19 de dezembro de 2019 em Mobilidade

Cristo Redentor é o primeiro bairro a receber o programa "Caminhos da Escola"

A intervenção contempla melhorias de infraestrutura e pinturas lúdicas no entorno das instituições de ensino


Um trecho da Av. Monsenhor Hélio Campos, no bairro Cristo Redentor, em Fortaleza, será o primeiro a receber um pacote de requalificação urbana do programa Caminhos da Escola, anunciado este ano pelo prefeito Roberto Cláudio com foco na segurança no trânsito, principalmente para crianças e jovens.

Pela via escolhida circulam cerca de 3 mil crianças e adolescentes das escolas Santa Teresa E.F., CEJA Monsenhor Hélio Campos e Virgílio Távora E.I./E.F. Além disso, cerca de 4.100 jovens de 0 a 19 anos são atendidos no Centro Social Urbano (CSU) Governador Virgílio Távora, que reúne Centro de Cidadania, de Educação Infantil, Posto de Saúde e Escola. O grande Pirambu, como é conhecido e onde fica localizado o bairro Cristo Redentor, reúne uma população superior a 300 mil habitantes, um dos maiores aglomerados urbanos do Brasil. O bairro ocupa, ainda, a 89° posição entre as 119 colocações no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Cidade.

Para o programa, a ideia é implementar intervenções no entorno de escolas públicas municipais, com melhorias de segurança viária e requalificação urbana, priorizando as crianças com a inclusão de intervenções lúdicas. “Além de garantir mais segurança pro ir e vir das escolas e outros equipamentos públicos, a gente quer tornar as ruas, calçadas e espaços públicos locais mais convidativos para o convívio urbano, brincadeiras e encontros. Tenho convicção de que esse é o primeiro passo de uma política pública vencedora, porque prioriza a vida das nossas crianças e jovens”, pondera o prefeito Roberto Cláudio.

Como primeira ação do projeto, neste mês de dezembro, será implementada uma intervenção temporária, similar ao realizado no entorno do Centro Cultural de Arte e Cultura Dragão do Mar e na área central da Cidade 2000 para testar as soluções como forma de prevenir conflitos entre pedestres, ciclistas e veículos. Serão implantados elementos de renovação, adequação e ajustes da sinalização viárias, além de requalificação e prolongamento de calçadas. A partir dos dados coletados no local, no primeiro semestre de 2020, também poderão ser implementadas travessias elevadas e convencionais e a requalificação de paradas de ônibus, entre outros. A intervenção é realizada em parceria com a Iniciativa Bloomberg de Segurança Viária Global, por meio da Iniciativa Global para o Desenho de Cidades da Associação Nacional de Técnicos em Trânsito e Transporte dos Estados Unidos (NACTO-GDCI na sigla em inglês).

Além de melhorias de infraestrutura, o trecho da intervenção também vai receber pinturas lúdicas em muros, nas calçadas e no asfalto. “Esse tipo de mudança na forma como a gente planeja e desenha as nossas ruas se mostrou vencedor em várias partes do mundo, como em Bogotá e em Nova Iorque. Quando a gente cria um espaço que é seguro para as crianças caminharem, criamos também um espaço seguro para todos os outros usuários”, destaca o secretário executivo de Conservação e Serviços Públicos de Fortaleza, Luís Alberto Saboia. Outras regiões que concentram escolas públicas nos bairros Conjunto Palmeiras e Montese também devem receber as intervenções ainda no primeiro semestre do próximo ano.

De acordo com o coordenador da Iniciativa Bloomberg para Segurança Viária Global em Fortaleza, Dante Rosado, “é importante compreender que a maior rede de espaços públicos que a gente dispõe nas cidades são as ruas, e é por isso que precisamos repensar o uso desses espaços para permitir novos usos, convívio e oportunidades, principalmente nas regiões mais carentes”. De acordo com o último Relatório Anual de Segurança Viária de Fortaleza, 226 pessoas morreram nas ruas e avenidas da Cidade, o que representa uma redução de 40% com relação a 2014.

