13 de junho de 2022 em Saúde

IJF reforça estratégias de proteção aos pacientes em situação de vulnerabilidade social

Em 2021, o hospital da Prefeitura de Fortaleza notificou 1.083 violações de direitos apenas entre as causas de acolhimentos de crianças e adolescentes na Emergência


O Instituto Dr José Frota (IJF), por meio de seu Núcleo de Serviço Social, realizou, entre os dias 16 de maio e 13 de junho, o curso de Capacitação Rede de Proteção Social e Atenção às vítimas de Violências. A formação contou com a colaboração de diversas instituições parceiras e nos encontros foram abordados temas como a Violência Urbana, as Políticas Públicas de Atendimento às Pessoas em Situação de Rua e a Garantia de Direitos das Crianças e Adolescentes, que encerrou a programação.

O último módulo, apresentado na tarde desta segunda-feira (13/06), recebeu as contribuições de Dairton Costa de Oliveira, do Ministério Público do Estado; de Francisco Rubens de Lima Júnior, da Defensoria Pública do Estado do Ceará; do deputado estadual Renato Roseno, da Comissão de Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Ceará; do presidente e da vice-presidenta da Fundação da Criança e da Família Cidadã de Fortaleza (Funci), Iraguassú Filho e Márcia Dias Soares.

O IJF, por sua vez, apresentou os dados das 1.083 notificações feitas aos órgãos competentes apenas por violações de direitos que resultaram em lesões graves e na hospitalização de crianças e adolescentes, entre janeiro e dezembro de 2021, diante do total de 8.099 ocorrências registradas no Ceará e 3.551 em Fortaleza, no mesmo período.

Os casos de violação da proteção e violência contra menores de 18 anos mais relatados na Emergência mencionam os traumas por envolvimento em ocorrências de trânsito, quedas, lesões por arma de foto e arma branca, agressões e intoxicações exógenas. Dos relatos acompanhados, 12% indicaram a reincidência nas causas das lesões.

De acordo com a superintendente do IJF, Riane Azevedo, “buscamos, durante este período de aprendizagem, discutir as estratégias para o fortalecimento de políticas públicas mais efetivas, por meio da troca de informações, experiências e aproximações para mais colaborações. É dessa forma que o IJF, além de referência na assistência de alta complexidade, também reforça o seu papel como hospital de ensino, pesquisa e orientador de políticas públicas”.

IJF reforça estratégias de proteção aos pacientes em situação de vulnerabilidade social

Em 2021, o hospital da Prefeitura de Fortaleza notificou 1.083 violações de direitos apenas entre as causas de acolhimentos de crianças e adolescentes na Emergência

O Instituto Dr José Frota (IJF), por meio de seu Núcleo de Serviço Social, realizou, entre os dias 16 de maio e 13 de junho, o curso de Capacitação Rede de Proteção Social e Atenção às vítimas de Violências. A formação contou com a colaboração de diversas instituições parceiras e nos encontros foram abordados temas como a Violência Urbana, as Políticas Públicas de Atendimento às Pessoas em Situação de Rua e a Garantia de Direitos das Crianças e Adolescentes, que encerrou a programação.

O último módulo, apresentado na tarde desta segunda-feira (13/06), recebeu as contribuições de Dairton Costa de Oliveira, do Ministério Público do Estado; de Francisco Rubens de Lima Júnior, da Defensoria Pública do Estado do Ceará; do deputado estadual Renato Roseno, da Comissão de Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Ceará; do presidente e da vice-presidenta da Fundação da Criança e da Família Cidadã de Fortaleza (Funci), Iraguassú Filho e Márcia Dias Soares.

O IJF, por sua vez, apresentou os dados das 1.083 notificações feitas aos órgãos competentes apenas por violações de direitos que resultaram em lesões graves e na hospitalização de crianças e adolescentes, entre janeiro e dezembro de 2021, diante do total de 8.099 ocorrências registradas no Ceará e 3.551 em Fortaleza, no mesmo período.

Os casos de violação da proteção e violência contra menores de 18 anos mais relatados na Emergência mencionam os traumas por envolvimento em ocorrências de trânsito, quedas, lesões por arma de foto e arma branca, agressões e intoxicações exógenas. Dos relatos acompanhados, 12% indicaram a reincidência nas causas das lesões.

De acordo com a superintendente do IJF, Riane Azevedo, “buscamos, durante este período de aprendizagem, discutir as estratégias para o fortalecimento de políticas públicas mais efetivas, por meio da troca de informações, experiências e aproximações para mais colaborações. É dessa forma que o IJF, além de referência na assistência de alta complexidade, também reforça o seu papel como hospital de ensino, pesquisa e orientador de políticas públicas”.