06 de julho de 2017 em Meio ambiente

Prefeito Roberto Cláudio apresenta Política de Desenvolvimento Urbano de Baixo Carbono

Além da Política de Baixo Carbono, foi apresentado um inventário de Emissões de Gases do Efeito Estufa


Prefeito Roberto Cláudio
O anúncio foi feito durante o Fórum de Mudanças Climáticas 2017 (Forclima), realizado no auditório da Seuma
O prefeito Roberto Cláudio lançou, nesta quinta-feira (06/07), a Política de Desenvolvimento Urbano de Baixo Carbono de Fortaleza. O anúncio foi feito durante o Fórum de Mudanças Climáticas 2017 (Forclima), realizado no auditório da Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma).

Com o apoio do Instituto para Sustentabilidade de Governos Locais (Iclei), Fortaleza assumiu a meta de redução de Gás de Efeito Estufa (GEE) de 20% até 2030 e de 30% de reduções em prédios públicos por meio de ações de eficiência energética. Essas metas fazem parte do Plano de ação de desenvolvimento urbano de baixo carbono, que prioriza iniciativas para os setores de transporte e mobilidade urbana, resíduos, construções sustentáveis e energia. “A nossa política tem como base o ano de 2012 e, de lá para cá, já reduzimos a emissão de gases em 4%, por meio de ações da Prefeitura, como o plano de arborização, o Fortaleza online, os corredores exclusivos para transporte público e a troca de iluminação pública por lâmpadas de leds”, explicou a Sscretária Municipal do Meio Ambiente, Águeda Muniz.

Além da Política de Baixo Carbono, foi apresentado um inventário de Emissões de Gases do Efeito Estufa. Os dados identificam quais as atividades com maior índice de emissões de GEE viabilizando assim, a implantação de estratégias para redução das emissões ano a ano.

A Lei Nº 10.586/2017, que discorre sobre a Política de Desenvolvimento Urbano de Baixo Carbono, foi sancionada pelo prefeito Roberto Cláudio no dia 13 de junho de 2017. O texto aponta diretrizes, objetivos e instrumentos que orientam o desenvolvimento da Cidade, incorporando a sustentabilidade socioambiental. “A aprovação da lei foi essencial para que a gente transforme essa redução de gases em uma política municipal permanente, independente de que está gerindo a cidade. Estamos trazendo desenvolvimento econômico e inclusão social à cidade, mas não podemos perder de vista a nossa responsabilidade com o meio ambiente”, destacou Roberto Cláudio.

O Iclei escolheu Fortaleza para receber investimentos da segunda etapa do Projeto Urban-LEDS. O anúncio será feito neste mês de ulho, em Campinas (São Paulo). “Fomos escolhidos em virtude dos bons resultados da nossa política ambiental. Receberemos os recursos para que em 2018, inciemos projetos que reduzam ainda mais a emissão dos gases”, disse Águeda Muniz.

A nova política prioriza as comunidades mais vulneráveis em relação aos efeitos das mudanças climáticas, de modo a desenvolver uma capacidade de adaptação e de redução dos riscos urbanos.

Forclima

O Forclima é considerado um mecanismo de gestão que integra as ações de fomento ao desenvolvimento sustentável que a gestão municipal executa. O objetivo é conscientizar e mobilizar a sociedade para o aprimoramento de estratégias e discussões sobre problemas decorrentes das mudanças do clima e promoção do desenvolvimento sustentável, inclusive, de baixo carbono.

Prefeito Roberto Cláudio apresenta Política de Desenvolvimento Urbano de Baixo Carbono

Além da Política de Baixo Carbono, foi apresentado um inventário de Emissões de Gases do Efeito Estufa

Prefeito Roberto Cláudio
O anúncio foi feito durante o Fórum de Mudanças Climáticas 2017 (Forclima), realizado no auditório da Seuma
O prefeito Roberto Cláudio lançou, nesta quinta-feira (06/07), a Política de Desenvolvimento Urbano de Baixo Carbono de Fortaleza. O anúncio foi feito durante o Fórum de Mudanças Climáticas 2017 (Forclima), realizado no auditório da Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma).

Com o apoio do Instituto para Sustentabilidade de Governos Locais (Iclei), Fortaleza assumiu a meta de redução de Gás de Efeito Estufa (GEE) de 20% até 2030 e de 30% de reduções em prédios públicos por meio de ações de eficiência energética. Essas metas fazem parte do Plano de ação de desenvolvimento urbano de baixo carbono, que prioriza iniciativas para os setores de transporte e mobilidade urbana, resíduos, construções sustentáveis e energia. “A nossa política tem como base o ano de 2012 e, de lá para cá, já reduzimos a emissão de gases em 4%, por meio de ações da Prefeitura, como o plano de arborização, o Fortaleza online, os corredores exclusivos para transporte público e a troca de iluminação pública por lâmpadas de leds”, explicou a Sscretária Municipal do Meio Ambiente, Águeda Muniz.

Além da Política de Baixo Carbono, foi apresentado um inventário de Emissões de Gases do Efeito Estufa. Os dados identificam quais as atividades com maior índice de emissões de GEE viabilizando assim, a implantação de estratégias para redução das emissões ano a ano.

A Lei Nº 10.586/2017, que discorre sobre a Política de Desenvolvimento Urbano de Baixo Carbono, foi sancionada pelo prefeito Roberto Cláudio no dia 13 de junho de 2017. O texto aponta diretrizes, objetivos e instrumentos que orientam o desenvolvimento da Cidade, incorporando a sustentabilidade socioambiental. “A aprovação da lei foi essencial para que a gente transforme essa redução de gases em uma política municipal permanente, independente de que está gerindo a cidade. Estamos trazendo desenvolvimento econômico e inclusão social à cidade, mas não podemos perder de vista a nossa responsabilidade com o meio ambiente”, destacou Roberto Cláudio.

O Iclei escolheu Fortaleza para receber investimentos da segunda etapa do Projeto Urban-LEDS. O anúncio será feito neste mês de ulho, em Campinas (São Paulo). “Fomos escolhidos em virtude dos bons resultados da nossa política ambiental. Receberemos os recursos para que em 2018, inciemos projetos que reduzam ainda mais a emissão dos gases”, disse Águeda Muniz.

A nova política prioriza as comunidades mais vulneráveis em relação aos efeitos das mudanças climáticas, de modo a desenvolver uma capacidade de adaptação e de redução dos riscos urbanos.

Forclima

O Forclima é considerado um mecanismo de gestão que integra as ações de fomento ao desenvolvimento sustentável que a gestão municipal executa. O objetivo é conscientizar e mobilizar a sociedade para o aprimoramento de estratégias e discussões sobre problemas decorrentes das mudanças do clima e promoção do desenvolvimento sustentável, inclusive, de baixo carbono.