18 de outubro de 2019 em Saúde

Prefeitura intensifica a prevenção e o controle das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti

Primeiro mutirão da Operação Inverno 2020 ocorreu nesta sexta-feira (18/10), no Mondubim


agente de endemia inspeciona um pneu
Os profissionais da Vigilância Ambiental de Fortaleza visitaram domicílios e estabelecimentos comerciais no bairro Mondubiim nesta sexta-feira (18/10)

Buscando a prevenção e diminuição no número de casos de arboviroses na Cidade, a Prefeitura de Fortaleza realizou, nesta sexta-feira (18/10), o primeiro mutirão da Operação Inverno 2020, no bairro Mondubim (Regional V). A ação antecede o período da quadra chuvosa do ano que vem, com o objetivo de intensificar a prevenção e o controle das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. 1.200 profissionais da Vigilância Ambiental de Fortaleza visitaram domicílios e estabelecimentos comerciais em um raio de 179 quarteirões.

“Estamos fazemos todo um trabalho de mobilização, com os agentes focais indo nos domicílios, verificando se há focos e, quando existem, retirando-os. O mais importante é que estamos conscientizando a população que não se pode parar, baixar a guarda. Esperamos eliminar possíveis focos e berçários que poderiam servir para a reprodução dos mosquitos", afirmou Francisco Atualpa Soares, gerente da Cédula de Vigilância Ambiental Municipal. Segundo ele, a meta é ter um um baixo número de doenças quando quando iniciar o período chuvoso e de transmissão mais intensa das arboviroses.

Com concentração no Cuca Mondubim, a atividade contou ainda com exposição educativa do ciclo biológico do mosquito, teatro de fantoche na escola municipal Maria Bezerra Quevedo, divulgação de panfletos e abordagem dialogada além de fiscalização sanitária em pontos estratégicos, integrada com a Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis), e desratização, dentre outros serviços.

O trabalho teve como foco residências e locais que contam com grande riscos de acúmulo de água parada, como explicou Nilton Martins, coordenador de Endemias da Regional V. “Estamos visitando uma sucata. Esse trabalho que fazemos é de rotina. A inspeção é feita a cada 15 dias, por se tratar de um imóvel que tem uma grande concentração de depósitos. Contamos hoje com agentes da Agefis, pois, caso necessário, podemos fazer auto de infração em cima das regularidades encontradas”, disse.

homem posando para a foto
Para Francisco da Silva, funcionário de uma sucata, as informações da Prefeitura ajudam na organização correta do material com o qual ele trabalha

Para Francisco Aldemir Almeida da Silva, funcionário da sucata visitada pelos agentes de endemias, as informações da Prefeitura ajudam na organização correta do material com o qual ele trabalha. "Como temos muito objetos que podem acumular líquidos, temos que ter um local correto, um galpão", disse. 

“Acho importante a Prefeitura ir na casa das pessoas, verificar, porque tem muita gente que não olha, não tem cuidado como nós temos. Se não contarmos com a atenção dos vizinhos, todos acabam doente, porque a gente faz e eles, não. Ter uma campanha educativa e fiscalização faz a diferença”, declarou a proprietária de um comércio de distribuição de água, Socorro Serafim.

Até dezembro, estão previstos ainda quatro mutirões municipais nos bairros com histórico de casos de arboviroses e 25 mutirões regionais. Serão realizadas cerca de 700 mil visitas domiciliares, exposições educativas, inspeção semanal nos postos de saúde e recolhimento de resíduos sólidos. A operação quintal limpo vai percorrer 30 bairros selecionados. O próximo mutirão está marcado para o dia 31 de outubro, no bairro Serrinha (Regional IV).

De janeiro a setembro, ocorreram 1.498.637 visitas domiciliares e 32.517 focos foram eliminados. A inspeção em pontos estratégicos chegou à marca de 23.246, além do recolhimento de 920 toneladas de resíduos sólidos. O fumacê pulverizou inseticida em 6.456 quarteirões.

