20 de janeiro de 2021 em Juventude

História da Arte passa a integrar itinerário formativo da Rede Cuca

O mediador será o professor Solon Ribeiro, 64, artista visual e curador


Cursos na área de História da Arte passam a fazer parte da oferta de cursos da Rede Cuca. O mediador será o professor Solon Ribeiro, 64, artista visual e curador cuja obra, reconhecida no Brasil e no mundo, transita entre a fotografia, audiovisual e a performance.

No último ano, Ribeiro já havia ministrado o curso on-line "Fotografia desconstruída: da câmara obscura à foto-instalação". Em janeiro, iniciou o curso "História da Arte: do moderno ao contemporâneo", no qual traz um panorama de questões que permeiam a história da arte desde o Renascimento até a arte contemporânea. “A recepção dos alunos está sendo bem bacana. Tem várias pessoas ligadas à arte, à dança e que têm interesse em conhecer e aprofundar mais sobre as questões da linguagem visual”, destaca Solon.
 
O artista também reflete sobre oferecer cursos na área de história da arte em um equipamento voltado à juventude periférica e acredita que esse fator é respondido com uma postura artística que instiga a pensar a arte e a periferia de outras formas. 
 
“Me sinto muito estimulado a desenvolver este projeto na Rede Cuca. O fato das pessoas viverem na periferia não as torna menos aptas a desenvolverem uma experiência nas artes visuais. A vida exige mais dessas pessoas que são menos favorecidas socialmente e elas terminam respondendo com mais atitude e, inventivamente, elaboram outros artefatos para tornar a viagem pelo mundo mais colorida. Hoje, existe um orgulho periférico que é responsável por uma nova postura artística, nos instigando a pensar a arte e a periferia de outra forma”, afirma. 
 
Para a coordenadora de Formação e Tecnologia da Rede Cuca, Zoraia Nunes, ter Solon Ribeiro na Rede Cuca é um divisor de águas no trabalho. “Ter o professor Solon Ribeiro no quadro de colaboradores da Rede Cuca é uma honra, além de ser uma imensa alegria porque a gente tá falando de um dos maiores artistas visuais do País, um sujeito que produz, que é um artista, da performance, da fotografia, do audiovisual. A gente tá falando de um discípulo de Hélio Oiticica, então é um marco, um divisor de águas no nosso trabalho”, celebra.
 
Ela explica ainda que a história da arte já era algo que permeava as formações de fotografia e audiovisual mas que sentia-se a necessidade de abordar o assunto de uma forma mais densa. “A História da Arte permeia a fotografia e o audiovisual. Todo esse processo de construção e produção de imagem é permeado pelo conhecimento da história da arte, das suas características, das escolas e contextos que as escolas surgem. E a gente começou a sentir falta de trazer esses conceitos de uma forma mais densa. Agora tivemos condições de entrar nessa área por termos um professor que é especialista nessa área”.

Solon Ribeiro

Solon Ribeiro nasceu na cidade do Crato e desde criança teve contato com cinema, fotogramas e o colecionismo por meio do avô. Na adolescência, mudou-se para Fortaleza e logo em seguida, partiu para São Paulo, onde se aprofundou na fotografia e trabalhou para o Grupo Abril.

Na década de 1980, Solon embarcou para estudar arte e comunicação na École Nationale Supérieure des Arts Décoratifs (EnsAD), em Paris (França). De volta a Fortaleza na década de 1990, começou a trabalhar com na área de educação, onde coordenou o curso de Artes Visuais da Faculdade Gama Filho, que formou artistas, como Yuri Firmeza, Waléria Américo e Cecília Bedê.

Sobre a Rede Cuca

A Rede Cuca é uma rede de proteção social e oportunidades formada por quatro Centros Urbanos de Cultura, Arte, Ciência e Esporte (Cucas), mantidos pela Prefeitura de Fortaleza, por meio da Coordenadoria Especial de Políticas Públicas de Juventude.

Geridos pelo Instituto Cuca, os Cucas Barra, Mondubim, Jangurussu e José Walter atendem, prioritariamente, jovens de 15 a 29 anos, oferecendo cursos que abrangem diversas áreas de conhecimentos, como formação e tecnologia, artes, comunicação e empregabilidade. São 30 modalidades esportivas, difusão cultural, formações e produções na área de comunicação e atividades que fortalecem o protagonismo juvenil e realizam a promoção e a garantia de direitos humanos.

Além disso, a Rede Cuca também visa levar para a periferia de Fortaleza possibilidades e alternativas de fruição cultural por meio da realização de eventos estratégicos, festivais, mostras, exposições e programação permanente de shows, espetáculos e cinema.

