08 de fevereiro de 2021 em Cultura

Prefeitura prorroga exposição do 71º Salão de Abril até 26 de fevereiro

A exposição segue aberta para visitação de terça a sexta-feira, das 9h às 18h, e no sábado, das 9h às 15h


Sala da Casa do Barão de Camocim durante a exposição do Salão de Abril
Em 2020, o Salão de Abril presta uma homenagem ao artista Chico da Silva, que completaria 110 anos (Foto: Thiago Matine)

A exposição do 71º Salão de Abril vai ficar mais tempo em cartaz. A Prefeitura de Fortaleza prorroga a mostra até o dia 26 de fevereiro, com visitação gratuita e aberta ao público no Centro Cultural Casa do Barão de Camocim. Esta edição do Salão de Abril estava prevista, inicialmente, para ser encerrada nesta sexta-feira (12/02).

O anúncio dos artistas premiados e o lançamento do catálogo da 71ª edição do Salão de Abril ocorrerá, no dia 19 de fevereiro, em plataforma virtual fechada. O evento será direcionado aos artistas contemplados na mostra e curadoria. A premiação totaliza R$ 180 mil, equivalente a R$ 15 mil para os três primeiros colocados e R$ 5 mil para os demais. O Salão é realizado por meio da Secretaria Municipal da Cultura de Fortaleza (Secultfor), em parceria com o Instituto Cultural Iracema.

Interessados podem visitar a exposição, no Centro Cultural Casa do Barão de Camocim, de terça a sexta-feira, das 9h às 18h, e no sábado, das 9h às 15h. Grupos podem fazer agendamentos para visitar a mostra, com no máximo 10 pessoas, por meio do telefone 85 98765-6242. Para receber o evento, o espaço foi adaptado seguindo todas as regras de higiene e distanciamento determinadas por decreto municipal.

Em 2020, o Salão de Abril presta uma homenagem ao artista Chico da Silva, que completaria 110 anos. Foram avaliadas 502 obras pela equipe curatorial, formada pelos profissionais Diego Matos (CE / SP), Júlia Rebouças (SE / SP) e Paulo Portella (SP). Dos 336 artistas inscritos, 30 foram selecionados para a mostra.

Obras
As obras expostas no 71º Salão de Abril são “Firmamento”, de Anie Barreto; “BRA”, de Benia Almeida; “Cachorra parindo” e “Os índios Quixelô”, de Arivanio Alves; “-stórias de exposição em isolamento”, de Artur Bombonato; “Mastro de Cruzeiro”, de Cadeh Juaçaba; “O tempo que o mundo parou”, de Cecília Bichucher; “Fugasimpossíveis”, de Clébson Francisco; “Bestiário-Casa”, de Raísa Inocêncio e Daniel Rocha; “TERRA PROMETIDA”, de Duda Jaguar, Ella Monstra, Ellícia Marie, Lui Fontenele, Muriel Cruz, Rao Ni, Silvia Miranda e Yara Canta; “Banho no Rio”, de Félix; “ROMARIA-SE”, de Filipe Alves; “Deslocamentos”, de Gustavo Diogenes; “Crítica Radical”, de Ícaro Lira; “máscara de proteção”, de Jamille Queiroz; “124 corpos/365 dias”, de João Paulo Duarte de Sousa; “Dragão sobre a Cidade”, de Lana Benigno; “Experimento Metamorfa #2”, de Levi Mota Muniz (A Banida) e Leonardo Zingano Netto; “Gestos: Lavar”, de Lucas Madi; “Favor não deixar a janela aberta”, de Luciana Rodrigues; “OVNI: objetos voadores negros ignorados ou naves para a elaboração de um futuro negro”, de Conceição Soares – Teatro na Porta de Casa; “Para Vestir Ìgbín”, de Mel Andrade; Sombra do Tempo, de Naiana Magalhães; “Como falar o indizível”, de Renata Froan; “Autorretrato: Desde quando você nasceu”, de Simone Barreto; “Desejos Reprimidos”, de soupixo; “Centro de Gravidade”, de Sy Gomes; “terraaterra – Como Construir Nosso Próprio País”, de Terroristas del Amor; “Aplicabilidades de um Barco”, de Tiago Pedro de Araujo Pereira; “Vende-se”, de Virgínia Pinho; “Serrinha Luz e Cores”, de Yuri Juatama.

Chico da Silva
Chico da Silva nasceu no Acre, mas fez carreira em Fortaleza ao desenhar a carvão e giz sobre muros e paredes da comunidade de pescadores do bairro Pirambu, na década de 1930. O artista autodidata, descoberto pelo pintor suíço Jean-Pierre Chablô, ganhou reconhecimento internacional pela sua obra inconfundível. A Prefeitura de Fortaleza instituiu em 2020, por meio da Secretaria Municipal da Cultura de Fortaleza (Secultfor), o “Ano Chico da Silva”, a partir do decreto nº 14.574 de 27 de dezembro de 2019. Entre os projetos que prestam a homenagem ao artista está a 71ª edição do Salão de Abril.

