08 de novembro de 2018 em Mobilidade

Prefeitura de Fortaleza inicia implantação de novas ciclofaixas e ciclorrota no bairro José Bonifácio

Serão implantados um total de 2 km de novo percurso seguro para ciclistas nas ruas Padre Matos Serra, Padre Miguelino, Coronel Sólon e Saldanha Marinho


Ciclista na ciclofaixa
As novas ciclofaixas serão unidirecionais em cada via, ligando a ciclovia em implantação na Avenida Aguanambi às ciclofaixas existentes nas ruas Barão do Rio Branco e Senador Pompeu

A Prefeitura de Fortaleza iniciou a implantação de novas ciclofaixas e um trecho de ciclorrota no bairro José Bonifácio (Regional IV), beneficiando os ciclistas que percorrem as ruas Padre Matos Serra, Padre Miguelino, Coronel Sólon e Saldanha Marinho, além da região no entorno. Serão implantados um total de 2 quilômetros de novo percurso seguro para ciclistas na região, como parte do projeto em execução do Corredor Expresso Messejana/Centro, que passará na Avenida Aguanambi.

Coordenados pela Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos (SCSP), por meio da Gestão Cicloviária do Plano de Ações Imediatas de Transporte e Trânsito de Fortaleza (PAITT), os trabalhos são executados em parceria com a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), Secretaria Municipal da Infraestrutura (Seinf) e a Secretaria Regional IV.

O projeto prevê que as ruas Padre Matos Serra e Padre Miguelino recebam um total de 1,1 km de infraestrutura cicloviária, no trecho entre as ruas Sousa Girão e Senador Pompeu. Já as ruas Coronel Sólon e Saldanha Marinho receberão cerca de 0,9 km de ciclofaixa, entre as ruas Sousa Girão e Barão do Rio Branco. As novas ciclofaixas serão unidirecionais em cada via, ligando a ciclovia em implantação na Avenida Aguanambi às ciclofaixas existentes nas ruas Barão do Rio Branco e Senador Pompeu, garantindo assim o ir e vir com segurança dos ciclistas.

Trecho de ciclorrota
Dentro deste novo projeto, será implantado um trecho de 0,1 km de ciclorrota no quarteirão da Rua Padre Miguelino, entre as ruas Senador Pompeu e Barão do Rio Branco, por conta da alta demanda de estacionamento ocasionada pela existência de um colégio no local. Como a velocidade dos carros é baixa e o fluxo é calmo, a ciclorrota é suficiente para dar segurança aos ciclistas naquela área. Em Fortaleza, também contam com ciclorrotas as ruas Dr. João Amora, Albano Amaral, Manuel Sátiro, Eduardo Araújo, Duarte da Costa e Nunes Valente, beneficiando os bairros Vila Manuel Sátiro, Parque Santa Rosa, Messejana e Varjota.

As ciclorrotas seguem as diretrizes recomendadas na resolução 550/2015 do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e são compostas por pictogramas vermelhos pintados no asfalto, identificando área para ciclistas, e placas de advertências para motoristas. A sinalização especial de ciclorrota chama a atenção dos condutores para reduzirem a velocidade e respeitarem o deslocamento de ciclistas na região. As ciclorrotas são infraestruturas cicloviárias implantadas em ruas locais, onde existe baixo fluxo de veículos motorizados e baixa velocidade desenvolvida por esses veículos, não sendo necessário, portanto, separar uma faixa exclusiva para bicicletas, como é feito no caso das ciclofaixas. Surgem com o propósito de conscientizar os motoristas de veículos motorizados quanto à necessidade de respeitar os ciclistas, assim como os pedestres, promovendo assim a sua segurança e o bom convívio entre todos.

Malha Cicloviária em Fortaleza
Ao final da implantação destas novas infraestruturas cicloviárias, Fortaleza contará com 244,8 km de malha cicloviária, sendo 103,7 km de ciclovias, 137 km de ciclofaixas, 4 km de ciclorrotas e 0,1 km de passeio compartilhado. Este número representa um aumento de 258% de ampliação na malha cicloviária somente na gestão do prefeito Roberto Cláudio, tendo em vista que Fortaleza tinha apenas 68,2km de infraestrutura cicloviária ao final de 2012.

Somente neste ano, de janeiro até agora, já foram implantados cerca de 22km de malha cicloviária em diversos bairros da cidade, tendo sido distribuída nas ruas Granja Castelo, Herbene, Nereu Ramos, Carlos Juaçaba e nas avenidas Presidente Castelo Branco (Leste-Oeste), Léa Pompeu, Rogaciano Leite, Osório de Paiva, Perimetral e Virgílio Távora. Em breve, também serão contempladas com novas infraestruturas cicloviárias as ruas Castro e Silva, Joaquim Nabuco, Osvaldo Cruz e a Avenida Oliveira Paiva.

Ciclovia da Avenida Aguanambi
Com as obras de requalificação viária em andamento na Avenida Aguanambi, desenvolvidas pela Secretaria Municipal da Infraestrutura (Seinf), a via também passará a contar com 4 km de ciclovias, em ambos os sentidos, sendo integrada às novas ciclofaixas. A ciclovia, que está em fase de finalização, está sendo implantada junto às calçadas que recebem ainda paisagismo e novo piso.

As obras da nova Av. Aguanambi fazem parte do Corredor Expresso que irá interligar o Terminal de Messejana ao Centro. O novo corredor irá garantir a redução do tempo de viagem dos coletivos, principalmente na Av. Aguanambi, por onde trafegam hoje 71 mil veículos por dia, além de 37 linhas de ônibus que beneficiam, diariamente, cerca de 198 mil passageiros.

