19 de novembro de 2019 em Meio ambiente

Prefeitura e Governo do Estado dão continuidade ao Mutirão Ambiental no Rio Maranguapinho

A equipe composta por 80 profissionais voltou a visitar residências e a realizar limpeza e plantio de mudas no entorno do rio


entro do rio, tratores fazem a limpeza
Tratores fizeram a limpeza dentro do Rio Maranguapinho. Ação visa revitalizar a área

Na manhã desta terça-feira (19/11), a Prefeitura de Fortaleza e o Governo do Estado deram continuidade ao Mutirão Ambiental para conscientização da população que mora nas proximidades do Rio Maranguapinho, no bairro Canindezinho (Regional V). A ação tem o intuito de retirar o lixo acumulado nas esquinas, revitalizar o entorno do rio e monitorar os pontos de acúmulo irregular de resíduos sólidos.

Durante o mutirão, os mobilizadores sociais visitaram casas e comércios para orientar os moradores quanto ao descarte do lixo. As atividades fazem parte do Plano de Ação Socioambiental do Rio Maranguapinho elaborado pela Secretaria das Cidades, do Governo do Estado e realizado em parceria com a Secretaria Regional V, Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), Cagece, Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis), Batalhão de Policiamento Ambiental (BPMA), Guarda Municipal de Fortaleza (GMF) e Ecofor Ambiental, entre outros parceiros. Para o secretário das Cidades, Zezinho Albuquerque, a parceria com a Prefeitura era necessária, devido ao volume de trabalho para realizar a ação. "Esta é a maior obra de urbanização que estamos fazendo. Uma área totalmente degradada que hoje vemos que está muito melhor. É uma região muito grande. Precisa de fiscalização, limpeza frequente e que o governo termine as outras etapas o mais rápido possível", disse.

Cerca de 80 profissionais estiveram envolvidos, dentre eles agentes de endemias, fiscais, técnicos e mobilizadores sociais. Este já é o décimo mutirão. Eles acontecem desde setembro deste ano e a previsão é que se estenda até dezembro. "Vamos contornar quatro quadras que compõe as quatro esquinas de cruzamento com o Rio Maranguapinho. Nossa equipe sempre vem às terças-feiras e conta com o apoio de vários outros setores da Prefeitura. Queremos fazer mais uma edição, na próxima semana e, depois, expandir para as praças até o mês de Dezembro", afirmou a assistente social da Equipe Maranguapinho, Thaís Mariano.

Dentro do rio, tratores fizeram a limpeza. No entorno, caminhões da Ecofor prestaram apoio. Enquanto isso, os mobilizadores sociais batiam às portas das casas para conversar com moradores. Junto deles, fiscais e agentes de endemias. O trabalho é de conscientização para alertar sobre possíveis focos do mosquito Aedes aegypti e também para frisar a importância do cuidado com a preservação do meio ambiente, considerando o rio e seu entorno. Para a coordenadora do Núcleo de Educação em Saúde e Mobilização Social (Nesms) da SMS, Cilene Chaves, as abordagens têm sido tranquilas e o retorno bastante positivo. "A população precisa ser corresponsável neste processo. Nós batemos à porta, conversamos, orientamos e a resposta tem sido muito boa. O mais difícil é a falta de informação. Muitos não têm conhecimento e questionam. Mas eles nos ajudam também. Em outros pontos que já visitamos, observamos que as pessoas estão ajudando e conservando o trabalho feito", disse.

homem posando para a foto
"Sei o dia da coleta, ensaco meu lixo e boto na rua no dia certo", afirmou o pedreito Rogenir Sátiro

A casa do pedreiro Rogenir Sátiro, de 49 anos, foi visitada por uma das equipes. Para ele, é importante receber as orientações sobre como cuidar do próprio lixo. À medida que a informação é levada às casas, é mais fácil contar também com a participação dos vizinhos. "Eu acho ótimo que esta orientação chegue até a nossa casa. Eu tenho muito cuidado. Sei o dia da coleta, ensaco meu lixo e boto na rua no dia certo. Mas vêm pessoas de fora e sujam a rua. A gente se responsabiliza e faz a nossa parte. Cada um faz a sua", explicou.

O terceiro e último passo do mutirão é a revitalização do rio. Por meio da Autarquia de Urbanismo e Paisagismo de Fortaleza (UrbFor), a Prefeitura de Fortaleza providenciou também o plantio de vinte mudas de espécies nativas, vindas do Horto Florestal Municipal. Elas ficaram fixadas dentro de pneus retirados do lixo. As peças receberam pinturas e ajudaram a decorar o local. Para o gerente de Conservação e Limpeza Pública, Carlos Alberto Galucho, a preocupação da Prefeitura de Fortaleza junto com a Regional V é eliminar os pontos de lixo. "A questão ambiental também é uma preocupação tanto do prefeito Roberto Cláudio quanto de nós servidores. Cada revitalização que a gente faz, planta cerca de vinte mudas. Queremos chegar ao fim do mutirão com cerca de 200 mudas plantadas", afirmou.

