28 de dezembro de 2021 em Economia

Com capacitação e ordenamento, nova Beira-Mar impulsiona desenvolvimento econômico da cidade

Mais de 1.300 permissionários foram capacitados em parceria com a Secretaria Municipal do Desenvolvimento Econômico (SDE)


Sandra posa para a foto segurando um coco
“Eu me regularizei e virei uma MEI para participar da seleção. Fiz tudo certinho e pedi a Deus que me ajudasse. Agora eu tenho um espaço digno de trabalho e me sinto muito grata”, comemora Sandra Lima (Fotos: Rodrigo Carvalho)

A nova Beira-Mar de Fortaleza compõe o principal cartão-postal do Ceará e é considerada uma das praias urbanas mais bonitas do Brasil. Por isso, a requalificação e a padronização da orla foi pensada para atrair mais visitantes, alavancando o desenvolvimento econômico da cidade, além de beneficiar o próprio fortalezense, que passa a usufruir de um novo espaço público, democrático e pronto para receber todos com segurança e infraestrutura adequada.

A Prefeitura realizou a engorda do aterro já existente na Praia de Iracema e criou um novo aterro entre as avenidas Rui Barbosa e Desembargador Moreira, com acréscimo de 80 metros de praia. Juntas, as faixas somam dois quilômetros. “Com as obras de requalificação e ampliação da faixa de areia da praia, o espaço se tornou um verdadeiro polo para o desenvolvimento econômico, onde é possível encontrar boa gastronomia, arte, artesanato e diversão, tudo em um só lugar", avalia o secretário da Infraestrutura, Samuel Dias. O novo aterro possibilitou a ampliação do calçadão e a criação de 350 vagas de estacionamento. A avenida também recebeu piso intertravado e foi beneficiada com a instalação de um amplo e moderno sistema de drenagem, além da instalação de quiosques padronizados.

O comerciante Edmar José de Morais, que trabalha na Beira-Mar há 42 anos, foi um dos primeiros permissionários agraciados com as chaves do novo quiosque. Tendo assinado o Termo de Permissão de Uso com a Regional 2, que prevê normas e orientações sobre as dinâmicas de conservação e manutenção. Para ele, o momento é de renovação e de muito trabalho. “É uma grande alegria. Passei muito tempo em um outro quiosque com uma estrutura bem precária, e a gente não tinha onde guardar nosso material de cozinha. Passamos esse tempo na expectativa e finalmente saiu. Eu confiei, tive muito contato com o pessoal da Prefeitura e eu fiquei satisfeito”.

A microempreendedora Sandra Lima também foi uma das beneficiadas com as chaves de um quiosque. Ela que já trabalhava na Beira-Mar como ambulante - vendedora de coco - quando participou do processo licitatório para a permissão onerosa de uso e exploração comercial de um quiosque, via edital de licitação. “Eu me regularizei e virei uma MEI para participar da seleção. Fiz tudo certinho e pedi a Deus que me ajudasse. Agora eu tenho um espaço digno de trabalho e me sinto muito grata”, comemora.

Reordenamento e capacitação

Para idealizar a nova infraestrutura implantada na Beira-Mar, a Prefeitura levou em consideração todas as características que tornam o espaço atraente para quem trabalha e também para quem o frequenta para o lazer. Assim, a partir desse olhar, a Regional 2 iniciou um trabalho de ordenamento do espaço. “Inicialmente, mapeamos as atividades por categoria, compreendendo o uso daquele espaço. Para se ter uma ideia, atualmente, a Beira-Mar reúne diversas iniciativas na área do esporte, gastronomia e cultura, como exemplo as assessorias esportivas, o polo de artesanato e os quiosques ao longo da orla”, informa o secretário da Regional 2, Rennys Frota.

Beneficiada pela ação de ordenamento, a educadora física Renata Costa, instrutora de treinamento funcional, se diz satisfeita com as mudanças realizadas pela Prefeitura. “Realmente estava precisando. Antigamente, tinha confusão e bagunça. Hoje em dia, após o ordenamento, temos um espaço para trabalhar com segurança”, comemora. “Agora temos um ambiente agradável tanto para os moradores como para os visitantes. Fico feliz em ter a sorte de trabalhar em um espaço tão agradável e organizado”, avalia a professora.

uma bandeja de camarões
Ações como a concessão do Mercado dos Peixes fortalecem a geração de emprego e renda

