16 de abril de 2019 em Tecnologia

Prefeito Roberto Cláudio e governador Camilo Santana participam da inauguração do Data Center da Angola Cables

Fortaleza se torna a segunda cidade no Mundo com mais cabos submarinos, com 12 no total


várias pessoas num palco, posando para a foto
Inauguração do Data Center da Angola Cables, localizado na Praia do Futuro, ocorreu na manhã desta terça-feira (16/04)

O prefeito Roberto Cláudio e o governador Camilo Santana participaram na manhã desta terça-feira (16/04), da inauguração do Data Center Angonap, da multinacional Angola Cables. Eles acompanharam o CEO global da empresa, António Nunes, e o ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação de Angola, José Carvalho da Rocha, na solenidade de entrega do equipamento, que está edificado em uma área de 3.000 m² na Praia do Futuro (Regional II).

“Aqui não estamos recebendo apenas mais cabos de fibra óptica e consolidando o que já somos, o maior hub do tipo de todo o continente. Estamos ganhando um data center de ponta, com padrão de segurança e velocidades únicas, que acaba desviando o foco da conectividade do Sudeste para o Nordeste brasileiro. Isso é, em si, a realização de um sonho, ao mesmo tempo embrião de um outro, a consolidação de um polo de tecnologia aqui em Fortaleza”, afirmou Roberto Cláudio.

O Angonap é fruto da parceria entre a operadora angolana, Prefeitura de Fortaleza e Governo do Estado do Ceará. Ele será o centro de distribuição de comunicação, armazenamento de dados e equipamento de ligação entre os diversos continentes e principal ponte de informação submarina entre Américas, África e Brasil. Fortaleza torna-se a segunda cidade no Mundo com mais cabos submarinos, com 12 ao todo e ficando atrás somente de Fujairah, nos Emirados Árabes Unidos, que possui 13.  O Data Center coloca Fortaleza no foco de grandes empresas nacionais e internacionais de tecnologia que precisam de centro de comunicação do tipo para viabilizar e manter conteúdos. Além disso, a chegada do Data Center trará maior competitividade ao mercado local, gerando redução de custo nas telecomunicações, aumento da velocidade de transmissão dos dados e melhoria na qualidade do acesso à informação.

“Aqui, temos uma grande estrutura e investimento, com dois cabos que unem o continente africano com Fortaleza e o continente americano, tendo a possibilidade de mais provedores de internet e conteúdo, além de grandes players se instalarem no Ceará. Isso significa oportunidades futuras, abertura de um mercado de emprego em potencial. A Cidade e o Estado partem na frente em relação ao Nordeste, garantindo Fortaleza conectada ao futuro com a participação da Angola Cables”, declarou o Camilo Santana.

Segundo António Nunes, CEO da Angola Cables, o equipamento é crucial para fortalecer uma nova economia na região, voltada para a tecnologia. “Este é um investimento estratégico, pois será um dos pilares do suporte do hub digital tão anunciado pelo Estado e pela Prefeitura, como um dos pontos de desenvolvimento da região. O Data Center é o ponto de agregação de tráfego e conteúdo, colocando Fortaleza como ponto importantíssimo na América Latina”, completou.

Ao todo, a Angola Cables investiu US$ 300 milhões em infraestrutura e operação. O valor incluiu a construção do Data Center, assim como a instalação dos cabos submarinos SACS e Monet que ligam, via fibra óptica, Américas e África.

interior do data center da angola cable, mostrando os servidores, computadores de grande porte da empresa
Foram investidos cerca de US$ 300 milhões em infraestrutura e operação

Angola Cables

A Angola Cables surgiu por conta da intenção do governo angolano em colocar o País no mapa das telecomunicações internacionais e de transformar Angola em um dos hubs do continente. A sua participação no WACS, cabo que liga 11 países africanos e três europeus, conectando Cidade do Cabo (África do Sul) a Londres (Inglaterra).

José Carvalho da Rocha, ministro das Telecomunicações e Tecnologia da Informação de Angola, declarou que a empresa visualizou em Fortaleza uma grande oportunidade. “Observamos a possibilidade de ter acesso a esse mercado e, também, por via dele a outras fontes de informação. Portanto, o que nos procuramos é permitir que nosso País possa ter acesso mais rápido a comunicações internacionais e melhorarmos as relações entre nossos países”.

Fundada em Luanda, capital da Angola em 2009, a empresa de telecomunicações global é especializada em operar cabos submarinos de fibra óptica para transmissão de dados e voz à velocidade da luz. A companhia, que conta com cerca de cem colaboradores, é fruto de um consórcio formado pelas cinco maiores operadoras de telecomunicações de Angola, sendo a estatal Angola Telecom a principal acionista.