Serviço
Visitação do 71º Salão de Abril
Data: Até 26 de fevereiro de 2020
Horário: de terça a sexta-feira, das 9h às 18h, e no sábado, das 9h às 15h
Local: Centro Cultural Casa do Barão de Camocim (R. Gen. Sampaio, 1632 - Centro)

Prefeitura prorroga exposição do 71º Salão de Abril até 26 de fevereiro

A exposição segue aberta para visitação de terça a sexta-feira, das 9h às 18h, e no sábado, das 9h às 15h

Sala da Casa do Barão de Camocim durante a exposição do Salão de Abril
Em 2020, o Salão de Abril presta uma homenagem ao artista Chico da Silva, que completaria 110 anos (Foto: Thiago Matine)

A exposição do 71º Salão de Abril vai ficar mais tempo em cartaz. A Prefeitura de Fortaleza prorroga a mostra até o dia 26 de fevereiro, com visitação gratuita e aberta ao público no Centro Cultural Casa do Barão de Camocim. Esta edição do Salão de Abril estava prevista, inicialmente, para ser encerrada nesta sexta-feira (12/02).

O anúncio dos artistas premiados e o lançamento do catálogo da 71ª edição do Salão de Abril ocorrerá, no dia 19 de fevereiro, em plataforma virtual fechada. O evento será direcionado aos artistas contemplados na mostra e curadoria. A premiação totaliza R$ 180 mil, equivalente a R$ 15 mil para os três primeiros colocados e R$ 5 mil para os demais. O Salão é realizado por meio da Secretaria Municipal da Cultura de Fortaleza (Secultfor), em parceria com o Instituto Cultural Iracema.

Interessados podem visitar a exposição, no Centro Cultural Casa do Barão de Camocim, de terça a sexta-feira, das 9h às 18h, e no sábado, das 9h às 15h. Grupos podem fazer agendamentos para visitar a mostra, com no máximo 10 pessoas, por meio do telefone 85 98765-6242. Para receber o evento, o espaço foi adaptado seguindo todas as regras de higiene e distanciamento determinadas por decreto municipal.

Em 2020, o Salão de Abril presta uma homenagem ao artista Chico da Silva, que completaria 110 anos. Foram avaliadas 502 obras pela equipe curatorial, formada pelos profissionais Diego Matos (CE / SP), Júlia Rebouças (SE / SP) e Paulo Portella (SP). Dos 336 artistas inscritos, 30 foram selecionados para a mostra.

Obras
As obras expostas no 71º Salão de Abril são “Firmamento”, de Anie Barreto; “BRA”, de Benia Almeida; “Cachorra parindo” e “Os índios Quixelô”, de Arivanio Alves; “-stórias de exposição em isolamento”, de Artur Bombonato; “Mastro de Cruzeiro”, de Cadeh Juaçaba; “O tempo que o mundo parou”, de Cecília Bichucher; “Fugasimpossíveis”, de Clébson Francisco; “Bestiário-Casa”, de Raísa Inocêncio e Daniel Rocha; “TERRA PROMETIDA”, de Duda Jaguar, Ella Monstra, Ellícia Marie, Lui Fontenele, Muriel Cruz, Rao Ni, Silvia Miranda e Yara Canta; “Banho no Rio”, de Félix; “ROMARIA-SE”, de Filipe Alves; “Deslocamentos”, de Gustavo Diogenes; “Crítica Radical”, de Ícaro Lira; “máscara de proteção”, de Jamille Queiroz; “124 corpos/365 dias”, de João Paulo Duarte de Sousa; “Dragão sobre a Cidade”, de Lana Benigno; “Experimento Metamorfa #2”, de Levi Mota Muniz (A Banida) e Leonardo Zingano Netto; “Gestos: Lavar”, de Lucas Madi; “Favor não deixar a janela aberta”, de Luciana Rodrigues; “OVNI: objetos voadores negros ignorados ou naves para a elaboração de um futuro negro”, de Conceição Soares – Teatro na Porta de Casa; “Para Vestir Ìgbín”, de Mel Andrade; Sombra do Tempo, de Naiana Magalhães; “Como falar o indizível”, de Renata Froan; “Autorretrato: Desde quando você nasceu”, de Simone Barreto; “Desejos Reprimidos”, de soupixo; “Centro de Gravidade”, de Sy Gomes; “terraaterra – Como Construir Nosso Próprio País”, de Terroristas del Amor; “Aplicabilidades de um Barco”, de Tiago Pedro de Araujo Pereira; “Vende-se”, de Virgínia Pinho; “Serrinha Luz e Cores”, de Yuri Juatama.

Chico da Silva
Chico da Silva nasceu no Acre, mas fez carreira em Fortaleza ao desenhar a carvão e giz sobre muros e paredes da comunidade de pescadores do bairro Pirambu, na década de 1930. O artista autodidata, descoberto pelo pintor suíço Jean-Pierre Chablô, ganhou reconhecimento internacional pela sua obra inconfundível. A Prefeitura de Fortaleza instituiu em 2020, por meio da Secretaria Municipal da Cultura de Fortaleza (Secultfor), o “Ano Chico da Silva”, a partir do decreto nº 14.574 de 27 de dezembro de 2019. Entre os projetos que prestam a homenagem ao artista está a 71ª edição do Salão de Abril.

Serviço
Visitação do 71º Salão de Abril
Data: Até 26 de fevereiro de 2020
Horário: de terça a sexta-feira, das 9h às 18h, e no sábado, das 9h às 15h
Local: Centro Cultural Casa do Barão de Camocim (R. Gen. Sampaio, 1632 - Centro)