29 de maio de 2021 em Saúde

Professora da Rede Municipal de Ensino celebra primeira dose da vacina como forma de reconhecimento profissional

Para Valéria Girão Borges, a vacina é essencial para o retorno seguro às aulas


Valéria Girão Borges segura o seu cartão de vacinação
"Temos compromisso com as crianças e também com a população, pois prestamos conta no final e a Prefeitura de Fortaleza está de parabéns pelo trabalho", declarou Valéria Girão Borges (Foto: Thiago Gaspar)

A professora da Rede Municipal de Ensino, Valéria Girão Borges, não encontrou adjetivos para descrever os sentimentos vividos ao receber a primeira dose da vacina contra o coronavírus na manhã deste sábado (29/05), na Policlínica Dr. Luiz Carlos Fontenele, no bairro Passaré. Ela foi uma das profissionais da educação convocadas no primeiro dia destinado a este público. Com a voz trêmula e os olhos marejados ao sair da sala de imunização, segurando de forma orgulhosa o cartão da vacina, relatou a vivência de ser docente em tempos de pandemia.

Para Valéria, o trabalho remoto é árduo porque ela, juntamente com sua equipe, tenta garantir o melhor atendimento aos alunos e aos seus pais, honrando o comprometimento da educação, muitas vezes, respondendo mensagens fora do seu horário. “Atendo do ensino infantil ao 5º ano. Temos compromisso com as crianças e também com a população, pois prestamos conta no final e a Prefeitura de Fortaleza está de parabéns pelo trabalho. Eu mesma tirei meus netos da rede particular e coloquei na rede pública, na escola que eu trabalho, porque a gente vê os resultados”, disse.

A priorização por meio da vacina foi, segundo Valéria, uma forma de respeito e reconhecimento. “Era uma ansiedade muito grande, tanto para o sindicato como para todos os profissionais da educação. De respeito por a gente ter sido ouvido. E, neste momento, estarmos começando a ser vacinados. É uma alegria tanto por me sentir segura e imunizada, como pela nossa condição de categoria profissional”, alegou.

Ela destacou, ainda, como a vacina é essencial para o retorno seguro às aulas. “A gente precisa voltar, mas com responsabilidade. Não adianta voltar e fechar tudo novamente com uma semana por conta de infestação. Criança abraça, beija, troca material, por mais cuidado que você tenha. Nesse momento, é muito importante que haja essa imunização, se não, não vamos parar a rotatividade do vírus”, explicou.

Contato com a Covid-19

A primeira dose da professora Valéria foi aplicada um dia antes de ser completado um ano do falecimento de sua mãe, vítima da Covid-19. Emocionada pela saudade e pelo momento vivido da vacina, ela descreveu que a mãe não apresentou sintomas, apenas uma espécie de tristeza, e ao levar ao hospital, já foi direto para a UTI. Mesmo recebendo toda a assistência, após apenas uma semana de internação, faleceu.

“De lá para cá, minha filha também teve, meus netos também. Só eu e meu esposo não apresentamos sintomas. Acredito que tivemos de forma assintomática. Minha filha teve duas vezes e meu neto, de 13 anos, ficou internado durante nove dias. Um menino saudável, atleta, que come e dorme bem. É uma doença invasiva e muito perigosa”, relatou.

Valéria se define como feliz e orgulhosa de ser nordestina, de ter sangue guerreiro e de poder contar com governantes locais que têm coragem.

“Este é um momento de emoção. Sempre fui bem politizada, mas nunca tive oportunidade de manifestar ou lutar por direitos. Nesse momento, sinto como se estivesse levantando uma bandeira e dizendo que estou aqui, porque tem pessoas que têm uma voz mais alta do que a nossa e que podem falar representando a gente”, elogiou.

Professora da Rede Municipal de Ensino celebra primeira dose da vacina como forma de reconhecimento profissional

Para Valéria Girão Borges, a vacina é essencial para o retorno seguro às aulas

Valéria Girão Borges segura o seu cartão de vacinação
"Temos compromisso com as crianças e também com a população, pois prestamos conta no final e a Prefeitura de Fortaleza está de parabéns pelo trabalho", declarou Valéria Girão Borges (Foto: Thiago Gaspar)

A professora da Rede Municipal de Ensino, Valéria Girão Borges, não encontrou adjetivos para descrever os sentimentos vividos ao receber a primeira dose da vacina contra o coronavírus na manhã deste sábado (29/05), na Policlínica Dr. Luiz Carlos Fontenele, no bairro Passaré. Ela foi uma das profissionais da educação convocadas no primeiro dia destinado a este público. Com a voz trêmula e os olhos marejados ao sair da sala de imunização, segurando de forma orgulhosa o cartão da vacina, relatou a vivência de ser docente em tempos de pandemia.

Para Valéria, o trabalho remoto é árduo porque ela, juntamente com sua equipe, tenta garantir o melhor atendimento aos alunos e aos seus pais, honrando o comprometimento da educação, muitas vezes, respondendo mensagens fora do seu horário. “Atendo do ensino infantil ao 5º ano. Temos compromisso com as crianças e também com a população, pois prestamos conta no final e a Prefeitura de Fortaleza está de parabéns pelo trabalho. Eu mesma tirei meus netos da rede particular e coloquei na rede pública, na escola que eu trabalho, porque a gente vê os resultados”, disse.

A priorização por meio da vacina foi, segundo Valéria, uma forma de respeito e reconhecimento. “Era uma ansiedade muito grande, tanto para o sindicato como para todos os profissionais da educação. De respeito por a gente ter sido ouvido. E, neste momento, estarmos começando a ser vacinados. É uma alegria tanto por me sentir segura e imunizada, como pela nossa condição de categoria profissional”, alegou.

Ela destacou, ainda, como a vacina é essencial para o retorno seguro às aulas. “A gente precisa voltar, mas com responsabilidade. Não adianta voltar e fechar tudo novamente com uma semana por conta de infestação. Criança abraça, beija, troca material, por mais cuidado que você tenha. Nesse momento, é muito importante que haja essa imunização, se não, não vamos parar a rotatividade do vírus”, explicou.

Contato com a Covid-19

A primeira dose da professora Valéria foi aplicada um dia antes de ser completado um ano do falecimento de sua mãe, vítima da Covid-19. Emocionada pela saudade e pelo momento vivido da vacina, ela descreveu que a mãe não apresentou sintomas, apenas uma espécie de tristeza, e ao levar ao hospital, já foi direto para a UTI. Mesmo recebendo toda a assistência, após apenas uma semana de internação, faleceu.

“De lá para cá, minha filha também teve, meus netos também. Só eu e meu esposo não apresentamos sintomas. Acredito que tivemos de forma assintomática. Minha filha teve duas vezes e meu neto, de 13 anos, ficou internado durante nove dias. Um menino saudável, atleta, que come e dorme bem. É uma doença invasiva e muito perigosa”, relatou.

Valéria se define como feliz e orgulhosa de ser nordestina, de ter sangue guerreiro e de poder contar com governantes locais que têm coragem.

“Este é um momento de emoção. Sempre fui bem politizada, mas nunca tive oportunidade de manifestar ou lutar por direitos. Nesse momento, sinto como se estivesse levantando uma bandeira e dizendo que estou aqui, porque tem pessoas que têm uma voz mais alta do que a nossa e que podem falar representando a gente”, elogiou.