09 de abril de 2015 em Saúde

Prefeitura realiza ações de combate à dengue e ao sarampo em Fortaleza

Ações ocorrem no período de 9 a 11 de abril palestras, exposições, teatro de fantoches, bloqueios e ações educativas


Ação educativa tem por objetivo mostrar à população os riscos da dengue e ensinar como evitar a proliferação do mosquito

De 9 a 11 de abril a Célula de Vigilância Ambiental e Riscos Biológicos da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) realiza ações de combate à dengue e ao sarampo. Serão palestras, exposições, teatro de fantoches, bloqueios e ações educativas também no Circuito das Praças, cujo objetivo é mostrar à população os riscos da dengue e ensinar como evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti (transmissor da doença), além de contribuir para acabar com o surto de sarampo na Cidade. Também ocorrem atividades de combate ao calazar e DST/Aids.

No dia 9 de abril a equipe de zoonoses que compõe os núcleos de educação em saúde e mobilização social das regionais ministra palestra educativa das 8h às 11h30 sobre dengue no Colégio Farias Brito (Rua Virgílio Brígido, 780 - Presidente Kennedy).

Já no dia 10, será realizado bloqueio de sarampo, de 8h às 17h, no Projeto José Henrique (rua Nova Conquista, 2671 - Granja Lisboa), e teatro de fantoches sobre o calazar, de 8h às 11h, rua Martins Gonçalves, 4707 - Barra do Ceará.

Durante todo o sábado (11/04), também acontecem atividades de combate à dengue, calazar e sarampo. Dentro do Circuito das Praças da Prefeitura Municipal de Fortaleza (PMF), haverá exposição educativa sobre dengue, na Praça Tupinambá da Frota, a partir das 8h e na Praça dos Voluntários e Polícia Civil, no Centro da Cidade, a ação acontece de 9h às 13h, com foco na dengue e DST/Aids. No bairro Genibaú, durante Ação Social terá exposição educativa sobre sarampo e dengue, das 8h às 12h, na Igreja São Francisco, rua Cazuza Ferreira, 1003.

Segundo a coordenadora da Vigilância em Saúde da SMS, Renata Mota, a cidade só tem a ganhar com esse trabalho. “Nossos profissionais vão para as ruas oferecendo uma linguagem simples que a população compreende e depois passa para aqueles que não estavam no local mas que também precisam aprender sobre esses problemas”.

Prefeitura realiza ações de combate à dengue e ao sarampo em Fortaleza

Ações ocorrem no período de 9 a 11 de abril palestras, exposições, teatro de fantoches, bloqueios e ações educativas

Ação educativa tem por objetivo mostrar à população os riscos da dengue e ensinar como evitar a proliferação do mosquito

De 9 a 11 de abril a Célula de Vigilância Ambiental e Riscos Biológicos da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) realiza ações de combate à dengue e ao sarampo. Serão palestras, exposições, teatro de fantoches, bloqueios e ações educativas também no Circuito das Praças, cujo objetivo é mostrar à população os riscos da dengue e ensinar como evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti (transmissor da doença), além de contribuir para acabar com o surto de sarampo na Cidade. Também ocorrem atividades de combate ao calazar e DST/Aids.

No dia 9 de abril a equipe de zoonoses que compõe os núcleos de educação em saúde e mobilização social das regionais ministra palestra educativa das 8h às 11h30 sobre dengue no Colégio Farias Brito (Rua Virgílio Brígido, 780 - Presidente Kennedy).

Já no dia 10, será realizado bloqueio de sarampo, de 8h às 17h, no Projeto José Henrique (rua Nova Conquista, 2671 - Granja Lisboa), e teatro de fantoches sobre o calazar, de 8h às 11h, rua Martins Gonçalves, 4707 - Barra do Ceará.

Durante todo o sábado (11/04), também acontecem atividades de combate à dengue, calazar e sarampo. Dentro do Circuito das Praças da Prefeitura Municipal de Fortaleza (PMF), haverá exposição educativa sobre dengue, na Praça Tupinambá da Frota, a partir das 8h e na Praça dos Voluntários e Polícia Civil, no Centro da Cidade, a ação acontece de 9h às 13h, com foco na dengue e DST/Aids. No bairro Genibaú, durante Ação Social terá exposição educativa sobre sarampo e dengue, das 8h às 12h, na Igreja São Francisco, rua Cazuza Ferreira, 1003.

Segundo a coordenadora da Vigilância em Saúde da SMS, Renata Mota, a cidade só tem a ganhar com esse trabalho. “Nossos profissionais vão para as ruas oferecendo uma linguagem simples que a população compreende e depois passa para aqueles que não estavam no local mas que também precisam aprender sobre esses problemas”.