O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou, nesta quarta-feira (18/05), uma pesquisa com preços de itens que compõem o café da manhã. O levantamento, realizado entre os dias 02 e 03 de maio nas 12 Regionais da Capital, traz preços de 25 alimentos mais consumidos na primeira refeição do dia, como pão, tapioca, cuscuz, café, leite, caldos, sucos e frutas. O Procon visitou 12 padarias e panificadoras, algumas no interior de supermercados.

Itens mais consumidos no café da manhã podem sair mais baratos ou mais caros, a depender da região de Fortaleza. O preço da xícara de café pode variar até 400%. O pão carioquinha pode custar até 116% de diferença. Já a salada de frutas pode variar até 1.395%.

Pesquisa completa, que está disponível no portal da Prefeitura de Fortaleza.

Na Granja Portugal (Regional 5) foi encontrada a xícara de café (250 ml) com preço mais barato, custando R$ 1. Já no Meireles (Regional 2), a mesma quantidade de café custa R$ 4, uma diferença de 400%. O preço do pão de queijo (100g) foi encontrado por R$ 0,75 também na Granja Portugal, enquanto que a mesma quantidade chega a R$ 7,49, no Meireles, uma variação de 899%.

Ainda na Granja Portugal, o Procon encontrou o pão carioquinha mais barato de Fortaleza, custando R$ 8,99 o quilo. No Meireles, está o pão mais caro, com preço de R$ 19,40, a mesma quantidade, ou seja, uma diferença de 116%.

A maior variação, entre os 25 itens pesquisados, ficou por conta da salada de frutas. Cerca de 500ml podem custar de R$ 2, na Maraponga (Regional 10), a R$ 29,90, na Praia de Iracema (Regional 12), uma diferença de 1.395%.

A diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, explica que o levantamento de preços tem caráter informativo. "Realizamos uma pesquisa informativa. De posse dos preços, os consumidores podem optar pela situação mais conveniente à sua realidade". A diretora também alerta que os estabelecimentos são obrigados a cumprir os preços de cardápios e de promoções.

Combos
Se a opção for a tradicional tapioca com queijo, acompanhada de uma xícara de café com leite, o combo dos itens pode custar de R$ 8,48, no Jangurussu (Regional 9), a R$ 20,50, no Meireles (Regional 2), conferindo uma diferença de 142%.

Nos mesmos bairros foram encontrados a maior e a menor diferença quando o combo foi o cuscuz com queijo e a xícara de café com leite. Custa R$ 8,48 no Jangurussu, enquanto que o mesmo item chega a R$ 19,50, no Meireles, uma variação de 130%.

Buffet no peso
Caso o consumidor opte pelo café da manhã em buffet completo, pagando pelo peso dos itens na balança, o Procon encontrou o quilo mais barato no Passaré (na Regional 8), custando R$ 42,90. O quilo mais caro do buffet de café da manhã foi encontrado no bairro de Fátima (Regional 4), custando R$ 54,99, uma diferença de 28%.

Maiores variações café da manhã

Produto Menor preço Maior preço Variação
Salada de frutas (500ml) R$ 2,00 (Maraponga) R$ 29,90 (Praia de Iracema) 1.395%
Pão de queijo (100g) R$ 0,75 (Granja Portugal) R$ 7,49 (Meireles) 899%
Xícara de café (250ml) R$ 1,00 (Granja Portugal) R$ 5,00 (Meireles) 400%
Copo de suco (250ml) R$ 3,00 (Granja Portugal) R$ 11,00 (Meireles) 267%
Tapioca (un) e café com leite (250ml) R$ 4,50 (Granja Portugal) R$ 15,25 (Praia de Iracema) 239%
Pão carioquinha (Kg) R$ 8,99 (Granja Portugal) R$ 19,40 (Meireles) 116%
Buffet no peso (Kg) R$ 42,90 (Passaré) R$ 54,99 (Fátima) 28%
Publicado em Economia

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou, nesta terça-feira (03/05), o levantamento de preços do mês de abril, nos supermercados da Capital. Regionais 1, 3 e 4 possuem os menores preços, de acordo com o levantamento realizado entre os dias 18 e 25 de abril. O Procon pesquisa, mensalmente, 70 produtos e alimentos considerados de primeira necessidade. A coleta de preços é feita presencialmente em todas as regionais de Fortaleza.

Na Barra do Ceará e no Carlito Pamplona, foram encontrados os preços mais baratos, somando os 70 itens consultados R$ 599,42, enquanto que na Cidade dos Funcionários e em Messejana, ambos na Regional 6, estão os maiores preços (R$ 784,75).

Preços por Regionais

Regional Preço médio total
Regional 6 R$ 784,75
Regional 9 R$ 780,83
Regional 5 R$ 762,39
Regional 8 R$ 745,13
Regional 11 R$ 739,97
Regional 12 R$ 722,82
Regional 7 R$ 712,86
Regional 10 R$ 710,12
Regional 2 R$ 638,19
Regional 3 R$ 629,00
Regional 4 R$ 627,66
Regional 1 R$ 599,42

Pesquisa completa

Todos os preços estão disponíveis no aplicativo "Proconomizar", nas plataformas android e iOS, bem como no portal da Prefeitura de Fortaleza, na aba de defesa do consumidor.

