A nova pesquisa do Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) nos supermercados da Capital indica que os preços de alimentos e produtos subiram 1,37%. O levantamento foi realizado nos dias 2 e 3 de julho. A média da soma de todos os 60 itens pesquisados ficou em R$ 483,54. No mês anterior, os mesmos produtos somavam R$ 477,00. O Procon acompanha, mensalmente, a evolução de preços de 60 produtos e alimentos mais procurados pelos consumidores, em 10 supermercados de Fortaleza.

A pesquisa está disponível no aplicativo "Proconomizar", nas plataformas android e iOS, bem como no Portal da Prefeitura de Fortaleza, no campo Defesa do Consumidor.

A laranja é o item com maior variação de preços (150%), podendo ser encontrada pelo valor de R$ 1,99 a R$ 4,99 o quilo. O pacote de farinha de milho, de 500g, é o segundo produto com maior variação, indo de R$ 1,29 a R$ 3,19, uma diferença de 147%.

Maiores variações

Produto Menor preço Maior preço Variação
Laranja (Kg) R$ 1,99 R$ 4,99 150,75%
Farinha de milho (500g) R$ 1,29 R$ 3,19 147,28%
Farinha de mandioca (kg) R$ 1,39 R$ 3,39 143,88%
Tomate (Kg) R$ 3,65 R$ 7,99 118,90%
Cenoura(Kg) R$ 3,31 R$ 6,99 111,17%

Confira todos os preços e variações da pesquisa

Segundo a diretora do Procon Fortaleza, Cláudia Santos, uma boa dica para economizar é uma pesquisa prévia. "Antes de sair de casa, o consumidor pode acessar a pesquisa do Procon Fortaleza e verificar qual estabelecimento pratica os menores preços e se está localizado próximo de sua residência", disse. Ela também afirma que outra forma de economizar é optar por produtos da estação como frutas e legumes do período de produção, além de produtos próximo ao vencimento, que sempre possuem descontos. No entanto, Cláudia Santos alerta para o prazo limite de validade, que deve ser respeitado.

Em Fortaleza, bairros da Regional III, como Antonio Bezerra, Henrique Jorge e Parquelândia, apresentam os preços mais elevados. Nesta análise, o Procon ressalta que a média de preços por Regional pode ser afetada de acordo com a disponibilidade de produtos por supermercado.

Preços por Regionais

Regional Preço médio total
Regional III R$ 519,30
Regional Centro R$ 517,55
Regional V R$ 509,33
Regional I R$ 489,74
Regional VI R$ 489,62
Regional II R$ 446,11
Regional IV R$ 398,97

Metodologia

A pesquisa do Procon Fortaleza é dividida em itens de alimentação, carnes e aves, padaria, refrigerantes, frutas e verduras, higiene pessoal, limpeza doméstica e ainda cuidados e higiene infantil. Os preços são coletados presencialmente. O objetivo é oferecer ao consumidor fortalezense opções de preços e produtos na compra de itens de primeira necessidade.

Publicado em Economia

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) lançou, nesta segunda-feira (27/04), uma ferramenta de negociação de dívidas por meio do aplicativo de mensagens "Whatsapp". A ferramenta "Negocie Procon" vai possibilitar que o consumidor possa resolver problemas financeiras durante a pandemia do coronavírus sem precisar sair de casa. Somente consumidores residentes na Capital podem participar, devido a área territorial de atuação do Procon Fortaleza.

Pelo menos 10 empresas já aderiram ao novo formato de conciliação. São operadoras de telefonia, bancos, operadoras de cartão de crédito e ainda concessionárias de água e de energia elétrica.

A ferramenta "Negocie Procon" já está disponível pelos números de whatsapp (85)98439-6661 e 98896-8888 e o serviço funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, exceto feriados.

O Procon pede ao consumidor que, ao entrar em contato pelo whatsapp, descreva seu problema e se identifique com dados pessoais do titular da dívida, como CPF, RG e endereço. Caso seja necessário, o Procon solicitará outros dados.

Segundo a diretora do Procon Fortaleza, Cláudia Santos, a nova ferramenta permite agilidade e comodidade. "As empresas que aderiram já se comprometeram a atender os problemas dos consumidores com maior rapidez e resolutividade", explicou.

