13 de janeiro de 2021 em Meio ambiente

Limpeza de lagoas e canais é intensificada para a quadra chuvosa de 2021

Até o mês de abril, serão contemplados com a ação 36 canais e lagoas da Capital. O intuito é evitar alagamentos nos bairros


uma retroescavadeira é usada para limpar uma lagoa
A limpeza da Lagoa Seca está em andamento no mês de janeiro

Para conter riscos de inundação e alagamento, a Prefeitura de Fortaleza está cumprindo um cronograma de limpeza de recursos hídricos da Capital (canais e lagoas) em todos os bairros da cidade, realizando a retirada de lixo e aguapés. As intervenções estão dentro das ações preventivas de limpeza urbana previstas no plano de trabalho referente à quadra chuvosa de 2021.

Até o mês de abril, serão contemplados com a ação 36 canais e lagoas da Capital, incluindo também o Rio Maranguapinho. Desses, 13 já foram executados ou estão em andamento, a exemplo do Lago Jacarey e da Lagoa Seca (Sapiranga).

Veja quais recursos hídricos receberão intervenções até abril

A prioridade, conforme explicou o gerente de Limpeza Urbana de Fortaleza, Plácido Cruz Macêdo, são aqueles locais que podem causar alagamentos.

“Durante todo o ano, mantemos o serviço de limpeza, fazendo os reparos necessários. Mas durante a quadra chuvosa, intensificamos a quantidade de funcionários e máquinas. Iniciamos o processo com antecedência para, quando começar o ano, já estarmos com os trabalhos adiantados”, disse o gerente.

Em 2020, foram realizadas as limpezas de 161 canais e lagoas. Também foram retiradas 26.238,42 toneladas de materiais dos recursos hídricos da Cidade, bem como foi realizada a desobstrução de 6.315 bocas de lobo.

Para isso, a Prefeitura conta com o trabalho de 250 pessoas e o auxílio de duas retroescavadeiras e duas escavadeiras hidráulicas para as lagoas, assim como cerca de outras 70 pessoas e de mais trê caminhões multiuso, que auxiliam na limpeza de pequenas galerias e bocas de lobo. Os dejetos são redirecionados para aterros sanitários.

“Em canais e bocas de lobo, além da vegetação, temos que tirar utensílios grandes como colchão e sofá. São esses objetos que ocasionam entupimentos e, consequentemente, alagamentos”, esclareceu Plácido, destacando que, após a quadra chuvosa, as equipes são redirecionadas para outros serviços, como limpeza de avenidas.

Limpeza de lagoas e canais é intensificada para a quadra chuvosa de 2021

Até o mês de abril, serão contemplados com a ação 36 canais e lagoas da Capital. O intuito é evitar alagamentos nos bairros

uma retroescavadeira é usada para limpar uma lagoa
A limpeza da Lagoa Seca está em andamento no mês de janeiro

Para conter riscos de inundação e alagamento, a Prefeitura de Fortaleza está cumprindo um cronograma de limpeza de recursos hídricos da Capital (canais e lagoas) em todos os bairros da cidade, realizando a retirada de lixo e aguapés. As intervenções estão dentro das ações preventivas de limpeza urbana previstas no plano de trabalho referente à quadra chuvosa de 2021.

Até o mês de abril, serão contemplados com a ação 36 canais e lagoas da Capital, incluindo também o Rio Maranguapinho. Desses, 13 já foram executados ou estão em andamento, a exemplo do Lago Jacarey e da Lagoa Seca (Sapiranga).

Veja quais recursos hídricos receberão intervenções até abril

A prioridade, conforme explicou o gerente de Limpeza Urbana de Fortaleza, Plácido Cruz Macêdo, são aqueles locais que podem causar alagamentos.

“Durante todo o ano, mantemos o serviço de limpeza, fazendo os reparos necessários. Mas durante a quadra chuvosa, intensificamos a quantidade de funcionários e máquinas. Iniciamos o processo com antecedência para, quando começar o ano, já estarmos com os trabalhos adiantados”, disse o gerente.

Em 2020, foram realizadas as limpezas de 161 canais e lagoas. Também foram retiradas 26.238,42 toneladas de materiais dos recursos hídricos da Cidade, bem como foi realizada a desobstrução de 6.315 bocas de lobo.

Para isso, a Prefeitura conta com o trabalho de 250 pessoas e o auxílio de duas retroescavadeiras e duas escavadeiras hidráulicas para as lagoas, assim como cerca de outras 70 pessoas e de mais trê caminhões multiuso, que auxiliam na limpeza de pequenas galerias e bocas de lobo. Os dejetos são redirecionados para aterros sanitários.

“Em canais e bocas de lobo, além da vegetação, temos que tirar utensílios grandes como colchão e sofá. São esses objetos que ocasionam entupimentos e, consequentemente, alagamentos”, esclareceu Plácido, destacando que, após a quadra chuvosa, as equipes são redirecionadas para outros serviços, como limpeza de avenidas.