09 de maio de 2019 em Mobilidade

Prefeitura de Fortaleza lança Maio Amarelo com balanço das ações de prevenção a acidentes de trânsito

Na ocasião, também foram divulgadas as programações da Semana de Segurança Viária e do Maio Amarelo


pessoas sentadas numa mesa de auditório
dados foram apresentados, durante coletiva de imprensa, nesta quinta-feira (09/05), no Paço Municipal, com a presença do prefeito em exercício, Moroni Torgan

Nos últimos quatro anos, o número de mortes no trânsito em Fortaleza vem caindo significativamente. O índice de mortes no trânsito por 100 mil pessoas, indicador utilizado pela ONU para comparar estatísticas entre cidades em todo o mundo, diminuiu em 40% de 2014 para 2018, caindo de 14,7 para 8,5. A estimativa é de 423 vidas foram salvas na Capital durante esse período. Esses dados foram apresentados, durante coletiva de imprensa, nesta quinta-feira (09/05), no Paço Municipal, com a presença do prefeito em exercício, Moroni Torgan, que, na ocasião também apresentou as ações que têm sido desenvolvidas, especificamente no mês de maio, por conta da adesão da Prefeitura de Fortaleza à Semana de Segurança Viária da Organização das Nações Unidas (ONU), que ocorre de 6 a 12 maio, e ao Maio Amarelo, movimento nacional que faz o alerta ao grande número de mortes registradas todos os anos no País.

“Fortaleza tem feito um esforço enorme com vários atores sociais para a prevenção de mortes e acidentes de trânsito. Somos uma das poucas cidades do mundo que está atingindo a meta da ONU de reduzir em 50% as mortes no trânsito. Embora tenha havido aumento no número de veículos, já tivemos uma redução de 40%. O prefeito Roberto Cláudio tem um olhar muito especial sobre esse assunto, porque dele depende a vida de fortalezenses, não medindo esforços para preservá-las”, afirmou Torgan.

Ações de conscientização e de fiscalização

Durante a primeira semana do mês, 150 agentes de endemias da Coordenaria de Vigilância em Saúde, em parceria com agentes da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), realizaram ações em escolas, terminais de ônibus, cruzamentos e pontos de concentração de pessoas nos bairros. Eles apresentaram recomendações sobre o uso correto do capacete e do cinto de segurança, os riscos de beber e dirigir e, principalmente, sobre a importância de respeitar os limites de velocidade – considerados os fatores de risco que mais provam mortes e feridos no trânsito segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), braço da ONU. É a segunda vez que os agentes de endemias trabalham a pauta da segurança no trânsito, ao mesmo tempo em que levam orientações de prevenção a doenças como Dengue, Zika e Chikungunya.

Ao longo do mês de maio, agentes da AMC visitam o Instituto Dr. José Frota (IJF) para palestras e sensibilização de parentes e vítimas de trânsito, visando prevenir ferimentos e casos mais graves, decorrentes dos acidentes. O índice de reincidência de internação de pacientes que voltam à Unidade por conta do mesmo tipo de acidente chegou a 30%, apenas no ano passado, lembrando que o número de pessoas que se acidentam na área urbana de Fortaleza e buscam atendimento no IJF caiu 45,5% entre 2014 e 2018.

O órgão de trânsito também realizará grandes ações de fiscalização para coibir os comportamentos que mais colocam em risco a vida dos usuários de ruas e avenidas, com foco no consumo de álcool e direção e também no uso correto do capacete para motociclistas. A ação conjunta reúne as Polícias Rodoviárias Federal (PRF) e Estadual (PRE), Departamento Estadual de Trânsito (Detran-CE), Guarda Municipal de Fortaleza, além de agentes da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC).

Escola de Mobilidade

A Escola de Mobilidade Urbana de Fortaleza recebe cerca de 100 alunos da rede pública por turno, além de promover ações educativas em bares e em trechos críticos para acidentes da Cidade. Atividades como “Dê passagem para a vida”, cujo foco é o respeito ao pedestre, e “Motociclista prudente: quem é consciente não se envolve em acidente”, além do “AMC nos Bares”, que leva óculos que simulam a embriaguez ao volante para que potenciais motoristas conheçam os riscos de dirigir depois de beber. Os agentes também visitam escolas municipais para falar sobre comportamentos seguros nas ruas, como forma de prevenção aos acidentes.

