06 de novembro de 2014 em Economia

Projeto Midiacom capacitará 160 jovens na área da Tecnologia da Informação

Os jovens atendidos são moradores das comunidades Moura Brasil e Poço da Draga, e a PMF já estuda aumentar as áreas beneficiadas


Um grupo de alunos já assiste à aula de artes digitais e animação multimídia (Foto: Igor de Melo)

Na manhã desta quinta-feira (06/11), quando a Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (SDE), apresentava à imprensa o projeto Midiacom – Centro de Inclusão Digital Dragão do Mar, 10 alunos já assistiam à aula de artes digitais e animação multimídia. A ação é executada pela empresa Lanlink Informática, inscrita no Programa Polo Tecnológico de Fortaleza, em parceria com o Instituto Tecnológico e Vocacional Avançado (ITEVA).

Resultado da contrapartida social prevista no Programa Polo Tecnológico de Fortaleza, a ação promoverá, durante 24 meses, a qualificação tecnológica de 160 alunos da rede pública de ensino, prioritariamente, das comunidades do Poço da Draga e Moura Brasil, localizadas no entorno da Praia de Iracema. A carga horária soma 120h/a e os alunos receberão material didático. Por semestre, 40 alunos serão formados, o que contribuirá para a geração de postos de trabalho. “A iniciativa foi maravilhosa, eles estão muito empolgados. É uma oportunidade deles crescerem. Trazer os jovens e profissionalizá-los é muito importante para eles não ficarem na ociosidade”, observa o líder comunitário André Nascimento, do Moura Brasil.

A mudança entre os jovens é percebida também pelo coordenador geral da ITEVA, Fábio Beneduce. “Você propicia condições para que haja uma ruptura do ciclo da pobreza e de ignorância. Nós notamos que os estudantes estão adquirindo bens, melhorando o padrão de vida e uma boa parte deles ingressa no ensino superior. Então, a gente percebe que o conhecimento é um facilitador para outras coisas mais, para além do conhecimento profissional”, conta ele, a partir da experiência do Midiacom no município de Aquiraz, que já alcançou os dez anos de realização.

Para Charles Boris, presidente da Lanlink, “esse projeto é um exemplo prático da junção da iniciativa pública e privada. É superimportante quando você tem o poder público sensibilizado para o estímulo para determinados segmentos – e o setor de tecnologia é um setor que Fortaleza tem que estimular cada vez mais, porque gera emprego bem remunerado, qualificado e que traz transformação”. O titular da SDE, Robinson de Castro concorda, dizendo que “nosso objetivo é atrair investimentos na área da tecnologia e inovação para a cidade de Fortaleza”.

O secretário completa ainda citando a iniciativa da Prefeitura para a mudança da legislação: “hoje temos uma lei que prevê que empresas instaladas no Centro da Cidade ou no entorno da (avenida) Francisco Sá tenham benefícios fiscais, como a redução do ISS, IPTU e ITBI, mas depois de um diagnóstico da cidade, percebemos que podemos ampliar essas zonas beneficiadas, até mesmo para fortalecer essa política de Fortaleza também pode ser um polo tecnológico”. Segundo Robinson, a prefeitura está fazendo uma revisão na legislação tributária, principalmente inerente às empresas de tecnologia e inovação, “e pretendemos ainda esse ano enviar à Câmara Municipal essa alteração”.

Projeto Midiacom capacitará 160 jovens na área da Tecnologia da Informação

Os jovens atendidos são moradores das comunidades Moura Brasil e Poço da Draga, e a PMF já estuda aumentar as áreas beneficiadas

Um grupo de alunos já assiste à aula de artes digitais e animação multimídia (Foto: Igor de Melo)

Na manhã desta quinta-feira (06/11), quando a Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (SDE), apresentava à imprensa o projeto Midiacom – Centro de Inclusão Digital Dragão do Mar, 10 alunos já assistiam à aula de artes digitais e animação multimídia. A ação é executada pela empresa Lanlink Informática, inscrita no Programa Polo Tecnológico de Fortaleza, em parceria com o Instituto Tecnológico e Vocacional Avançado (ITEVA).

Resultado da contrapartida social prevista no Programa Polo Tecnológico de Fortaleza, a ação promoverá, durante 24 meses, a qualificação tecnológica de 160 alunos da rede pública de ensino, prioritariamente, das comunidades do Poço da Draga e Moura Brasil, localizadas no entorno da Praia de Iracema. A carga horária soma 120h/a e os alunos receberão material didático. Por semestre, 40 alunos serão formados, o que contribuirá para a geração de postos de trabalho. “A iniciativa foi maravilhosa, eles estão muito empolgados. É uma oportunidade deles crescerem. Trazer os jovens e profissionalizá-los é muito importante para eles não ficarem na ociosidade”, observa o líder comunitário André Nascimento, do Moura Brasil.

A mudança entre os jovens é percebida também pelo coordenador geral da ITEVA, Fábio Beneduce. “Você propicia condições para que haja uma ruptura do ciclo da pobreza e de ignorância. Nós notamos que os estudantes estão adquirindo bens, melhorando o padrão de vida e uma boa parte deles ingressa no ensino superior. Então, a gente percebe que o conhecimento é um facilitador para outras coisas mais, para além do conhecimento profissional”, conta ele, a partir da experiência do Midiacom no município de Aquiraz, que já alcançou os dez anos de realização.

Para Charles Boris, presidente da Lanlink, “esse projeto é um exemplo prático da junção da iniciativa pública e privada. É superimportante quando você tem o poder público sensibilizado para o estímulo para determinados segmentos – e o setor de tecnologia é um setor que Fortaleza tem que estimular cada vez mais, porque gera emprego bem remunerado, qualificado e que traz transformação”. O titular da SDE, Robinson de Castro concorda, dizendo que “nosso objetivo é atrair investimentos na área da tecnologia e inovação para a cidade de Fortaleza”.

O secretário completa ainda citando a iniciativa da Prefeitura para a mudança da legislação: “hoje temos uma lei que prevê que empresas instaladas no Centro da Cidade ou no entorno da (avenida) Francisco Sá tenham benefícios fiscais, como a redução do ISS, IPTU e ITBI, mas depois de um diagnóstico da cidade, percebemos que podemos ampliar essas zonas beneficiadas, até mesmo para fortalecer essa política de Fortaleza também pode ser um polo tecnológico”. Segundo Robinson, a prefeitura está fazendo uma revisão na legislação tributária, principalmente inerente às empresas de tecnologia e inovação, “e pretendemos ainda esse ano enviar à Câmara Municipal essa alteração”.