30 de maio de 2019 em Mobilidade

Operação integrada de combate a comportamentos inadequados no trânsito marca encerramento do Maio Amarelo

A campanha, que visa combater comportamentos de risco adotados pelos motoristas, foi realizada ao longo deste mês nas vias com alta taxa de acidentalidade


A Prefeitura de Fortaleza, por meio da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), participa de uma operação integrada que acontece nesta sexta-feira (31/05), a partir das 11 horas, nas ruas da Capital, em alusão ao encerramento do Maio Amarelo. A campanha, que visa combater comportamentos de risco adotados pelos motoristas, foi realizada ao longo deste mês nas vias onde se verifica alta taxa de acidentalidade e tem como objetivo coibir a prática perigosa de misturar álcool e direção e o uso incorreto do capacete. A ação desta sexta-feira irá reunir Polícia Rodoviária Estadual (PRE), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Guarda Municipal de Fortaleza (GMF) e Departamento Estadual de Trânsito (Detran). A iniciativa conta com o apoio da Iniciativa Bloomberg de Segurança Viária.

Embora nos últimos quatro anos Fortaleza tenha registrado uma redução de 40% no número de acidentes fatais, caindo de 377 óbitos em 2014 para 226 no ano passado, o trabalho é contínuo para que esse índice reduza cada vez mais. “Nenhuma morte é tolerável no trânsito. Por isso, a nossa atuação visa a coibir os fatores de risco responsáveis por ferimentos graves e mortes, além de conscientizar que o cumprimento às normas de circulação salva vidas”, atenta Disraelli Brasil, gerente de Operação e Fiscalização da AMC.

Dentre os principais fatores de risco, destaca-se a ingestão de álcool. Mesmo uma pequena dose de bebida alcoólica pode comprometer os reflexos e a concentração do motorista, contribuindo para a ocorrência de acidentes graves e fatais. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), um condutor que desrespeita a lei com um copo de cerveja, por exemplo, tem três vezes mais chance de morrer em um acidente do que um condutor sóbrio.

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), a tolerância de álcool é ZERO. Conduzir veículo automotor sob influência de álcool é uma infração de natureza gravíssima X 10, multa no valor de R$ 2.934,70, recolhimento e suspensão da habilitação por 12 meses e retenção do veículo até apresentação de outro condutor habilitado apto a conduzir o veículo. Se a concentração for igual ou superior a 0,30 miligramas de álcool por litro de ar alveolar ou o motorista tenha sinais que indiquem alteração de capacidade psicomotora, o mesmo ainda poderá ser preso. A pena varia de seis meses a três anos.

Outra conduta bastante frequente observada nas operações é o não uso do capacete. O Art. 244 do CTB, diz que conduzir motocicleta, motoneta e ciclomotor sem usar capacete de segurança com viseira ou óculos de proteção e vestuário de acordo com as normas e especificações aprovadas pelo Conselho Nacional de Trânsito ou transportar o passageiro sem esse utensílio se configura como uma infração de natureza gravíssima, sete pontos no prontuário do condutor, multa no valor de R$ 293,47 e suspensão do direito de dirigir, além de recolhimento da habilitação.

História do Maio Amarelo

O movimento teve início por iniciativa do Observatório Nacional de Segurança Viária e desde então vem ganhando adeptos não só no Brasil, mas também em outros países. Assim como o Outubro Rosa e o Novembro Azul, que tratam dos temas câncer de mama e próstata, o Maio Amarelo procura estimular ações voltadas à conscientização, ao amplo debate das responsabilidades e à avaliação de riscos sobre o comportamento de cada cidadão, dentro de seus deslocamentos diários no trânsito. A Prefeitura de Fortaleza é signatária do movimento desde 2015 e organiza ações de educação, mobilização, além de implementar infraestrutura de segurança em pontos estratégicos para prevenir acidentes de trânsito, principalmente com mortos e feridos.

Operação integrada de combate a comportamentos inadequados no trânsito marca encerramento do Maio Amarelo

A campanha, que visa combater comportamentos de risco adotados pelos motoristas, foi realizada ao longo deste mês nas vias com alta taxa de acidentalidade

A Prefeitura de Fortaleza, por meio da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), participa de uma operação integrada que acontece nesta sexta-feira (31/05), a partir das 11 horas, nas ruas da Capital, em alusão ao encerramento do Maio Amarelo. A campanha, que visa combater comportamentos de risco adotados pelos motoristas, foi realizada ao longo deste mês nas vias onde se verifica alta taxa de acidentalidade e tem como objetivo coibir a prática perigosa de misturar álcool e direção e o uso incorreto do capacete. A ação desta sexta-feira irá reunir Polícia Rodoviária Estadual (PRE), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Guarda Municipal de Fortaleza (GMF) e Departamento Estadual de Trânsito (Detran). A iniciativa conta com o apoio da Iniciativa Bloomberg de Segurança Viária.

Embora nos últimos quatro anos Fortaleza tenha registrado uma redução de 40% no número de acidentes fatais, caindo de 377 óbitos em 2014 para 226 no ano passado, o trabalho é contínuo para que esse índice reduza cada vez mais. “Nenhuma morte é tolerável no trânsito. Por isso, a nossa atuação visa a coibir os fatores de risco responsáveis por ferimentos graves e mortes, além de conscientizar que o cumprimento às normas de circulação salva vidas”, atenta Disraelli Brasil, gerente de Operação e Fiscalização da AMC.

Dentre os principais fatores de risco, destaca-se a ingestão de álcool. Mesmo uma pequena dose de bebida alcoólica pode comprometer os reflexos e a concentração do motorista, contribuindo para a ocorrência de acidentes graves e fatais. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), um condutor que desrespeita a lei com um copo de cerveja, por exemplo, tem três vezes mais chance de morrer em um acidente do que um condutor sóbrio.

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), a tolerância de álcool é ZERO. Conduzir veículo automotor sob influência de álcool é uma infração de natureza gravíssima X 10, multa no valor de R$ 2.934,70, recolhimento e suspensão da habilitação por 12 meses e retenção do veículo até apresentação de outro condutor habilitado apto a conduzir o veículo. Se a concentração for igual ou superior a 0,30 miligramas de álcool por litro de ar alveolar ou o motorista tenha sinais que indiquem alteração de capacidade psicomotora, o mesmo ainda poderá ser preso. A pena varia de seis meses a três anos.

Outra conduta bastante frequente observada nas operações é o não uso do capacete. O Art. 244 do CTB, diz que conduzir motocicleta, motoneta e ciclomotor sem usar capacete de segurança com viseira ou óculos de proteção e vestuário de acordo com as normas e especificações aprovadas pelo Conselho Nacional de Trânsito ou transportar o passageiro sem esse utensílio se configura como uma infração de natureza gravíssima, sete pontos no prontuário do condutor, multa no valor de R$ 293,47 e suspensão do direito de dirigir, além de recolhimento da habilitação.

História do Maio Amarelo

O movimento teve início por iniciativa do Observatório Nacional de Segurança Viária e desde então vem ganhando adeptos não só no Brasil, mas também em outros países. Assim como o Outubro Rosa e o Novembro Azul, que tratam dos temas câncer de mama e próstata, o Maio Amarelo procura estimular ações voltadas à conscientização, ao amplo debate das responsabilidades e à avaliação de riscos sobre o comportamento de cada cidadão, dentro de seus deslocamentos diários no trânsito. A Prefeitura de Fortaleza é signatária do movimento desde 2015 e organiza ações de educação, mobilização, além de implementar infraestrutura de segurança em pontos estratégicos para prevenir acidentes de trânsito, principalmente com mortos e feridos.