Durante todo o ano, o Conselho Permanente de Prevenção às Arboviroses desenvolve ações intersetoriais na Prefeitura e tem se tornado referência no País pelos resultados pioneiros obtidos.

Arboviroses em Fortaleza em 2019

Registros no Sinan Online mostram que até a 41ª semana epidemiológica (SE) de 2019 foram notificados 8.569 prováveis casos de dengue em residentes de Fortaleza. Desses, 36,2% (3.103) foram confirmados, 60,6% (5.195) descartados, 1,2% (100) inconclusivo e 2,0% (171) estão sendo investigados. No tocante ao critério de confirmação temos os seguintes registros no Sinan: 76,6% (2.376) foram confirmados por critério clínico epidemiológico e 23,4% (727) por laboratório.

Foram notificadas 817 suspeitas de chikungunya na Cidade. Dessas 28,2% (230) foram confirmadas, 68,1% (556) descartadas e 3,8% (31) ainda estão sendo investigadas. A Taxa de Incidência (TI) acumulada até a 40ª semana epidemiológica é de 8,7 casos por 100 mil habitantes.

De a infecção pelo vírus Zika, foram confirmados 53 casos de Síndrome Congênita associada (26 por critério clínico-radiológico e 27 por exames laboratoriais) e 02 para síndrome congênita associada a toxoplasmose

Prevenção é o melhor remédio

Para evitar arboviroses, o trabalho de prevenção é fundamental, sendo a população o ator mais importante. Ações simples fazem toda a diferença como: guardar garrafas sempre viradas para baixo, encher de areia ou terra os pratinhos de vasos de planta, jogar no lixo qualquer objeto que possa armazenar água, manter bem tampados, baldes, tonéis, piscinas e caixas d'água, guardar pneus ao abrigo da chuva e da água, limpar as calhas dos canos, não deixar a água da chuva parada sobre a laje e colocar o lixo em sacos plásticos bem fechados dentro de uma lixeira tampada;

Prefeitura intensifica a prevenção e o controle das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti

Primeiro mutirão da Operação Inverno 2020 ocorreu nesta sexta-feira (18/10), no Mondubim

agente de endemia inspeciona um pneu
Os profissionais da Vigilância Ambiental de Fortaleza visitaram domicílios e estabelecimentos comerciais no bairro Mondubiim nesta sexta-feira (18/10)

Buscando a prevenção e diminuição no número de casos de arboviroses na Cidade, a Prefeitura de Fortaleza realizou, nesta sexta-feira (18/10), o primeiro mutirão da Operação Inverno 2020, no bairro Mondubim (Regional V). A ação antecede o período da quadra chuvosa do ano que vem, com o objetivo de intensificar a prevenção e o controle das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. 1.200 profissionais da Vigilância Ambiental de Fortaleza visitaram domicílios e estabelecimentos comerciais em um raio de 179 quarteirões.

“Estamos fazemos todo um trabalho de mobilização, com os agentes focais indo nos domicílios, verificando se há focos e, quando existem, retirando-os. O mais importante é que estamos conscientizando a população que não se pode parar, baixar a guarda. Esperamos eliminar possíveis focos e berçários que poderiam servir para a reprodução dos mosquitos", afirmou Francisco Atualpa Soares, gerente da Cédula de Vigilância Ambiental Municipal. Segundo ele, a meta é ter um um baixo número de doenças quando quando iniciar o período chuvoso e de transmissão mais intensa das arboviroses.

Com concentração no Cuca Mondubim, a atividade contou ainda com exposição educativa do ciclo biológico do mosquito, teatro de fantoche na escola municipal Maria Bezerra Quevedo, divulgação de panfletos e abordagem dialogada além de fiscalização sanitária em pontos estratégicos, integrada com a Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis), e desratização, dentre outros serviços.