Maiores variações

Produto Menor preço Maior preço Variação
Alho (Kg) R$ 15,90 R$ 59,00 271,06%
Queijo mussarela (Kg) R$ 19,90 R$ 54,99 176,33%
Goiabada (300g) R$ 2,59 R$ 6,99 169,88%
Achocolatado em pó (200g) R$ 3,99 R$ 9,99 150,37%
Macarrão (500g) R$ 2,49 R$ 5,85 134,93%

A diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, sugere que o consumidor realize compras em dias de ofertas e promoções e alerta para direitos nas compras em supermercados. "O consumidor possui o direito de pagar pelo valor anunciado e havendo divergência de preços deve sempre pagar o menor valor", explicou.

Eneylândia lembra que a compra por aplicativos e pela internet também pode representar uma economia. "Muitos supermercados disponibilizam cupons de descontos. O ideal é verificar se realmente foi aplicado alguma redução de preço ou trata-se de uma publicidade enganosa". Nestes casos, a Diretora pede que o consumidor denuncie ao Procon pelo telefone 151 ou no portal da Prefeitura de Fortaleza, no Catálogo de Serviços (aba Defesa do Consumidor).

Publicado em Economia
mulher observa peixes numa banca de mercado
Foram coletados preços em todas as regionais da Capital, bem como nos Mercados Públicos de Messejana e São Sebastião e ainda nos Mercados de Peixes da Barra do Ceará e do Mucuripe (Foto: Thiago Gaspar)

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou, nesta quarta-feira (13/04), uma pesquisa com preços de 59 produtos típicos para a Semana Santa, como peixes, vinhos e pães de coco. O Procon encontrou diferença de preços, entre os peixes, de até 217%. No caso, o quilograma do filé de pescada amarelo congelado, que foi encontrado de R$ 23,62 a R$ 74,99. A orientação é pesquisar e avaliar entre peixes frescos e congelados, qual a opção que atende a necessidade do consumidor.

A pesquisa foi realizada entre os dias 28 de março e 11 de abril e está disponível no portal da Prefeitura de Fortaleza. Foram coletados preços em todas as regionais da Capital, bem como nos Mercados Públicos de Messejana e São Sebastião e ainda nos Mercados de Peixes da Barra do Ceará e do Mucuripe.

O peixe mais barato no levantamento feito pelo Procon é o quilo congelado do palombeta (pilombeta), que pode ser encontrado de R$ 8,49, no bairro Dias Macedo (Regional 8).

Já o peixe mais caro está na Aldeota (Regional 2), onde o quilo do bacalhau foi encontrado de R$ 149,99. Mas o bacalhau tipo "saithe" pode baixar para R$ 49,99, na Cidade dos Funcionários (Regional 6), uma diferença de 200% entre diferentes tipos de bacalhau.

Pesquisa de produtos da Semana Santa

Maiores variações (peixes congelados)

Produto Menor preço Maior preço Variação
Filé de pescada amarela (Kg) R$ 23,62 R$ 74,99 217%
Filé de bacalhau (Kg) R$ 62,09 R$ 149,99 142%
Filé de sirigado (Kg) R$ 34,99 R$ 81,69 133%

Entre os mercados públicos, o peixe fresco mais barato está no Mercado de Messejana, onde o quilo da sardinha custa R$ 14,00. Já o peixe fresco mais caro (filé de salmão), foi encontrado no Mercado dos Peixes do Mucuripe, custando R$ 90,00, o quilo.

Um dos peixes bastante procurados, a tilápia inteira fresca, pode ser encontrada de R$ 18,00, nos Mercados de Messejana e São Sebastião, bem como no Mercado dos Peixes da Barra do Ceará. O mesmo produto custa R$ 25,00, o quilo, no Mercado dos Peixes do Mucuripe, conferindo uma diferença de 39%. Se a opção for o peixe pargo inteiro fresco, o quilo do produto pode ser encontrado por R$ 45,00, no Mercado dos Peixes do Mucuripe, bem como no Mercado Público de Messejana. O mesmo peixe custa R$ 50,00, no Mercado São Sebastião.

Entre os camarões frescos, o produto de 12g, pode ter até 25% de diferença, sendo encontrado de R$ 20,00, o quilo, no Mercado de Messejana, enquanto que no Mercado São Sebastião e nos Mercados dos Peixes do Mucuripe e da Barra do Ceará, o mesmo camarão salta para R$ 25,00.

Maiores variações (peixes frescos)

Produto Menor preço Maior preço Variação
Filé de sirigado (Kg) R$25,00 R$70,00 180%
Filé de tilápia (Kg) R$18,00 R$40,00 122%
Cavalinha (Kg) R$16,00 R$35,00 119%

A diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, alerta que os estabelecimentos não podem aumentar os preços somente por conta da alta procura de produtos para a Semana Santa. "O Código de Defesa do Consumidor proíbe a elevação de preços, sem justa causa caracterizando, assim, uma prática abusiva", explicou.

Vinhos e espumantes
Entre os vinhos, é possível comprar quase três garrafas, de 750ml, no estabelecimento mais barato, em comparação com o preço de uma garrafa no local mais caro. É o caso do vinho espumante, de fabricação nacional, que pode sair por R$ 21,50, no bairro Parreão (Regional 4), enquanto que o mesmo produto custa R$ 76,99, na Maraponga (Regional 10), conferindo uma diferença de 258%.

Maiores variações (vinhos e espumantes)

Produto Menor preço Maior preço Variação
Vinho espumante (750ml) R$ 21,50 R$ 76,99 258%
Vinho tinto (750ml) R$ 17,99 R$ 55,50 209%
Vinho tinto (750ml) R$ 26,69 R$ 60,99 129%

Pão de coco
Um dos itens mais procurados, na Semana Santa, é o pão de coco. A diferença do quilo do produto entre o estabelecimento mais barato e o mais caro chega a 102%, variando os preços entre R$ 11,47, no Dias Macedo, na Regional 8, a R$ 23,22, no Jacarecanga (Regional 1).