Empresas participantes do "Negocie Procon"

Concessionárias:
⁃ Companhia de Água e Esgoto do Estado do Ceará (Cagece)
⁃ Enel Distribuidora do Ceará (Enel)

Bancos e financeiras:
⁃ Bradesco
⁃ Fortbrasil
⁃ Hipercard
⁃ Itaú

Telecomunicações:
⁃ Claro
⁃ Tim
⁃ Oi
⁃ Vivo

banner do canal coronavírus fortaleza

Publicado em Economia

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou, nesta quinta-feira (23/04), a pesquisa mensal de preços nos supermercados. Em abril, os 60 itens acompanhados subiram 5,50%, custando R$ 476,56. No levantamento anterior, os mesmos produtos somaram R$ 451,72. A nova pesquisa, que foi realizada nos dias 16 e 17 de abril, releva ainda que os preços da esponja de aço e do queijo coalho podem ser encontrados com variação acima de 100%.

As Regionais V e III apresentam os preços mais elevados custando, respectivamente, R$ 509,65 e R$ 505,65 a soma de todos os produtos. Já a Regional I concentra os menores valores, somando R$ 406,10 a média geral dos itens. O Procon ressalta que a média de preços, por regional, pode variar de acordo com a disponibilidade de produtos nos supermercados consultados.

Maiores variações

Produto Menor preço Maior preço Variação
Esponja de aço R$ 1,29 R$ 2,65 105,42%
Queijo coalho R$ 20,99 R$ 42,90 104,38%
Laranja R$ 2,59 R$ 4,99 92,66%
Abacaxi R$ 2,99 R$ 5,59 86,95%
Sabonete R$ 2,09 R$ 3,89 86,12%

Preços por Regional

Regional Preço médio total
Regional V R$ 509,65
Regional III R$ 505,65
Regional VI R$ 476,32
Regional Centro R$ 474,72
Regional II R$ 467,12
Regional IV R$ 439,59
Regional I R$ 406,10

Confira outras variações e preços de todos os produtos. A pesquisa também está disponível no aplicativo "Proconomizar", nas plataformas android e iOS, bem como no portal da Prefeitura de Fortaleza, no campo defesa do consumidor.

Segundo a diretora do Procon Fortaleza, Cláudia Santos, os consumidores devem ter cautela, evitando correria aos supermercados, neste período de Pandemia. "Não identificamos falta de abastecimento de produtos nos supermercados. Portanto, não há motivo para compras acima da normalidade ou ida desnecessária ao supermercado", avaliou.

A pesquisa do Procon Fortaleza é consultiva, ou seja, não tem caráter de fiscalização de preços, mas a Diretora também reforça que os supermercados não podem se aproveitar do momento para elevar preços, sem justa causa, conforme é proibido pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC). "Continuamos recebendo denúncias de preços abusivos e, caso constatada a irregularidade, o Procon poderá, inclusive, cassar o alvará de funcionando do estabelecimento".

Como denunciar
Denúncias e reclamações podem ser realizadas pela Central de Atendimento ao Consumidor, pelo número 151, bem como no portal da Prefeitura de Fortaleza. Também é possível realizar denúncias pelo aplicativo Procon Fortaleza, disponível nas plataformas android e iOS.

O Procon também disponibilizou outros telefones para denúncias (85 - 98439-6661 / 98896-8888 / 98970-9101).

 

Publicado em Economia

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) registrou crescimento de 415% no número de denúncias envolvendo aumento abusivo nos preços de álcool em gel, máscaras e alimentos nos supermercados. A quantidade de denúncias subiu de 161, em 19 de março, para 830, até esta quarta-feira (15/4).

Das 830 denúncias recebidas pelo Procon, 232 estão relacionadas a preços abusivos nos supermercados. Desde o dia 9 de março, o Procon vem recebendo queixas de preços abusivos.

No dia 16 de marõ, a Prefeitura de Fortaleza desencadeou uma operação executada pelo Procon e pela Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis) com o objetivo de apurar a elevação abusiva em estabelecimentos da Capital quanto aos preços de itens de prevenção à contaminação por Coronavírus.

Até esta segunda-feira (13/04), os fiscais da Agefis inspecionaram 346 estabelecimentos e realizaram 132 notificações. Nos casos de indícios de preços abusivos, a Agência notifica o estabelecimento, que deverá apresentar ao Procon Fortaleza a documentação que justifique e comprove a composição do preço dos produtos expostos à venda. 

