05 de agosto de 2022 em Fortaleza

Prefeitura oferta serviço de coleta domiciliar com moto gari e gari comunitário; conheça as modalidades

O modal de coleta é implantado de acordo com a necessidade de cada região


Coleta domiciliar feita por moto gari
Moto gari recolhe lixo domiciliar em comunidade da Varjota

A Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria Municipal da Conservação e Serviços Públicos (SCSP) e da Ecofor, realiza o serviço de coleta domiciliar de lixo em todo o território municipal, feita porta a porta por profissionais, três vezes por semana em todos os bairros da Capital. Para atender às diferentes realidades, a Prefeitura dispõe de quatro modalidades de coleta, são elas: caminhão compactador, micro coletor, moto gari e gari comunitário. O modal é escolhido de acordo com a necessidade da região.

A forma mais tradicional de coleta domiciliar ocorre com auxílio do caminhão compactador, que passa nas ruas levando os profissionais que, por sua vez, descem do caminhão para recolher o lixo nas portas das casas e depois depositam os resíduos no veículo. Quando a área não permite a passagem do caminhão, opta-se pelo micro coletor, seguindo a mesma logística da atividade.

Já para atender comunidades com ruas estreitas e de difícil acesso, a Prefeitura conta com os serviços de moto gari ou gari comunitário. A primeira opção é realizada com auxílio de uma moto e um contêiner acoplado ao veículo. Feita a coleta, ele se encaminha até uma área de rota do caminhão compactador e deposita o material recolhido no caminhão.

Colaboração da comunidade

No caso do gari comunitário, o profissional normalmente é morador da comunidade onde faz o serviço, facilitando a colaboração dos populares e tornando a atividade mais eficaz. A coleta é feita a pé e os resíduos recolhidos são posteriormente descartados em um contêiner implantado nas proximidades da comunidade.

Atualmente, Fortaleza emprega os quatro modais em todas as Regionais. Se, por algum motivo, o cidadão verificar que a coleta do seu bairro não está ocorrendo normalmente, ele pode fazer uma solicitação pela Central 156. O pedido é analisado pela SCSP, que vai definir a modalidade adequada.

Prefeitura oferta serviço de coleta domiciliar com moto gari e gari comunitário; conheça as modalidades

O modal de coleta é implantado de acordo com a necessidade de cada região

Coleta domiciliar feita por moto gari
Moto gari recolhe lixo domiciliar em comunidade da Varjota

A Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria Municipal da Conservação e Serviços Públicos (SCSP) e da Ecofor, realiza o serviço de coleta domiciliar de lixo em todo o território municipal, feita porta a porta por profissionais, três vezes por semana em todos os bairros da Capital. Para atender às diferentes realidades, a Prefeitura dispõe de quatro modalidades de coleta, são elas: caminhão compactador, micro coletor, moto gari e gari comunitário. O modal é escolhido de acordo com a necessidade da região.

A forma mais tradicional de coleta domiciliar ocorre com auxílio do caminhão compactador, que passa nas ruas levando os profissionais que, por sua vez, descem do caminhão para recolher o lixo nas portas das casas e depois depositam os resíduos no veículo. Quando a área não permite a passagem do caminhão, opta-se pelo micro coletor, seguindo a mesma logística da atividade.

Já para atender comunidades com ruas estreitas e de difícil acesso, a Prefeitura conta com os serviços de moto gari ou gari comunitário. A primeira opção é realizada com auxílio de uma moto e um contêiner acoplado ao veículo. Feita a coleta, ele se encaminha até uma área de rota do caminhão compactador e deposita o material recolhido no caminhão.

Colaboração da comunidade

No caso do gari comunitário, o profissional normalmente é morador da comunidade onde faz o serviço, facilitando a colaboração dos populares e tornando a atividade mais eficaz. A coleta é feita a pé e os resíduos recolhidos são posteriormente descartados em um contêiner implantado nas proximidades da comunidade.

Atualmente, Fortaleza emprega os quatro modais em todas as Regionais. Se, por algum motivo, o cidadão verificar que a coleta do seu bairro não está ocorrendo normalmente, ele pode fazer uma solicitação pela Central 156. O pedido é analisado pela SCSP, que vai definir a modalidade adequada.