27 de setembro de 2019 em Saúde

Encontro de famílias doadoras celebra a solidariedade por meio do transplante de órgãos

O evento reuniu famílias que, diante da possibilidade, autorizaram a doação de órgãos dos seus parentes falecidos, transcendendo o luto e dando esperança de vida.


Profissionais entregam flores aos convidados.
O evento reuniu famílias que, diante da possibilidade, autorizaram a doação de órgãos dos seus parentes recém-falecidos, transcendendo o luto e dando esperança de vida

A Prefeitura de Fortaleza realizou, por meio do Instituto Doutor José Frota (IJF), nesta sexta-feira (27/09), no Teatro São José, o 8º Encontro das Famílias Doadoras do IJF, em comemoração ao Dia Nacional da Doação de Órgãos.

O evento reuniu famílias que, diante da possibilidade, autorizaram a doação de órgãos dos seus parentes recém-falecidos, transcendendo o luto e dando esperança de vida para homens, mulheres e crianças que, por meses, aguardaram um novo coração, um novo rim, um fígado ou uma córnea, por exemplo. Alguns desses pacientes beneficiados estiveram presentes e prestaram suas homenagens, como também fizeram os representantes dos diversos profissionais de saúde que integram a rede local de transplante.

Carlos Augusto Moura, pai de Cecília Raquel Gonçalves Moura, convidado ao evento.
Carlos Augusto Moura autorizou a doação dos órgãos de sua filha

O momento foi de celebrar a concretização de um dos mais nobres atos de solidariedade, por meio da doação, tendo o exemplo das famílias cearenses, como a do senhor Carlos Augusto Moura, que autorizou a doação dos órgãos de sua filha Cecília Raquel Gonçalves Moura, morta em abril de 2018. Raquel foi acolhida no IJF, mas não resistiu à gravidade dos ferimentos sofridos, após ser vítima de um assalto. “A córnea dela hoje permite que um irmão nosso, aqui no Ceará ou em qualquer lugar do Brasil, possa ver o raiar de um novo dia, seus parentes, amigos... Cecília vive em nossas almas, em nossos corações e vive também em algum lugar do País, em suas córneas", declarou.

“A doação de órgãos é um dos mais belos gestos de caridade, que deve ser informado durante a vida, para que os pais, mães, irmãos, esposas, maridos e filhos, neste difícil momento, tenham mais conforto ao formalizar o consentimento”, esclarece Riane Azevedo, superintendente do IJF. Ela informa que, para intermediar e facilitar esse processo, o hospital conta com uma Comissão Intrahospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT), composta por uma equipe multiprofissional especializada responsável pelo acolhimento e apresentação da possibilidade de doação.

Em 2018, o IJF registrou o índice de 84% de aceitação das famílias que tiveram a oportunidade de autorizar a doação e o hospital ficou no topo da lista das 50 principais unidades de saúde do País em efetivação de transplantes, de acordo com o Sistema Nacional de Transplantes (SNT). Os números confirmam que, cada vez mais, a população vem se conscientizando e se sensibilizando sobre a importância da doação de órgãos.

Encontro de famílias doadoras celebra a solidariedade por meio do transplante de órgãos

O evento reuniu famílias que, diante da possibilidade, autorizaram a doação de órgãos dos seus parentes falecidos, transcendendo o luto e dando esperança de vida.

Profissionais entregam flores aos convidados.
O evento reuniu famílias que, diante da possibilidade, autorizaram a doação de órgãos dos seus parentes recém-falecidos, transcendendo o luto e dando esperança de vida

A Prefeitura de Fortaleza realizou, por meio do Instituto Doutor José Frota (IJF), nesta sexta-feira (27/09), no Teatro São José, o 8º Encontro das Famílias Doadoras do IJF, em comemoração ao Dia Nacional da Doação de Órgãos.

O evento reuniu famílias que, diante da possibilidade, autorizaram a doação de órgãos dos seus parentes recém-falecidos, transcendendo o luto e dando esperança de vida para homens, mulheres e crianças que, por meses, aguardaram um novo coração, um novo rim, um fígado ou uma córnea, por exemplo. Alguns desses pacientes beneficiados estiveram presentes e prestaram suas homenagens, como também fizeram os representantes dos diversos profissionais de saúde que integram a rede local de transplante.

Carlos Augusto Moura, pai de Cecília Raquel Gonçalves Moura, convidado ao evento.
Carlos Augusto Moura autorizou a doação dos órgãos de sua filha

O momento foi de celebrar a concretização de um dos mais nobres atos de solidariedade, por meio da doação, tendo o exemplo das famílias cearenses, como a do senhor Carlos Augusto Moura, que autorizou a doação dos órgãos de sua filha Cecília Raquel Gonçalves Moura, morta em abril de 2018. Raquel foi acolhida no IJF, mas não resistiu à gravidade dos ferimentos sofridos, após ser vítima de um assalto. “A córnea dela hoje permite que um irmão nosso, aqui no Ceará ou em qualquer lugar do Brasil, possa ver o raiar de um novo dia, seus parentes, amigos... Cecília vive em nossas almas, em nossos corações e vive também em algum lugar do País, em suas córneas", declarou.

“A doação de órgãos é um dos mais belos gestos de caridade, que deve ser informado durante a vida, para que os pais, mães, irmãos, esposas, maridos e filhos, neste difícil momento, tenham mais conforto ao formalizar o consentimento”, esclarece Riane Azevedo, superintendente do IJF. Ela informa que, para intermediar e facilitar esse processo, o hospital conta com uma Comissão Intrahospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT), composta por uma equipe multiprofissional especializada responsável pelo acolhimento e apresentação da possibilidade de doação.

Em 2018, o IJF registrou o índice de 84% de aceitação das famílias que tiveram a oportunidade de autorizar a doação e o hospital ficou no topo da lista das 50 principais unidades de saúde do País em efetivação de transplantes, de acordo com o Sistema Nacional de Transplantes (SNT). Os números confirmam que, cada vez mais, a população vem se conscientizando e se sensibilizando sobre a importância da doação de órgãos.