De acordo com a diretora geral do Procon Fortaleza, Cláudia Santos, mesmo sendo permitida a livre concorrência, o CDC proíbe a elevação sem justa causa. "O aumento na procura de máscaras e álcool em gel por conta do Coronavírus não justifica a elevação de preços desses itens", explica Cláudia Santos.

A Diretora também alerta que os supermercados não podem se aproveitar do momento para elevar preços e aumentar lucros. "Nós vamos averiguar quais estabelecimentos estão cometendo abusos contra o consumidor e, caso constadada a reincidência, o Procon poderá, inclusive, cassar o alvará de funcionando do estabelecimento".

Como denunciar
Denúncias e reclamações podem ser realizadas pela Central de Atendimento ao Consumidor, pelo número 151, bem como no catálogo de serviços do portal da Prefeitura de Fortaleza, no campo Defesa do Consumidor. Também é possível denunciar pelo aplicativo Procon Fortaleza.

A população também pode acionar a fiscalização por meio dos canais de denúncia da Agefis: o aplicativo Fiscalize Fortaleza (disponível para Android e IOS), o site Denúncia Fortaleza e o telefone 156

Publicado em Economia

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) vai realizar ação educativa em todas as barracas da Praia do Futuro. Pelo menos 28 técnicos do Procon vão percorrer a orla, no sábado (14/3), das 8h às 12h, como parte da programação para comemorar o Dia do Mundial do Consumidor, celebrado no próximo domingo (15/03). O Órgão quer esclarecer consumidores e donos de barracas de praia sobre direitos e deveres.

Para a diretora do Procon Fortaleza, Cláudia Santos, a "Recomendação Administrativa", que será entregue aos proprietários das barracas de praia já é uma advertência e, se for descumprida, pode acarretar em multas e outras penalidades. "Vamos advertir todas as barracas sobre infrações ao Código de Defesa do Consumidor e abusos contra os direitos dos clientes". Cláudia reforça que a ação é, inicialmente, educativa.

Dez principais direitos nas barracas de praia
1 - É proibido impor consumação mínima. Isto vale para qualquer estabelecimento comercial;
2 - Pode haver preços diferenciados para pagamentos em dinheiro e no cartão de crédito ou débito;
3 - O valor do "Couvert Artístico" precisa ser informado ao consumidor de forma clara, como prevê a Lei do Estado do Ceará nº 15.112/2012;
4 - A gorjeta de "10% do garçom" é sempre opcional. Essa informação deve constar em cartazes e cardápios;
5 - É proibida a cobrança de multas ou taxas pela perda da comanda ou ticket de estacionamento;
6 - O consumidor não pode ser proibido de comprar alimentos e bebidas vendidos por ambulantes;
7 - É prática abusiva fornecer troco em forma de balas ou doces. O estabelecimento deve reduzir o preço até disponibilizar o troco em dinheiro ao consumidor;
8 - Os cardápios devem conter informações sobre preços, quantidade de gramas e peso dos alimentos;
9 - Se houver divergência entre o preço anunciado e o preço registrado no caixa, o consumidor tem o direito de pagar sempre o menor valor.;
10 - A cadeira de sol pode ser cobrada, desde que o serviço seja feito à parte e informado previamente ao consumidor.

Serviço
Ação educativa
Data: 14/03 (sábado)
Horário: Das 8h às 12h
Local: Barracas da Praia do Futuro

Parceria com o Decon-CE (Semana do Consumidor)
Em parceria com o Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), por meio do Programa Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Decon), o Procon Fortaleza participa da Semana do Consumidor 2020. Desde o dia 9 de março, Decon e Procon estão realizando distribuição de panfletos, nas unidades de atendimento do Procon, na Capital, com o intuito de garantir uma melhor saúde e qualidade de vida, aliada a uma alimentação saudável e balanceada.

A Semana do Consumidor 2020, do Decon-CE, traz como tema o questionamento “Você sabe o que come?. O objetivo é despertar nos consumidores o conhecimento sobre as informações presentes nos rótulos dos alimentos.

Na sexta-feira (13/03), das 9h às 14h, Decon e Procon prestam atendimento a consumidores, na Praça do Ferreira. Outros órgãos também participam da prestação de serviço.