Para celebrar a mobilidade urbana alternativa, a Prefeitura oferecerá o passe diário gratuito do Bicicletar durante todo o dia 10 de maio, em alusão ao Dia Mundial de Bike ao Trabalho, que busca incentivar o uso da bicicleta como meio de transporte saudável e sustentável para os deslocamentos ao trabalho.

O superintendente da AMC, Arcelino Lima, explicou que as iniciativas buscam trazer mais segurança e qualidade de vida aos fortalezenses. “Temos um calendário de atividades que está bem preenchido. Todos os dias vamos ter ações de diversos atores como Guarda Municipal, Polícia Rodoviária, Detran e agentes de endemias da saúde. Além de salvar vidas, também podemos reduzir custos em acidente no trânsito que, no ano passado, foi de R$ 590 milhões, valor que pode ser revertido em melhorias do sistema viário, de atendimento e de diversas outras áreas urgentes para a população”, disse.

A Prefeitura de Fortaleza conta com a parceria da Iniciativa Bloomberg de Segurança Viária Global, que apoia a política de segurança viária da Cidade, atuando em quatro eixos de consolidação da informação, sendo eles engenharia e desenho urbano, educação, fiscalização e comunicação.

Segurança no trânsito em dados

Em 2018, 45,6% das mortes no trânsito em Fortaleza foram de motociclistas, 39,8% de pedestres, sendo em grande parte envolvido em acidentes com condutores de motos, 10,2% usuários de bicicletas e 4,4% de motoristas e/ou passageiros de carros.

Entre 2016 e 2018 houve uma redução expressiva de 30,4% no número de motociclistas mortos, apesar de ainda serem os usuários que mais morrem no trânsito da Cidade. A maior parte dos óbitos é entre o gênero masculino (83,2%) e faixa etária de 30 a 59 anos (49,1%).

Prefeitura de Fortaleza lança Maio Amarelo com balanço das ações de prevenção a acidentes de trânsito

Na ocasião, também foram divulgadas as programações da Semana de Segurança Viária e do Maio Amarelo

pessoas sentadas numa mesa de auditório
dados foram apresentados, durante coletiva de imprensa, nesta quinta-feira (09/05), no Paço Municipal, com a presença do prefeito em exercício, Moroni Torgan

Nos últimos quatro anos, o número de mortes no trânsito em Fortaleza vem caindo significativamente. O índice de mortes no trânsito por 100 mil pessoas, indicador utilizado pela ONU para comparar estatísticas entre cidades em todo o mundo, diminuiu em 40% de 2014 para 2018, caindo de 14,7 para 8,5. A estimativa é de 423 vidas foram salvas na Capital durante esse período. Esses dados foram apresentados, durante coletiva de imprensa, nesta quinta-feira (09/05), no Paço Municipal, com a presença do prefeito em exercício, Moroni Torgan, que, na ocasião também apresentou as ações que têm sido desenvolvidas, especificamente no mês de maio, por conta da adesão da Prefeitura de Fortaleza à Semana de Segurança Viária da Organização das Nações Unidas (ONU), que ocorre de 6 a 12 maio, e ao Maio Amarelo, movimento nacional que faz o alerta ao grande número de mortes registradas todos os anos no País.

“Fortaleza tem feito um esforço enorme com vários atores sociais para a prevenção de mortes e acidentes de trânsito. Somos uma das poucas cidades do mundo que está atingindo a meta da ONU de reduzir em 50% as mortes no trânsito. Embora tenha havido aumento no número de veículos, já tivemos uma redução de 40%. O prefeito Roberto Cláudio tem um olhar muito especial sobre esse assunto, porque dele depende a vida de fortalezenses, não medindo esforços para preservá-las”, afirmou Torgan.