Prefeito Roberto Cláudio e governador Camilo Santana participam da inauguração do Data Center da Angola Cables

Fortaleza se torna a segunda cidade no Mundo com mais cabos submarinos, com 12 no total

várias pessoas num palco, posando para a foto
Inauguração do Data Center da Angola Cables, localizado na Praia do Futuro, ocorreu na manhã desta terça-feira (16/04)

O prefeito Roberto Cláudio e o governador Camilo Santana participaram na manhã desta terça-feira (16/04), da inauguração do Data Center Angonap, da multinacional Angola Cables. Eles acompanharam o CEO global da empresa, António Nunes, e o ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação de Angola, José Carvalho da Rocha, na solenidade de entrega do equipamento, que está edificado em uma área de 3.000 m² na Praia do Futuro (Regional II).

“Aqui não estamos recebendo apenas mais cabos de fibra óptica e consolidando o que já somos, o maior hub do tipo de todo o continente. Estamos ganhando um data center de ponta, com padrão de segurança e velocidades únicas, que acaba desviando o foco da conectividade do Sudeste para o Nordeste brasileiro. Isso é, em si, a realização de um sonho, ao mesmo tempo embrião de um outro, a consolidação de um polo de tecnologia aqui em Fortaleza”, afirmou Roberto Cláudio.

O Angonap é fruto da parceria entre a operadora angolana, Prefeitura de Fortaleza e Governo do Estado do Ceará. Ele será o centro de distribuição de comunicação, armazenamento de dados e equipamento de ligação entre os diversos continentes e principal ponte de informação submarina entre Américas, África e Brasil. Fortaleza torna-se a segunda cidade no Mundo com mais cabos submarinos, com 12 ao todo e ficando atrás somente de Fujairah, nos Emirados Árabes Unidos, que possui 13.  O Data Center coloca Fortaleza no foco de grandes empresas nacionais e internacionais de tecnologia que precisam de centro de comunicação do tipo para viabilizar e manter conteúdos. Além disso, a chegada do Data Center trará maior competitividade ao mercado local, gerando redução de custo nas telecomunicações, aumento da velocidade de transmissão dos dados e melhoria na qualidade do acesso à informação.

“Aqui, temos uma grande estrutura e investimento, com dois cabos que unem o continente africano com Fortaleza e o continente americano, tendo a possibilidade de mais provedores de internet e conteúdo, além de grandes players se instalarem no Ceará. Isso significa oportunidades futuras, abertura de um mercado de emprego em potencial. A Cidade e o Estado partem na frente em relação ao Nordeste, garantindo Fortaleza conectada ao futuro com a participação da Angola Cables”, declarou o Camilo Santana.

Segundo António Nunes, CEO da Angola Cables, o equipamento é crucial para fortalecer uma nova economia na região, voltada para a tecnologia. “Este é um investimento estratégico, pois será um dos pilares do suporte do hub digital tão anunciado pelo Estado e pela Prefeitura, como um dos pontos de desenvolvimento da região. O Data Center é o ponto de agregação de tráfego e conteúdo, colocando Fortaleza como ponto importantíssimo na América Latina”, completou.

Ao todo, a Angola Cables investiu US$ 300 milhões em infraestrutura e operação. O valor incluiu a construção do Data Center, assim como a instalação dos cabos submarinos SACS e Monet que ligam, via fibra óptica, Américas e África.

interior do data center da angola cable, mostrando os servidores, computadores de grande porte da empresa
Foram investidos cerca de US$ 300 milhões em infraestrutura e operação

Angola Cables

A Angola Cables surgiu por conta da intenção do governo angolano em colocar o País no mapa das telecomunicações internacionais e de transformar Angola em um dos hubs do continente. A sua participação no WACS, cabo que liga 11 países africanos e três europeus, conectando Cidade do Cabo (África do Sul) a Londres (Inglaterra).

José Carvalho da Rocha, ministro das Telecomunicações e Tecnologia da Informação de Angola, declarou que a empresa visualizou em Fortaleza uma grande oportunidade. “Observamos a possibilidade de ter acesso a esse mercado e, também, por via dele a outras fontes de informação. Portanto, o que nos procuramos é permitir que nosso País possa ter acesso mais rápido a comunicações internacionais e melhorarmos as relações entre nossos países”.

Fundada em Luanda, capital da Angola em 2009, a empresa de telecomunicações global é especializada em operar cabos submarinos de fibra óptica para transmissão de dados e voz à velocidade da luz. A companhia, que conta com cerca de cem colaboradores, é fruto de um consórcio formado pelas cinco maiores operadoras de telecomunicações de Angola, sendo a estatal Angola Telecom a principal acionista.