O secretário Rennys conta, ainda, que, depois do mapeamento e cadastramento, 1.354 permissionários foram capacitados em uma parceria com a Secretaria Municipal do Desenvolvimento Econômico (SDE). “Essa ação é voltada não só para que eles adquiram noção de empreendedorismo, mas para que ao final eles tenham o seu negócio sustentável e atendendo bem o público”, acrescenta. “E é importante pontuar que todo esse trabalho de ordenamento vem sendo realizado em uma parceria entre Prefeitura, a comunidade e associações ali presentes. É nesse diálogo que estamos colhendo os bons frutos”, finaliza.

mulher ajeita os produtos em um quiosque de bijoterias
Melhorias e adequações de infraestrutura são discutidas entre Prefeitura e permissionários

São realizados ciclos de encontros entre a Prefeitura e os permissionários dos quiosques para discutir melhorias e adequações de infraestrutura. Outra iniciativa para caminhar junto à comunidade é a escolha de dois supervisores comunitários por trecho da Beira-Mar. Eleitos pela própria categoria a qual representam, eles têm como responsabilidade ser uma ponte entre a Regional 2 e os permissionários para a comunicação e solução mais rápida de questões do dia-a-dia.

Para o secretário do Desenvolvimento Econômico, Rodrigo Nogueira, “o processo de capacitação dos permissionários, o ordenamento do território e as obras de requalificação da orla já trazem impacto positivo, melhorando a economia local, além de proporcionar o fortalecimento e a geração de emprego e renda de toda Fortaleza”, avalia. Nogueira destaca as concessões do Mercado dos Peixes, que já foi concedido à iniciativa privada, e a dos espigões das avenidas Rui Barbosa e Desembargador Moreira, que devem ser retomadas em 2022. “A ideia é trazer um novo dinamismo para a orla, tanto para incrementar o turismo, que é tão necessário nessa retomada da economia, como para nós fortalezenses que frequentamos esses ambientes”, avalia.

A permissionária Sandra Leonel, que trabalha com a venda de camarão e frutos do mar no Mercado dos Peixes há 15 anos, vê como positivas as ações de melhoria realizadas pela Prefeitura. "Fizemos a capacitação realizada pela Prefeitura e isso nos ajudou a ter noção de empreendedorismo, a parte financeira, além de boas práticas em higienização e alimentação”, comenta. Ela também avalia como positiva a concessão do Mercado dos Peixes para a iniciativa privada. “Nós sentimos algumas melhorias, as coisas estão caminhando bem, principalmente na organização do Mercado e na limpeza. Todos nós somos pessoas simples e queremos ter a segurança de trabalhar com dignidade. Esse espaço é nosso”, comenta Sandra, que trabalha com a irmã Silvana no boxe 3, que já foi do pai falecido.

Feirinha de artesanato

foto área da obra da nova feirinha da beira-mar
Estão sendo construídos 707 boxes comerciais para a feirinha de artesanato (Foto: Izaías Vieira)

Atualmente, estão em execução ações de urbanização da orla, que, dentre outros benefícios, garantirão alternativas de lazer e melhores condições de trabalho aos empreendedores da região. A artesã Silveli Nogueira é uma das permissionárias da feirinha da Beira-Mar, que trabalha no local há 21 anos. “Estou muito feliz e com a alta expectativa de que nossas condições de trabalho melhorem. A nova Beira-Mar é um sonho que está sendo realizado. Tudo o que eu sempre quis: um ambiente de trabalho mais confortável, com mais segurança, todo padronizado”. A artesã conta ainda que está ansiosa para receber seu novo boxe. “Aqui, a gente monta e desmonta todo dia. Com essa nova estrutura, vamos ter um cantinho para guardar nosso material”, comemora.

No local, estão sendo construídos 707 boxes comerciais para a feirinha, previstos para serem entregues no primeiro trimestre de 2022. “Todos nós almejamos essa reforma. Graças a Deus o projeto saiu do papel e está mais bonito do que imaginávamos. Meus clientes elogiam muito a orla, dizem que está bem iluminada e bem frequentada”, revela a rendeira Sandra Maria, que também atua como permissionária da feirinha há 20 anos. Sandra conta que tem notado um fluxo maior de visitantes. “Eu diria que estamos surpresos com a quantidade de turistas. Isso muito por conta do trabalho que foi feito pelo Governo do Estado e pela Prefeitura em todo esse período de pandemia. As pessoas estão se sentindo mais seguras e nós estamos seguindo todos os protocolos, como o distanciamento social, uso de máscara e oferecendo álcool em gel”, revela.