Maiores variações (pão de coco)

Produto Menor preço Maior preço Variação
Pão de coco (Kg) R$ 11,47 R$ 23,22 102%

Ovos de Páscoa
O Procon Fortaleza divulgou no dia 08 de abril, a pesquisa com preços dos ovos de chocolate para a Páscoa. Foram coletados preços de 47 tipos de ovos e caixas de chocolate, entre tradicionais e infantis, no período de 28 de março a 07 de abril. Também foram coletados preços de ingredientes para a fabricação caseira de produtos para a Páscoa.

A diferença de um ovo de chocolate da mesma marca, chega a 104%, sendo encontrado um produto de 150 gramas, de R$ 26,99, no bairro Parreão (Regional 4), enquanto que o mesmo item custa R$ 54,99, na Maraponga, na Regional 10.

Dicas
Para os peixes frescos, o cuidado deve ser a conservação, pois devem estar bem armazenados e em gelo. Verifique sua aparência observando se os olhos estão brilhantes e as escamas bem presas ao corpo.

Observe se a pele do peixe é clara e uniforme. Não devem existir manchas avermelhadas ou pontos escuros, indicando bolor, nem a presença de algum pó branco ou cinza na pele, indicando que o bacalhau foi mal conservado ou processado.

Procure conhecer a procedência do bacalhau e cuidado para não comprar peixe salgado no lugar de bacalhau. Uma boa dica é verificar se, na embalagem, há informações se o produto é tipo bacalhau e qual a espécie do peixe.

Se houver divergência de preços entre o valor anunciado com o registrado no caixa, o consumidor deve pagar sempre o menor valor.

Fique atento às informações detalhadas sobre data de validade do produto, peso e composição. A embalagem deve estar em boas condições de armazenamento, verificando se não há amassados ou furos que podem contaminar o produto.

Publicado em Economia

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou, nesta sexta-feira (08/04), a pesquisa com preços de ovos de chocolate para a Páscoa. Foram coletados preços de 47 tipos de ovos e caixas de chocolate, entre tradicionais e infantis, no período de 28 de março a 07 de abril. Também foram coletados preços de ingredientes para a fabricação caseira de produtos para a Páscoa.

A diferença de um ovo de chocolate da mesma marca, chega a 104%, sendo encontrado um produto de 150 gramas, de R$ 26,99, no bairro Parreão, na Regional 4, enquanto que o mesmo item custa R$ 54,99, na Maraponga, na Regional 10.

Outra diferença de preço que chama a atenção é o valor da caixa de chocolates, de 250g, que foi encontrada de R$ 7,95, no bairro José de Alencar, na Regional 6, a R$ 14,59, no Jacarecanga, na Regional 1, o que representa uma diferença de 84%.

Maiores variações
Ovos de páscoa tradicionais

Produto Menor preço Maior preço Variação
Bon O Bon (150g) R$ 26,99 R$ 54,99 104%
Diamante Negro (300g) R$ 24,99 R$ 43,90 76%
Alpino (337g) R$ 43,89 R$ 59,99 37%

Consulte todos os preços dos ovos e bombons de chocolate para a Páscoa.

Entre os ovos de chocolate infantis, há diferença de preços de até 40% em três produtos, que variam igualmente de R$ 44,90 a R$ 62,90.

Ovos de Páscoa infantis

Produto Menor preço Maior preço Variação
Lacta Barbie (166g) R$ 44,90 R$ 62,90 40%
Lacta Batman (166g) R$ 44,90 R$ 62,90 40%
Lacta HotWheels (166g) R$ 44,90 R$ 62,90 40%

O Procon também pesquisou ingredientes para a fabricação caseira de ovos de chocolate. Entre os itens, o preço do chocolate granulado, de 80g, pode ser comprado de R$ 4,35 a R$ 9,89, conferindo uma diferença de 127% no mesmo produto, da mesma marca.

Ingredientes para produtos da Páscoa

Produto Menor preço Maior preço Variação
Chocolate granulado (80g) R$ 4,35 R$ 9,89 127%
Barra de chocolate (500g) R$ 21,90 R$ 41,49 89%
Chocolate em pó (200g) R$ 14,80 R$ 27,29 84%

A diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, explica que a pesquisa tem como objetivo oferecer várias opções de preços e marcas de produtos para os consumidores, além de possibilitar economia com a lista de itens para fabricação caseira dos ovos de chocolate. "Barras de chocolate, leite condensado, coco ralado e creme de leite podem ser opções mais baratas para os amantes de chocolate", lembrou.

Eneylândia faz ainda um alerta para os ovos de chocolate com brinquedos infantis. "Muito cuidado na compra de ovos de chocolate acompanhados de brinquedos infantis. Além de mais caros, eles podem representar riscos à saúde e segurança das crianças. É bom certificar-se dos selos de segurança de órgãos que regulamentam o segmento", alertou a Diretora.

O Procon também pesquisou preços de caixas de chocolate, das principais marcas nacionais. A diferença entre caixas da mesma marca e com a mesma quantidade chega a 84%.

