder jovem. “Uma das coisas mais legais que conquistei aqui foi a conexão com outros líderes mais experientes e outros menos. A experiência macro é muito importante, mas meu maior ganho foi na micro, conhecer os líderes com quem eu estava convivendo e trabalhando”, relata a jovem, que viveu a experiência social em Recife.

No total, 66 inscritos foram selecionados para passar oito semanas nas seguintes cidades do Brasil: Campo Grande (MS), Manaus (AM), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP). Os jovens, durante o intercâmbio, atuaram como voluntários em Organizações Não Governamentais (ONGs), a fim de ganhar experiência e aprendizado para, ao fim do LJ, realizar uma intervenção social em sua comunidade.

Durante o intercâmbio, os jovens tiveram reuniões semanais de acompanhamento e atendimento psicossocial à disposição, conforme explica a coordenadora do programa, Jéssica Santana. “A participação dos jovens tem sido excelente, eles se mostraram muito eficientes, dedicados e independentes nos seus processos”, aponta. O acompanhamento segue em Fortaleza nesta segunda etapa do programa.

“Os projetos de intervenção estão a todo vapor, os jovens estão muito animados. Nas reuniões semanais de acompanhamento psicossocial, tivemos também exercícios para trabalhar as ideias e colocá-las no papel. Temos uma diversidade de líderes e projetos, as expectativas são muito grandes. Os projetos estão com muita identidade e atrelados a experiência que cada um teve”, ressalta a coordenadora.

João Rafael da Silva Tomé, de 27 anos, viveu a experiência em Manaus. O jovem atuou na ONG Hermanitos, um centro de apoio aos venezuelanos. Para ele, as conexões que adquiriu no projeto foram essenciais, pois conheceu pessoas e organizações importantes que contribuíram para o seu aprendizado. “Esse Intercâmbio tem a possibilidade de mudar sua vida, mas só vai depender de você. O conselho que mais escutei antes de vir, foi: ‘faça sua parte e dê seu melhor’”, relata.

Quando retornar, Rafael pretende aplicar seus conhecimentos na comunidade de Miguel Arraes, no bairro Siqueira. O jovem quer levar uma programação de exercícios para idosos, realizar inclusão social de crianças e adolescentes através do esporte e colaborar na alfabetização do complexo da Lagoa da Viúva.