15 de fevereiro de 2017 em Saúde

Início da quadra chuvosa requer mais atenção no combate ao Aedes aegypti

Muitas ações de prevenção podem ser realizadas no próprio domicílio


Agentes
Agentes de Combate às Endemias orientam a população em relação aos cuidados que devem ser observados no próprio domicílio
A Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), alerta os fortalezenses para a necessidade de adoção de medidas preventivas contra o mosquito Aedes aegypti. Com o início da quadra chuvosa, é necessário redobrar a atenção para não favorecer a proliferação do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus.

O gerente da célula de Vigilância Ambiental e Riscos Biológicos (Cevam), Nélio Morais, orienta a população. “Muitas ações podem e devem ser realizadas no próprio domicílio. Os principais depósitos com foco da dengue em Fortaleza são potes, tambores, tanques, garrafas, vasilhames, materiais plásticos, dentre outros. Orientamos que, pelo menos uma vez por semana, o dono do imóvel faça uma supervisão na casa para eliminar os recipientes que acumulam água, observando, inclusive, as calhas que podem estar entupidas. Além disso, é necessário fazer a remoção do lixo que fica acumulado no quintal, colocando-os em recipientes adequados e levando-os à calçada no dia programado para a coleta”, explica.

A Cevam desenvolve diariamente ações estratégicas para combater o Aedes aegypti na Capital, tais como: tratamento focal, por meio de visitas domiciliares, aplicação de larvicidas e identificação e eliminação de criadouros; de controle químico, realizando a aspersão de inseticidas através das bombas costais; e também de mobilização e educação, com a formação de brigadas e buscando orientar a população sobre a importância de cada pessoa cuidar do seu espaço, da sua residência.

Nélio Morais ressalta o trabalho de intervenção que é feito pelos profissionais. “Estamos focados no combate ao mosquito e promovendo diversas atividades. Os nossos agentes de combate às endemias são territorializados, ou seja, fixados permanentemente em áreas específicas, o que permite um melhor conhecimento da região e uma atuação mais eficaz no estudo do comportamento de insetos e vetores da área. São mais 1.700 profissionais envolvidos nessas ações. Mas ressaltamos a importância da população aderir às medidas de prevenção. A população precisa ser parceira do Município”, conclui.

Início da quadra chuvosa requer mais atenção no combate ao Aedes aegypti

Muitas ações de prevenção podem ser realizadas no próprio domicílio

Agentes
Agentes de Combate às Endemias orientam a população em relação aos cuidados que devem ser observados no próprio domicílio
A Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), alerta os fortalezenses para a necessidade de adoção de medidas preventivas contra o mosquito Aedes aegypti. Com o início da quadra chuvosa, é necessário redobrar a atenção para não favorecer a proliferação do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus.

O gerente da célula de Vigilância Ambiental e Riscos Biológicos (Cevam), Nélio Morais, orienta a população. “Muitas ações podem e devem ser realizadas no próprio domicílio. Os principais depósitos com foco da dengue em Fortaleza são potes, tambores, tanques, garrafas, vasilhames, materiais plásticos, dentre outros. Orientamos que, pelo menos uma vez por semana, o dono do imóvel faça uma supervisão na casa para eliminar os recipientes que acumulam água, observando, inclusive, as calhas que podem estar entupidas. Além disso, é necessário fazer a remoção do lixo que fica acumulado no quintal, colocando-os em recipientes adequados e levando-os à calçada no dia programado para a coleta”, explica.

A Cevam desenvolve diariamente ações estratégicas para combater o Aedes aegypti na Capital, tais como: tratamento focal, por meio de visitas domiciliares, aplicação de larvicidas e identificação e eliminação de criadouros; de controle químico, realizando a aspersão de inseticidas através das bombas costais; e também de mobilização e educação, com a formação de brigadas e buscando orientar a população sobre a importância de cada pessoa cuidar do seu espaço, da sua residência.

Nélio Morais ressalta o trabalho de intervenção que é feito pelos profissionais. “Estamos focados no combate ao mosquito e promovendo diversas atividades. Os nossos agentes de combate às endemias são territorializados, ou seja, fixados permanentemente em áreas específicas, o que permite um melhor conhecimento da região e uma atuação mais eficaz no estudo do comportamento de insetos e vetores da área. São mais 1.700 profissionais envolvidos nessas ações. Mas ressaltamos a importância da população aderir às medidas de prevenção. A população precisa ser parceira do Município”, conclui.