Caixas de chocolate

Produto Menor preço Maior preço Variação
Caixa Garoto (250g) R$ 7,95 R$ 14,59 84%
Caixa Nestlé (251g) R$ 9,39 R$ 15,09 61%
Caixa Lacta (250g) R$ 9,95 R$ 15,39 55%

Dicas
Pesquise preços e a qualidade dos produtos. Ovos de páscoa caseiros podem ser uma boa opção para economizar.
Uma boa opção é dar preferência a compras em aplicativos dos supermercados e atacados, o que pode representar uma economia.
Se houver divergência de preços entre o valor anunciado com o registrado no caixa, o consumidor deve pagar sempre o menor valor.
Fique atento às informações detalhadas sobre data de validade do produto, peso e composição. A embalagem deve estar em boas condições de armazenamento, verificando se não há amassados ou furos que podem contaminar o produto.
Brinquedos devem estar certificados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) ou ainda pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq), além de serem compatíveis com a idade da criança.
Ovos de chocolate importados devem trazer, no rótulo, a tradução em português.
Não pode haver exigência mínima na compra de ovos de chocolates, bem como em outros produtos.

 

Publicado em Economia
Em pouco mais de um ano, os preços de alimentos e produtos nos supermercados da Capital sofreram alta de até 817,35%
Dos 61 produtos que se repetiram na pesquisa de fevereiro do ano passado e no levantamento de março deste ano, nenhum teve redução de preço (Foto: Rodrigo Carvalho)

Em pouco mais de um ano, os preços de alimentos e produtos nos supermercados da Capital sofreram alta de até 817,35%. É o que revela um estudo inédito do Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza), divulgado nesta quarta-feira (30/03). O órgão comparou os menores preços dos produtos, em fevereiro do ano passado, com os maiores preços registrados na última pesquisa, realizada entre os dias 07 e 10 de março.

O quilo do mamão subiu oito vezes no período analisado, indo de R$ 0,98 a R$ 8,99, uma variação de 817,35%. A cenoura também apresentou alta variação em pouco mais de um ano, saindo de R$ 2,99 (kg), em fevereiro do ano passado, para R$ 12,99 (kg), agora em março, ou seja, 334,45% de diferença. Em seguida, o quilo da cebola apresentou variação de 209,36%, no mesmo período, indo de R$ 2,99 para R$ 9,25.

Refrigerantes, arroz e feijão foram os itens que menos variaram de preços no período, subindo respectivamente de R$ 6,99 para R$ 7,99 (14,31%), R$ 4,99 para R$ 5,99 (20,04%) e R$ 6,75 para R$ 8,49 (25,78%).

Segundo a diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, uma boa dica é optar por frutas e legumes da estação, pois a grande oferta desses produtos pode baratear o custo. Ela também esclarece direitos dos consumidores. "Os supermercados são obrigados a cumprir ofertas e promoções. Portanto, o consumidor deve guardar encartes e anúncios e exigir o cumprimento. Outra saída para fugir da alta de preços é comprar em dias de ofertas de carnes, frutas e verduras", sugeriu Eneylândia.

Dos 61 produtos que se repetiram na pesquisa de fevereiro do ano passado e no levantamento de março deste ano, nenhum teve redução de preço. Pelo menos 20 produtos subiram mais de 100%. O Procon realizou o comparativo com fevereiro do ano passado, pois em março de 2021 não foi realizada pesquisa de campo devido aos cuidados de isolamento social para contenção da Covid-19.

Maiores variações (fevereiro de 2021 e março 2022)

Produto

Menor preço

fevereiro de 2021

Maior preço

março de 2022

Variação
Mamão (kg) R$ 0,98 R$ 8,99 817,35%
Cenoura (kg) R$ 2,99 R$ 12,99 334,45%
Cebola pera (kg) R$ 2,99 R$ 9,25 209,36%
Esponja de aço (60g) R$ 1,29 R$ 3,99 209,30%
Alho (kg) R$ 13,90 R$ 38,50 176,98%

Quando comparados todos os itens, o menor preço total dos 61 produtos ficou em R$ 542,98, em fevereiro do ano passado, enquanto que em março deste ano, os mesmos produtos somam R$ 971,80, uma variação de 78,98%.

Café da manhã

Preços de alimentos básicos do café da manhã também apresentam alta variação em pouco mais de um ano. O pote de margarina, por exemplo, subiu de R$ 3,99, em fevereiro do ano passado, para R$ 9,35, em março deste ano, uma variação de 134,34%. A bandeja de ovos, com 20 unidades, passou de R$ 7,99 para R$ 17,99 (125,16%). Já o pacote de café subiu de R$ 4,19 para R$ 9,39 (124,11%). O pão francês carioquinha saiu de R$ 12,39 para R$ 16,99 (37,13%). Caso o consumidor opte por uma fruta no café da manhã, o quilo da banana saltou de R$ 2,99 para R$ 6,45 (115,72%).

Análise mensal

Em março deste ano, alimentos e produtos pesquisados pelo Procon continuam mais caros na Regional 6, onde ficam bairros como Cambeba, Cidade dos Funcionários e Messejana, repetindo a maior alta, nas regionais, registrada no mês passado. O valor total dos itens nesses bairros ficou em R$ 758,06, enquanto na Regional 4, em bairros como Aerolândia, Fátima e Parreão, os produtos somam R$ 600,57. A Regional 4 também foi o local com os preços mais baratos no mês passado.

