11 de setembro de 2017 em Educação

Prefeitura lança cartilha infantil para ajudar no combate às arboviroses

Além da publicação, estudantes ganharam lupas para ajudar na identificação de larvas


Detetives contra o Aedes
Três alunos foram empossados como "detetives contra o Aedes" (Foto: Kaio Machado)
A Prefeitura de Fortaleza, por meio das Secretarias Municipais de Educação e da Saúde, lançou, nesta segunda-feira (11/09), a Cartilha Detetives contra o Aedes, na Escola Municipal Antônio Sales, no bairro Rodolfo Teófilo. A publicação tem uma história divertida e mostra de maneira lúdica como as crianças podem ajudar os adultos a cuidar melhor da casa e, consequentemente, da Cidade. A cartilha orienta e conscientiza sobre a importância de combater o mosquito Aedes aegypti, vetor da dengue, chikungunya e zika, durante o ano todo. "Estamos seguindo a orientação do prefeito Roberto Cláudio, quando criou o Comitê Técnico de Combate às Arboviroses, que é de não se acomodar e combater o mosquito Aedes aegepty durante o ano inteiro. Assim, esperamos chegar no período chuvoso com bem menos casos", destacou a secretária da Saúde Joana Maciel.

A ação tem como metas o fortalecimento do protagonismo estudantil, desenvolvendo o espírito investigativo contra as arboviroses; a valorização do conteúdo já trabalhado em sala de aula na área de ciências e a mobilização na comunidade escolar contra o mosquito. Além da cartilha, os estudantes ganharam uma lupa para facilitar a identificação das larvas do mosquito. "Doença não tem dia certo pra chegar. Então, temos que cuidar agora porque quando vier a chuva, não vai dar tempo", lembrou a estudante Maria Clara Rodrigues, de 8 anos.

Durante o lançamento da Cartilha, a primeira-dama de Fortaleza, Carol Bezerra, empossou três alunos da escola como "detetives contra o Aedes". Na primeira fase do projeto, participarão 400 crianças do quarto ano do Ensino Fundamental de seis escolas municipais (uma em cada Regional). "Quando responsabilizamos as crianças com um papel social, elas fazem melhor que os adultos. Agora, elas vão ler a cartilha e replicar as informações para os pais, os avós e tios, do que eles podem realmente fazer para combater o mosquito", comentou a Primeira-Dama.

A cartilha é fruto do trabalho desenvolvido pelo grupo Informação, Educação e Comunicação, do Comitê Técnico de Combate às Arboviroses, instalado em maio deste ano e formado por especialistas, instituições de ensino, gestores e profissionais de saúde. O novo projeto se soma a um conjunto de ações de combate às arboviroses que já vem sendo executado pela Rede Municipal de Ensino.

Entre as iniciativas, está o Selo Escola Amiga da Saúde, que teve 373 inscrições; a disciplina de Educação Patrimonial, ofertada no Programa Novo Mais Educação, que destina uma hora da carga horária para reforçar as ações contra o Aedes, e a formação de brigadas nos equipamentos educacionais para controle periódico de potenciais focos do mosquito, entre outras. "Desde o início do ano, a Prefeitura tem como prioridade o combate às arboviroses. No ano que vem, já iremos expandir para os alunos do quinto ano porque, como o processo envolve pesquisa, precisamos de um pouco de maturidade nas crianças", explicou a secretária de Educação do Município, Dalila Saldanha.

Prefeitura lança cartilha infantil para ajudar no combate às arboviroses

Além da publicação, estudantes ganharam lupas para ajudar na identificação de larvas

Detetives contra o Aedes
Três alunos foram empossados como "detetives contra o Aedes" (Foto: Kaio Machado)
A Prefeitura de Fortaleza, por meio das Secretarias Municipais de Educação e da Saúde, lançou, nesta segunda-feira (11/09), a Cartilha Detetives contra o Aedes, na Escola Municipal Antônio Sales, no bairro Rodolfo Teófilo. A publicação tem uma história divertida e mostra de maneira lúdica como as crianças podem ajudar os adultos a cuidar melhor da casa e, consequentemente, da Cidade. A cartilha orienta e conscientiza sobre a importância de combater o mosquito Aedes aegypti, vetor da dengue, chikungunya e zika, durante o ano todo. "Estamos seguindo a orientação do prefeito Roberto Cláudio, quando criou o Comitê Técnico de Combate às Arboviroses, que é de não se acomodar e combater o mosquito Aedes aegepty durante o ano inteiro. Assim, esperamos chegar no período chuvoso com bem menos casos", destacou a secretária da Saúde Joana Maciel.

A ação tem como metas o fortalecimento do protagonismo estudantil, desenvolvendo o espírito investigativo contra as arboviroses; a valorização do conteúdo já trabalhado em sala de aula na área de ciências e a mobilização na comunidade escolar contra o mosquito. Além da cartilha, os estudantes ganharam uma lupa para facilitar a identificação das larvas do mosquito. "Doença não tem dia certo pra chegar. Então, temos que cuidar agora porque quando vier a chuva, não vai dar tempo", lembrou a estudante Maria Clara Rodrigues, de 8 anos.

Durante o lançamento da Cartilha, a primeira-dama de Fortaleza, Carol Bezerra, empossou três alunos da escola como "detetives contra o Aedes". Na primeira fase do projeto, participarão 400 crianças do quarto ano do Ensino Fundamental de seis escolas municipais (uma em cada Regional). "Quando responsabilizamos as crianças com um papel social, elas fazem melhor que os adultos. Agora, elas vão ler a cartilha e replicar as informações para os pais, os avós e tios, do que eles podem realmente fazer para combater o mosquito", comentou a Primeira-Dama.

A cartilha é fruto do trabalho desenvolvido pelo grupo Informação, Educação e Comunicação, do Comitê Técnico de Combate às Arboviroses, instalado em maio deste ano e formado por especialistas, instituições de ensino, gestores e profissionais de saúde. O novo projeto se soma a um conjunto de ações de combate às arboviroses que já vem sendo executado pela Rede Municipal de Ensino.

Entre as iniciativas, está o Selo Escola Amiga da Saúde, que teve 373 inscrições; a disciplina de Educação Patrimonial, ofertada no Programa Novo Mais Educação, que destina uma hora da carga horária para reforçar as ações contra o Aedes, e a formação de brigadas nos equipamentos educacionais para controle periódico de potenciais focos do mosquito, entre outras. "Desde o início do ano, a Prefeitura tem como prioridade o combate às arboviroses. No ano que vem, já iremos expandir para os alunos do quinto ano porque, como o processo envolve pesquisa, precisamos de um pouco de maturidade nas crianças", explicou a secretária de Educação do Município, Dalila Saldanha.