12 de maio de 2018 em Saúde

Prefeito Roberto Cláudio acompanha Dia D da vacinação contra influenza em Fortaleza

O Dia D envolveu os 110 postos de saúde e mini postos da Capital.


prefeito roberto cláudio aplica inejeção em mulher
O Prefeito destacou que Fortaleza será uma das primeiras cidades do Brasil a cobrir a vacinação em 100% dos grupos prioritários
Fortaleza chegou ao Dia D de imunização contra a influenza (H1N1), neste sábado (12/5), com a cobertura vacinal de mais de 52% da população que faz parte do grupo prioritário determinado pelo Ministério da Saúde. O prefeito Roberto Cláudio acompanhou a movimentação e o trabalhos dos profissionais no Posto de Saúde Irmã Hercília Aragão, no bairro São do Tauape. O Dia D envolveu os 110 postos de saúde e mini postos da Capital.

O índice de 52%, segundo Roberto Cláudio, foi alcançado graças ao trabalho de parceria entre a Prefeitura de Fortaleza e Governo do Estado, com apoio total do Ministério da Saúde. “Iniciamos a campanha de vacinação três semanas antes do dia “D” nacional. Somos uma das cidades do Brasil com o maior nível de vacinação”, destaca o Prefeito.

Roberto Cláudio registrou ainda a gratidão ao trabalho dos servidores da saúde do Município que não mediram esforços em abraçar a campanha contra a Influenza: “Os profissionais de desdobraram, principalmente, nos sábados e, às vezes, nos domingos, para aumentar com rapidez a cobertura do H1N1”.

O Prefeito destacou que Fortaleza será uma das primeiras cidades do Brasil a cobrir a vacinação em 100% dos grupos prioritários. A meta de vacinação da capital é alcançar um total de 630 mil pessoas.

Vacinação

O posto de saúde Irmã Hercília Aragão disponibilizou três salas para o atendimento da população, sendo duas para o público adulto e outra para receber as crianças. Pedro Melo, de 10 anos, chegou acompanhado do pai Jeová Melo. Meio apreensivo, Pedro não esperou muito tempo para receber a vacina. “Eu estava com medo, mas agora eu vi que não é nada demais”, disse.

O médico aposentado José Maria Vasconcelos, de 81 anos, elogiou o atendimento no posto. “Está sendo muito tranquilo. As pessoas podem vir com serenidade. A vacinação é muito importante”, alertou.

Até a última quarta-feira (9/5), Fortaleza registrou 283.844 pessoas vacinadas, sendo a segunda capital do Brasil com o melhor percentual de cobertura vacinal até o momento. Segundo o Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde (Datasus), entre os grupos prioritários, a maior cobertura está entre os professores (72,4%), seguido de trabalhadores de saúde (60,23%), Puérperas (46,67%), idosos (44,12%), além de crianças (37,38%) e gestantes (36,46%).

Grupo prioritário

A Campanha segue imunizando os grupos prioritários: Pessoas com 60 anos ou mais; Crianças na faixa etária de seis meses a menores de cinco anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias); Gestantes; Puérperas (até 45 dias após o parto); Trabalhadores da Área de Saúde que atuam no enfrentamento às influenzas; Professores das escolas públicas e privadas (mediante comprovação profissional); Grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais (estes deverão apresentar uma receita, recente, de medicação que comprove a situação clínica, ou receita médica).

Prefeito Roberto Cláudio acompanha Dia D da vacinação contra influenza em Fortaleza

O Dia D envolveu os 110 postos de saúde e mini postos da Capital.

prefeito roberto cláudio aplica inejeção em mulher
O Prefeito destacou que Fortaleza será uma das primeiras cidades do Brasil a cobrir a vacinação em 100% dos grupos prioritários
Fortaleza chegou ao Dia D de imunização contra a influenza (H1N1), neste sábado (12/5), com a cobertura vacinal de mais de 52% da população que faz parte do grupo prioritário determinado pelo Ministério da Saúde. O prefeito Roberto Cláudio acompanhou a movimentação e o trabalhos dos profissionais no Posto de Saúde Irmã Hercília Aragão, no bairro São do Tauape. O Dia D envolveu os 110 postos de saúde e mini postos da Capital.

O índice de 52%, segundo Roberto Cláudio, foi alcançado graças ao trabalho de parceria entre a Prefeitura de Fortaleza e Governo do Estado, com apoio total do Ministério da Saúde. “Iniciamos a campanha de vacinação três semanas antes do dia “D” nacional. Somos uma das cidades do Brasil com o maior nível de vacinação”, destaca o Prefeito.

Roberto Cláudio registrou ainda a gratidão ao trabalho dos servidores da saúde do Município que não mediram esforços em abraçar a campanha contra a Influenza: “Os profissionais de desdobraram, principalmente, nos sábados e, às vezes, nos domingos, para aumentar com rapidez a cobertura do H1N1”.

O Prefeito destacou que Fortaleza será uma das primeiras cidades do Brasil a cobrir a vacinação em 100% dos grupos prioritários. A meta de vacinação da capital é alcançar um total de 630 mil pessoas.

Vacinação

O posto de saúde Irmã Hercília Aragão disponibilizou três salas para o atendimento da população, sendo duas para o público adulto e outra para receber as crianças. Pedro Melo, de 10 anos, chegou acompanhado do pai Jeová Melo. Meio apreensivo, Pedro não esperou muito tempo para receber a vacina. “Eu estava com medo, mas agora eu vi que não é nada demais”, disse.

O médico aposentado José Maria Vasconcelos, de 81 anos, elogiou o atendimento no posto. “Está sendo muito tranquilo. As pessoas podem vir com serenidade. A vacinação é muito importante”, alertou.

Até a última quarta-feira (9/5), Fortaleza registrou 283.844 pessoas vacinadas, sendo a segunda capital do Brasil com o melhor percentual de cobertura vacinal até o momento. Segundo o Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde (Datasus), entre os grupos prioritários, a maior cobertura está entre os professores (72,4%), seguido de trabalhadores de saúde (60,23%), Puérperas (46,67%), idosos (44,12%), além de crianças (37,38%) e gestantes (36,46%).

Grupo prioritário

A Campanha segue imunizando os grupos prioritários: Pessoas com 60 anos ou mais; Crianças na faixa etária de seis meses a menores de cinco anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias); Gestantes; Puérperas (até 45 dias após o parto); Trabalhadores da Área de Saúde que atuam no enfrentamento às influenzas; Professores das escolas públicas e privadas (mediante comprovação profissional); Grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais (estes deverão apresentar uma receita, recente, de medicação que comprove a situação clínica, ou receita médica).