Preços por Regionais

Regional Preço médio total
Regional 6 R$ 758,06
Regional 11 R$ 727,36
Regional 9 R$ 726,31
Regional 7 R$ 720,55
Regional 12 R$ 697,34
Regional 5 R$ 696,81
Regional 10 R$ 694,11
Regional 8 R$ 693,45
Regional 2 R$ 688,19
Regional 3 R$ 650,69
Regional 1 R$ 626,15
Regional 4 R$ 600,57

Dicas e direitos nos supermercados

- Verifique as datas de promoções e dias de ofertas;
- Analise os encartes distribuídos como sendo de produtos promocionais e exija os mesmos preços nos caixas. Se houver divergência, o consumidor tem o direito de pagar sempre o menor valor;
- Avalie e faça as contas com as despesas mensais, como mensalidades escolares, impostos parcelados e outros;
- Faça uma lista dos produtos que realmente precisa comprar;
- Evite realizar as compras com fome ou acompanhado de crianças. Isto pode influenciar sua decisão de compra;
- Pesquise preços e verifique a melhor forma de pagamento e descontos nos pagamento à vista, em dinheiro e no cartão de crédito;
- Confira a data de validade dos produtos;
- Nem sempre o produto com tarja vermelha é o mais barato. Procure a categoria do item exposto como promocional e escolha um produto que seja mais em conta. Certamente, você sairá economizando;
- Na entrada de lojas e supermercados, por exemplo, normalmente são colocados produtos que induzem o consumidor à compra. Portanto, evite-os;
- Alimentos congelados devem ser colocados por último no carrinho para que sua qualidade não seja comprometida.

Publicado em Economia

Nesta terça-feira (15/03), Dia Mundial do Consumidor, o Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou o ranking das empresas mais reclamadas pelos consumidores na Capital, no ano passado. Concessionárias de água e de energia estão no topo da lista, seguidas por bancos e operadoras de cartão de crédito. Pela primeira vez, empresas aéreas e agências de viagens estão na lista das mais reclamadas, indicando que a pandemia da Covid-19 trouxe impactos nos serviços prestados pelo setor aéreo.

Se comparado 2020 (11.203 atendimentos) com 2021 (15.366 atendimentos), houve um aumento de 37,15% na quantidade de reclamações. Cobranças indevidas, produtos com defeito e taxas de juros abusivas foram os problemas mais registrados em 2021.

Quando consideradas as reclamações fundamentadas, ou seja, quando o fornecedor está ciente do problema registrado no órgão de defesa do consumidor, tendo respondido ao processo administrativo instaurado, das 15.366 reclamações abertas, cerca de 2.631 resultaram em fundamentadas. Dessas, 1.102 (42%) foram resolvidas, enquanto que em 1.529 (58%) não foram atendidas as demandas dos consumidores.

A diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, explicou que boa parte das reclamações são resolvidas antes mesmo de evoluírem para um processo administrativo. "Desde o ano passado, iniciamos uma força-tarefa interna para dar agilidade e resolver o problema do consumidor de forma mais imediata, como por exemplo, os canais de linha direta com as empresas, em que temos a possibilidade de atender à demanda em menos de 24 horas", disse.

Resolutividade

Se observadas todas as formas de atendimento (canais de linha direta, carta de informação preliminar e audiências), constata-se que dos 15.366 atendimentos em 2021, houve acordo em 11.786 reclamações, conferindo um percentual de resolutividade de 76,70%, enquanto que em 3.580 registros não houve acordo satisfatório para o consumidor (23,30%).

Ranking

No ranking das empresas mais reclamadas em Fortaleza, em 2021, estão entre as 10 principais, conforme maior número de reclamações fundamentadas: Cagece (263); Enel Distribuição Ceará (153); Samsung (56); Caixa Econômica Federal (48); Banco Bradesco (46); Banco BMG (43); Oi S.A. (40); Via Varejo - Casas Bahia / Ponto Frio (36); Oi Móvel S.A. (35) e Magazine Luiza (32).

Seguem na lista, outras 10 empresas: Banco Pan e Decolar (27); Embracon (25); B2 Care Serviços Tecnológicos de Assistência Técnica (24); Banco do Brasil (22); Bancos Itaú e Santander e Latam com 21 registros cada uma; e a agência 123 Viagens e Turismo (20).

Ranking completo

Principais problemas

De acordo com a quantidade total de atendimentos (15.366), os principais problemas relatados pelos consumidores, em 2021 foram:

Problemas Quantidade Representatividade
Cobranças indevida e abusiva 1.579 57%
Produto com vício 341 12%

Contrato (não cumprimento, alteração, rescisão)

162 6%
Taxas de juros 122 4%
Não entrega do produto 113 4%

Menos resolvem

Levando em conta o número de reclamações fundamentadas, o Procon divulgou o ranking das empresas que menos resolvem as reclamações dos consumidores nas audiências de conciliação.

São elas, por ordem de não resolutividade: Embracon Consórcios (92% não resolvidas); Banco do Brasil (86,36%); Banco Pan (85,18%); Ana Maria de Sousa ME - assistência técnica Samsung (73,07%); Banco Santander (71,42%); Latam Airlines (71,42%); Banco Itaucard (66,66%); B2 Care Serviços Tecnológicos de Assistência Técnica (66,66%); Samsung (64,28%) e Caixa Econômica Federal (62,50%).

Penalidades

Eneylândia Rabelo informou que determinou o julgamento de processos das empresas que menos resolvem os problemas dos consumidores. "Faremos, inicialmente, o julgamento de 25% das reclamações não atendidas pelas empresas. Esta é uma forma de alertar e educar as empresas para que evitem reincidir nas infrações ao direito do consumidor", enfatizou.

