28 de janeiro de 2021 em Mobilidade

Ação educativa da AMC conscientiza sobre o respeito ao pedestre

Há uma semana foi registrado um atropelamento fatal no cruzamento da Rua Cel. Jucá com Av. Dom Luís, que hoje opera com 50 km/h


senhora do lado esquerdo de perfil falando em megafone e 4 pessoas ao fundo em pé sobre faixa de pedestre segurando uma faixa que diz 'e se o pedestre fosse seu filho?'
A iniciativa contou com a presença de agentes, orientadores de tráfego, engenheiros e educadores do órgão

Na data que marca o início do novo limite de velocidade na Av. Dom Luís, a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) realizou uma ação educativa de respeito ao pedestre, considerado um dos usuários mais vulneráveis a acidentes, ficando atrás apenas dos motociclistas. A iniciativa, que contou com a presença de agentes, orientadores de tráfego, engenheiros e educadores do órgão, aconteceu na manhã desta quinta-feira (28/01), no cruzamento da Av. Dom Luís com as ruas Cel. Jucá, Frederico Borges e Monsenhor Catão.

Balões brancos para simbolizar paz no trânsito e frases de alerta como “E se o pedestre fosse sua mãe?” ficaram expostas aos motoristas que trafegavam pelo trecho. De 2015 a 2019, foram registrados 482 acidentes na Av. Dom Luís, sendo 150 com feridos e três fatais, além de 20 atropelamentos. Na semana passada, a médica cardiologista Lúcia Belém morreu ao ser colhida por um veículo quando tentava fazer a travessia. A avenida concentra um fluxo diário de 44 mil veículos.

"Em Fortaleza, 32% dos deslocamentos são feitos a pé. Enquanto poder público, trabalhamos para criar condições de viagens seguras. Mas essa responsabilidade precisa ser compartilhada também com a sociedade, que deve respeitar a sinalização e adotar um comportamento seguro no trânsito. Toda vida faz falta para alguém", ressalta Juliana Coelho, superintendente da AMC.

placa de 50 km/h em primeiro plano do lado esquerdo pregada em poste e carros passando em avenida do lado direito
De acordo com dados OMS, a readequação da velocidade de 60 para 50 km/h aumenta em dez vezes a chance de uma pessoa atropelada sobreviver (Foto: Rodrigo Carvalho)

Velocidade

Em virtude da quantidade de acidentes, a Av. Dom Luís passou a operar com 50 km/h. O excesso de velocidade, além de ser um dos principais fatores de risco de acidentes, é a infração de trânsito mais cometida pelos motoristas cearenses.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a readequação da velocidade de 60 para 50 km/h aumenta em dez vezes a chance de uma pessoa atropelada sobreviver. Conforme a instituição, a velocidade elevada provoca um efeito de afunilamento no campo visual do condutor, dificultando a percepção de pedestres e outros obstáculos nas ruas.
 
A exemplo de outras vias que já operam com 50 km/h, os condutores terão até seis meses para se adaptarem à mudança. A previsão é que sejam autuados somente após esse período. “Continuaremos monitorando o comportamento do fluxo, reforçando as sinalizações necessárias e fiscalizando demais condutas inadequadas como, por exemplo, deixar de dar preferência de passagem ao pedestre”, finaliza Juliana.

Ação educativa da AMC conscientiza sobre o respeito ao pedestre

Há uma semana foi registrado um atropelamento fatal no cruzamento da Rua Cel. Jucá com Av. Dom Luís, que hoje opera com 50 km/h

senhora do lado esquerdo de perfil falando em megafone e 4 pessoas ao fundo em pé sobre faixa de pedestre segurando uma faixa que diz 'e se o pedestre fosse seu filho?'
A iniciativa contou com a presença de agentes, orientadores de tráfego, engenheiros e educadores do órgão

Na data que marca o início do novo limite de velocidade na Av. Dom Luís, a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) realizou uma ação educativa de respeito ao pedestre, considerado um dos usuários mais vulneráveis a acidentes, ficando atrás apenas dos motociclistas. A iniciativa, que contou com a presença de agentes, orientadores de tráfego, engenheiros e educadores do órgão, aconteceu na manhã desta quinta-feira (28/01), no cruzamento da Av. Dom Luís com as ruas Cel. Jucá, Frederico Borges e Monsenhor Catão.

Balões brancos para simbolizar paz no trânsito e frases de alerta como “E se o pedestre fosse sua mãe?” ficaram expostas aos motoristas que trafegavam pelo trecho. De 2015 a 2019, foram registrados 482 acidentes na Av. Dom Luís, sendo 150 com feridos e três fatais, além de 20 atropelamentos. Na semana passada, a médica cardiologista Lúcia Belém morreu ao ser colhida por um veículo quando tentava fazer a travessia. A avenida concentra um fluxo diário de 44 mil veículos.

"Em Fortaleza, 32% dos deslocamentos são feitos a pé. Enquanto poder público, trabalhamos para criar condições de viagens seguras. Mas essa responsabilidade precisa ser compartilhada também com a sociedade, que deve respeitar a sinalização e adotar um comportamento seguro no trânsito. Toda vida faz falta para alguém", ressalta Juliana Coelho, superintendente da AMC.

placa de 50 km/h em primeiro plano do lado esquerdo pregada em poste e carros passando em avenida do lado direito
De acordo com dados OMS, a readequação da velocidade de 60 para 50 km/h aumenta em dez vezes a chance de uma pessoa atropelada sobreviver (Foto: Rodrigo Carvalho)

Velocidade

Em virtude da quantidade de acidentes, a Av. Dom Luís passou a operar com 50 km/h. O excesso de velocidade, além de ser um dos principais fatores de risco de acidentes, é a infração de trânsito mais cometida pelos motoristas cearenses.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a readequação da velocidade de 60 para 50 km/h aumenta em dez vezes a chance de uma pessoa atropelada sobreviver. Conforme a instituição, a velocidade elevada provoca um efeito de afunilamento no campo visual do condutor, dificultando a percepção de pedestres e outros obstáculos nas ruas.
 
A exemplo de outras vias que já operam com 50 km/h, os condutores terão até seis meses para se adaptarem à mudança. A previsão é que sejam autuados somente após esse período. “Continuaremos monitorando o comportamento do fluxo, reforçando as sinalizações necessárias e fiscalizando demais condutas inadequadas como, por exemplo, deixar de dar preferência de passagem ao pedestre”, finaliza Juliana.