30 de abril de 2019 em Infraestrutura

Prefeito Roberto Cláudio apresenta projeto de requalificação da Av. Desembargador Moreira em audiência pública

Seguindo tendências mundiais, trecho terá circulação viária substituída por calçadão que irá priorizar ciclistas e pedestres


Prefeito em pé diante de mesa fala ao microfone para os presentes
Segundo o Prefeito, as trocas de espaços viários por espaços para pedestres é uma tendência comum em várias cidades do mundo, e a área foi escolhida para buscar uma mobilidade mais sustentável

O prefeito Roberto Cláudio participou, nesta terça-feira (30/04), de audiência pública para apresentar à sociedade civil o projeto de requalificação da Avenida Desembargador Moreira. A proposta divide em três trechos a intervenção na avenida, sendo a mais significativa a construção de um calçadão com ciclofaixa entre a Praça Portugal e a Av. Beira Mar, no sentido praia-sertão, deixando duas faixas livres para o tráfego de veículos. Na ocasião, estiveram presentes secretários e outras autoridades municipais, empreendedores e moradores locais.

As obras contemplam a Av. Desembargador Moreira desde a Av. Pontes Vieira, seguindo por 1,3 km até a Av. Padre Antônio Tomás, com a requalificação do asfalto e da iluminação, arborização e paisagismo, rampas de acessibilidade e reforço da segurança pública. O segundo trecho, de 750 metros compreendidos entre a Av. Padre Antônio Tomás e a Praça Portugal, inclui também a implantação de pavimento intertravado e a reforma de calçadas danificadas.

Já nos 800 metros entre a Praça Portugal e a orla, serão criados cerca de 6.500 m² de espaço público, que além dos itens já citados, contarão ainda com extensão da calçada, ativação da área para pedestres e infraestrutura cicloviária. Segundo Roberto Cláudio, as trocas de espaços viários por espaços para pedestres é uma tendência comum em várias cidades do mundo, e a área foi estrategicamente escolhida como um projeto piloto de modo a buscar uma mobilidade mais sustentável e um uso mais diverso do solo. "Queremos, principalmente, a busca de uma cidade que priorize a circulação e a interação de pessoas. Vamos conciliar o projeto às especificidades presentes ao longo do trecho escolhido, valorizando a atividade econômica", afirmou o Prefeito.

De acordo com Luís Alberto Sabóia, secretário executivo de Conservação e Serviços Públicos e coordenador do Plano de Ações Imediatas de Transporte e Trânsito de Fortaleza (PAITT), para a elaboração do projeto foram realizados estudos de impacto que levaram em consideração fatores como a densidade comercial e habitacional, a oferta hoteleira e a rota de turistas, as mudanças no tráfego e transferência do fluxo para vias paralelas, o volume de pedestre e as possíveis mudanças nos trajetos do transporte público. "O fluxo é muito baixo no sentido praia-sertão. A gente levantou todos os números, dados, trecho a trecho, das aproximações, das paralelas, analisou a capacidade viária de todas as vias do entorno e o mesmo para o transporte público", explicou Sabóia.

Outra questão levantada pelo secretário é o fato da Av. Desembargador Moreira ser a principal porta de entrada da cidade, de quem vem do aeroporto, além da região concentrar uma grande densidade de residências e hotéis. Dessa forma, ele analisa que a implantação da área de pedestres no terceiro trecho se torna relevante para ligar a área comercial, principalmente em volta da Praça Portugal, à área mais turística e habitacional, mas de forma convidativa, em um ambiente agradável e seguro para a população.

Em relação a prazos, a expectativa do Prefeito é ter maiores detalhes do projeto decididos pela comissão até o final de maio e iniciar as intervenções ainda em setembro, com cerca de 12 meses para a entrega. Os recursos são provenientes do contrato de financiamento firmado com o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), que também já estão sendo aplicados na construção da nova Avenida Beira Mar e na requalificação do Pólo Gastronômico da Varjota.

Encaminhamentos

Após a apresentação do projeto, o vereador e presidente da audiência, Ésio Feitosa, e o titular da Secretaria Regional II, Ferruccio Feitosa, conduziram os encaminhamentos para a tomada de decisão de detalhes sobre a obra. Foi formada uma primeira comissão com empreendedores e moradores presentes, mas outros nomes serão indicados e agregados posteriormente.

Entre as questões levantadas na ocasião a serem debatidas com mais afinco, está a escolha do lado do trecho que receberá o calçadão. Sendo o lado praia-sertão mais residencial e o lado sertão-praia mais comercial, leva-se em consideração os possíveis impactos, tanto para moradores como para comerciantes. Também foi apontada a entrada e saída de veículos dos residenciais, a segurança de pedestres e questionamentos diversos sobre o projeto paisagístico para o conforto da população em relação ao clima típico fortalezense.

