13 de setembro de 2022 em Economia

“O programa me deu perspectiva, posso pensar no meu futuro”, celebra Maria Aldenisa, beneficiária 2.000 do Nossas Guerreiras

Com o microcrédito orientado de R$ 3 mil, Aldenisa comprou uma máquina de costura profissional e insumos para seu ateliê


grupo de pessoas posa para a foto
O prefeito José Sarto  visitou o ateliê da dona Aldenisa nesta terça-feira (13/09) e destacou as virtudes do programa Nossas Guerreiras (Foto: Alex Costa)

“O programa me deu perspectiva, posso pensar no meu futuro. Agora, trabalho para mim e também pude trazer benefícios para minhas amigas”, foi o que comemorou a costureira Maria Aldenisa, a 2.000ª beneficiária do programa Nossas Guerreiras, que fornece capacitação e microcrédito orientado de R$ 3 mil para mulheres chefes de família.

Moradora do bairro Jardim Guanabara, Maria Aldenisa tem 51 anos e é mãe de três filhos. A beneficiária conheceu o programa por conta de uma amiga e viu nele a oportunidade para empreender e melhorar sua qualidade de vida. Com o dinheiro, Aldenisa investiu em uma máquina de costura profissional e em insumos para o ateliê de costura da sua casa. Agora trabalham com ela outras quatro costureiras e uma assistente.

Como comentou o prefeito José Sarto, que visitou o ateliê da dona Aldenisa nesta terça-feira (13/09), uma das virtudes do programa Nossas Guerreiras é fazer a economia de Fortaleza circular por meio do investimento em empreendedorismo e na capacitação de mulheres.

“A Aldenisa é a beneficiária de número 2.000, mas já temos quase três mil mulheres que receberam o crédito e já estão empreendendo. É um ciclo virtuoso, em que nós emprestamos o dinheiro, capacitamos e acompanhamos as mulheres. Depois disso, esse recurso retorna para a cidade e, quando volta à Prefeitura, fomenta novas capacitações”, informou o prefeito.

De acordo com Rodrigo Nogueira, titular da Secretaria Municipal do Desenvolvimento Econômico (SDE), “a dona Aldenisa é um case de sucesso. Além dela, foram impactadas outras mulheres que utilizam o espaço de costura e a sua filha, Priscila, que também é uma das Nossas Guerreiras. A Aldenisa é um exemplo que encoraja outras mulheres a fazerem o mesmo caminho”.

Priscila Holanda realizou a capacitação junto com sua mãe. Ela vende seus produtos em feiras e em casa, onde funciona a sua lojinha. “Eu fiz o curso para ajudar a minha mãe, mas ao ver o conteúdo me interessei. Depois do investimento que recebemos, nós conseguimos pensar a longo prazo, sem precisar ficar presas apenas a uma renda mensal”, comemorou.

Priscila também celebrou a realização de políticas públicas para as mulheres de Fortaleza. “Além da economia e do empreendedorismo, uma política voltada para mulheres é fundamental. Não é o nosso caso, mas muitas mulheres vivem em situação de submissão e, conseguindo o crédito oferecido pela Prefeitura, elas podem seguir adiante e conquistar a independência social e financeira”.

O Nossas Guerreiras já capacitou 17.100 mulheres, que participaram do curso de elaboração de propostas de negócios, e já forneceu crédito para quase três mil mulheres. O programa tem por objetivo beneficiar 17 mil mulheres até 2024, sendo ofertado para mulheres de baixa renda, maiores de 18 anos, prioritariamente chefes de família e que desejem empreender.

Para participar do programa Nossas Guerreiras é preciso ser hipossuficiente em renda e não ter sido beneficiada com recursos em edições de programas ou projetos similares da Prefeitura. Além disso, o empreendimento deve estar localizado em Fortaleza, preferencialmente, em bairros de baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-b). O cadastro deve ser feito pelo portal Fortaleza Capacita.