CLIQUE AQUI PARA BAIXAR MAIS FOTOS

Prefeitura e Governo do Estado dão continuidade ao Mutirão Ambiental no Rio Maranguapinho

A equipe composta por 80 profissionais voltou a visitar residências e a realizar limpeza e plantio de mudas no entorno do rio

entro do rio, tratores fazem a limpeza
Tratores fizeram a limpeza dentro do Rio Maranguapinho. Ação visa revitalizar a área

Na manhã desta terça-feira (19/11), a Prefeitura de Fortaleza e o Governo do Estado deram continuidade ao Mutirão Ambiental para conscientização da população que mora nas proximidades do Rio Maranguapinho, no bairro Canindezinho (Regional V). A ação tem o intuito de retirar o lixo acumulado nas esquinas, revitalizar o entorno do rio e monitorar os pontos de acúmulo irregular de resíduos sólidos.

Durante o mutirão, os mobilizadores sociais visitaram casas e comércios para orientar os moradores quanto ao descarte do lixo. As atividades fazem parte do Plano de Ação Socioambiental do Rio Maranguapinho elaborado pela Secretaria das Cidades, do Governo do Estado e realizado em parceria com a Secretaria Regional V, Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), Cagece, Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis), Batalhão de Policiamento Ambiental (BPMA), Guarda Municipal de Fortaleza (GMF) e Ecofor Ambiental, entre outros parceiros. Para o secretário das Cidades, Zezinho Albuquerque, a parceria com a Prefeitura era necessária, devido ao volume de trabalho para realizar a ação. "Esta é a maior obra de urbanização que estamos fazendo. Uma área totalmente degradada que hoje vemos que está muito melhor. É uma região muito grande. Precisa de fiscalização, limpeza frequente e que o governo termine as outras etapas o mais rápido possível", disse.

Cerca de 80 profissionais estiveram envolvidos, dentre eles agentes de endemias, fiscais, técnicos e mobilizadores sociais. Este já é o décimo mutirão. Eles acontecem desde setembro deste ano e a previsão é que se estenda até dezembro. "Vamos contornar quatro quadras que compõe as quatro esquinas de cruzamento com o Rio Maranguapinho. Nossa equipe sempre vem às terças-feiras e conta com o apoio de vários outros setores da Prefeitura. Queremos fazer mais uma edição, na próxima semana e, depois, expandir para as praças até o mês de Dezembro", afirmou a assistente social da Equipe Maranguapinho, Thaís Mariano.

Dentro do rio, tratores fizeram a limpeza. No entorno, caminhões da Ecofor prestaram apoio. Enquanto isso, os mobilizadores sociais batiam às portas das casas para conversar com moradores. Junto deles, fiscais e agentes de endemias. O trabalho é de conscientização para alertar sobre possíveis focos do mosquito Aedes aegypti e também para frisar a importância do cuidado com a preservação do meio ambiente, considerando o rio e seu entorno. Para a coordenadora do Núcleo de Educação em Saúde e Mobilização Social (Nesms) da SMS, Cilene Chaves, as abordagens têm sido tranquilas e o retorno bastante positivo. "A população precisa ser corresponsável neste processo. Nós batemos à porta, conversamos, orientamos e a resposta tem sido muito boa. O mais difícil é a falta de informação. Muitos não têm conhecimento e questionam. Mas eles nos ajudam também. Em outros pontos que já visitamos, observamos que as pessoas estão ajudando e conservando o trabalho feito", disse.

homem posando para a foto
"Sei o dia da coleta, ensaco meu lixo e boto na rua no dia certo", afirmou o pedreito Rogenir Sátiro

A casa do pedreiro Rogenir Sátiro, de 49 anos, foi visitada por uma das equipes. Para ele, é importante receber as orientações sobre como cuidar do próprio lixo. À medida que a informação é levada às casas, é mais fácil contar também com a participação dos vizinhos. "Eu acho ótimo que esta orientação chegue até a nossa casa. Eu tenho muito cuidado. Sei o dia da coleta, ensaco meu lixo e boto na rua no dia certo. Mas vêm pessoas de fora e sujam a rua. A gente se responsabiliza e faz a nossa parte. Cada um faz a sua", explicou.

O terceiro e último passo do mutirão é a revitalização do rio. Por meio da Autarquia de Urbanismo e Paisagismo de Fortaleza (UrbFor), a Prefeitura de Fortaleza providenciou também o plantio de vinte mudas de espécies nativas, vindas do Horto Florestal Municipal. Elas ficaram fixadas dentro de pneus retirados do lixo. As peças receberam pinturas e ajudaram a decorar o local. Para o gerente de Conservação e Limpeza Pública, Carlos Alberto Galucho, a preocupação da Prefeitura de Fortaleza junto com a Regional V é eliminar os pontos de lixo. "A questão ambiental também é uma preocupação tanto do prefeito Roberto Cláudio quanto de nós servidores. Cada revitalização que a gente faz, planta cerca de vinte mudas. Queremos chegar ao fim do mutirão com cerca de 200 mudas plantadas", afirmou.

CLIQUE AQUI PARA BAIXAR MAIS FOTOS