01 de dezembro de 2019 em Mobilidade

Prefeito Roberto Cláudio entrega requalificação da Rua Liberato Barroso e Projeto Calçada Viva da Rua Barão do Rio Branco

Intervenções garantiram maior acessibilidade, mobilidade e segurança para pedestres e ambulantes


várias pessoas ao redor de uma placa de inauguração
A Rua Barão do Rio Branco recebeu o projeto Calçada Viva, no trecho entre a Avenida Duque de Caxias e Rua Senador Alencar

O prefeito Roberto Cláudio entregou, neste domingo (01/12), duas intervenções no Centro de Fortaleza: a requalificação do calçadão da Rua Liberato Barroso e o Projeto Calçada Viva da Rua Barão do Rio Branco. As obras, realizadas pelas Secretarias de Conservação e Serviços Públicos (SCSP) e Regional Centro, estão na agenda do Projeto Novo Centro, conjunto de intervenções de ordenamento da região central da Capital.

A reforma do calçadão da Liberato Barroso foi iniciada em fevereiro deste ano, entre as ruas General Sampaio e Rua Edgard Borges, e recebeu nova pavimentação, novo mobiliário urbano com bancos e lixeiras, paisagismo, canteiros e iluminação com internalização da fiação e do cabeamento.

Após a reforma, o calçadão passou a atender aos critérios de maior acessibilidade e mobilidade, com a instalação de piso tátil, travessias elevadas e rampas de acesso, além da instalação de quiosques temáticos padronizados para o comércio ambulante. Na Liberato Barroso, 51 quiosques, que beneficiam 204 permissionários, trazem adesivações com conteúdo relativo ao Centro histórico de Fortaleza, mostrando fotos e textos sobre as personalidades que dão nomes às ruas e equipamentos do bairro.

Já a Rua Barão do Rio Branco recebeu o projeto Calçada Viva, no trecho entre a Avenida Duque de Caxias e Rua Senador Alencar, que inclui a extensão das calçadas e novo mobiliário urbano, entre eles 11 paraciclos, 20 lixeiras, 60 jardineiras, 15 jarros e 207 balizadores para ajudar a delimitar o espaço, além de 16 bancos de concreto. Também foram instaladas rampas de acessibilidade e travessias elevadas na Rua Barão do Rio Branco.

A via também traz quiosques para acomodação de ambulantes, somando um total de 50 quiosques e 100 permissionários. Estes resgatam a história de Fortaleza com ilustrações e fotos antigas desde quando a cidade era apenas uma vila, até os dias atuais. O trabalho de resgate histórico contou com o apoio do jornalista, historiador e memorialista Miguel Ângelo de Azevedo e da pesquisadora e memorialista Leila Nobre, idealizadora do site Fortaleza Nobre.

“Os espaços públicos requalificados têm atraído mais pedestres para se congregarem enquanto comunidade. Quando é ofertada uma condição segura, bem estruturada e qualificada de espaço público, as pessoas acabam optando por isso, e com os calçadões a gente tá apostando nisso”, declarou Roberto Cláudio

Conforme o gestor, as intervenções realizadas possuem múltiplas dimensões e uma delas é a questão econômica. Ele afirma que era preciso dar ao calçadão infraestrutura, organização e embelezamento, algo que pudesse atrair o público de clientes para o comércio formal e informal ordenado. “A outra dimensão é a ocupação. Quanto mais garantirmos estruturas como esta, seguras, bem iluminadas, mais gente vai circular pelas ruas do Centro”.

mulher posa para foto sorrindo
A permissionária Patrícia Coelho destacou a organização dos novos quiosques do comércio ambulante

A comerciante e permissionária de um dos novos quiosques, Patrícia Coelho, trabalha no Centro de Fortaleza há cerca de 20 anos. Dentre as vantagens da organização dos quiosques, ela destacou a segurança para os produtos e a ampliação da área para o comércio, além da reorganização das calçadas que, segundo ela, tornou-se um atrativo para os possíveis clientes.

"O visual está lindo demais, um atrativo a mais para as pessoas virem ao Centro, com uma melhor estrutura para as pessoas andarem. É um aconchego, eu me sinto mais protegida. Eu acho muito melhor nesse padrão em todas as bancas, com um aplicativo para encontrar o vendedor, e estamos legalizados, com CNPJ registrado, e é mais fácil o cliente encontrar a gente", elogiou Patrícia.