“O programa me deu perspectiva, posso pensar no meu futuro”, celebra Maria Aldenisa, beneficiária 2.000 do Nossas Guerreiras

Com o microcrédito orientado de R$ 3 mil, Aldenisa comprou uma máquina de costura profissional e insumos para seu ateliê

grupo de pessoas posa para a foto
O prefeito José Sarto  visitou o ateliê da dona Aldenisa nesta terça-feira (13/09) e destacou as virtudes do programa Nossas Guerreiras (Foto: Alex Costa)

“O programa me deu perspectiva, posso pensar no meu futuro. Agora, trabalho para mim e também pude trazer benefícios para minhas amigas”, foi o que comemorou a costureira Maria Aldenisa, a 2.000ª beneficiária do programa Nossas Guerreiras, que fornece capacitação e microcrédito orientado de R$ 3 mil para mulheres chefes de família.

Moradora do bairro Jardim Guanabara, Maria Aldenisa tem 51 anos e é mãe de três filhos. A beneficiária conheceu o programa por conta de uma amiga e viu nele a oportunidade para empreender e melhorar sua qualidade de vida. Com o dinheiro, Aldenisa investiu em uma máquina de costura profissional e em insumos para o ateliê de costura da sua casa. Agora trabalham com ela outras quatro costureiras e uma assistente.

Como comentou o prefeito José Sarto, que visitou o ateliê da dona Aldenisa nesta terça-feira (13/09), uma das virtudes do programa Nossas Guerreiras é fazer a economia de Fortaleza circular por meio do investimento em empreendedorismo e na capacitação de mulheres.

“A Aldenisa é a beneficiária de número 2.000, mas já temos quase três mil mulheres que receberam o crédito e já estão empreendendo. É um ciclo virtuoso, em que nós emprestamos o dinheiro, capacitamos e acompanhamos as mulheres. Depois disso, esse recurso retorna para a cidade e, quando volta à Prefeitura, fomenta novas capacitações”, informou o prefeito.

De acordo com Rodrigo Nogueira, titular da Secretaria Municipal do Desenvolvimento Econômico (SDE), “a dona Aldenisa é um case de sucesso. Além dela, foram impactadas outras mulheres que utilizam o espaço de costura e a sua filha, Priscila, que também é uma das Nossas Guerreiras. A Aldenisa é um exemplo que encoraja outras mulheres a fazerem o mesmo caminho”.

Priscila Holanda realizou a capacitação junto com sua mãe. Ela vende seus produtos em feiras e em casa, onde funciona a sua lojinha. “Eu fiz o curso para ajudar a minha mãe, mas ao ver o conteúdo me interessei. Depois do investimento que recebemos, nós conseguimos pensar a longo prazo, sem precisar ficar presas apenas a uma renda mensal”, comemorou.

Priscila também celebrou a realização de políticas públicas para as mulheres de Fortaleza. “Além da economia e do empreendedorismo, uma política voltada para mulheres é fundamental. Não é o nosso caso, mas muitas mulheres vivem em situação de submissão e, conseguindo o crédito oferecido pela Prefeitura, elas podem seguir adiante e conquistar a independência social e financeira”.

O Nossas Guerreiras já capacitou 17.100 mulheres, que participaram do curso de elaboração de propostas de negócios, e já forneceu crédito para quase três mil mulheres. O programa tem por objetivo beneficiar 17 mil mulheres até 2024, sendo ofertado para mulheres de baixa renda, maiores de 18 anos, prioritariamente chefes de família e que desejem empreender.

Para participar do programa Nossas Guerreiras é preciso ser hipossuficiente em renda e não ter sido beneficiada com recursos em edições de programas ou projetos similares da Prefeitura. Além disso, o empreendimento deve estar localizado em Fortaleza, preferencialmente, em bairros de baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-b). O cadastro deve ser feito pelo portal Fortaleza Capacita.