Prefeito Roberto Cláudio apresenta projeto de requalificação da Av. Desembargador Moreira em audiência pública

Seguindo tendências mundiais, trecho terá circulação viária substituída por calçadão que irá priorizar ciclistas e pedestres

Prefeito em pé diante de mesa fala ao microfone para os presentes
Segundo o Prefeito, as trocas de espaços viários por espaços para pedestres é uma tendência comum em várias cidades do mundo, e a área foi escolhida para buscar uma mobilidade mais sustentável

O prefeito Roberto Cláudio participou, nesta terça-feira (30/04), de audiência pública para apresentar à sociedade civil o projeto de requalificação da Avenida Desembargador Moreira. A proposta divide em três trechos a intervenção na avenida, sendo a mais significativa a construção de um calçadão com ciclofaixa entre a Praça Portugal e a Av. Beira Mar, no sentido praia-sertão, deixando duas faixas livres para o tráfego de veículos. Na ocasião, estiveram presentes secretários e outras autoridades municipais, empreendedores e moradores locais.

As obras contemplam a Av. Desembargador Moreira desde a Av. Pontes Vieira, seguindo por 1,3 km até a Av. Padre Antônio Tomás, com a requalificação do asfalto e da iluminação, arborização e paisagismo, rampas de acessibilidade e reforço da segurança pública. O segundo trecho, de 750 metros compreendidos entre a Av. Padre Antônio Tomás e a Praça Portugal, inclui também a implantação de pavimento intertravado e a reforma de calçadas danificadas.

Já nos 800 metros entre a Praça Portugal e a orla, serão criados cerca de 6.500 m² de espaço público, que além dos itens já citados, contarão ainda com extensão da calçada, ativação da área para pedestres e infraestrutura cicloviária. Segundo Roberto Cláudio, as trocas de espaços viários por espaços para pedestres é uma tendência comum em várias cidades do mundo, e a área foi estrategicamente escolhida como um projeto piloto de modo a buscar uma mobilidade mais sustentável e um uso mais diverso do solo. "Queremos, principalmente, a busca de uma cidade que priorize a circulação e a interação de pessoas. Vamos conciliar o projeto às especificidades presentes ao longo do trecho escolhido, valorizando a atividade econômica", afirmou o Prefeito.

De acordo com Luís Alberto Sabóia, secretário executivo de Conservação e Serviços Públicos e coordenador do Plano de Ações Imediatas de Transporte e Trânsito de Fortaleza (PAITT), para a elaboração do projeto foram realizados estudos de impacto que levaram em consideração fatores como a densidade comercial e habitacional, a oferta hoteleira e a rota de turistas, as mudanças no tráfego e transferência do fluxo para vias paralelas, o volume de pedestre e as possíveis mudanças nos trajetos do transporte público. "O fluxo é muito baixo no sentido praia-sertão. A gente levantou todos os números, dados, trecho a trecho, das aproximações, das paralelas, analisou a capacidade viária de todas as vias do entorno e o mesmo para o transporte público", explicou Sabóia.

Outra questão levantada pelo secretário é o fato da Av. Desembargador Moreira ser a principal porta de entrada da cidade, de quem vem do aeroporto, além da região concentrar uma grande densidade de residências e hotéis. Dessa forma, ele analisa que a implantação da área de pedestres no terceiro trecho se torna relevante para ligar a área comercial, principalmente em volta da Praça Portugal, à área mais turística e habitacional, mas de forma convidativa, em um ambiente agradável e seguro para a população.

Em relação a prazos, a expectativa do Prefeito é ter maiores detalhes do projeto decididos pela comissão até o final de maio e iniciar as intervenções ainda em setembro, com cerca de 12 meses para a entrega. Os recursos são provenientes do contrato de financiamento firmado com o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), que também já estão sendo aplicados na construção da nova Avenida Beira Mar e na requalificação do Pólo Gastronômico da Varjota.

Encaminhamentos

Após a apresentação do projeto, o vereador e presidente da audiência, Ésio Feitosa, e o titular da Secretaria Regional II, Ferruccio Feitosa, conduziram os encaminhamentos para a tomada de decisão de detalhes sobre a obra. Foi formada uma primeira comissão com empreendedores e moradores presentes, mas outros nomes serão indicados e agregados posteriormente.

Entre as questões levantadas na ocasião a serem debatidas com mais afinco, está a escolha do lado do trecho que receberá o calçadão. Sendo o lado praia-sertão mais residencial e o lado sertão-praia mais comercial, leva-se em consideração os possíveis impactos, tanto para moradores como para comerciantes. Também foi apontada a entrada e saída de veículos dos residenciais, a segurança de pedestres e questionamentos diversos sobre o projeto paisagístico para o conforto da população em relação ao clima típico fortalezense.