Semana do Consumidor

Na quarta (16/03) e quinta-feira (17/03), os serviços do Procon chegam ao bairro Vila União com atendimento ao consumidor, das 9h às 12h. Diversos serviços serão prestados, como abertura de reclamação, orientação jurídica e palestras educativas. O Procon lembra que para registrar reclamação é preciso levar cópias da documentação pessoal, comprovante de residência da capital e documentos relacionados à reclamação (contrato, faturas, nota fiscal, boletos).

Durante a semana (14 a 18/03), os núcleos dos Vapt Vupts do Antonio Bezerra e de Messejana e das Regionais 4, 5 e 5 contarão com distribuição de material educativo e exemplares do Código de Defesa do Consumidor.

Serviço
Atendimento Procon
- Data: 16/03 (quarta-feira)
Horário: 9h às 12h
Local: Centro de Referência de Assistência Social (Cras) Vila União (Rua do Avião, s/n - Vila União)
- Data: 17/03 (quinta-feira)
Horário: 9h às 12h
Local: Escola Professor Coronel José Aurélio Câmara (Rua Jorge Acurcio, 655 - Vila União)

 

Publicado em Economia
vista panorâmica da av. beira-mar
Em Fortaleza, o preço de três diárias em pousadas ou hotéis é encontrado por até 80% de diferença, indo de R$ 405,00 a R$ 729,30 (Foto: Rodrigo Carvalho)

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou, nesta terça-feira (22/02), uma pesquisa com preços de hospedagem durante o período de Carnaval (26/02 a 01/03). O levantamento foi realizado, por telefone, entre os dias 14 e 18 de fevereiro, contemplando 52 hotéis e pousadas em 11 cidades das regiões Norte, Sertão Central, Centro-Sul, Serra, litorais Leste e Oeste. A consulta foi realizada levando-se em conta o preço total de três diárias, que compreendem a permanêndia de três noites nos destinos turísticos.

A diferença de preços de hospedagem pode chegar a 426% para uma mesma região turística, no valor total de três diárias. O Procon orienta que consumidores guardem anúncios e propagandas das hospedagens, bem como recibos e comprovantes de pagamento, para uma possível reclamação.

As festas públicas de Carnaval, bem como o feriado não acontecerão, conforme já anunciaram autoridades sanitárias, devido às medidas de contenção da Covid-19. As opções de hospedagem podem ser uma boa opção para aproveitar o período de forma segura, sem riscos à saúde da população. Segundo a Secretaria Municipal do Turismo de Fortaleza, a expectativa de ocupação hoteleira para o Carnaval é de 75%, na Capital.

Na pesquisa com os preços de hospedagem, foram coletadas o valor total de três diárias, de quarto para duas pessoas na modalidade standard (quarto simples), bem como chalés, nas regiões Norte, Sertão Central, Centro-sul, Serra, litorais Leste e Oeste. Também estão inclusos hotéis e pousadas da Capital.

Em Fortaleza, por exemplo, o preço de três diárias em pousadas ou hotéis com o mesmo padrão de hospedagem (quarto standard) é encontrado por até 80% de diferença, indo de R$ 405,00 a R$ 729,30. E quem desejar fugir da Capital e aproveitar o descanso no interior cearense pode aproveitar a cidade de Quixadá, no Sertão Central, cujas diárias variam de R$ 330,00 a R$ 1.000,00, no pacote de três dias, conferindo uma diferença de 203%.

Pesquisa completa com as variações de preços

A maior diferença de preços para o mesmo destino turístico, no período de Carnaval, está no litoral Leste, em Beberibe. Pousadas e hotéis, à beira-mar, podem custar até 426% de diferença, indo de R$ 705,00 a R$ 3.710,07.

Mas se o destino for o oposto ao calor das praias, ou seja, o clima de baixas temperaturas das serras cearenses, os preços de hospedagem podem variar até 133%, em Ubajara, na Serra da Ibiapaba, sendo encontrada três diárias por R$ 600,00 a R$ 1.399,00. Já em Guaramiranga, no Maciço de Baturité, é possível também desfrutar do clima ameno, vegetação verde e tranquilidade, por hospedagens que variam de R$ 840,00 a R$ 2.093,00, uma diferença de 149%.

Na região Centro-Sul, onde ficam balneários e açudes turísticos como o Trussu e o Orós, o levantamento do Procon encontrou preços para os três dias, entre R$ 267,00 e R$ 450,00, conferindo uma variação de 69%.

Para a diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, é muito importante que os consumidores guardem anúncios e propagandas de ofertas de hospedagem, e de aluguéis de casas de praia ou serra, por exemplo. Isto pode garantir o cumprimento da oferta. "Se for contratar o serviço e hospedagem pela internet, o consumidor pode imprimir a página e guardar como prova dos preços praticados", sugeriu. Para a Diretora, fazer reservas de hotéis e pousadas em sites confiáveis, buscando informações sobre a realidade da hospedagem, além de ficar atento às condições do contrato podem minimizar os transtornos.

Eneylândia lembra ainda que consumidores turistas que estejam em trânsito na Capital, podem registrar reclamação no órgão de defesa do consumidor para solucionar algum problema. A ferramenta está disponível no portal da Prefeitura de Fortaleza, na categoria Defesa do Consumidor do Catálogo de Serviços. O mesmo vale para consumidores residentes em Fortaleza.