Serviço
Atendimento Praça do Ferreira
Data: 13/03 (sexta-Feira)
Horário: Das 9h às 14h
Local: Praça do Ferreira
- Atendimento ao consumidor (orientação jurídica e registro de reclamações): Decon-CE, OAB/CE, CDL, e Procon Fortaleza
- Outros serviços: Etufor, Cagece, Enel, Claro, OI, Tim, Vivo e instituições financeiras
- Orientações de saúde (Uninassau)

 

 

Publicado em Economia

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou, nesta quinta-feira (05/03), orientações sobre o cancelamento de viagens por causa da epidemia do coronavírus. Consumidores denunciaram ao Procon que agências de viagens estariam cobrando taxas e multas por conta do cancelamento ou alteração da viagem para destinos com casos confirmados da epidemia, prática abusiva e proibida pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC).

A diretora do Procon Fortaleza, Cláudia Santos, esclarece que o Código prevê, como direito básico do consumidor, revisar cláusulas contratuais "em razão de fatos supervenientes”, como é o caso atual de uma situação excepcional, mesmo que as empresas não tenham culpa pelo fato extraordinário. "O consumidor é a parte vulnerável nas relações de consumo. Sendo assim, é a parte mais protegida pelo Código de Defesa do Consumidor", afirmou a Diretora.

Cláudia explica que as empresas devem garantir o reembolso integral dos valores pagos na mesma forma que foi realizada pelo consumidor, ou seja, estorno do cartão de crédito ou da conta bancária, ou ainda crédito para uma possível viagem posterior, caso o consumidor concorde.

Como cancelar viagem ou pacote turístico

O Procon Fortaleza orienta que o consumidor que desejar cancelar ou remarcar a viagem deve, inicialmente, procurar a agência de viagem, o hotel ou a companhia aérea para negociar a alteração do contrato. Caso não obtenha êxito, o consumidor deve buscar atendimento no Procon para registrar uma reclamação.

Aumento de preços de máscaras e álcool em gel

O Procon também alerta que o CDC proíbe a elevação de preços, sem justa causa, caracterizando, assim, prática abusiva que pode resultar em multa de até R$ 13 milhões.

"Mesmo que ocorra um aumento na procura de máscaras e álcool em gel por conta da epidemia do coronavírus, somente isto não justifica a elevação de preços", explica Cláudia Santos.

Denúncias e reclamações podem ser realizadas pela Central de Atendimento ao Consumidor, pelo número 151, bem como no Catálogo de Serviços, no link Defesa do Consumidor. Também é possível realizar denúncias pelo aplicativo Procon Fortaleza.

Endereços do Procon Fortaleza:

Procon Fortaleza Centro
Rua Major Facundo, 869 - Centro

Procon Fortaleza Vapt Vupt de Antônio Bezerra
Rua Demétrio de Menezes, 3750 (ao lado do Terminal de Ônibus)

Procon Fortaleza Vapt Vupt de Messejana
Avenida Jornalista Tomaz Coelho, 602 (ao lado do Terminal de Ônibus)

Procon Fortaleza Regional IV
Avenida Doutor Silas Munguba, 3770 - Serrinha

Procon Fortaleza Regional V
Avenida Augusto dos Anjos, 2466 - Bonsucesso

Procon Fortaleza Regional VI
Rua Padre Pedro Alencar, 789 – Messejana

Publicado em Economia

Em fevereiro, o preço da laranja pode variar até 745,76%. É o que aponta a nova pesquisa do Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza), nos supermercados da Capital. O levantamento, divulgado nesta sexta-feira (14/2), indica ainda que outros dez alimentos também apresentaram variações de preços acima de 100%. O Procon acompanha, mensalmente, a evolução de preços de 60 produtos e alimentos mais procurados pelos consumidores. A pesquisa, que foi realizada nos dias 10 e 11 de fevereiro, releva ainda que a soma de todos os produtos chega a R$ 455,60, o que representa 10,88% a mais, frente aos preços de janeiro, quando a soma de todos os itens ficou em R$ 410,89.

A orientação do Procon é pesquisar. O quilograma da laranja pode ser encontrado de R$ 0,59 a R$ 4,99, uma diferença que chega a 745,76%. O mamão também apresenta alta variação, indo de R$ 0,98 a R$ 3,49 (256,12%). O Procon ressalta que os preços podem sofrer alteração, de acordo com dias de promoções e ofertas.

Confira outras variações e preços de todos os produtos.

A pesquisa também está disponível no aplicativo "Proconomizar", nas plataformas android e iOS, bem como no portal da Prefeitura de Fortaleza, no campo defesa do consumidor.

