16 de maio de 2018 em Mobilidade

Demanda de uso dos bicicletários nos terminais é maior nos bairros Siqueira e Parangaba

Os estacionamentos são gratuitos e a guarda das bicicletas conta com um operador que realiza um cadastro prévio


Com a finalidade de proporcionar a integração do transporte coletivo com o modal bicicleta, a Prefeitura de Fortaleza, por meio da Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) e a Organização Não Governamental Governos Locais pela Sustentabilidade (Iclei), instalou quatro bicicletários próximo aos terminais Siqueira, Parangaba, Antônio Bezerra e Conjunto Ceará. Os estacionamentos são gratuitos e a guarda das bicicletas conta com um operador que realiza um cadastro prévio para o uso. Os equipamentos são gerenciados pela Socicam, que já administra os Terminais de Integração de Ônibus de Fortaleza.

A adesão dos usuários tem sido mais alta nos terminais Siqueira e Parangaba, já que os espaços chegam a receber 500 bicicletas mensalmente. Em 2018, os bicicletários cadastraram 709 usuários e são realizados em média 27 cadastros ao mês, totalizando movimentação de 1146 bicicletas ao mês nos quatro bicicletários. Os números confirmam a adesão dos passageiros que tem o deslocamento facilitado, já que podem utilizar a bicicleta de suas residências ou do trabalho em direção ao terminal, favorecendo a economia e o cuidado com o meio ambiente. A ação potencializa o uso da bicicleta não apenas para fins de recreação ou esporte, mas, sobretudo, para trabalho e estudo, nas trajetórias diárias.

A iniciativa faz parte do projeto UrbanLeds, desenvolvido pela Organização Não Governamental Governos Locais pela Sustentabilidade (Iclei) que instalou os equipamentos sem custo para a Prefeitura. O Iclei é uma entidade ligada à Organização das Nações Unidas (ONU) para enfrentamento às mudanças climáticas. Fortaleza foi escolhida como cidade-modelo do programa e elaborou, com o apoio internacional, o primeiro Inventário de Gases do Efeito Estufa (GEE), apresentado em 2014. No estudo, os transportes foram apontados como principais responsáveis pelas emissões de poluentes para a atmosfera.

Com o Programa de Expansão da Malha Cicloviária em amplo desenvolvimento, a Prefeitura de Fortaleza, somente no período da atual gestão, bateu um recorde histórico, ampliando em 232% a rede cicloviária na cidade. Dessa forma, a cidade, que tinha apenas 68,2 km de rede cicloviária ao final de 2012, hoje conta com os atuais 226,3 km de infraestrutura cicloviária, sendo 101,5 km de ciclovias, 120,8 km de ciclofaixas, 3,9 km de ciclorrotas e 0,1 km de passeio compartilhado.

Demanda de uso dos bicicletários nos terminais é maior nos bairros Siqueira e Parangaba

Os estacionamentos são gratuitos e a guarda das bicicletas conta com um operador que realiza um cadastro prévio

Com a finalidade de proporcionar a integração do transporte coletivo com o modal bicicleta, a Prefeitura de Fortaleza, por meio da Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) e a Organização Não Governamental Governos Locais pela Sustentabilidade (Iclei), instalou quatro bicicletários próximo aos terminais Siqueira, Parangaba, Antônio Bezerra e Conjunto Ceará. Os estacionamentos são gratuitos e a guarda das bicicletas conta com um operador que realiza um cadastro prévio para o uso. Os equipamentos são gerenciados pela Socicam, que já administra os Terminais de Integração de Ônibus de Fortaleza.

A adesão dos usuários tem sido mais alta nos terminais Siqueira e Parangaba, já que os espaços chegam a receber 500 bicicletas mensalmente. Em 2018, os bicicletários cadastraram 709 usuários e são realizados em média 27 cadastros ao mês, totalizando movimentação de 1146 bicicletas ao mês nos quatro bicicletários. Os números confirmam a adesão dos passageiros que tem o deslocamento facilitado, já que podem utilizar a bicicleta de suas residências ou do trabalho em direção ao terminal, favorecendo a economia e o cuidado com o meio ambiente. A ação potencializa o uso da bicicleta não apenas para fins de recreação ou esporte, mas, sobretudo, para trabalho e estudo, nas trajetórias diárias.

A iniciativa faz parte do projeto UrbanLeds, desenvolvido pela Organização Não Governamental Governos Locais pela Sustentabilidade (Iclei) que instalou os equipamentos sem custo para a Prefeitura. O Iclei é uma entidade ligada à Organização das Nações Unidas (ONU) para enfrentamento às mudanças climáticas. Fortaleza foi escolhida como cidade-modelo do programa e elaborou, com o apoio internacional, o primeiro Inventário de Gases do Efeito Estufa (GEE), apresentado em 2014. No estudo, os transportes foram apontados como principais responsáveis pelas emissões de poluentes para a atmosfera.

Com o Programa de Expansão da Malha Cicloviária em amplo desenvolvimento, a Prefeitura de Fortaleza, somente no período da atual gestão, bateu um recorde histórico, ampliando em 232% a rede cicloviária na cidade. Dessa forma, a cidade, que tinha apenas 68,2 km de rede cicloviária ao final de 2012, hoje conta com os atuais 226,3 km de infraestrutura cicloviária, sendo 101,5 km de ciclovias, 120,8 km de ciclofaixas, 3,9 km de ciclorrotas e 0,1 km de passeio compartilhado.