Hospedagem Carnaval - maiores variações

Região

Menor preço

(três diárias)

Maior preço

(três diárias)

Variação
Litoral Leste R$ 705,00 R$ 3.710,07 426%
Litoral Oeste R$ 1.333,00 R$ 3.660,00 175%
Sertão Central R$ 330,00 R$ 1.000,00 203%
Serra R$ 840,00 R$ 2.093,00 149%
Norte R$ 390,00 R$ 944,20 142%
Capital R$ 405,00 R$ 729,30 80%
Centro-Sul R$ 267,00 R$ 450,00 69%

Metodologia
A pesquisa foi feita por telefone, buscando o número de quatro ou cinco hotéis e pousadas por município ou região, incluindo café da manhã e contendo as mesmas características de hospedagem (quarto standard), exceto para Guaramiranga, onde as opções variam entre quartos e chalés. Os preços podem sofrer alterações se comparados com a data em que foram coletados.

O Procon informa que, nas variações de preços, devem ser levadas em consideração a estrutura dos hotéis e pousadas, bem como a comodidade ofertada pelas hospedagens (quartos), se incluem serviços de ar refrigerado, wi-fi, vistas panorâmicas, modelos de aparelhos de TV (LED, smart, convencional) e ainda alimentos inclusos no café da manhã.

Publicado em Economia
Mamão, banana e laranja apresentam as maiores variações, em Fevereiro, com 364%, 221% e 178%, respectivamente
Mamão, banana e laranja apresentam as maiores variações, em Fevereiro, com 364%, 221% e 178%, respectivamente (Foto: Rodrigo Carvalho)

Pelo menos 18 produtos, dos 70 pesquisados mensalmente pelo Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza), apresentaram variações acima de 100%. É o que revela o novo levantamento, realizado entre os dias 01 e 10 de fevereiro, e divulgado nesta quinta-feira (17/02). Mamão, laranja e banana apresentam as maiores variações, em Fevereiro, com 364%, 221% e 178%, respectivamente. O Procon orienta que o consumidor opte por dias de promoção e ofertas e realize um comparativo de preços antes de sair às compras. Supermercados são obrigados a cumprir preços anunciados.

Quando analisados os preços dos produtos individualmente, a pesquisa aponta que os alimentos estão mais baratos em bairros da periferia de Fortaleza. O quilograma do mamão, por exemplo, está mais em conta no bairro Siqueira, custando R$ 1,29, enquanto que a mesma quantidade é encontrada, na Aldeota, por R$ 5,99, uma diferença de 364,34%. Outro produto que apresenta alta variação de preços é a banana, cujo quilograma pode ser comprado de R$ 1,99, no Jangurussu, a R$ 6,39, na Aldeota, conferindo uma diferença de 221,10%. Já a laranja pode ser encontrada de R$ 1,79, no bairro Passaré, a R$ 4,99, na Aldeota, uma variação de 178,77% no preço do quilograma da fruta.

Pesquisa completa com os 70 produtos

Todos os preços estão disponíveis no aplicativo Proconomizar, nas plataformas Android e iOS, bem como no Catálogo de Serviços do Portal da Prefeitura de Fortaleza

Maiores variações

Produto Menor preço (bairro) Maior preço (bairro) Variação
Mamão (Kg R$ 1,29 (Siqueira) R$ 5,99 (Aldeota) 364,34%
Banana (Kg) R$ 1,99 (Jangurussu) R$ 6,39 (Aldeota) 221,10%
Laranja (Kg) R$ 1,79 (Passaré) R$ 4,99 (Aldeota) 178,77%
Batata (Kg) R$ 3,39 (Jangurussu) R$ 8,99 (C. dos Funcionários) 165,19%
Mortadela (Kg) R$ 6,99 (Rodolfo Teófilo) R$ 18,48 (Aldeota) 164,37%

O Procon também realiza uma análise de preços por regionais. Nesse levantamento, a média de preços dos supermercados da Regional 6, onde ficam bairros como Cambeba, Cidade dos Funcionários e Messejana,  apresentou a maior somatória, custando os 70 produtos cerca de R$ R$ 765,92. Já na Regional 4, em bairros como Aerolândia, Fátima e Parreão, os mesmos itens somaram R$ 552,15. O Procon ressalta que a quantidade de itens em falta por supermercado pode afetar a média de preços por Regionais.

Preços por Regionais

Regional Preço médio total
Regional 6 R$ 765,92
Regional 8 R$ 743,05
Regional 9 R$ 726,27
Regional 12 R$ 709,73
Regional 11 R$ 690,04
Regional 5 R$ 674,20
Regional 2 R$ 664,51
Regional 7 R$ 648,02
Regional 3 R$ 647,86
Regional 1 R$ 632,84
Regional 10 R$ 587,48
Regional 4 R$ 552,15

Dicas e direitos nos supermercados
- Verifique as datas de promoções e dias de ofertas;
- Analise os encartes distribuídos como sendo de produtos promocionais e exija os mesmos preços nos caixas. Se houver divergência, o consumidor tem o direito de pagar sempre o menor valor;
- Avalie e faça as contas com as despesas mensais, como mensalidades escolares, impostos parcelados e outros;
- Faça uma lista dos produtos que realmente precisa comprar;
- Evite realizar as compras com fome ou acompanhado de crianças. Isto pode influenciar sua decisão de compra;
- Pesquise preços e verifique a melhor forma de pagamento e descontos nos pagamento à vista, em dinheiro e no cartão de crédito;
- Confira a data de validade dos produtos;
- Nem sempre o produto com tarja vermelha é o mais barato. Procure a categoria do item exposto como promocional e escolha um produto que seja mais em conta. Certamente, você sairá economizando;
- Na entrada de lojas e supermercados, por exemplo, normalmente são colocados produtos que induzam o consumidor à compra. Portanto, evite-os;
- Alimentos congelados devem ser colocados por último no carrinho para que sua qualidade não seja comprometida.