O trabalho teve como foco residências e locais que contam com grande riscos de acúmulo de água parada, como explicou Nilton Martins, coordenador de Endemias da Regional V. “Estamos visitando uma sucata. Esse trabalho que fazemos é de rotina. A inspeção é feita a cada 15 dias, por se tratar de um imóvel que tem uma grande concentração de depósitos. Contamos hoje com agentes da Agefis, pois, caso necessário, podemos fazer auto de infração em cima das regularidades encontradas”, disse.

homem posando para a foto
Para Francisco da Silva, funcionário de uma sucata, as informações da Prefeitura ajudam na organização correta do material com o qual ele trabalha

Para Francisco Aldemir Almeida da Silva, funcionário da sucata visitada pelos agentes de endemias, as informações da Prefeitura ajudam na organização correta do material com o qual ele trabalha. "Como temos muito objetos que podem acumular líquidos, temos que ter um local correto, um galpão", disse. 

“Acho importante a Prefeitura ir na casa das pessoas, verificar, porque tem muita gente que não olha, não tem cuidado como nós temos. Se não contarmos com a atenção dos vizinhos, todos acabam doente, porque a gente faz e eles, não. Ter uma campanha educativa e fiscalização faz a diferença”, declarou a proprietária de um comércio de distribuição de água, Socorro Serafim.

Até dezembro, estão previstos ainda quatro mutirões municipais nos bairros com histórico de casos de arboviroses e 25 mutirões regionais. Serão realizadas cerca de 700 mil visitas domiciliares, exposições educativas, inspeção semanal nos postos de saúde e recolhimento de resíduos sólidos. A operação quintal limpo vai percorrer 30 bairros selecionados. O próximo mutirão está marcado para o dia 31 de outubro, no bairro Serrinha (Regional IV).

De janeiro a setembro, ocorreram 1.498.637 visitas domiciliares e 32.517 focos foram eliminados. A inspeção em pontos estratégicos chegou à marca de 23.246, além do recolhimento de 920 toneladas de resíduos sólidos. O fumacê pulverizou inseticida em 6.456 quarteirões.

Durante todo o ano, o Conselho Permanente de Prevenção às Arboviroses desenvolve ações intersetoriais na Prefeitura e tem se tornado referência no País pelos resultados pioneiros obtidos.

Arboviroses em Fortaleza em 2019

Registros no Sinan Online mostram que até a 41ª semana epidemiológica (SE) de 2019 foram notificados 8.569 prováveis casos de dengue em residentes de Fortaleza. Desses, 36,2% (3.103) foram confirmados, 60,6% (5.195) descartados, 1,2% (100) inconclusivo e 2,0% (171) estão sendo investigados. No tocante ao critério de confirmação temos os seguintes registros no Sinan: 76,6% (2.376) foram confirmados por critério clínico epidemiológico e 23,4% (727) por laboratório.

Foram notificadas 817 suspeitas de chikungunya na Cidade. Dessas 28,2% (230) foram confirmadas, 68,1% (556) descartadas e 3,8% (31) ainda estão sendo investigadas. A Taxa de Incidência (TI) acumulada até a 40ª semana epidemiológica é de 8,7 casos por 100 mil habitantes.

De a infecção pelo vírus Zika, foram confirmados 53 casos de Síndrome Congênita associada (26 por critério clínico-radiológico e 27 por exames laboratoriais) e 02 para síndrome congênita associada a toxoplasmose

Prevenção é o melhor remédio

Para evitar arboviroses, o trabalho de prevenção é fundamental, sendo a população o ator mais importante. Ações simples fazem toda a diferença como: guardar garrafas sempre viradas para baixo, encher de areia ou terra os pratinhos de vasos de planta, jogar no lixo qualquer objeto que possa armazenar água, manter bem tampados, baldes, tonéis, piscinas e caixas d'água, guardar pneus ao abrigo da chuva e da água, limpar as calhas dos canos, não deixar a água da chuva parada sobre a laje e colocar o lixo em sacos plásticos bem fechados dentro de uma lixeira tampada;