História da Arte passa a integrar itinerário formativo da Rede Cuca

O mediador será o professor Solon Ribeiro, 64, artista visual e curador

Cursos na área de História da Arte passam a fazer parte da oferta de cursos da Rede Cuca. O mediador será o professor Solon Ribeiro, 64, artista visual e curador cuja obra, reconhecida no Brasil e no mundo, transita entre a fotografia, audiovisual e a performance.

No último ano, Ribeiro já havia ministrado o curso on-line "Fotografia desconstruída: da câmara obscura à foto-instalação". Em janeiro, iniciou o curso "História da Arte: do moderno ao contemporâneo", no qual traz um panorama de questões que permeiam a história da arte desde o Renascimento até a arte contemporânea. “A recepção dos alunos está sendo bem bacana. Tem várias pessoas ligadas à arte, à dança e que têm interesse em conhecer e aprofundar mais sobre as questões da linguagem visual”, destaca Solon.
 
O artista também reflete sobre oferecer cursos na área de história da arte em um equipamento voltado à juventude periférica e acredita que esse fator é respondido com uma postura artística que instiga a pensar a arte e a periferia de outras formas. 
 
“Me sinto muito estimulado a desenvolver este projeto na Rede Cuca. O fato das pessoas viverem na periferia não as torna menos aptas a desenvolverem uma experiência nas artes visuais. A vida exige mais dessas pessoas que são menos favorecidas socialmente e elas terminam respondendo com mais atitude e, inventivamente, elaboram outros artefatos para tornar a viagem pelo mundo mais colorida. Hoje, existe um orgulho periférico que é responsável por uma nova postura artística, nos instigando a pensar a arte e a periferia de outra forma”, afirma. 
 
Para a coordenadora de Formação e Tecnologia da Rede Cuca, Zoraia Nunes, ter Solon Ribeiro na Rede Cuca é um divisor de águas no trabalho. “Ter o professor Solon Ribeiro no quadro de colaboradores da Rede Cuca é uma honra, além de ser uma imensa alegria porque a gente tá falando de um dos maiores artistas visuais do País, um sujeito que produz, que é um artista, da performance, da fotografia, do audiovisual. A gente tá falando de um discípulo de Hélio Oiticica, então é um marco, um divisor de águas no nosso trabalho”, celebra.
 
Ela explica ainda que a história da arte já era algo que permeava as formações de fotografia e audiovisual mas que sentia-se a necessidade de abordar o assunto de uma forma mais densa. “A História da Arte permeia a fotografia e o audiovisual. Todo esse processo de construção e produção de imagem é permeado pelo conhecimento da história da arte, das suas características, das escolas e contextos que as escolas surgem. E a gente começou a sentir falta de trazer esses conceitos de uma forma mais densa. Agora tivemos condições de entrar nessa área por termos um professor que é especialista nessa área”.

Solon Ribeiro

Solon Ribeiro nasceu na cidade do Crato e desde criança teve contato com cinema, fotogramas e o colecionismo por meio do avô. Na adolescência, mudou-se para Fortaleza e logo em seguida, partiu para São Paulo, onde se aprofundou na fotografia e trabalhou para o Grupo Abril.

Na década de 1980, Solon embarcou para estudar arte e comunicação na École Nationale Supérieure des Arts Décoratifs (EnsAD), em Paris (França). De volta a Fortaleza na década de 1990, começou a trabalhar com na área de educação, onde coordenou o curso de Artes Visuais da Faculdade Gama Filho, que formou artistas, como Yuri Firmeza, Waléria Américo e Cecília Bedê.

Sobre a Rede Cuca

A Rede Cuca é uma rede de proteção social e oportunidades formada por quatro Centros Urbanos de Cultura, Arte, Ciência e Esporte (Cucas), mantidos pela Prefeitura de Fortaleza, por meio da Coordenadoria Especial de Políticas Públicas de Juventude.

Geridos pelo Instituto Cuca, os Cucas Barra, Mondubim, Jangurussu e José Walter atendem, prioritariamente, jovens de 15 a 29 anos, oferecendo cursos que abrangem diversas áreas de conhecimentos, como formação e tecnologia, artes, comunicação e empregabilidade. São 30 modalidades esportivas, difusão cultural, formações e produções na área de comunicação e atividades que fortalecem o protagonismo juvenil e realizam a promoção e a garantia de direitos humanos.

Além disso, a Rede Cuca também visa levar para a periferia de Fortaleza possibilidades e alternativas de fruição cultural por meio da realização de eventos estratégicos, festivais, mostras, exposições e programação permanente de shows, espetáculos e cinema.