01 de outubro de 2015 em Cultura

Tombado primeiro conjunto arquitetônico

Conjunto engloba o Colégio Imaculada Conceição, a Igreja do Pequeno Grande, a Escola Jesus, Maria e José e a Escola Justiniano de Serpa


Imagem de arquivo das fechadas da Igreja do Pequeno Grande e do Colégio Imaculada Conceição

O Conselho de Preservação do Patrimônio Histórico e Cultural de Fortaleza (Comphic) aprovou, por unanimidade, nesta quinta-feira (1/10), o tombamento do conjunto de valor patrimonial histórico e arquitetônico do qual fazem parte o Colégio Imaculada Conceição, a Igreja do Pequeno Grande, a Escola Jesus, Maria e José e a Escola Justiniano de Serpa, localizados no entorno da Praça Filgueiras de Melo, no centro da cidade. Trata-se do primeiro tombamento desta natureza em Fortaleza.

De acordo com a instrução de tombamento, o entorno do conjunto conserva ainda inúmeros imóveis do fim do século XIX e início do século XX que mantém muitas das suas caraterísticas originais e apresentam elevado interesse histórico e valor arquitetônico, compartilhando a ambiência acolhedora e confortável da Praça Figueiras de Melo, antes chamada Praça dos Educandos.

O Colégio Imaculada Conceição ocupa toda a quadra situada entre as ruas Coronel Ferraz, a oeste, Costa Barros, ao norte, 25 de março, a leste, e a Avenida Santos Dumont, ao sul, integrando na confluência das Avenida Santos Dumont, com a rua Coronel Ferraz, a Igreja do Pequeno Grande, cuja silhueta se destaca por entre os restantes edifícios (nomeadamente pela presença da torre sineira), constituindo uma referência visual para todo o conjunto. Ambos têm as fachadas principais voltadas para a Praça Figueiras de Melo, e sua arborização, com muros e gradis a criar pequenos espaços privados de recuo em relação à calçada para permitir um acesso mais resguardado aos edifícios.

O edifício da antiga Escola Jesus, Maria e José, propriedade da Arquidiocese de Fortaleza, está localizado entre as ruas Coronel Ferraz e Visconde de Sabóia e o início da Avenida Santos Dumont. Voltada para a lateral da Igreja do Pequeno Grande, o destaque das alas laterais do edifício, de cantos chanfrados, permitem à fachada principal um recuo em relação à calçada. Atualmente, o edifício está devoluto e a área de recuo é ocupada como estacionamento, no entanto este espaço foi, no passado, murado, permitindo um acesso resguardado à semelhança do que acontece com o Colégio da Imaculada Conceição.

O edifício do Colégio Estadual Justiniano de Serpa, antiga Escola Normal, possui localização privilegiada, no centro da Praça Figueira de Melo, entre a Avenida Santos Dumont, ao norte, e as ruas 25 de março, a leste e Coronel Ferraz, a oeste. Envolvida por arborização, a escola desfruta de um ambiente tranquilo, que ameniza os ruídos e outros inconvenientes da inserção urbana.

“O tombamento em conjunto dos imóveis Igreja do Pequeno Grande, Colégio Imaculada Conceição, Colégio Jesus, Maria, José e Colégio Justiniano de Serpa é mais um importante passo no processo de preservação e valorização do patrimônio cultural de Fortaleza. Trata-se da primeira experiência de tombamento de um conjunto edificado significativo, nesse caso, articulado em torno ao tema da educação em nossa cidade. O tombamento de conjuntos urbanos é uma estratégia extremamente contemporânea de proteção porque amplia o interesse patrimonial dos bens considerados de forma isolada a todo um contexto mais abrangente que ajuda a entender melhor nossa própria historia. Proximamente, esperamos poder dar novos passos nessa direção, contemplando outras áreas da cidade e incluindo de maneira especial o patrimônio modernista de Fortaleza, por vezes deixado de lado no debate entorno a memoria histórica e arquitetônica de nossa cidade”, comemora o coordenador de patrimônio histórico e cultural da Secultfor, Jober Pinto.

A instrução de tombamento do conjunto foi elaborada numa parceria entre Secretaria de Cultura de Fortaleza, por meio da Coordenação de Patrimônio Histórico e Cultural, e o Instituto de Estudos, Pesquisas e Projetos da Universidade Estadual do Ceará (Iepro). A apresentação foi feita pela arquiteta Susana Caramelo e pelo historiador Carlos Freire.

Após a aprovação pelo Comphic, o decreto de tombamento segue para a assinatura do Prefeito de Fortaleza, Roberto Claudio. O tombamento tem como enquadramento legal a Lei nº 9.347, de 11 de março de 2008, que dispõe sobre a proteção do patrimônio histórico-cultural e natural do município de Fortaleza (entre outras providências).