Com capacitação e ordenamento, nova Beira-Mar impulsiona desenvolvimento econômico da cidade

Mais de 1.300 permissionários foram capacitados em parceria com a Secretaria Municipal do Desenvolvimento Econômico (SDE)

Sandra posa para a foto segurando um coco
“Eu me regularizei e virei uma MEI para participar da seleção. Fiz tudo certinho e pedi a Deus que me ajudasse. Agora eu tenho um espaço digno de trabalho e me sinto muito grata”, comemora Sandra Lima (Fotos: Rodrigo Carvalho)

A nova Beira-Mar de Fortaleza compõe o principal cartão-postal do Ceará e é considerada uma das praias urbanas mais bonitas do Brasil. Por isso, a requalificação e a padronização da orla foi pensada para atrair mais visitantes, alavancando o desenvolvimento econômico da cidade, além de beneficiar o próprio fortalezense, que passa a usufruir de um novo espaço público, democrático e pronto para receber todos com segurança e infraestrutura adequada.

A Prefeitura realizou a engorda do aterro já existente na Praia de Iracema e criou um novo aterro entre as avenidas Rui Barbosa e Desembargador Moreira, com acréscimo de 80 metros de praia. Juntas, as faixas somam dois quilômetros. “Com as obras de requalificação e ampliação da faixa de areia da praia, o espaço se tornou um verdadeiro polo para o desenvolvimento econômico, onde é possível encontrar boa gastronomia, arte, artesanato e diversão, tudo em um só lugar", avalia o secretário da Infraestrutura, Samuel Dias. O novo aterro possibilitou a ampliação do calçadão e a criação de 350 vagas de estacionamento. A avenida também recebeu piso intertravado e foi beneficiada com a instalação de um amplo e moderno sistema de drenagem, além da instalação de quiosques padronizados.

O comerciante Edmar José de Morais, que trabalha na Beira-Mar há 42 anos, foi um dos primeiros permissionários agraciados com as chaves do novo quiosque. Tendo assinado o Termo de Permissão de Uso com a Regional 2, que prevê normas e orientações sobre as dinâmicas de conservação e manutenção. Para ele, o momento é de renovação e de muito trabalho. “É uma grande alegria. Passei muito tempo em um outro quiosque com uma estrutura bem precária, e a gente não tinha onde guardar nosso material de cozinha. Passamos esse tempo na expectativa e finalmente saiu. Eu confiei, tive muito contato com o pessoal da Prefeitura e eu fiquei satisfeito”.

A microempreendedora Sandra Lima também foi uma das beneficiadas com as chaves de um quiosque. Ela que já trabalhava na Beira-Mar como ambulante - vendedora de coco - quando participou do processo licitatório para a permissão onerosa de uso e exploração comercial de um quiosque, via edital de licitação. “Eu me regularizei e virei uma MEI para participar da seleção. Fiz tudo certinho e pedi a Deus que me ajudasse. Agora eu tenho um espaço digno de trabalho e me sinto muito grata”, comemora.

Reordenamento e capacitação

Para idealizar a nova infraestrutura implantada na Beira-Mar, a Prefeitura levou em consideração todas as características que tornam o espaço atraente para quem trabalha e também para quem o frequenta para o lazer. Assim, a partir desse olhar, a Regional 2 iniciou um trabalho de ordenamento do espaço. “Inicialmente, mapeamos as atividades por categoria, compreendendo o uso daquele espaço. Para se ter uma ideia, atualmente, a Beira-Mar reúne diversas iniciativas na área do esporte, gastronomia e cultura, como exemplo as assessorias esportivas, o polo de artesanato e os quiosques ao longo da orla”, informa o secretário da Regional 2, Rennys Frota.

Beneficiada pela ação de ordenamento, a educadora física Renata Costa, instrutora de treinamento funcional, se diz satisfeita com as mudanças realizadas pela Prefeitura. “Realmente estava precisando. Antigamente, tinha confusão e bagunça. Hoje em dia, após o ordenamento, temos um espaço para trabalhar com segurança”, comemora. “Agora temos um ambiente agradável tanto para os moradores como para os visitantes. Fico feliz em ter a sorte de trabalhar em um espaço tão agradável e organizado”, avalia a professora.

uma bandeja de camarões
Ações como a concessão do Mercado dos Peixes fortalecem a geração de emprego e renda

