12 de fevereiro de 2021 em Economia

Pesquisa do Procon Fortaleza nos supermercados traz análise de preços no novo modelo de divisão territorial das 12 regionais

O levantamento, realizado entre os dias 4 e 5 fevereiro, traz a análise de preços no novo modelo de reestruturação das secretarias regionais


prateleiras de supermercado
A quantidade de itens pesquisados aumentou, passando de 60 para 61 produtos (Foto: arquivo)

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou, nesta sexta-feira (12/2), a nova pesquisa de preços nos supermercados da Capital. O levantamento, realizado entre os dias 4 e 5 fevereiro, traz a análise de preços no novo modelo de reestruturação das secretarias regionais, aprovado no ano passado. Com isso, o número de regionais com respectivos preços e análises, passa de sete para 12. A quantidade de itens também aumentou, passando de 60 para 61 produtos. O Procon acompanha, mensalmente, a evolução de produtos, considerados de primeira necessidade, em todas as regionais de Fortaleza.

A pesquisa aponta que a Regional 12, onde estão os bairros Centro, Moura Brasil e Praia de Iracema, concentra os preços mais elevados. A média de preços dos 61 produtos analisados ficou em R$ 653,93. Aerolândia, Messejana, Cidade dos Funcionários e demais bairros da Regional 6 aparecem em seguida, com o conjunto de produtos saindo por R$ 648,88. Já nos bairros como Benfica, Montese e Parreão, o levantamento indica que que produtos estão mais baratos. Nestes locais, da Regional 4, a soma dos itens ficou em R$ 472,24. O Procon ressalva que a média de preços por regional, por ser afetada, de acordo com a disponibilidade de produtos nos supermercados.

Preços por regionais

Regional Preço médio total
Regional 12 R$ 653,93
Regional 6 R$ 648,88
Regional 9 R$ 625,10
Regional 11 R$ 622,92
Regional 8 R$ 604,37
Regional 1 R$ 602,64
Regional 5 R$ 561,04
Regional 3 R$ 531,23
Regional 2 R$ 526,62
Regional 7 R$ 525,88
Regional 10 R$ 525,41
Regional 4 R$ 472,24

Quando analisados os preços entre os estabelecimentos, a variação entre o preço mais barato e o mais caro pode chegar a 307,14% de diferença. É o caso do mamão, cujo quilograma pode custar de R$ 0,98 a R$ 3,99. Outro item que apresenta alta variação de preços é o alho, que pode ser encontrado de R$ 13,90 a R$ 43,00, uma diferença de 209,35%.

Maiores variações

Produto Menor preço Maior preço Variação
Mamão (Kg) R$ 0,98 R$ 3,99 307,14%
Alho (Kg) R$ 13,90 R$ 43,00 209,35%
Papel higiênico (Pct) R$ 2,29 R$ 5,39 135,37%
Cenoura (Kg) R$ 2,99 R$ 6,99 133,77%
Amaciante roupas (2L) R$ 4,49 R$ 10,49 133,63%

Para a diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, a pesquisa, adequada à nova divisão das 12 regionais, retrata uma maior realidade da vida do cidadão. "A pesquisa chega mais perto do consumidor, pois com uma divisão maior de regionais é possível ser mais fidedigno, coletando preços daquele estabelecimento ou outro que fica perto da casa do consumidor".

A pesquisa completa com os preços dos produtos em todas as regionais está disponível no aplicativo "Proconomizar", nas plataformas android e iOS, bem como no portal da Prefeitura de Fortaleza, no campo defesa do consumidor. Também é possível consultar todas as pesquisas mensais já realizadas.

O Procon Fortaleza realiza a pesquisa com itens considerados de primeira necessidade. A análise de preços é dividida por itens de alimentação, carnes e aves, padaria, refrigerantes, frutas e verduras, higiene pessoal, limpeza doméstica e ainda cuidados e higiene infantil. Os preços são coletados, presencialmente.

Dicas
- Verifique as datas de promoções e dias de ofertas;
- Analise os encartes distribuídos como sendo de produtos promocionais e exija os mesmos preços nos caixas. Se houver divergência, o consumidor tem o direito de pagar sempre o menor valor;
- Avalie e faça as contas com as despesas mensais, como mensalidades escolares, impostos parcelados e outros;
- Faça uma lista dos produtos que realmente precisa comprar;
- Evite realizar as compras com fome ou acompanhado de crianças;
- Pesquise preços e verifique a melhor forma de pagamento e descontos nos pagamento à vista, em dinheiro e no cartão de crédito;
- Confira a data de validade dos produtos;
- Nem sempre o produto com tarja vermelha é o mais barato. Procure a categoria do item exposto como promocional e escolha um produto que seja mais em conta. Certamente, você sairá economizando;
- Na entrada de lojas e supermercados, por exemplo, normalmente são colocados produtos que induzam o consumidor à compra. Portanto, evite-os;
- Alimentos congelados devem ser colocados por último no carrinho para que sua qualidade não seja comprometida.