Publicado em Economia

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou, nesta segunda-feira (31/01), a primeira pesquisa do ano com preços de produtos nos supermercados da Capital. O levantamento, realizado entre os dias 11 e 21 de janeiro traz novidades, como a quantidade de estabelecimentos pesquisados, que passou de 12 para 24, além da ampliação dos produtos consultados mensalmente, saindo de 61 para 70 itens.

Supermercados dos bairros Coité, Barra do Ceará, Presidente Kennedy e Mondubim entram na lista de locais pesquisados mensalmente, somando-se a outros bairros como Aldeota, Conjunto Ceará, Fátima, entre outras regiões. A ideia do Procon é continuar pesquisando preços em todas as regionais de Fortaleza. Produtos como farinha de trigo, mortadela, goma para tapioca e achocolatado também entram na lista de itens pesquisados.

Em janeiro, 15 produtos apresentaram variações de preços a partir de cem por cento. O quilo da mortadela, por exemplo, pode ser encontrado de R$ 5,99, no bairro Jangurussu a R$ 26,90, no bairro Maraponga, uma diferença de 349%. Já o quilo do sabão em barra custa de R$ 5,59, no bairro Carlito Pamplona a R$ 20,99, no bairro Aldeota, conferindo uma variação de 275%.

Consulte a pesquisa completa com os 70 produtos. Todos os preços estão disponíveis no aplicativo "Proconomizar", nas plataformas android e iOS, bem como no portal da Prefeitura de Fortaleza, na aba de defesa do consumidor.

Maiores variações

Produto Menor preço (bairro) Maior preço (bairro) Variação
Mortadela (Kg) R$ 5,99 (Jangurussu) R$ 26,90 (Maraponga 349,08 %
Sabão barra (Kg) R$ 5,59 (Carlito Pamplona) R$ 20,99 (Aldeota) 275,49 %
Banana (Kg) R$ 1,99 (Barra do Ceará R$ 6,99 (Passaré) 251,25 %
Mamão (Kg) R$ 1,99 (Monte Castelo) R$ 5,89 (Messejana) 195,97 %
Queijo coalho (Kg) R$ 17,99 (Centro) R$ 48,00 (Aldeota) 166,81 %

A diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, comenta que a ampliação de supermercados e itens pesquisados vai possibilitar maiores opções para o consumidor. "Quanto maior a oferta de estabelecimentos e produtos melhor para o consumidor, que tem o poder de compra. A escolha por locais com preços mais baratos pode forçar o mercado a reduzir os valores praticados, e isso é muito bom para uma economia nos gastos com alimentação", disse.

Metodologia
A pesquisa do Procon Fortaleza é informativa e possibilita ao consumidor optar por estabelecimentos que ofereçam preços mais baratos. O levantamento é realizado presencialmente e dividido por itens de alimentação, carnes e aves, padaria, refrigerantes, frutas e verduras, higiene pessoal, limpeza doméstica e ainda cuidados e higiene infantil.

Dicas e direitos nos supermercados
- Verifique as datas de promoções e dias de ofertas;
- Analise os encartes distribuídos como sendo de produtos promocionais e exija os mesmos preços nos caixas. Se houver divergência, o consumidor tem o direito de pagar sempre o menor valor;
- Avalie e faça as contas com as despesas mensais, como mensalidades escolares, impostos parcelados e outros;
- Faça uma lista dos produtos que realmente precisa comprar;
- Evite realizar as compras com fome ou acompanhado de crianças;
- Pesquise preços e verifique a melhor forma de pagamento e descontos nos pagamento à vista, em dinheiro e no cartão de crédito;
- Confira a data de validade dos produtos;
- Nem sempre o produto com tarja vermelha é o mais barato. Procure a categoria do item exposto como promocional e escolha um produto que seja mais em conta. Certamente, você sairá economizando;
- Na entrada de lojas e supermercados, por exemplo, normalmente são colocados produtos que induzam o consumidor à compra. Portanto, evite-os;
- Alimentos congelados devem ser colocados por último no carrinho para que sua qualidade não seja comprometida.

Publicado em Economia

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) notificou, nesta terça-feira (18/01), farmácias e laboratórios de análises clínicas da Capital para apurar denúncias de preços abusivos em testes de Covid-19. Consumidores relataram aumentos sucessivos nos testes de Covid durante as últimas semanas, com preços variando entre R$ 89,00 a R$ 300,00.

O Procon deu prazo de 10 dias para que o Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos e a Sociedade Brasileira de Análises Clínicas orientem a seus filiados e associados sobre a notificação do Órgão, que também alerta sobre preços abusivos na venda de máscaras, álcool em gel e luvas, bem como na realização de outros testes de infecções respiratórias.

De acordo com a diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, o Código de Defesa do Consumidor (CDC) é claro e veda a elevação de preços sem justa causa. "Esta prática abusiva fere a legislação e está passível de multa que pode chegar a R$ 15 milhões", lembrou.

A Diretora também pede que o comércio não se aproveite de uma situação tão sensível para obter lucros. "É inadmissível que farmácias e laboratórios aproveitem a alta procura por testes para obter vantagens. Vamos investigar para apurar se há justificativa nos preços elevados", explicou.

Denúncias e reclamações

O Procon pede que denúncias e reclamações sejam encaminhadas ao órgão por meio do portal da Prefeitura de Fortaleza, na aba de serviços Defesa do Consumidor.

Mais informações pela Central de Atendimento ao Consumidor 151 (horário comercial).

Publicado em Economia
Página 1 de 12