Outras 11.150 pessoas ficaram feridas apenas em 2018. Nos últimos quatro anos, 2.171 crianças e adolescentes, com idades entre 0 e 17 anos, ficaram feridos e outros 42 morreram em acidentes de trânsito na capital cearense. Conforme a Organização Mundial de Saúde (OMS), essa já é a principal causa de morte de meninos e meninas nessa faixa etária em todo o planeta e também no Brasil, segundo o Ministério da Saúde.

A taxa de mortalidade por 100 mil habitantes, usada para comparar os índices entre cidades e países de todo o mundo, caiu de 14,7 para 8,5 no mesmo período. Para se ter ideia, segundo a OMS, a taxa de mortes por 100 mil habitantes do Brasil em 2017 foi de 17,7, sendo maior do que Argentina (14) e Chile (12,5), e seis vezes maior que a taxa da Suécia (2,8). A estimativa é de que os custos diretos e indiretos relacionados a acidentes de trânsito para toda a sociedade fortalezense foram da ordem de R$ 506 milhões, valor que representa 0,8% do PIB da Capital. Considerando somente os acidentes com vítimas, calcula-se uma redução de 15% no impacto estimado no sistema de saúde pública.

O programa Caminhos da Escola tem como objetivo garantir a segurança viária de crianças nos seus deslocamentos diários, por meio da implantação de intervenções em áreas escolares. Para cada tipo de intervenção de desenho urbano será desenvolvido um projeto piloto, levando em consideração as peculiaridades de cada entorno escolar. A intenção é que o entorno das escolas sejam áreas de convivência e brincadeiras. “Se você cria uma rua que funciona para crianças, você cria uma rua que funciona para todos”, disse Janette Sadik-Khan, presidente da Nacto e diretora da Bloomberg Associates.

O Caminhos da Escola, da Prefeitura de Fortaleza, também vai receber, a partir de 2020, o apoio do projeto “Street for Kids”, que é patrocinado pela Fundação Bernard van Leer, Fundação FiA, Fundação Botnar e pela Bloomberg Philanthropies.

Serviço:
Inauguração da intervenção do projeto “Caminhos da Escola”
Data: 20/12/2019 (sexta-feira)
Horário: 16h30
Local: CEJA Monsenhor Hélio Campos (Av. Monsenhor Hélio Campos, 251 - Cristo Redentor)

Cristo Redentor é o primeiro bairro a receber o programa "Caminhos da Escola"

A intervenção contempla melhorias de infraestrutura e pinturas lúdicas no entorno das instituições de ensino

Um trecho da Av. Monsenhor Hélio Campos, no bairro Cristo Redentor, em Fortaleza, será o primeiro a receber um pacote de requalificação urbana do programa Caminhos da Escola, anunciado este ano pelo prefeito Roberto Cláudio com foco na segurança no trânsito, principalmente para crianças e jovens.

Pela via escolhida circulam cerca de 3 mil crianças e adolescentes das escolas Santa Teresa E.F., CEJA Monsenhor Hélio Campos e Virgílio Távora E.I./E.F. Além disso, cerca de 4.100 jovens de 0 a 19 anos são atendidos no Centro Social Urbano (CSU) Governador Virgílio Távora, que reúne Centro de Cidadania, de Educação Infantil, Posto de Saúde e Escola. O grande Pirambu, como é conhecido e onde fica localizado o bairro Cristo Redentor, reúne uma população superior a 300 mil habitantes, um dos maiores aglomerados urbanos do Brasil. O bairro ocupa, ainda, a 89° posição entre as 119 colocações no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Cidade.

Para o programa, a ideia é implementar intervenções no entorno de escolas públicas municipais, com melhorias de segurança viária e requalificação urbana, priorizando as crianças com a inclusão de intervenções lúdicas. “Além de garantir mais segurança pro ir e vir das escolas e outros equipamentos públicos, a gente quer tornar as ruas, calçadas e espaços públicos locais mais convidativos para o convívio urbano, brincadeiras e encontros. Tenho convicção de que esse é o primeiro passo de uma política pública vencedora, porque prioriza a vida das nossas crianças e jovens”, pondera o prefeito Roberto Cláudio.