Pesquisa do Procon Fortaleza nos supermercados traz análise de preços no novo modelo de divisão territorial das 12 regionais

O levantamento, realizado entre os dias 4 e 5 fevereiro, traz a análise de preços no novo modelo de reestruturação das secretarias regionais

prateleiras de supermercado
A quantidade de itens pesquisados aumentou, passando de 60 para 61 produtos (Foto: arquivo)

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou, nesta sexta-feira (12/2), a nova pesquisa de preços nos supermercados da Capital. O levantamento, realizado entre os dias 4 e 5 fevereiro, traz a análise de preços no novo modelo de reestruturação das secretarias regionais, aprovado no ano passado. Com isso, o número de regionais com respectivos preços e análises, passa de sete para 12. A quantidade de itens também aumentou, passando de 60 para 61 produtos. O Procon acompanha, mensalmente, a evolução de produtos, considerados de primeira necessidade, em todas as regionais de Fortaleza.

A pesquisa aponta que a Regional 12, onde estão os bairros Centro, Moura Brasil e Praia de Iracema, concentra os preços mais elevados. A média de preços dos 61 produtos analisados ficou em R$ 653,93. Aerolândia, Messejana, Cidade dos Funcionários e demais bairros da Regional 6 aparecem em seguida, com o conjunto de produtos saindo por R$ 648,88. Já nos bairros como Benfica, Montese e Parreão, o levantamento indica que que produtos estão mais baratos. Nestes locais, da Regional 4, a soma dos itens ficou em R$ 472,24. O Procon ressalva que a média de preços por regional, por ser afetada, de acordo com a disponibilidade de produtos nos supermercados.

Preços por regionais

Regional Preço médio total
Regional 12 R$ 653,93
Regional 6 R$ 648,88
Regional 9 R$ 625,10
Regional 11 R$ 622,92
Regional 8 R$ 604,37
Regional 1 R$ 602,64
Regional 5 R$ 561,04
Regional 3 R$ 531,23
Regional 2 R$ 526,62
Regional 7 R$ 525,88
Regional 10 R$ 525,41
Regional 4 R$ 472,24

Quando analisados os preços entre os estabelecimentos, a variação entre o preço mais barato e o mais caro pode chegar a 307,14% de diferença. É o caso do mamão, cujo quilograma pode custar de R$ 0,98 a R$ 3,99. Outro item que apresenta alta variação de preços é o alho, que pode ser encontrado de R$ 13,90 a R$ 43,00, uma diferença de 209,35%.

Maiores variações

Produto Menor preço Maior preço Variação
Mamão (Kg) R$ 0,98 R$ 3,99 307,14%
Alho (Kg) R$ 13,90 R$ 43,00 209,35%
Papel higiênico (Pct) R$ 2,29 R$ 5,39 135,37%
Cenoura (Kg) R$ 2,99 R$ 6,99 133,77%
Amaciante roupas (2L) R$ 4,49 R$ 10,49 133,63%

Para a diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, a pesquisa, adequada à nova divisão das 12 regionais, retrata uma maior realidade da vida do cidadão. "A pesquisa chega mais perto do consumidor, pois com uma divisão maior de regionais é possível ser mais fidedigno, coletando preços daquele estabelecimento ou outro que fica perto da casa do consumidor".

A pesquisa completa com os preços dos produtos em todas as regionais está disponível no aplicativo "Proconomizar", nas plataformas android e iOS, bem como no portal da Prefeitura de Fortaleza, no campo defesa do consumidor. Também é possível consultar todas as pesquisas mensais já realizadas.

O Procon Fortaleza realiza a pesquisa com itens considerados de primeira necessidade. A análise de preços é dividida por itens de alimentação, carnes e aves, padaria, refrigerantes, frutas e verduras, higiene pessoal, limpeza doméstica e ainda cuidados e higiene infantil. Os preços são coletados, presencialmente.

Dicas
- Verifique as datas de promoções e dias de ofertas;
- Analise os encartes distribuídos como sendo de produtos promocionais e exija os mesmos preços nos caixas. Se houver divergência, o consumidor tem o direito de pagar sempre o menor valor;
- Avalie e faça as contas com as despesas mensais, como mensalidades escolares, impostos parcelados e outros;
- Faça uma lista dos produtos que realmente precisa comprar;
- Evite realizar as compras com fome ou acompanhado de crianças;
- Pesquise preços e verifique a melhor forma de pagamento e descontos nos pagamento à vista, em dinheiro e no cartão de crédito;
- Confira a data de validade dos produtos;
- Nem sempre o produto com tarja vermelha é o mais barato. Procure a categoria do item exposto como promocional e escolha um produto que seja mais em conta. Certamente, você sairá economizando;
- Na entrada de lojas e supermercados, por exemplo, normalmente são colocados produtos que induzam o consumidor à compra. Portanto, evite-os;
- Alimentos congelados devem ser colocados por último no carrinho para que sua qualidade não seja comprometida.