08 de outubro de 2019 em Meio ambiente

Equipe do Zoológico Municipal Sargento Prata coordena avaliação de onça parda

O animal foi capturado em julho em Reriutaba e está no Zoológico temporariamente


onça parda sentada olhando pra foto
A onça foi levada ao Zoológico por ser o equipamento com as melhores condições estruturais e corpo técnico habilitado para assisti-la

O Zoológico Municipal Sargento Prata foi palco, na última semana, de um momento histórico no Nordeste para pesquisadores e profissionais que lidam com animais selvagens e interessados na preservação de grandes felinos. Profissionais do Zoológico realizaram uma avaliação detalhada da onça parda (puma concolor) encontrada há dois meses no município de Reriutaba.

A avaliação reuniu mais de 20 profissionais, entre biólogos, médicos veterinários e zootecnistas. O procedimento durou por volta de duas horas e foi orientado pelas frentes veterinária e biológica. A primeira frente foi liderada pela médica veterinária do Zoológico, Estéfanni Pinheiro, e a sedação foi acompanhada pelo anestesiologista Guilherme Duarte, ex-médico veterinário do Zoológico.

Entre os procedimentos, foram realizadas coletas de sangue, de urina, de material auricular e bucal, além de ultrassom, raio-x, exames oftalmológicos e odontológicos, e uma tentativa de coleta de sêmen que não foi exitosa, pois constatou-se que o animal é pré-púbere, ou seja, ainda não possui maturidade sexual.

Já a frente biológica, coordenada pelo biólogo Hugo Fernandes, realizou a biometria completa do animal, na qual foram feitas todas as medições, coleta de sangue e de tecido muscular para análise do material genético e uma avaliação de ectoparasitas.

grupo de pessoas posando pra foto em frente a ambulatóri veterinário
A avaliação reuniu mais de 20 profissionais, entre biólogos, médicos veterinários e zootecnistas

“A gente conseguiu fazer uma grande operação com várias especialidades veterinárias, o que nos permitiu realizar várias coletas que vão nos dar um respaldo para fazer um diagnóstico efetivo desse animal. Ele está bem, o procedimento foi um sucesso e a avaliação clínica prévia apontou que o animal está saudável. Os próximos passos são aguardar os laudos e reunir as equipes para pensar no que será melhor pra ele”, explica Estéfanni Pinheiro.

“Quando se realiza esse tipo de avaliação, a gente tenta trazer o máximo de equipes para aproveitar o momento da sedação e coletar o maior número de amostras possíveis para obter respostas científicas que se convertam em ações de conservação para esse animal”, comenta o biólogo Hugo Fernandes, responsável pelo resgate e a avaliação biológica do animal.

Hugo também destacou o excelente trabalho realizado pela equipe do Zoológico Municipal Sargento Prata, que mantém o animal desde o dia 22 de julho. “Graças aos cuidados e ao enriquecimento ambiental que foi feito no recinto, a onça ganhou peso e pôde afiar as garras que haviam sido aparadas no cativeiro, e agora estão com ótimo desenvolvimento, o que é muito importante para que ela se torne apta à reabilitação.”

O biólogo e gerente de parques da UrbFor, Raphael Martins, destaca o ineditismo da experiência no Zoológico. “Nunca havia sido feita em um animal de natureza, de vida livre desse porte, uma bateria tão grande de exames, reunindo tantos especialistas. É uma experiência que certamente ficará marcada na história do Zoológico e que servirá de base, inclusive científica, para a preservação de grandes felinos de modo geral.”

A chegada da onça ao Zoológico Municipal

No dia 19 de julho deste ano, uma onça parda, também conhecida como suçuarana, foi encontrada por moradores do distrito de Campo Lindo, em Reriutaba. Técnicos do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), juntamente com o professor da Universidade Estadual do Ceará (UECE), Hugo Fernandes, e a médica veterinária do Zoológico Sargento Prata, Estéfanni Pinheiro, realizaram o resgate e translado do animal até Fortaleza.

A onça foi levada ao Zoológico no dia 22 de julho por ser o equipamento com as melhores condições estruturais e corpo técnico habilitado para assisti-la até que esteja apto a ir para uma área de reabilitação.

"Fomos acionados pelo Ibama para contribuir tecnicamente nessa ação e estamos adotando todas as providências com o maior cuidado e dispondo de nossos melhores profissionais para garantir o bem-estar desse animal. Encaramos o convite como um reconhecimento da excelência técnica da nossa equipe e das boas condições de infraestrutura que dispomos atualmente no Zoológico Municipal", ressalta Regis Tavares, superintendente da UrbFor.

Estudos e acompanhamento do animal

A onça está em um recinto reservado, de modo que sofra o mínimo possível de interferências. Os profissionais do Zoológico estão fazendo um acompanhamento constante do desenvolvimento do animal e outros técnicos e parceiros estão elaborando um diagnóstico etológico, ou seja, avaliando o comportamento da onça e seu potencial de reinserção na natureza. Pesquisadores e profissionais interessados na preservação de animais como este e outros atualmente mantidos no Zoológico, podem procurar a equipe técnica do equipamento para a elaboração de estudos, rodas de conversas, entre outros.