Como primeira ação do projeto, neste mês de dezembro, será implementada uma intervenção temporária, similar ao realizado no entorno do Centro Cultural de Arte e Cultura Dragão do Mar e na área central da Cidade 2000 para testar as soluções como forma de prevenir conflitos entre pedestres, ciclistas e veículos. Serão implantados elementos de renovação, adequação e ajustes da sinalização viárias, além de requalificação e prolongamento de calçadas. A partir dos dados coletados no local, no primeiro semestre de 2020, também poderão ser implementadas travessias elevadas e convencionais e a requalificação de paradas de ônibus, entre outros. A intervenção é realizada em parceria com a Iniciativa Bloomberg de Segurança Viária Global, por meio da Iniciativa Global para o Desenho de Cidades da Associação Nacional de Técnicos em Trânsito e Transporte dos Estados Unidos (NACTO-GDCI na sigla em inglês).

Além de melhorias de infraestrutura, o trecho da intervenção também vai receber pinturas lúdicas em muros, nas calçadas e no asfalto. “Esse tipo de mudança na forma como a gente planeja e desenha as nossas ruas se mostrou vencedor em várias partes do mundo, como em Bogotá e em Nova Iorque. Quando a gente cria um espaço que é seguro para as crianças caminharem, criamos também um espaço seguro para todos os outros usuários”, destaca o secretário executivo de Conservação e Serviços Públicos de Fortaleza, Luís Alberto Saboia. Outras regiões que concentram escolas públicas nos bairros Conjunto Palmeiras e Montese também devem receber as intervenções ainda no primeiro semestre do próximo ano.

De acordo com o coordenador da Iniciativa Bloomberg para Segurança Viária Global em Fortaleza, Dante Rosado, “é importante compreender que a maior rede de espaços públicos que a gente dispõe nas cidades são as ruas, e é por isso que precisamos repensar o uso desses espaços para permitir novos usos, convívio e oportunidades, principalmente nas regiões mais carentes”. De acordo com o último Relatório Anual de Segurança Viária de Fortaleza, 226 pessoas morreram nas ruas e avenidas da Cidade, o que representa uma redução de 40% com relação a 2014.

Outras 11.150 pessoas ficaram feridas apenas em 2018. Nos últimos quatro anos, 2.171 crianças e adolescentes, com idades entre 0 e 17 anos, ficaram feridos e outros 42 morreram em acidentes de trânsito na capital cearense. Conforme a Organização Mundial de Saúde (OMS), essa já é a principal causa de morte de meninos e meninas nessa faixa etária em todo o planeta e também no Brasil, segundo o Ministério da Saúde.

A taxa de mortalidade por 100 mil habitantes, usada para comparar os índices entre cidades e países de todo o mundo, caiu de 14,7 para 8,5 no mesmo período. Para se ter ideia, segundo a OMS, a taxa de mortes por 100 mil habitantes do Brasil em 2017 foi de 17,7, sendo maior do que Argentina (14) e Chile (12,5), e seis vezes maior que a taxa da Suécia (2,8). A estimativa é de que os custos diretos e indiretos relacionados a acidentes de trânsito para toda a sociedade fortalezense foram da ordem de R$ 506 milhões, valor que representa 0,8% do PIB da Capital. Considerando somente os acidentes com vítimas, calcula-se uma redução de 15% no impacto estimado no sistema de saúde pública.

O programa Caminhos da Escola tem como objetivo garantir a segurança viária de crianças nos seus deslocamentos diários, por meio da implantação de intervenções em áreas escolares. Para cada tipo de intervenção de desenho urbano será desenvolvido um projeto piloto, levando em consideração as peculiaridades de cada entorno escolar. A intenção é que o entorno das escolas sejam áreas de convivência e brincadeiras. “Se você cria uma rua que funciona para crianças, você cria uma rua que funciona para todos”, disse Janette Sadik-Khan, presidente da Nacto e diretora da Bloomberg Associates.

O Caminhos da Escola, da Prefeitura de Fortaleza, também vai receber, a partir de 2020, o apoio do projeto “Street for Kids”, que é patrocinado pela Fundação Bernard van Leer, Fundação FiA, Fundação Botnar e pela Bloomberg Philanthropies.

Serviço:
Inauguração da intervenção do projeto “Caminhos da Escola”
Data: 20/12/2019 (sexta-feira)
Horário: 16h30
Local: CEJA Monsenhor Hélio Campos (Av. Monsenhor Hélio Campos, 251 - Cristo Redentor)