09 de fevereiro de 2018 em Mobilidade

Avenida Leste-Oeste recebe novo pacote de intervenções de Segurança Viária

A via é considerada uma das piores em número de acidentes, que vitimam principalmente os pedestres


Leste Oeste
Foram instalados seis novos semáforos, e o trânsito em ruas perpendiculares foi reorganizado em sistemas binários (Foto: Marcos Peixoto)

Com o objetivo de evitar mortes no trânsito e preservar vidas, a Prefeitura de Fortaleza dá continuidade a uma série de intervenções ao longo da Avenida Presidente Castelo Branco, também conhecida como Leste-Oeste, para prevenir acidentes. A via é considerada uma das piores em número de acidentes, especialmente com relação ao atropelamento de pedestres e ciclistas. De acordo com o Relatório Anual de Segurança Viária de Fortaleza, nos últimos dez anos 106 pessoas morreram na avenida e mais de 50% desse total eram pedestres. Somente em 2017, foram registradas dez mortes, todas decorrentes de atropelamento e colisões envolvendo ciclistas.

Ao longo do trecho entre as avenidas Pasteur e Radialista José Lima Verde, foram instalados seis novos semáforos. O trânsito em ruas perpendiculares também foi reorganizado em sistemas binários que contemplou ainda o fechamento de retorno e conversões. A nova sinalização horizontal e vertical, sete faixas de retenção para motocicletas, além de um desenho urbano mais amigável aos pedestres e ciclistas, estão em implantação nas esquinas.

Nos próximos dias, a ciclofaixa existente junto ao canteiro central entre a Rua Jacinto Matos e Avenida Pasteur será prolongada até a Avenida Radialista José Lima Verde, terminando no Cuca, onde estará localizada junto ao passeio. Ao todo, serão 5 Km de nova infraestrutura cicloviária na Av. Leste-Oeste, para oferecer mais segurança aos ciclistas. A próxima etapa da intervenção promoverá a ligação da Av. Leste-Oeste ao Centro e Praia de Iracema.

A Autarquia de Paisagismo e Urbanismo de Fortaleza (UrbFor) também promoverá, nas próximas semanas, o serviço de recuperação do canteiro central que já foi realizado em outros trechos da Avenida Leste-Oeste. A arborização implantada ao longo do canteiro central priorizará as faixas adjacentes aos semáforos e passagens de pedestres, com o propósito de incentivar a travessia nesses locais e evitar acidentes.

Quem trafega pelo local, no trecho entre a Rua Jacinto Matos e Radialista José Lima Verde, também terá que obedecer ao novo limite de velocidade e circular a no máximo 50 km/h, assim que a nova sinalização estiver concluída. Durante os primeiros seis meses, a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) realizará um trabalho educativo na região. Neste período de adaptação, não haverá multa, exceto nos casos em que os equipamentos de fiscalização eletrônica registrarem velocidade superior a 60 km/h. “A expectativa é que, a partir da medida, possamos monitorar o comportamento dos condutores e pedestres para então avaliarmos a ampliação desta política para outras vias da Cidade”, explica o superintendente do órgão, Arcelino Lima.

A via é a primeira da Capital contemplada com esse padrão de velocidade, em virtude da elevada taxa de acidentes de trânsito. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que vias urbanas não tenham mais do que 50 km/h como estratégia para prevenir os elevados índices de mortalidade no trânsito. O excesso de velocidade, considerado um dos principais fatores de risco, é responsável por uma em cada três mortes por acidentes de trânsito em todo o mundo.  De acordo com a Organização, a chance de um pedestre sobreviver a um atropelamento a 50 Km/h é 10 vezes maior do que a 60 Km/h.

"O prefeito Roberto Cláudio determinou que nós tomássemos medidas firmes para combater a epidemia de mortes no trânsito que acomete nossa cidade. Temos convicção de que com uma velocidade mais compatível com o fluxo de pedestres e ciclistas e a ocupação daquela região, em conjunto com alguns ajustes de engenharia, iremos reduzir o número de mortes e de registros de acidentes", explica o secretário executivo de Conservação e Serviços Públicos (SCSP), Luiz Alberto Saboia.

A região da Avenida Leste-Oeste é uma das mais adensadas de Fortaleza, e cerca de 170 mil pessoas que moram na região serão diretamente beneficiadas com as mudanças. O projeto tem suporte técnico do Programa de Ações Imediatas de Transporte e Trânsito (PAITT) da SCSP. A Iniciativa Bloomberg de Segurança Viária Global (BIGRS, na sigla em inglês) também apoia a medida com consultoria nas etapas de diagnóstico, planejamento e avaliação da intervenção.