Tombado primeiro conjunto arquitetônico

Conjunto engloba o Colégio Imaculada Conceição, a Igreja do Pequeno Grande, a Escola Jesus, Maria e José e a Escola Justiniano de Serpa

Imagem de arquivo das fechadas da Igreja do Pequeno Grande e do Colégio Imaculada Conceição

O Conselho de Preservação do Patrimônio Histórico e Cultural de Fortaleza (Comphic) aprovou, por unanimidade, nesta quinta-feira (1/10), o tombamento do conjunto de valor patrimonial histórico e arquitetônico do qual fazem parte o Colégio Imaculada Conceição, a Igreja do Pequeno Grande, a Escola Jesus, Maria e José e a Escola Justiniano de Serpa, localizados no entorno da Praça Filgueiras de Melo, no centro da cidade. Trata-se do primeiro tombamento desta natureza em Fortaleza.

De acordo com a instrução de tombamento, o entorno do conjunto conserva ainda inúmeros imóveis do fim do século XIX e início do século XX que mantém muitas das suas caraterísticas originais e apresentam elevado interesse histórico e valor arquitetônico, compartilhando a ambiência acolhedora e confortável da Praça Figueiras de Melo, antes chamada Praça dos Educandos.

O Colégio Imaculada Conceição ocupa toda a quadra situada entre as ruas Coronel Ferraz, a oeste, Costa Barros, ao norte, 25 de março, a leste, e a Avenida Santos Dumont, ao sul, integrando na confluência das Avenida Santos Dumont, com a rua Coronel Ferraz, a Igreja do Pequeno Grande, cuja silhueta se destaca por entre os restantes edifícios (nomeadamente pela presença da torre sineira), constituindo uma referência visual para todo o conjunto. Ambos têm as fachadas principais voltadas para a Praça Figueiras de Melo, e sua arborização, com muros e gradis a criar pequenos espaços privados de recuo em relação à calçada para permitir um acesso mais resguardado aos edifícios.

O edifício da antiga Escola Jesus, Maria e José, propriedade da Arquidiocese de Fortaleza, está localizado entre as ruas Coronel Ferraz e Visconde de Sabóia e o início da Avenida Santos Dumont. Voltada para a lateral da Igreja do Pequeno Grande, o destaque das alas laterais do edifício, de cantos chanfrados, permitem à fachada principal um recuo em relação à calçada. Atualmente, o edifício está devoluto e a área de recuo é ocupada como estacionamento, no entanto este espaço foi, no passado, murado, permitindo um acesso resguardado à semelhança do que acontece com o Colégio da Imaculada Conceição.

O edifício do Colégio Estadual Justiniano de Serpa, antiga Escola Normal, possui localização privilegiada, no centro da Praça Figueira de Melo, entre a Avenida Santos Dumont, ao norte, e as ruas 25 de março, a leste e Coronel Ferraz, a oeste. Envolvida por arborização, a escola desfruta de um ambiente tranquilo, que ameniza os ruídos e outros inconvenientes da inserção urbana.

“O tombamento em conjunto dos imóveis Igreja do Pequeno Grande, Colégio Imaculada Conceição, Colégio Jesus, Maria, José e Colégio Justiniano de Serpa é mais um importante passo no processo de preservação e valorização do patrimônio cultural de Fortaleza. Trata-se da primeira experiência de tombamento de um conjunto edificado significativo, nesse caso, articulado em torno ao tema da educação em nossa cidade. O tombamento de conjuntos urbanos é uma estratégia extremamente contemporânea de proteção porque amplia o interesse patrimonial dos bens considerados de forma isolada a todo um contexto mais abrangente que ajuda a entender melhor nossa própria historia. Proximamente, esperamos poder dar novos passos nessa direção, contemplando outras áreas da cidade e incluindo de maneira especial o patrimônio modernista de Fortaleza, por vezes deixado de lado no debate entorno a memoria histórica e arquitetônica de nossa cidade”, comemora o coordenador de patrimônio histórico e cultural da Secultfor, Jober Pinto.

A instrução de tombamento do conjunto foi elaborada numa parceria entre Secretaria de Cultura de Fortaleza, por meio da Coordenação de Patrimônio Histórico e Cultural, e o Instituto de Estudos, Pesquisas e Projetos da Universidade Estadual do Ceará (Iepro). A apresentação foi feita pela arquiteta Susana Caramelo e pelo historiador Carlos Freire.

Após a aprovação pelo Comphic, o decreto de tombamento segue para a assinatura do Prefeito de Fortaleza, Roberto Claudio. O tombamento tem como enquadramento legal a Lei nº 9.347, de 11 de março de 2008, que dispõe sobre a proteção do patrimônio histórico-cultural e natural do município de Fortaleza (entre outras providências).