Calçada Viva

A Rua Barão do Rio Branco foi escolhida para receber o Projeto Calçada Viva após a realização de uma pesquisa sobre o uso e tráfego de pedestres e veículos motorizados pelo local. O levantamento mostra que, enquanto em uma hora, em média, 912 carros trafegam pela via, 1.744 pedestres caminham pelo local, dos quais 192 pessoas andam pelo asfalto por falta de espaço nas calçadas. Com a intervenção, o espaço da via está destinado prioritariamente (60%) aos pedestres, mas os motoristas ainda contam com uma boa parcela da rua (40%).

Antes, os carros tinham 67% da área disponível e quem passava por lá a pé tinha apenas 33% do total. A via também foi escolhida para receber a intervenção pela elevada concentração de estabelecimentos comerciais, que geram um trânsito intenso e também pontos de conflito e acidentalidade, como nos cruzamentos com as ruas Castro e Silva, Pedro I e São Paulo, por exemplo.

Conforme o secretário executivo de Conservação e Serviços Públicos, Luiz Alberto Saboia, historicamente, a divisão do espaço no centro nunca foi equitativa, e o pedestre sempre esteve em segundo plano. A intervenção na Barão do Rio Branco, portanto, criou um ambiente mais confortável e acessível para o pedestre. ‘Isso dá uma condição muito maior ao pedestre, ele pode andar com segurança, e para se ter uma ideia, enquanto passam 900 veículos, passam mais do que o dobro de pedestres somente na Barão do Rio Branco”, pontuou.

O projeto é realizado por meio da Secretaria de Conservação e Serviços Públicos de Fortaleza (SCSP), Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), Autarquia de Urbanismo e Meio Ambiente (Urbfor), Secretaria Regional do Centro e conta com apoio da Câmara de Dirigentes Lojistas de Fortaleza (CDL), além de comerciantes da região. A intervenção na Calçada Viva é realizada em parceria com a Iniciativa Bloomberg de Segurança Viária Global, por meio da Iniciativa Global para o Desenho de Cidades da Associação Nacional de Técnicos em Trânsito e Transporte dos Estados Unidos (NACTO-GDCI na sigla em inglês).

Prefeito Roberto Cláudio entrega requalificação da Rua Liberato Barroso e Projeto Calçada Viva da Rua Barão do Rio Branco

Intervenções garantiram maior acessibilidade, mobilidade e segurança para pedestres e ambulantes

várias pessoas ao redor de uma placa de inauguração
A Rua Barão do Rio Branco recebeu o projeto Calçada Viva, no trecho entre a Avenida Duque de Caxias e Rua Senador Alencar

O prefeito Roberto Cláudio entregou, neste domingo (01/12), duas intervenções no Centro de Fortaleza: a requalificação do calçadão da Rua Liberato Barroso e o Projeto Calçada Viva da Rua Barão do Rio Branco. As obras, realizadas pelas Secretarias de Conservação e Serviços Públicos (SCSP) e Regional Centro, estão na agenda do Projeto Novo Centro, conjunto de intervenções de ordenamento da região central da Capital.

A reforma do calçadão da Liberato Barroso foi iniciada em fevereiro deste ano, entre as ruas General Sampaio e Rua Edgard Borges, e recebeu nova pavimentação, novo mobiliário urbano com bancos e lixeiras, paisagismo, canteiros e iluminação com internalização da fiação e do cabeamento.

Após a reforma, o calçadão passou a atender aos critérios de maior acessibilidade e mobilidade, com a instalação de piso tátil, travessias elevadas e rampas de acesso, além da instalação de quiosques temáticos padronizados para o comércio ambulante. Na Liberato Barroso, 51 quiosques, que beneficiam 204 permissionários, trazem adesivações com conteúdo relativo ao Centro histórico de Fortaleza, mostrando fotos e textos sobre as personalidades que dão nomes às ruas e equipamentos do bairro.

Já a Rua Barão do Rio Branco recebeu o projeto Calçada Viva, no trecho entre a Avenida Duque de Caxias e Rua Senador Alencar, que inclui a extensão das calçadas e novo mobiliário urbano, entre eles 11 paraciclos, 20 lixeiras, 60 jardineiras, 15 jarros e 207 balizadores para ajudar a delimitar o espaço, além de 16 bancos de concreto. Também foram instaladas rampas de acessibilidade e travessias elevadas na Rua Barão do Rio Branco.

