Operação Inverno 2020 chega ao bairro Bom Jardim

14 de novembro de 2019 em Saúde

Operação Inverno 2020 chega ao bairro Bom Jardim

Prefeitura de Fortaleza realiza mutirão de combate às arbovirores em visita a 12.500 domicílios


Agente de saúde abaixado verificando quintal de casa e duas mulheres em pé atrás
1.200 profissionais da Coordenadoria de Vigilância Ambiental de Fortaleza foram colocados à disposição para orientar a população e eliminar potenciais criadouros do mosquito

A Prefeitura de Fortaleza realizou, na manhã desta quinta-feira (14/11), o mutirão municipal de combate às arboviroses, no bairro Bom Jardim (Regional V). A ação faz parte da Operação Inverno 2020, definida pelo Comitê Intersetorial de Combate às Arboviroses. As atividades seguem até dezembro deste ano, período que antecede a quadra chuvosa e têm como objetivo intensificar a prevenção e o controle de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.

Para bater a meta de visitar, só nesta manhã, 12.500 domicílios, 1.200 profissionais da Coordenadoria de Vigilância Ambiental de Fortaleza foram colocados à disposição para orientar a população e eliminar potenciais criadouros do mosquito. "Nossa maior preocupação é eliminar objetos indevidos nas áreas externas, terrenos baldios, bolsões de lixo, sobretudo, no quintal da casa das pessoas. Um simples recipiente pequeno ou um pneu merece muita atenção. Porque é lá onde o Aedes aegypti põe os ovos que, entrando em contato com a água limpa, transformam-se em larvas. Atentamos também para quem tem o hábito de juntar a água da chuva. Já encontramos relatos como este associados a pessoas que tiveram a Chikungunya, por exemplo", relatou Nélio Morais, titular da Coordenadoria de Vigilância em Saúde (COVIS).

Ouça o depoimento de Nélio Morais, titular da Coordenadoria de Vigilância em Saúde (COVIS):

senhora idosa sorrindo para a foto
Para dona Idelzuíte Evangelista, é preciso se preparar para este momento que antecede o período da quadra chuvosa

A operação é realizada em quadras com maior índice de infestação do Aedes aegypti. Os agentes do Núcleo de Educação em Saúde e Mobilização Social (NESMS) abordam moradores de imóveis e fornecem sacos plásticos para recolhimento de material reciclável que possa ser criadouro do mosquito. Segundo Afonso Barbosa, superintendente de Endemias, o Bom Jardim é um dos bairros de grande preocupação epidemiológica, o segundo em maior transmissão de dengue e o primeiro em Chikungunya. Por isso, é preciso fortalecer o diálogo com a população. "Nossa abordagem com a população é no sentido de compartilhar esse enfrentamento. A Prefeitura tem sua responsabilidade, mas isso não exclui a da população. Estamos na perspectiva de dialogar, orientar e utilizar esse período de final de ano para conscientizar os fortalezenses sobre as correções que precisam ser feitas", comentou.

Uma das casas visitadas foi a da dona Idelzuíte Evangelista, aposentada de 66 anos. Para ela, é preciso se preparar para este momento que antecede o período da quadra chuvosa e evitar as temidas doenças que já afetaram pessoas de sua família. "Minha nora já teve as duas, dengue e Chikungunya. Ela sente dores nos ossos até hoje. Por isso é bom ter essas visitas. Eu sempre aumento os cuidados, limpo a casa e o quintal todos os dias. Graças a Deus eu nunca peguei a dengue", disse.

Até novembro, a Operação Inverno 2020 já soma 412.995 imóveis visitados. Três bairros já receberam o mutirão: Mondubim, Serrinha e Bom Jardim. Até dezembro, estão previstas ainda duas outras ações nos bairros com maior histórico de casos de arboviroses: Jangurussu (29/11) e Centro (06/12). Desta forma, o intuito é reduzir o índice de doenças e sensibilizar a população sobre as práticas preventivas a serem adotadas para as medidas de controle.

rapaz de jaleco branco afrindo pressão arterial de senhora
Durante o mutirão, a população também teve acesso a serviços como corte de cabelo, vacinação, aferição de pressão arterial e teste de glicemia

Ação social

Durante o mutirão, a população do bairro Bom Jardim também teve acesso a uma série de serviços como corte de cabelo, vacinação, aferição de pressão arterial, teste de glicemia, entre outros. Cães e gatos receberam vacinação antirrábica, teste de Calazar e distribuição de amostras de ração. A ação social contou com a parceria das secretarias municipais de Conservação e Serviços Públicos (SCSP), Saúde (SMS), Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma), Regional V e da Agência de Fiscalização de Fortaleza (AGEFIS). "Nosso objetivo é conseguir controlar o aumento das arboviroses. A gente consegue fazer o trabalho educativo por meio da população, do envolvimento dela. A comunidade abraçou a causa e os casos diminuíram", afirmou Ricardo dos Santos, coordenador do Núcleo de Educação em Saúde e Mobilização Social (Nesms).

Uma unidade móvel da Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) prestou atendimento por meio da emissão de Bilhete Único, o serviço mais procurado, segundo Nayana Pires, articuladora da unidade. "É muito cômodo. O ônibus está na porta da casa servindo à comunidade. E é simples de tirar o Bilhete. Só precisa de RG, CPF, comprovante de residência. O atendimento é rápido, de cinco a dez minutos", disse.