Equipe do Zoológico Municipal Sargento Prata coordena avaliação de onça parda

O animal foi capturado em julho em Reriutaba e está no Zoológico temporariamente

onça parda sentada olhando pra foto
A onça foi levada ao Zoológico por ser o equipamento com as melhores condições estruturais e corpo técnico habilitado para assisti-la

O Zoológico Municipal Sargento Prata foi palco, na última semana, de um momento histórico no Nordeste para pesquisadores e profissionais que lidam com animais selvagens e interessados na preservação de grandes felinos. Profissionais do Zoológico realizaram uma avaliação detalhada da onça parda (puma concolor) encontrada há dois meses no município de Reriutaba.

A avaliação reuniu mais de 20 profissionais, entre biólogos, médicos veterinários e zootecnistas. O procedimento durou por volta de duas horas e foi orientado pelas frentes veterinária e biológica. A primeira frente foi liderada pela médica veterinária do Zoológico, Estéfanni Pinheiro, e a sedação foi acompanhada pelo anestesiologista Guilherme Duarte, ex-médico veterinário do Zoológico.

Entre os procedimentos, foram realizadas coletas de sangue, de urina, de material auricular e bucal, além de ultrassom, raio-x, exames oftalmológicos e odontológicos, e uma tentativa de coleta de sêmen que não foi exitosa, pois constatou-se que o animal é pré-púbere, ou seja, ainda não possui maturidade sexual.

Já a frente biológica, coordenada pelo biólogo Hugo Fernandes, realizou a biometria completa do animal, na qual foram feitas todas as medições, coleta de sangue e de tecido muscular para análise do material genético e uma avaliação de ectoparasitas.

grupo de pessoas posando pra foto em frente a ambulatóri veterinário
A avaliação reuniu mais de 20 profissionais, entre biólogos, médicos veterinários e zootecnistas

“A gente conseguiu fazer uma grande operação com várias especialidades veterinárias, o que nos permitiu realizar várias coletas que vão nos dar um respaldo para fazer um diagnóstico efetivo desse animal. Ele está bem, o procedimento foi um sucesso e a avaliação clínica prévia apontou que o animal está saudável. Os próximos passos são aguardar os laudos e reunir as equipes para pensar no que será melhor pra ele”, explica Estéfanni Pinheiro.

“Quando se realiza esse tipo de avaliação, a gente tenta trazer o máximo de equipes para aproveitar o momento da sedação e coletar o maior número de amostras possíveis para obter respostas científicas que se convertam em ações de conservação para esse animal”, comenta o biólogo Hugo Fernandes, responsável pelo resgate e a avaliação biológica do animal.

Hugo também destacou o excelente trabalho realizado pela equipe do Zoológico Municipal Sargento Prata, que mantém o animal desde o dia 22 de julho. “Graças aos cuidados e ao enriquecimento ambiental que foi feito no recinto, a onça ganhou peso e pôde afiar as garras que haviam sido aparadas no cativeiro, e agora estão com ótimo desenvolvimento, o que é muito importante para que ela se torne apta à reabilitação.”

O biólogo e gerente de parques da UrbFor, Raphael Martins, destaca o ineditismo da experiência no Zoológico. “Nunca havia sido feita em um animal de natureza, de vida livre desse porte, uma bateria tão grande de exames, reunindo tantos especialistas. É uma experiência que certamente ficará marcada na história do Zoológico e que servirá de base, inclusive científica, para a preservação de grandes felinos de modo geral.”

A chegada da onça ao Zoológico Municipal

No dia 19 de julho deste ano, uma onça parda, também conhecida como suçuarana, foi encontrada por moradores do distrito de Campo Lindo, em Reriutaba. Técnicos do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), juntamente com o professor da Universidade Estadual do Ceará (UECE), Hugo Fernandes, e a médica veterinária do Zoológico Sargento Prata, Estéfanni Pinheiro, realizaram o resgate e translado do animal até Fortaleza.

A onça foi levada ao Zoológico no dia 22 de julho por ser o equipamento com as melhores condições estruturais e corpo técnico habilitado para assisti-la até que esteja apto a ir para uma área de reabilitação.

"Fomos acionados pelo Ibama para contribuir tecnicamente nessa ação e estamos adotando todas as providências com o maior cuidado e dispondo de nossos melhores profissionais para garantir o bem-estar desse animal. Encaramos o convite como um reconhecimento da excelência técnica da nossa equipe e das boas condições de infraestrutura que dispomos atualmente no Zoológico Municipal", ressalta Regis Tavares, superintendente da UrbFor.

Estudos e acompanhamento do animal

A onça está em um recinto reservado, de modo que sofra o mínimo possível de interferências. Os profissionais do Zoológico estão fazendo um acompanhamento constante do desenvolvimento do animal e outros técnicos e parceiros estão elaborando um diagnóstico etológico, ou seja, avaliando o comportamento da onça e seu potencial de reinserção na natureza. Pesquisadores e profissionais interessados na preservação de animais como este e outros atualmente mantidos no Zoológico, podem procurar a equipe técnica do equipamento para a elaboração de estudos, rodas de conversas, entre outros.