Ações de conscientização e de fiscalização

Durante a primeira semana do mês, 150 agentes de endemias da Coordenaria de Vigilância em Saúde, em parceria com agentes da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), realizaram ações em escolas, terminais de ônibus, cruzamentos e pontos de concentração de pessoas nos bairros. Eles apresentaram recomendações sobre o uso correto do capacete e do cinto de segurança, os riscos de beber e dirigir e, principalmente, sobre a importância de respeitar os limites de velocidade – considerados os fatores de risco que mais provam mortes e feridos no trânsito segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), braço da ONU. É a segunda vez que os agentes de endemias trabalham a pauta da segurança no trânsito, ao mesmo tempo em que levam orientações de prevenção a doenças como Dengue, Zika e Chikungunya.

Ao longo do mês de maio, agentes da AMC visitam o Instituto Dr. José Frota (IJF) para palestras e sensibilização de parentes e vítimas de trânsito, visando prevenir ferimentos e casos mais graves, decorrentes dos acidentes. O índice de reincidência de internação de pacientes que voltam à Unidade por conta do mesmo tipo de acidente chegou a 30%, apenas no ano passado, lembrando que o número de pessoas que se acidentam na área urbana de Fortaleza e buscam atendimento no IJF caiu 45,5% entre 2014 e 2018.

O órgão de trânsito também realizará grandes ações de fiscalização para coibir os comportamentos que mais colocam em risco a vida dos usuários de ruas e avenidas, com foco no consumo de álcool e direção e também no uso correto do capacete para motociclistas. A ação conjunta reúne as Polícias Rodoviárias Federal (PRF) e Estadual (PRE), Departamento Estadual de Trânsito (Detran-CE), Guarda Municipal de Fortaleza, além de agentes da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC).

Escola de Mobilidade

A Escola de Mobilidade Urbana de Fortaleza recebe cerca de 100 alunos da rede pública por turno, além de promover ações educativas em bares e em trechos críticos para acidentes da Cidade. Atividades como “Dê passagem para a vida”, cujo foco é o respeito ao pedestre, e “Motociclista prudente: quem é consciente não se envolve em acidente”, além do “AMC nos Bares”, que leva óculos que simulam a embriaguez ao volante para que potenciais motoristas conheçam os riscos de dirigir depois de beber. Os agentes também visitam escolas municipais para falar sobre comportamentos seguros nas ruas, como forma de prevenção aos acidentes.

Para celebrar a mobilidade urbana alternativa, a Prefeitura oferecerá o passe diário gratuito do Bicicletar durante todo o dia 10 de maio, em alusão ao Dia Mundial de Bike ao Trabalho, que busca incentivar o uso da bicicleta como meio de transporte saudável e sustentável para os deslocamentos ao trabalho.

O superintendente da AMC, Arcelino Lima, explicou que as iniciativas buscam trazer mais segurança e qualidade de vida aos fortalezenses. “Temos um calendário de atividades que está bem preenchido. Todos os dias vamos ter ações de diversos atores como Guarda Municipal, Polícia Rodoviária, Detran e agentes de endemias da saúde. Além de salvar vidas, também podemos reduzir custos em acidente no trânsito que, no ano passado, foi de R$ 590 milhões, valor que pode ser revertido em melhorias do sistema viário, de atendimento e de diversas outras áreas urgentes para a população”, disse.

A Prefeitura de Fortaleza conta com a parceria da Iniciativa Bloomberg de Segurança Viária Global, que apoia a política de segurança viária da Cidade, atuando em quatro eixos de consolidação da informação, sendo eles engenharia e desenho urbano, educação, fiscalização e comunicação.

Segurança no trânsito em dados

Em 2018, 45,6% das mortes no trânsito em Fortaleza foram de motociclistas, 39,8% de pedestres, sendo em grande parte envolvido em acidentes com condutores de motos, 10,2% usuários de bicicletas e 4,4% de motoristas e/ou passageiros de carros.

Entre 2016 e 2018 houve uma redução expressiva de 30,4% no número de motociclistas mortos, apesar de ainda serem os usuários que mais morrem no trânsito da Cidade. A maior parte dos óbitos é entre o gênero masculino (83,2%) e faixa etária de 30 a 59 anos (49,1%).