Avenida Leste-Oeste recebe novo pacote de intervenções de Segurança Viária

A via é considerada uma das piores em número de acidentes, que vitimam principalmente os pedestres

Leste Oeste
Foram instalados seis novos semáforos, e o trânsito em ruas perpendiculares foi reorganizado em sistemas binários (Foto: Marcos Peixoto)

Com o objetivo de evitar mortes no trânsito e preservar vidas, a Prefeitura de Fortaleza dá continuidade a uma série de intervenções ao longo da Avenida Presidente Castelo Branco, também conhecida como Leste-Oeste, para prevenir acidentes. A via é considerada uma das piores em número de acidentes, especialmente com relação ao atropelamento de pedestres e ciclistas. De acordo com o Relatório Anual de Segurança Viária de Fortaleza, nos últimos dez anos 106 pessoas morreram na avenida e mais de 50% desse total eram pedestres. Somente em 2017, foram registradas dez mortes, todas decorrentes de atropelamento e colisões envolvendo ciclistas.

Ao longo do trecho entre as avenidas Pasteur e Radialista José Lima Verde, foram instalados seis novos semáforos. O trânsito em ruas perpendiculares também foi reorganizado em sistemas binários que contemplou ainda o fechamento de retorno e conversões. A nova sinalização horizontal e vertical, sete faixas de retenção para motocicletas, além de um desenho urbano mais amigável aos pedestres e ciclistas, estão em implantação nas esquinas.

Nos próximos dias, a ciclofaixa existente junto ao canteiro central entre a Rua Jacinto Matos e Avenida Pasteur será prolongada até a Avenida Radialista José Lima Verde, terminando no Cuca, onde estará localizada junto ao passeio. Ao todo, serão 5 Km de nova infraestrutura cicloviária na Av. Leste-Oeste, para oferecer mais segurança aos ciclistas. A próxima etapa da intervenção promoverá a ligação da Av. Leste-Oeste ao Centro e Praia de Iracema.

A Autarquia de Paisagismo e Urbanismo de Fortaleza (UrbFor) também promoverá, nas próximas semanas, o serviço de recuperação do canteiro central que já foi realizado em outros trechos da Avenida Leste-Oeste. A arborização implantada ao longo do canteiro central priorizará as faixas adjacentes aos semáforos e passagens de pedestres, com o propósito de incentivar a travessia nesses locais e evitar acidentes.

Quem trafega pelo local, no trecho entre a Rua Jacinto Matos e Radialista José Lima Verde, também terá que obedecer ao novo limite de velocidade e circular a no máximo 50 km/h, assim que a nova sinalização estiver concluída. Durante os primeiros seis meses, a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) realizará um trabalho educativo na região. Neste período de adaptação, não haverá multa, exceto nos casos em que os equipamentos de fiscalização eletrônica registrarem velocidade superior a 60 km/h. “A expectativa é que, a partir da medida, possamos monitorar o comportamento dos condutores e pedestres para então avaliarmos a ampliação desta política para outras vias da Cidade”, explica o superintendente do órgão, Arcelino Lima.

A via é a primeira da Capital contemplada com esse padrão de velocidade, em virtude da elevada taxa de acidentes de trânsito. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que vias urbanas não tenham mais do que 50 km/h como estratégia para prevenir os elevados índices de mortalidade no trânsito. O excesso de velocidade, considerado um dos principais fatores de risco, é responsável por uma em cada três mortes por acidentes de trânsito em todo o mundo.  De acordo com a Organização, a chance de um pedestre sobreviver a um atropelamento a 50 Km/h é 10 vezes maior do que a 60 Km/h.

"O prefeito Roberto Cláudio determinou que nós tomássemos medidas firmes para combater a epidemia de mortes no trânsito que acomete nossa cidade. Temos convicção de que com uma velocidade mais compatível com o fluxo de pedestres e ciclistas e a ocupação daquela região, em conjunto com alguns ajustes de engenharia, iremos reduzir o número de mortes e de registros de acidentes", explica o secretário executivo de Conservação e Serviços Públicos (SCSP), Luiz Alberto Saboia.

A região da Avenida Leste-Oeste é uma das mais adensadas de Fortaleza, e cerca de 170 mil pessoas que moram na região serão diretamente beneficiadas com as mudanças. O projeto tem suporte técnico do Programa de Ações Imediatas de Transporte e Trânsito (PAITT) da SCSP. A Iniciativa Bloomberg de Segurança Viária Global (BIGRS, na sigla em inglês) também apoia a medida com consultoria nas etapas de diagnóstico, planejamento e avaliação da intervenção.