Maiores variações

Produto Menor preço Maior preço Variação
Laranja R$ 0,59 R$ 4,99 745,76%
Mamão R$ 0,98 R$ 3,49 256,12%
Abacaxi R$ 1,69 R$ 5,99 254,43%
Cebola R$ 1,49 R$ 3,99 167,78%
Pimentão R$ 2,99 R$ 7,99 167,22%

De acordo com o novo levantamento, a Regional V apresenta a soma da média total dos preços mais elevada.

Preços por Regional

Regional Preço médio total
Regional V R$ 497,54
Regional II R$ 455,55
Regional III R$ 452,84
Regional I R$ 448,26
Regional Centro R$ 446,65
Regional IV R$ 420,30
Regional VI R$ 384,19

A diretora do Procon Fortaleza, Cláudia Santos, reforça que havendo divergência de preços entre o valor anunciado com o registrado no caixa de pagamento, o consumidor tem o direito de pagar sempre o menor valor. "O consumidor é a parte mais vulnerável na relação de consumo e, portanto, qualquer falha na prestação do serviço ou na compra de um produto deve privilegiar e compensar o consumidor".

Cláudia orienta que o consumidor opte por dias de ofertas, o que pode causar uma grande economia. "Sabemos que as redes de supermercados realizam promoções de frutas, legumes e carnes em determinados dias da semana". Outra dica, segundo a Diretora, é verificar o espaço de produtos próximos ao vencimento, pois sempre há preços mais atrativos. Mas ela alerta que produtos em promoção possuem as mesmas garantias previstas pelo Código de Defesa do Consumidor.

Publicado em Economia

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou, nesta terça-feira (28/1), a primeira pesquisa do ano com preços de alimentos e produtos nos supermercados da Capital. Em janeiro, a soma média dos 60 itens pesquisados, ficou em R$ 410,89. O levantamento, que foi realizado nos dias 20 e 21 de janeiro, pode ser consultado pelo aplicativo "Proconomizar", que está disponível nas versões Android e iOS, bem como pelo portal da Prefeitura de Fortaleza.

Pelo menos 12 alimentos apresentaram variações de preços acima de cem por cento. Abacaxi, mamão e cebola podem variar até 276,72% (R$ 1,59 a R$ 5,99), 232,32 % (R$ 0,99 a R$ 3,29) e 187,05% (R$ 1,39 a R$ 3,99), respectivamente.

Maiores variações

Produto Menor preço Maior preço Variação
Abacaxi R$ 1,59 R$ 5,99 276,72 %
Mamão R$ 0,99 R$ 3,29 232,32 %
Cebola R$ 1,39 R$ 3,99 187,05 %
Laranja R$ 1,59 R$ 4,55 186,16 %
Cenoura R$ 1,99 R$ 5,69 185,92 %

Nesta primeira pesquisa, o Procon também realizou o comparativo entre as regionais da capital e encontrou os maiores preços na Regional V, onde ficam os bairros José Walter, Maraponga e Planalto Ayrton Senna, por exemplo. A soma dos 60 produtos nestes locais chega a R$ 474,74. A Regional do Centro vem em seguida totalizando R$ 457,23. Já a Regional IV, que agrega bairros como Benfica, Demócrito Rocha e Vila Pery apresenta os menos valores, somando R$ 286,08. O Procon lembra que a soma da média de todos os produtos nas regionais pode variar, de acordo com a disponibilidade dos itens pesquisados nos supermercados de cada Regional.

Preços por Regionais

Regional Preço médio total
Regional V R$ 474,74
Regional do Centro R$ 457,23
Regional III R$ 456,85
Regional I R$ 443,78
Regional VI R$ 354,10
Regional II R$ 343,33
Regional IV R$ 286,08

Cláudia Santos, diretora do Procon Fortaleza, lembra a necessidade de pesquisar, num mês que traz outras despesas compulsórias, como pagamento de taxas, impostos e despesas escolares. "Quando o consumidor opta por comprar em supermercados mais baratos, ele acaba forçando os estabelecimentos concorrentes a baixarem os preços, sob pena de verem seus produtos encalhados nas prateleiras dos supermercados", orienta a Diretora.

