18 de fevereiro de 2020 em Meio ambiente

Prefeito Roberto Cláudio participa de reunião no Banco Mundial sobre o Programa Fortaleza Cidade Sustentável

Durante a reunião, o Prefeito também discutiu o projeto do novo sistema de drenagem do Riacho Pajeú


várias pessoas posando para a foto
"A reunião envolveu toda a equipe técnica do Programa Fortaleza Cidade Sustentável e tratamos do projeto que já está em execução", explicou Roberto Cláudio

O prefeito Roberto Cláudio participou, na manhã desta terça-feira (18/02), em Brasília, de reunião com a diretoria do Banco Mundial, na qual tratou do Programa Fortaleza Cidade Sustentável. Junto à equipe técnica do Banco, foram definidas as ações e metas que dizem respeito à requalificação do Parque Rachel de Queiroz, a segunda maior área verde de Fortaleza que será beneficiada com as obras financiadas por empréstimo efetivado junto instituição.

"A reunião de hoje, aqui no Banco Mundial, envolveu toda a equipe técnica do Programa Fortaleza Cidade Sustentável e tratamos do projeto que já está em execução. Nós combinamos para o mês de março a assinatura da Ordem de Serviço para as obras da 1ª etapa do Parque Raquel de Queiroz e, até o final do primeiro semestre, estaremos assinando a Ordem de Serviço da segunda etapa. Então, teremos em março a primeira etapa em obras e no mês de junho, possivelmente, já teremos a segunda etapa também em obras", declarou o Prefeito.

O Parque Rachel de Queiroz tem 200 hectares de área e as intervenções vão contemplar limpeza, dragagem, recuperação de mata ciliar e do rio, bem como a construção do parque urbano com calçadão, ciclovia, área de lazer e pontes para travessia.

A requalificação do segundo maior parque verde de Fortaleza, assim como os demais projetos do Fortaleza Cidade Sustentável, está sendo financiada por meio da contratação de operação de crédito externo que a Prefeitura de Fortaleza fez junto ao Banco Banco Mundial, no valor de US$ 73,3 milhões, cerca de R$ 320 milhões.

Drenagem Riacho Pajeú

Durante a reunião, o prefeito Roberto Cláudio também discutiu o projeto do novo sistema de drenagem do Riacho Pajeú, que prevê a construção de uma galeria que fará a transposição da bacia hidrográfica do Riacho Pajeú. Orçado em R$ 50 milhões, o novo sistema terá cerca de 3,5 quilômetros de extensão, auxiliando na captação da água da chuva do Centro até a Praia de Iracema, na região do Poço da Draga.

Segundo o Prefeito, os trabalhos devem começar até o segundo semestre. "Tratamos do detalhamento do projeto que deve seguir para licitação agora, no primeiro semestre, prevendo toda a drenagem do Riacho Pajeú, que pega o Centro da Cidade com áreas de alagamentos importantes na Avenida Heráclito Graça. Também queremos tratar de resolver o problema de contaminação que acontece pelo Riacho Pajeú. Tudo está dentro desse projeto de drenagem que a gente imagina possa estar sendo iniciado até o mês de julho", concluiu o Prefeito.

O Centro da Capital já possui sistema de drenagem, mas este está subdimensionado devido a apropriação do solo com residências e comércios, construídos ao longo dos anos. Como medida para garantir o escoamento da água da chuva de forma eficiente, serão construídas 136 bocas de lobo e uma ampla galeria de drenagem, implantada para auxiliar e ampliar o sistema já existente, aumentando a vazão para captação da água e eliminando os pontos de alagamento em locais reincidentes como é o caso das Avenidas Heráclito Graça e Pessoa Anta. O projeto irá possibilitar, ainda, a identificação de possíveis ligações clandestinas de esgoto lançadas na rede existente.

Prefeito Roberto Cláudio participa de reunião no Banco Mundial sobre o Programa Fortaleza Cidade Sustentável

Durante a reunião, o Prefeito também discutiu o projeto do novo sistema de drenagem do Riacho Pajeú

várias pessoas posando para a foto
"A reunião envolveu toda a equipe técnica do Programa Fortaleza Cidade Sustentável e tratamos do projeto que já está em execução", explicou Roberto Cláudio

O prefeito Roberto Cláudio participou, na manhã desta terça-feira (18/02), em Brasília, de reunião com a diretoria do Banco Mundial, na qual tratou do Programa Fortaleza Cidade Sustentável. Junto à equipe técnica do Banco, foram definidas as ações e metas que dizem respeito à requalificação do Parque Rachel de Queiroz, a segunda maior área verde de Fortaleza que será beneficiada com as obras financiadas por empréstimo efetivado junto instituição.

"A reunião de hoje, aqui no Banco Mundial, envolveu toda a equipe técnica do Programa Fortaleza Cidade Sustentável e tratamos do projeto que já está em execução. Nós combinamos para o mês de março a assinatura da Ordem de Serviço para as obras da 1ª etapa do Parque Raquel de Queiroz e, até o final do primeiro semestre, estaremos assinando a Ordem de Serviço da segunda etapa. Então, teremos em março a primeira etapa em obras e no mês de junho, possivelmente, já teremos a segunda etapa também em obras", declarou o Prefeito.

O Parque Rachel de Queiroz tem 200 hectares de área e as intervenções vão contemplar limpeza, dragagem, recuperação de mata ciliar e do rio, bem como a construção do parque urbano com calçadão, ciclovia, área de lazer e pontes para travessia.

A requalificação do segundo maior parque verde de Fortaleza, assim como os demais projetos do Fortaleza Cidade Sustentável, está sendo financiada por meio da contratação de operação de crédito externo que a Prefeitura de Fortaleza fez junto ao Banco Banco Mundial, no valor de US$ 73,3 milhões, cerca de R$ 320 milhões.

Drenagem Riacho Pajeú

Durante a reunião, o prefeito Roberto Cláudio também discutiu o projeto do novo sistema de drenagem do Riacho Pajeú, que prevê a construção de uma galeria que fará a transposição da bacia hidrográfica do Riacho Pajeú. Orçado em R$ 50 milhões, o novo sistema terá cerca de 3,5 quilômetros de extensão, auxiliando na captação da água da chuva do Centro até a Praia de Iracema, na região do Poço da Draga.

Segundo o Prefeito, os trabalhos devem começar até o segundo semestre. "Tratamos do detalhamento do projeto que deve seguir para licitação agora, no primeiro semestre, prevendo toda a drenagem do Riacho Pajeú, que pega o Centro da Cidade com áreas de alagamentos importantes na Avenida Heráclito Graça. Também queremos tratar de resolver o problema de contaminação que acontece pelo Riacho Pajeú. Tudo está dentro desse projeto de drenagem que a gente imagina possa estar sendo iniciado até o mês de julho", concluiu o Prefeito.

O Centro da Capital já possui sistema de drenagem, mas este está subdimensionado devido a apropriação do solo com residências e comércios, construídos ao longo dos anos. Como medida para garantir o escoamento da água da chuva de forma eficiente, serão construídas 136 bocas de lobo e uma ampla galeria de drenagem, implantada para auxiliar e ampliar o sistema já existente, aumentando a vazão para captação da água e eliminando os pontos de alagamento em locais reincidentes como é o caso das Avenidas Heráclito Graça e Pessoa Anta. O projeto irá possibilitar, ainda, a identificação de possíveis ligações clandestinas de esgoto lançadas na rede existente.