Prefeitura de Fortaleza inicia implantação de novas ciclofaixas e ciclorrota no bairro José Bonifácio

Serão implantados um total de 2 km de novo percurso seguro para ciclistas nas ruas Padre Matos Serra, Padre Miguelino, Coronel Sólon e Saldanha Marinho

Ciclista na ciclofaixa
As novas ciclofaixas serão unidirecionais em cada via, ligando a ciclovia em implantação na Avenida Aguanambi às ciclofaixas existentes nas ruas Barão do Rio Branco e Senador Pompeu

A Prefeitura de Fortaleza iniciou a implantação de novas ciclofaixas e um trecho de ciclorrota no bairro José Bonifácio (Regional IV), beneficiando os ciclistas que percorrem as ruas Padre Matos Serra, Padre Miguelino, Coronel Sólon e Saldanha Marinho, além da região no entorno. Serão implantados um total de 2 quilômetros de novo percurso seguro para ciclistas na região, como parte do projeto em execução do Corredor Expresso Messejana/Centro, que passará na Avenida Aguanambi.

Coordenados pela Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos (SCSP), por meio da Gestão Cicloviária do Plano de Ações Imediatas de Transporte e Trânsito de Fortaleza (PAITT), os trabalhos são executados em parceria com a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), Secretaria Municipal da Infraestrutura (Seinf) e a Secretaria Regional IV.

O projeto prevê que as ruas Padre Matos Serra e Padre Miguelino recebam um total de 1,1 km de infraestrutura cicloviária, no trecho entre as ruas Sousa Girão e Senador Pompeu. Já as ruas Coronel Sólon e Saldanha Marinho receberão cerca de 0,9 km de ciclofaixa, entre as ruas Sousa Girão e Barão do Rio Branco. As novas ciclofaixas serão unidirecionais em cada via, ligando a ciclovia em implantação na Avenida Aguanambi às ciclofaixas existentes nas ruas Barão do Rio Branco e Senador Pompeu, garantindo assim o ir e vir com segurança dos ciclistas.

Trecho de ciclorrota
Dentro deste novo projeto, será implantado um trecho de 0,1 km de ciclorrota no quarteirão da Rua Padre Miguelino, entre as ruas Senador Pompeu e Barão do Rio Branco, por conta da alta demanda de estacionamento ocasionada pela existência de um colégio no local. Como a velocidade dos carros é baixa e o fluxo é calmo, a ciclorrota é suficiente para dar segurança aos ciclistas naquela área. Em Fortaleza, também contam com ciclorrotas as ruas Dr. João Amora, Albano Amaral, Manuel Sátiro, Eduardo Araújo, Duarte da Costa e Nunes Valente, beneficiando os bairros Vila Manuel Sátiro, Parque Santa Rosa, Messejana e Varjota.

As ciclorrotas seguem as diretrizes recomendadas na resolução 550/2015 do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e são compostas por pictogramas vermelhos pintados no asfalto, identificando área para ciclistas, e placas de advertências para motoristas. A sinalização especial de ciclorrota chama a atenção dos condutores para reduzirem a velocidade e respeitarem o deslocamento de ciclistas na região. As ciclorrotas são infraestruturas cicloviárias implantadas em ruas locais, onde existe baixo fluxo de veículos motorizados e baixa velocidade desenvolvida por esses veículos, não sendo necessário, portanto, separar uma faixa exclusiva para bicicletas, como é feito no caso das ciclofaixas. Surgem com o propósito de conscientizar os motoristas de veículos motorizados quanto à necessidade de respeitar os ciclistas, assim como os pedestres, promovendo assim a sua segurança e o bom convívio entre todos.

Malha Cicloviária em Fortaleza
Ao final da implantação destas novas infraestruturas cicloviárias, Fortaleza contará com 244,8 km de malha cicloviária, sendo 103,7 km de ciclovias, 137 km de ciclofaixas, 4 km de ciclorrotas e 0,1 km de passeio compartilhado. Este número representa um aumento de 258% de ampliação na malha cicloviária somente na gestão do prefeito Roberto Cláudio, tendo em vista que Fortaleza tinha apenas 68,2km de infraestrutura cicloviária ao final de 2012.

Somente neste ano, de janeiro até agora, já foram implantados cerca de 22km de malha cicloviária em diversos bairros da cidade, tendo sido distribuída nas ruas Granja Castelo, Herbene, Nereu Ramos, Carlos Juaçaba e nas avenidas Presidente Castelo Branco (Leste-Oeste), Léa Pompeu, Rogaciano Leite, Osório de Paiva, Perimetral e Virgílio Távora. Em breve, também serão contempladas com novas infraestruturas cicloviárias as ruas Castro e Silva, Joaquim Nabuco, Osvaldo Cruz e a Avenida Oliveira Paiva.

Ciclovia da Avenida Aguanambi
Com as obras de requalificação viária em andamento na Avenida Aguanambi, desenvolvidas pela Secretaria Municipal da Infraestrutura (Seinf), a via também passará a contar com 4 km de ciclovias, em ambos os sentidos, sendo integrada às novas ciclofaixas. A ciclovia, que está em fase de finalização, está sendo implantada junto às calçadas que recebem ainda paisagismo e novo piso.

As obras da nova Av. Aguanambi fazem parte do Corredor Expresso que irá interligar o Terminal de Messejana ao Centro. O novo corredor irá garantir a redução do tempo de viagem dos coletivos, principalmente na Av. Aguanambi, por onde trafegam hoje 71 mil veículos por dia, além de 37 linhas de ônibus que beneficiam, diariamente, cerca de 198 mil passageiros.