Dicas
- Verifique as datas de promoções e dias de ofertas;
- Analise os encartes distribuídos como sendo de produtos promocionais e exija os mesmos preços praticados nos caixas. Se houver divergência, o consumidor tem o direito de pagar sempre o menor valor;
- Avalie e faça as contas com as despesas mensais, como mensalidades escolares, impostos parcelados e outros;
- Faça uma lista dos produtos que realmente precisa comprar;
- Evite realizar as compras com fome ou acompanhado de crianças;
- Pesquise preços e verifique a melhor forma de pagamento e descontos nos pagamento à vista, em dinheiro e no cartão de crédito;
- Confira a data de validade dos produtos;
- Nem sempre o produto com tarja vermelha é o mais barato. Procure a categoria do item exposto como promocional e escolha um produto que seja mais em conta. Certamente, você sairá economizando;
- Na entrada de lojas e supermercados, por exemplo, normalmente são colocados produtos que induzam o consumidor à compra. Portanto, evite-os;
- Alimentos congelados devem ser colocados por último no carrinho para que sua qualidade não seja comprometida.

Publicado em Economia

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou, nesta quinta-feira (16/1), a pesquisa com preços de 57 itens mais procurados nas listas de material escolar. O levantamento foi realizado entre os dias 6, 7 e 8 de janeiro, em oito livrarias e papelarias, no Centro e no Edson Queiroz. 

O preço da mochila escolar, tamanho grande, pode variar até 616,91%, sendo encontrada de R$ 16,32, no estabelecimento mais barato, a R$ 117,00, no local mais caro. Chama a atenção que ambas livrarias estão localizadas na mesma rua Floriano Peixoto, no Centro de Fortaleza, a poucos metros uma da outra. Portanto, a orientação do Procon é pesquisar.

A pesquisa do Procon contempla ainda preços de lápis, canetas esferográficas, pastas escolares, borrachas, réguas, apontadores de lápis, tesouras escolares, cadernos, mochilas com e sem carrinho e, também, dicionários.

Acesse todos os itens e as variações de preços.

O Procon alerta que as escolas não podem exigir a compra de itens de uso coletivo, o que caracteriza prática abusiva. Marcas de produtos e especificação de livrarias também não podem ser determinadas pelas instituições. Desde novembro, do ano passado, o Procon notifica as escolas particulares da capital para que se abstenham da cobranças destes itens. O órgão alertou as escolas sobre a lista de itens proibidos. Em caso de descumprimento, as escolas podem ser penalizadas com multa.

A diretora do Procon Fortaleza, Cláudia Santos, orienta que pais e alunos acessem a lista de itens proibidos e façam o comparativo com a relação recebida das escolas. "Basta acessar o Portal da Prefeitura de Fortaleza e verificar se, na lista das escolas, há algum desses itens. O consumidor deve pedir a retirada imediata, caso conste algum destes itens". Cláudia lembra que as escolas não podem condicionar a matrícula à exigência da entrega dos itens proibidos.

Denúncias podem ser realizadas, de forma anônima, pela central de atendimento ao consumidor 151; ou pelo aplicativo Procon Fortaleza.

Maiores Variações

Produto Menor preço Maior preço Variação
Mochila G costas R$ 16,32 R$ 117,00 616,91%
Mochila M costas R$ 15,37 R$ 69,90 354,78%
Lápis preto R$ 0,11 R$ 0,50 354,55%
Kit material 111 peças R$ 11,30 R$ 39,50 249,56%
Caderno 15 matérias R$ 9,58 R$ 31,90 232,99%
Apontador sem coletor R$ 0,25 R$ 0,80 220,00%
Borracha R$ 1,00 R$ 2,90 190,00%
Tesoura sem ponta R$ 3,50 R$ 9,90 182,86%
Apontador com coletor R$ 1,35 R$ 3,70  174,07%
Caderno 96 folhas R$ 7,00 R$ 17,90 155,71%

Dicas e Direitos
- Antes de comprar, verifique se existem itens que sobraram do período anterior e avalie a possibilidade de reaproveitá-los;
- Escolas só podem pedir uma resma de papel por aluno. Mais do que isso já pode ser considerado abusivo;
- Organizar um bazar de trocas de artigos escolares em bom estado entre amigos ou vizinhos, por exemplo, também é uma alternativa para gastar menos;
- Pesquise em sebos, inclusive pela internet;
- Algumas lojas concedem descontos para compras em grupos ou de grandes quantidades ou venda por atacado;
- Produtos importados seguem as mesmas regras de marcas nacionais, resguardados os direitos do CDC;
- Evite comprar no comércio informal. Isso pode dificultar a troca ou assistência do produto se houver necessidade;
- Muita atenção a embalagens de materiais como colas, tintas, pincéis atômicos e fitas adesivas. Esses produtos devem conter informações claras, precisas e em língua portuguesa a respeito do fabricante, importador, composição, condições de armazenagem, prazo de validade e se apresentam algum risco ao consumidor.