O secretário Rennys conta, ainda, que, depois do mapeamento e cadastramento, 1.354 permissionários foram capacitados em uma parceria com a Secretaria Municipal do Desenvolvimento Econômico (SDE). “Essa ação é voltada não só para que eles adquiram noção de empreendedorismo, mas para que ao final eles tenham o seu negócio sustentável e atendendo bem o público”, acrescenta. “E é importante pontuar que todo esse trabalho de ordenamento vem sendo realizado em uma parceria entre Prefeitura, a comunidade e associações ali presentes. É nesse diálogo que estamos colhendo os bons frutos”, finaliza.

mulher ajeita os produtos em um quiosque de bijoterias
Melhorias e adequações de infraestrutura são discutidas entre Prefeitura e permissionários

São realizados ciclos de encontros entre a Prefeitura e os permissionários dos quiosques para discutir melhorias e adequações de infraestrutura. Outra iniciativa para caminhar junto à comunidade é a escolha de dois supervisores comunitários por trecho da Beira-Mar. Eleitos pela própria categoria a qual representam, eles têm como responsabilidade ser uma ponte entre a Regional 2 e os permissionários para a comunicação e solução mais rápida de questões do dia-a-dia.

Para o secretário do Desenvolvimento Econômico, Rodrigo Nogueira, “o processo de capacitação dos permissionários, o ordenamento do território e as obras de requalificação da orla já trazem impacto positivo, melhorando a economia local, além de proporcionar o fortalecimento e a geração de emprego e renda de toda Fortaleza”, avalia. Nogueira destaca as concessões do Mercado dos Peixes, que já foi concedido à iniciativa privada, e a dos espigões das avenidas Rui Barbosa e Desembargador Moreira, que devem ser retomadas em 2022. “A ideia é trazer um novo dinamismo para a orla, tanto para incrementar o turismo, que é tão necessário nessa retomada da economia, como para nós fortalezenses que frequentamos esses ambientes”, avalia.

A permissionária Sandra Leonel, que trabalha com a venda de camarão e frutos do mar no Mercado dos Peixes há 15 anos, vê como positivas as ações de melhoria realizadas pela Prefeitura. "Fizemos a capacitação realizada pela Prefeitura e isso nos ajudou a ter noção de empreendedorismo, a parte financeira, além de boas práticas em higienização e alimentação”, comenta. Ela também avalia como positiva a concessão do Mercado dos Peixes para a iniciativa privada. “Nós sentimos algumas melhorias, as coisas estão caminhando bem, principalmente na organização do Mercado e na limpeza. Todos nós somos pessoas simples e queremos ter a segurança de trabalhar com dignidade. Esse espaço é nosso”, comenta Sandra, que trabalha com a irmã Silvana no boxe 3, que já foi do pai falecido.

Feirinha de artesanato

foto área da obra da nova feirinha da beira-mar
Estão sendo construídos 707 boxes comerciais para a feirinha de artesanato (Foto: Izaías Vieira)

Atualmente, estão em execução ações de urbanização da orla, que, dentre outros benefícios, garantirão alternativas de lazer e melhores condições de trabalho aos empreendedores da região. A artesã Silveli Nogueira é uma das permissionárias da feirinha da Beira-Mar, que trabalha no local há 21 anos. “Estou muito feliz e com a alta expectativa de que nossas condições de trabalho melhorem. A nova Beira-Mar é um sonho que está sendo realizado. Tudo o que eu sempre quis: um ambiente de trabalho mais confortável, com mais segurança, todo padronizado”. A artesã conta ainda que está ansiosa para receber seu novo boxe. “Aqui, a gente monta e desmonta todo dia. Com essa nova estrutura, vamos ter um cantinho para guardar nosso material”, comemora.

No local, estão sendo construídos 707 boxes comerciais para a feirinha, previstos para serem entregues no primeiro trimestre de 2022. “Todos nós almejamos essa reforma. Graças a Deus o projeto saiu do papel e está mais bonito do que imaginávamos. Meus clientes elogiam muito a orla, dizem que está bem iluminada e bem frequentada”, revela a rendeira Sandra Maria, que também atua como permissionária da feirinha há 20 anos. Sandra conta que tem notado um fluxo maior de visitantes. “Eu diria que estamos surpresos com a quantidade de turistas. Isso muito por conta do trabalho que foi feito pelo Governo do Estado e pela Prefeitura em todo esse período de pandemia. As pessoas estão se sentindo mais seguras e nós estamos seguindo todos os protocolos, como o distanciamento social, uso de máscara e oferecendo álcool em gel”, revela.