14 de maio de 2019 em Mobilidade

AMC promove ação educativa para conscientizar motociclistas sobre prevenção de acidentes de trânsito

Educadores realizam trabalho de conscientização na Av. Visconde do Rio Branco, nesta quarta-feira (15/05), a partir das 14 horas


Motociclistas são considerados os agentes mais vulneráveis a acidentes de trânsito e representam quase metade do número de mortes registradas em Fortaleza no ano passado. No intuito de reduzir essa estimativa, a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) realiza ações educativas com foco neste público. Como parte da programação, educadores do órgão realizam, nesta quarta-feira (15/05), a partir das 14 horas, um trabalho de conscientização com condutores e passageiros de motocicletas na Av. Visconde do Rio Branco (ao lado do Parque das Crianças). Na oportunidade, eles receberão informativos com dicas para prevenir acidentes e consequentemente evitar lesões graves.

As abordagens, que incluem desde mobilização nas vias da cidade a palestras com pacientes internados no Instituto Dr. José Frota (IJF), estão sendo intensificadas em virtude do Maio Amarelo. “O principal objetivo desta mobilização é alertar quanto ao uso do capacete de segurança, que quando afivelado corretamente, reduz em até 40% o número de mortes e em 70% a probabilidade de lesões graves. A utilização é indispensável para salvar vidas e diminuir a severidade do acidente”, explica Nertan Rocha, gerente de Educação da AMC. Paralelo a essa atividade, pacientes hospitalizados receberão a presença de agentes de trânsito em seus leitos de forma a incentivar um trânsito seguro respeitando as normas.

Pontos a serem destacados

Fortaleza bateu recorde na redução das taxas de mortalidade no trânsito e pelo quarto ano consecutivo apresentou queda no número de óbitos. No ano passado, foram registradas 226 mortes, representando o menor índice já contabilizado desde quando os dados passaram a ser sistematizados. Com relação a 2017, houve uma diminuição de 12% no número de vítimas fatais.

Dentre as 226 mortes registradas no ano passado, 45,6% correspondem a ocupantes de motocicletas. No que se refere especificamente a esse público, entre 2016 e 2018, houve uma redução de 30,4% no número de motociclistas mortos. Entretanto, apesar desta queda significativa, continuam sendo os mais vulneráveis, seguidos por pedestres, ciclistas e ocupantes de automóveis.

AMC promove ação educativa para conscientizar motociclistas sobre prevenção de acidentes de trânsito

Educadores realizam trabalho de conscientização na Av. Visconde do Rio Branco, nesta quarta-feira (15/05), a partir das 14 horas

Motociclistas são considerados os agentes mais vulneráveis a acidentes de trânsito e representam quase metade do número de mortes registradas em Fortaleza no ano passado. No intuito de reduzir essa estimativa, a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) realiza ações educativas com foco neste público. Como parte da programação, educadores do órgão realizam, nesta quarta-feira (15/05), a partir das 14 horas, um trabalho de conscientização com condutores e passageiros de motocicletas na Av. Visconde do Rio Branco (ao lado do Parque das Crianças). Na oportunidade, eles receberão informativos com dicas para prevenir acidentes e consequentemente evitar lesões graves.

As abordagens, que incluem desde mobilização nas vias da cidade a palestras com pacientes internados no Instituto Dr. José Frota (IJF), estão sendo intensificadas em virtude do Maio Amarelo. “O principal objetivo desta mobilização é alertar quanto ao uso do capacete de segurança, que quando afivelado corretamente, reduz em até 40% o número de mortes e em 70% a probabilidade de lesões graves. A utilização é indispensável para salvar vidas e diminuir a severidade do acidente”, explica Nertan Rocha, gerente de Educação da AMC. Paralelo a essa atividade, pacientes hospitalizados receberão a presença de agentes de trânsito em seus leitos de forma a incentivar um trânsito seguro respeitando as normas.

Pontos a serem destacados

Fortaleza bateu recorde na redução das taxas de mortalidade no trânsito e pelo quarto ano consecutivo apresentou queda no número de óbitos. No ano passado, foram registradas 226 mortes, representando o menor índice já contabilizado desde quando os dados passaram a ser sistematizados. Com relação a 2017, houve uma diminuição de 12% no número de vítimas fatais.

Dentre as 226 mortes registradas no ano passado, 45,6% correspondem a ocupantes de motocicletas. No que se refere especificamente a esse público, entre 2016 e 2018, houve uma redução de 30,4% no número de motociclistas mortos. Entretanto, apesar desta queda significativa, continuam sendo os mais vulneráveis, seguidos por pedestres, ciclistas e ocupantes de automóveis.