Publicado em Economia
A pesquisa completa pode ser acessada pelo aplicativo
A pesquisa completa pode ser acessada pelo aplicativo "Proconomizar"

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou, nesta terça-feira (10/12), a última pesquisa do ano, que acompanha mensalmente a evolução de preços de 60 alimentos e produtos de primeira necessidade nos supermercados da Capital. O órgão realiza o comparativo, coletando preços de todas as Regionais de Fortaleza. Em dezembro, a alta chegou a 4,77%. Já no acumulado entre janeiro e dezembro de 2019, os preços subiram 5,29%. A pesquisa completa pode ser acessada pelo aplicativo "Proconomizar".

Em dezembro, também foram encontradas diferenças significativas entre os supermercados mais caros e os mais baratos. O preço do quilo da cebola, por exemplo, pode variar até 530%, indo de R$ 0,95 a R$ 5,99. O quilo do mamão também apresenta alta variação, custando de R$ 0,99 a R$ 3,79, uma diferença de 282%.

Confira aqui todos os preços.

Para a diretora geral do Procon Fortaleza, Cláudia Santos, a alta de preços, em dezembro, já reflete a procura por produtos para as festas de fim de ano. "É normal quanto maior a procura por produtos, maior será a elevação de preços", frisou. A Diretora adianta que o Procon está preparando uma pesquisa com preços de produtos para as ceias de Natal e Reveillon.

Comparativo mensal

Mês Valor médio Variação
Janeiro R$ 439,23 sem comparativo
Fevereiro R$ 424,01 -3,46 %
Março R$ 454,44 +7,18 %
Abril R$ 446,83 -1,67 %
Maio R$ 447,91 +0,24 %
Junho R$ 456,98 +2,03 %
Julho R$ 440,65 -3,57 %
Agosto R$ 445,32 +1,06 %
Setembro R$ 409,79 -7,98 %
Outubro R$ 440,82 +7,57 %
Novembro R$ 436,93 -0,88 %
Dezembro R$ 457,78 +4,77 %

Entre as regionais, os bairros Antonio Bezerra, Parquelândia e Quintino cunha, bem os demais locais da Regional III concentram os maiores preços. Já nos bairros Benfica, Paranga e Vila Pery estão os menores preços.

Preços por regionais (Dezembro)

Regionais Preço médio total
Regional III R$ 521,52
Regional do Centro R$ 482,07
Regional V R$ 471,98
Regional II R$ 447,44
Regional VI R$ 445,38
Regional I R$ 417,93
Regional IV R$ 400,06

Dicas e direitos
1 - Verifique as datas de promoções e dias de ofertas;
2 - Analise os encartes distribuídos como sendo de produtos promocionais e exija os mesmos preços praticados nos caixas. Se houver divergência, o consumidor tem o direito de pagar sempre o menor valor;
3 - Faça uma lista dos produtos que realmente precisa comprar;
4 - Pesquise preços e verifique a melhor forma de pagamento e descontos nos pagamento à vista, em dinheiro e no cartão de crédito;
5 - Pode haver diferença de preços nos pagamentos em dinheiro ou cartão de crédito e débito;
6 - Confira a data de validade dos produtos;
7 - Nem sempre o produto com tarja vermelha é o mais barato. Procure a categoria do item exposto como promocional e escolha um produto que seja mais em conta. Certamente, você sairá economizando;
8 - Na entrada de lojas e supermercados, por exemplo, normalmente são colocados produtos que induzam o consumidor à compra. Portanto, evite-os;
9 - Alimentos congelados devem ser colocados por último no carrinho para que sua qualidade não seja comprometida;
10 - Os supermercados, mesmo que sejam da mesma rede, podem cobrar preços diferenciados entre os estabelecimentos físicos e os virtuais (sites, aplicativos, telemarketing).

Como denunciar
Denúncias podem ser realizadas no Portal da Prefeitura de Fortaleza (www.fortaleza.ce.gov.br), no campo defesa do consumidor e, também, pelo aplicativo Procon Fortaleza e ainda pela Central de Atendimento ao Consumidor 151.

Publicado em Economia
Página 1 de 9