13 de julho de 2018 em Saúde

IJF faz alerta sobre cuidados com crianças durante as férias escolares

Só no primeiro semestre de 2018, aproximadamente 7 mil pacientes com idade entre 0 e 14 anos foram acolhidos na Emergência do hospital


Criança com curativo no braço se recupera no IJF.
Pais e responsáveis devem ter atenção redobrada aos riscos de trauma em casa e nas áreas de lazer

O período das férias representa, para muitas crianças, o melhor momento para diversão e lazer. Porém, esta é uma das épocas do ano que mais exige cuidado por parte dos pais que possuem filhos pequenos, devido ao grande número de acidentes que podem ocorrer em casa ou mesmo nas ruas.

Só no primeiro semestre de 2018, aproximadamente 7 mil pacientes com idade entre 0 e 14 anos foram acolhidos na Emergência do Instituto Doutor José Frota (IJF), sendo a queda a principal causa de traumas graves, com 2.151 vítimas. Outras causas frequentes de acidentes com crianças são inserção de objetos em orifícios naturais (boca, nariz e ouvido), com 1.045 casos; ocorrências no trânsito (moto, carro, pedestre e bicicleta), 643 casos; intoxicações agudas (picadas de animais peçonhentos e contato ou ingestão de substâncias químicas), 414 registros; queimadura e choque elétrico, com 361 novos pacientes.

A Dra. Márcia Lima Verde, médica pediatra do IJF, alerta para algumas precauções que todos devem adotar para evitar complicações, como:

- Manter a vigilância constante nas ações das crianças, deixando de lado o apelo ao uso constante dos aparelhos celulares e outras fontes de distração;
- Criar ambientes seguros e estimulantes para a diversão, com atenção aos riscos de choques elétricos, quedas e queimaduras;
- Evitar brinquedos com peças muito pequenas ou com fácil acesso às pilhas e baterias do tipo moeda, que podem ser inaladas ou ingeridas, causando engasgos, sufocação ou lesões graves no aparelho digestivo;
- Manter longe do acesso de crianças os produtos químicos e de limpeza, medicamentos, inseticidas, raticidas e ferramentas de corte;
- Controlar e acompanhar o acesso de crianças à cozinha (risco de queimadura), ao banheiro e à lavanderia (risco de queda e afogamento), às escadas e janelas (risco de queda);
- Manter a atenção constante em ambientes externos, principalmente em locais com grande fluxo de automóveis;
- Respeitar o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), principalmente no que diz respeito ao transporte de crianças em carros e motocicletas, que deve atender aos critérios de limite de idade e de uso adequado dos itens de segurança, como capacete e cadeirinha.

A pediatra chama atenção para os malefícios do uso exagerado do telefone celular por alguns pais, que, além de enfraquecer o vínculo afetivo com os filhos, causa a distração nas atividades das crianças. Márcia Lima Verde aconselha o aumento da interação e das atividades em família. “Inventem brincadeiras, saiam para os parques e praças, vão à praia, para evitar que se distraiam em redes sociais e que as crianças sofram danos físicos e psicológicos, que podem ser, muitas vezes, irreversíveis”, destaca.

IJF faz alerta sobre cuidados com crianças durante as férias escolares

Só no primeiro semestre de 2018, aproximadamente 7 mil pacientes com idade entre 0 e 14 anos foram acolhidos na Emergência do hospital

Criança com curativo no braço se recupera no IJF.
Pais e responsáveis devem ter atenção redobrada aos riscos de trauma em casa e nas áreas de lazer

O período das férias representa, para muitas crianças, o melhor momento para diversão e lazer. Porém, esta é uma das épocas do ano que mais exige cuidado por parte dos pais que possuem filhos pequenos, devido ao grande número de acidentes que podem ocorrer em casa ou mesmo nas ruas.

Só no primeiro semestre de 2018, aproximadamente 7 mil pacientes com idade entre 0 e 14 anos foram acolhidos na Emergência do Instituto Doutor José Frota (IJF), sendo a queda a principal causa de traumas graves, com 2.151 vítimas. Outras causas frequentes de acidentes com crianças são inserção de objetos em orifícios naturais (boca, nariz e ouvido), com 1.045 casos; ocorrências no trânsito (moto, carro, pedestre e bicicleta), 643 casos; intoxicações agudas (picadas de animais peçonhentos e contato ou ingestão de substâncias químicas), 414 registros; queimadura e choque elétrico, com 361 novos pacientes.

A Dra. Márcia Lima Verde, médica pediatra do IJF, alerta para algumas precauções que todos devem adotar para evitar complicações, como:

- Manter a vigilância constante nas ações das crianças, deixando de lado o apelo ao uso constante dos aparelhos celulares e outras fontes de distração;
- Criar ambientes seguros e estimulantes para a diversão, com atenção aos riscos de choques elétricos, quedas e queimaduras;
- Evitar brinquedos com peças muito pequenas ou com fácil acesso às pilhas e baterias do tipo moeda, que podem ser inaladas ou ingeridas, causando engasgos, sufocação ou lesões graves no aparelho digestivo;
- Manter longe do acesso de crianças os produtos químicos e de limpeza, medicamentos, inseticidas, raticidas e ferramentas de corte;
- Controlar e acompanhar o acesso de crianças à cozinha (risco de queimadura), ao banheiro e à lavanderia (risco de queda e afogamento), às escadas e janelas (risco de queda);
- Manter a atenção constante em ambientes externos, principalmente em locais com grande fluxo de automóveis;
- Respeitar o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), principalmente no que diz respeito ao transporte de crianças em carros e motocicletas, que deve atender aos critérios de limite de idade e de uso adequado dos itens de segurança, como capacete e cadeirinha.

A pediatra chama atenção para os malefícios do uso exagerado do telefone celular por alguns pais, que, além de enfraquecer o vínculo afetivo com os filhos, causa a distração nas atividades das crianças. Márcia Lima Verde aconselha o aumento da interação e das atividades em família. “Inventem brincadeiras, saiam para os parques e praças, vão à praia, para evitar que se distraiam em redes sociais e que as crianças sofram danos físicos e psicológicos, que podem ser, muitas vezes, irreversíveis”, destaca.