03 de agosto de 2017 em Saúde

Prefeito Roberto Cláudio implanta novo posto de coleta de leite materno

Sala também é espaço para o compartilhamento de informações sobre os benefícios do aleitamento materno


Posto de coleta
Espaço é o 5º posto de coleta de leite materno nas unidades da Rede Municipal de Saúde (Foto: Marcos Moura)

O prefeito Roberto Cláudio inaugurou, na manhã desta quinta-feira (03/08), dois equipamentos para aperfeiçoar a rede de apoio à saúde da mulher e da criança em Fortaleza. O Hospital Distrital Gonzaga Mota (Gonzaguinha), na Barra do Ceará, conta, agora, com o 5º posto de coleta de leite materno nas unidades da Rede Municipal de Saúde. A implantação é resultado de uma parceria da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) com o Gabinete da Primeira-Dama. Um mamógrafo também foi instalado nas dependências da unidade como forma de prevenir o câncer de mama. “É muito importante a gente entregar esse equipamento, porque o câncer de mama é uma doença que mata, e o diagnóstico cada vez mais precoce é um fator definitivo no processo de cura”, ressaltou a secretária da Saúde, Joana Maciel.

A sala de apoio às mulheres que amamentam é um espaço voltado para o compartilhamento de informações sobre os benefícios do aleitamento materno. O espaço conta com o apoio de um enfermeiro e técnico de enfermagem capacitados para acolher as mulheres. A autônoma Jordânia Furtado é mãe da Maria Ísis, de apenas quatro dias. As duas estão aprendendo juntas o ato de amamentar. “Fico feliz porque é importante para o desenvolvimento dela e, se eu tiver muito leite, vou doar, porque eu não iria querer que minha filha ficasse sem leite também”, explicou.

A amamentação na primeira hora de vida reduz consideravelmente a mortalidade neonatal (bebê até 28 dias). No Brasil, do total de mortes de crianças com menos de 1 ano, 65,6% ocorrem no período neonatal e 49,4% na primeira semana de vida. Dados do Unicef apontam que o aleitamento materno exclusivo até o sexto mês de vida pode evitar, anualmente, 1,3 milhão de mortes de crianças menores de 5 anos. “Temos uma meta importante, e esta ação está integrada a isso. Reduzir ainda mais a mortalidade infantil em Fortaleza. Hoje, nossa taxa de mortalidade é de 10/11 a cada mil crianças. Estamos implantando uma série de processos e protocolos pra reduzir esse número a um dígito até 2020”, destacou o prefeito Roberto Cláudio.

A recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) é que o aleitamento materno comece já na sala de parto e que seja exclusivo e em livre demanda até o 6º mês e se estenda até 2 anos ou mais. A sala de apoio às mulheres que amamentam também servirá como posto de coleta do alimento para os recém-nascidos na Maternidade Escola Assis Chateaubriand (MEAC). “Nos últimos cinco anos, eu percebo que finalmente estamos trabalhando em parceria com o Município, porque somos uma entidade federal, mas de fato, nós servimos à Fortaleza. Sem dúvida, é dessa forma que conseguiremos reduzir a maternidade neo natal”, comentou o diretor da MEAC, Carlos Augusto Alencar.

A rede municipal conta com salas para coleta de leite humano nos postos de saúde Rigoberto Romero (Regional II) e Luis Franklin (Regional VI), além do Hospital e Maternidade Zilda Arns e Gonzaguinha de Messejana, conveniadas aos bancos de leite do Hospital Infantil Albert Sabin (HIAS), Hospital Geral Dr. Cesar Cals e Hospital e Maternidade Escola Assis Chateaubriand (MEAC). A próxima sala será instalada no Hospital Nossa Senhora da Conceição no Conjunto Ceará.

Prefeito Roberto Cláudio implanta novo posto de coleta de leite materno

Sala também é espaço para o compartilhamento de informações sobre os benefícios do aleitamento materno

Posto de coleta
Espaço é o 5º posto de coleta de leite materno nas unidades da Rede Municipal de Saúde (Foto: Marcos Moura)

O prefeito Roberto Cláudio inaugurou, na manhã desta quinta-feira (03/08), dois equipamentos para aperfeiçoar a rede de apoio à saúde da mulher e da criança em Fortaleza. O Hospital Distrital Gonzaga Mota (Gonzaguinha), na Barra do Ceará, conta, agora, com o 5º posto de coleta de leite materno nas unidades da Rede Municipal de Saúde. A implantação é resultado de uma parceria da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) com o Gabinete da Primeira-Dama. Um mamógrafo também foi instalado nas dependências da unidade como forma de prevenir o câncer de mama. “É muito importante a gente entregar esse equipamento, porque o câncer de mama é uma doença que mata, e o diagnóstico cada vez mais precoce é um fator definitivo no processo de cura”, ressaltou a secretária da Saúde, Joana Maciel.

A sala de apoio às mulheres que amamentam é um espaço voltado para o compartilhamento de informações sobre os benefícios do aleitamento materno. O espaço conta com o apoio de um enfermeiro e técnico de enfermagem capacitados para acolher as mulheres. A autônoma Jordânia Furtado é mãe da Maria Ísis, de apenas quatro dias. As duas estão aprendendo juntas o ato de amamentar. “Fico feliz porque é importante para o desenvolvimento dela e, se eu tiver muito leite, vou doar, porque eu não iria querer que minha filha ficasse sem leite também”, explicou.

A amamentação na primeira hora de vida reduz consideravelmente a mortalidade neonatal (bebê até 28 dias). No Brasil, do total de mortes de crianças com menos de 1 ano, 65,6% ocorrem no período neonatal e 49,4% na primeira semana de vida. Dados do Unicef apontam que o aleitamento materno exclusivo até o sexto mês de vida pode evitar, anualmente, 1,3 milhão de mortes de crianças menores de 5 anos. “Temos uma meta importante, e esta ação está integrada a isso. Reduzir ainda mais a mortalidade infantil em Fortaleza. Hoje, nossa taxa de mortalidade é de 10/11 a cada mil crianças. Estamos implantando uma série de processos e protocolos pra reduzir esse número a um dígito até 2020”, destacou o prefeito Roberto Cláudio.

A recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) é que o aleitamento materno comece já na sala de parto e que seja exclusivo e em livre demanda até o 6º mês e se estenda até 2 anos ou mais. A sala de apoio às mulheres que amamentam também servirá como posto de coleta do alimento para os recém-nascidos na Maternidade Escola Assis Chateaubriand (MEAC). “Nos últimos cinco anos, eu percebo que finalmente estamos trabalhando em parceria com o Município, porque somos uma entidade federal, mas de fato, nós servimos à Fortaleza. Sem dúvida, é dessa forma que conseguiremos reduzir a maternidade neo natal”, comentou o diretor da MEAC, Carlos Augusto Alencar.

A rede municipal conta com salas para coleta de leite humano nos postos de saúde Rigoberto Romero (Regional II) e Luis Franklin (Regional VI), além do Hospital e Maternidade Zilda Arns e Gonzaguinha de Messejana, conveniadas aos bancos de leite do Hospital Infantil Albert Sabin (HIAS), Hospital Geral Dr. Cesar Cals e Hospital e Maternidade Escola Assis Chateaubriand (MEAC). A próxima sala será instalada no Hospital Nossa Senhora da Conceição no Conjunto Ceará.