A via também traz quiosques para acomodação de ambulantes, somando um total de 50 quiosques e 100 permissionários. Estes resgatam a história de Fortaleza com ilustrações e fotos antigas desde quando a cidade era apenas uma vila, até os dias atuais. O trabalho de resgate histórico contou com o apoio do jornalista, historiador e memorialista Miguel Ângelo de Azevedo e da pesquisadora e memorialista Leila Nobre, idealizadora do site Fortaleza Nobre.

“Os espaços públicos requalificados têm atraído mais pedestres para se congregarem enquanto comunidade. Quando é ofertada uma condição segura, bem estruturada e qualificada de espaço público, as pessoas acabam optando por isso, e com os calçadões a gente tá apostando nisso”, declarou Roberto Cláudio

Conforme o gestor, as intervenções realizadas possuem múltiplas dimensões e uma delas é a questão econômica. Ele afirma que era preciso dar ao calçadão infraestrutura, organização e embelezamento, algo que pudesse atrair o público de clientes para o comércio formal e informal ordenado. “A outra dimensão é a ocupação. Quanto mais garantirmos estruturas como esta, seguras, bem iluminadas, mais gente vai circular pelas ruas do Centro”.

mulher posa para foto sorrindo
A permissionária Patrícia Coelho destacou a organização dos novos quiosques do comércio ambulante

A comerciante e permissionária de um dos novos quiosques, Patrícia Coelho, trabalha no Centro de Fortaleza há cerca de 20 anos. Dentre as vantagens da organização dos quiosques, ela destacou a segurança para os produtos e a ampliação da área para o comércio, além da reorganização das calçadas que, segundo ela, tornou-se um atrativo para os possíveis clientes.

"O visual está lindo demais, um atrativo a mais para as pessoas virem ao Centro, com uma melhor estrutura para as pessoas andarem. É um aconchego, eu me sinto mais protegida. Eu acho muito melhor nesse padrão em todas as bancas, com um aplicativo para encontrar o vendedor, e estamos legalizados, com CNPJ registrado, e é mais fácil o cliente encontrar a gente", elogiou Patrícia.

Calçada Viva

A Rua Barão do Rio Branco foi escolhida para receber o Projeto Calçada Viva após a realização de uma pesquisa sobre o uso e tráfego de pedestres e veículos motorizados pelo local. O levantamento mostra que, enquanto em uma hora, em média, 912 carros trafegam pela via, 1.744 pedestres caminham pelo local, dos quais 192 pessoas andam pelo asfalto por falta de espaço nas calçadas. Com a intervenção, o espaço da via está destinado prioritariamente (60%) aos pedestres, mas os motoristas ainda contam com uma boa parcela da rua (40%).

Antes, os carros tinham 67% da área disponível e quem passava por lá a pé tinha apenas 33% do total. A via também foi escolhida para receber a intervenção pela elevada concentração de estabelecimentos comerciais, que geram um trânsito intenso e também pontos de conflito e acidentalidade, como nos cruzamentos com as ruas Castro e Silva, Pedro I e São Paulo, por exemplo.

Conforme o secretário executivo de Conservação e Serviços Públicos, Luiz Alberto Saboia, historicamente, a divisão do espaço no centro nunca foi equitativa, e o pedestre sempre esteve em segundo plano. A intervenção na Barão do Rio Branco, portanto, criou um ambiente mais confortável e acessível para o pedestre. ‘Isso dá uma condição muito maior ao pedestre, ele pode andar com segurança, e para se ter uma ideia, enquanto passam 900 veículos, passam mais do que o dobro de pedestres somente na Barão do Rio Branco”, pontuou.

O projeto é realizado por meio da Secretaria de Conservação e Serviços Públicos de Fortaleza (SCSP), Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), Autarquia de Urbanismo e Meio Ambiente (Urbfor), Secretaria Regional do Centro e conta com apoio da Câmara de Dirigentes Lojistas de Fortaleza (CDL), além de comerciantes da região. A intervenção na Calçada Viva é realizada em parceria com a Iniciativa Bloomberg de Segurança Viária Global, por meio da Iniciativa Global para o Desenho de Cidades da Associação Nacional de Técnicos em Trânsito e Transporte dos Estados Unidos (NACTO-GDCI na sigla em inglês).