CLIQUE AQUI PARA BAIXAR MAIS FOTOS

Operação Inverno 2020 chega ao bairro Bom Jardim

Prefeitura de Fortaleza realiza mutirão de combate às arbovirores em visita a 12.500 domicílios

Agente de saúde abaixado verificando quintal de casa e duas mulheres em pé atrás
1.200 profissionais da Coordenadoria de Vigilância Ambiental de Fortaleza foram colocados à disposição para orientar a população e eliminar potenciais criadouros do mosquito

A Prefeitura de Fortaleza realizou, na manhã desta quinta-feira (14/11), o mutirão municipal de combate às arboviroses, no bairro Bom Jardim (Regional V). A ação faz parte da Operação Inverno 2020, definida pelo Comitê Intersetorial de Combate às Arboviroses. As atividades seguem até dezembro deste ano, período que antecede a quadra chuvosa e têm como objetivo intensificar a prevenção e o controle de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.

Para bater a meta de visitar, só nesta manhã, 12.500 domicílios, 1.200 profissionais da Coordenadoria de Vigilância Ambiental de Fortaleza foram colocados à disposição para orientar a população e eliminar potenciais criadouros do mosquito. "Nossa maior preocupação é eliminar objetos indevidos nas áreas externas, terrenos baldios, bolsões de lixo, sobretudo, no quintal da casa das pessoas. Um simples recipiente pequeno ou um pneu merece muita atenção. Porque é lá onde o Aedes aegypti põe os ovos que, entrando em contato com a água limpa, transformam-se em larvas. Atentamos também para quem tem o hábito de juntar a água da chuva. Já encontramos relatos como este associados a pessoas que tiveram a Chikungunya, por exemplo", relatou Nélio Morais, titular da Coordenadoria de Vigilância em Saúde (COVIS).

Ouça o depoimento de Nélio Morais, titular da Coordenadoria de Vigilância em Saúde (COVIS):

senhora idosa sorrindo para a foto
Para dona Idelzuíte Evangelista, é preciso se preparar para este momento que antecede o período da quadra chuvosa

A operação é realizada em quadras com maior índice de infestação do Aedes aegypti. Os agentes do Núcleo de Educação em Saúde e Mobilização Social (NESMS) abordam moradores de imóveis e fornecem sacos plásticos para recolhimento de material reciclável que possa ser criadouro do mosquito. Segundo Afonso Barbosa, superintendente de Endemias, o Bom Jardim é um dos bairros de grande preocupação epidemiológica, o segundo em maior transmissão de dengue e o primeiro em Chikungunya. Por isso, é preciso fortalecer o diálogo com a população. "Nossa abordagem com a população é no sentido de compartilhar esse enfrentamento. A Prefeitura tem sua responsabilidade, mas isso não exclui a da população. Estamos na perspectiva de dialogar, orientar e utilizar esse período de final de ano para conscientizar os fortalezenses sobre as correções que precisam ser feitas", comentou.

Uma das casas visitadas foi a da dona Idelzuíte Evangelista, aposentada de 66 anos. Para ela, é preciso se preparar para este momento que antecede o período da quadra chuvosa e evitar as temidas doenças que já afetaram pessoas de sua família. "Minha nora já teve as duas, dengue e Chikungunya. Ela sente dores nos ossos até hoje. Por isso é bom ter essas visitas. Eu sempre aumento os cuidados, limpo a casa e o quintal todos os dias. Graças a Deus eu nunca peguei a dengue", disse.

Até novembro, a Operação Inverno 2020 já soma 412.995 imóveis visitados. Três bairros já receberam o mutirão: Mondubim, Serrinha e Bom Jardim. Até dezembro, estão previstas ainda duas outras ações nos bairros com maior histórico de casos de arboviroses: Jangurussu (29/11) e Centro (06/12). Desta forma, o intuito é reduzir o índice de doenças e sensibilizar a população sobre as práticas preventivas a serem adotadas para as medidas de controle.

rapaz de jaleco branco afrindo pressão arterial de senhora
Durante o mutirão, a população também teve acesso a serviços como corte de cabelo, vacinação, aferição de pressão arterial e teste de glicemia

Ação social

Durante o mutirão, a população do bairro Bom Jardim também teve acesso a uma série de serviços como corte de cabelo, vacinação, aferição de pressão arterial, teste de glicemia, entre outros. Cães e gatos receberam vacinação antirrábica, teste de Calazar e distribuição de amostras de ração. A ação social contou com a parceria das secretarias municipais de Conservação e Serviços Públicos (SCSP), Saúde (SMS), Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma), Regional V e da Agência de Fiscalização de Fortaleza (AGEFIS). "Nosso objetivo é conseguir controlar o aumento das arboviroses. A gente consegue fazer o trabalho educativo por meio da população, do envolvimento dela. A comunidade abraçou a causa e os casos diminuíram", afirmou Ricardo dos Santos, coordenador do Núcleo de Educação em Saúde e Mobilização Social (Nesms).

Uma unidade móvel da Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) prestou atendimento por meio da emissão de Bilhete Único, o serviço mais procurado, segundo Nayana Pires, articuladora da unidade. "É muito cômodo. O ônibus está na porta da casa servindo à comunidade. E é simples de tirar o Bilhete. Só precisa de RG, CPF, comprovante de residência. O atendimento é rápido, de cinco a dez minutos", disse.

CLIQUE AQUI PARA BAIXAR MAIS FOTOS