13 de março de 2020 em Juventude

Prefeitura de Fortaleza realiza oficinas nas escolas que recebem o Projeto Reconhecer e Mudar em Fortaleza

As oficinas fazem parte do terceiro ano de ações do projeto


Oficina na escola Dep. Paulino Rocha
Oficina na turma de ensino médio da EEFM Deputado Paulino Rocha

O projeto internacional Recognize and Change (Reconhecer e Mudar) iniciou as atividades do terceiro ano neste mês de março. Iniciativa tem duração de três anos e seu objetivo é ampliar a divulgação de uma cultura baseada na pluralidade de identidades e no reconhecimento mútuo entre os jovens, além de promover uma conscientização sobre os Direitos Humanos, o combate ao bullying e às diferentes formas de violência e discriminações ao redor do mundo. 

O Recognize and Change atua simultaneamente na Itália, Bulgária, Cabo Verde, França, Grécia, Portugal, Romênia, Espanha e Brasil. Fortaleza é a única sede no País e o projeto é executado pela Prefeitura de Fortaleza, por intermédio da Coordenadoria Especial de Políticas Públicas de Juventude (CEPPJ) e cofinanciado pela União Europeia. 

As ações, que irão até maio, acontecem nas escolas estaduais parceiras do projeto situadas nas áreas das regionais V e VI. Este ano, os alunos do terceiro ano do Ensino Médio recebem em sala de aula oficinas mediadas por multiplicadores que debatem temas relacionados à violência, discutida como uma das possíveis consequências da discriminação. Os temas são as formas de violência, autor e vítima e reações assertivas e cultura de respeito. 

Eunice Araújo (16), que é aluna da Escola Dona Júlia Alves Pessoa, no bairro Bom Jardim, destaca a experiência de receber o Reconhecer e Mudar onde estuda. “Conheci o projeto no 1° ano do ensino médio e foi extremamente maravilhoso por ser feito por jovem que faz outros jovens abrirem a mente para propostas novas. Fico muito feliz em contribuir para o projeto e espero que continue assim em muitas escolas justamente porque a gente se sente acolhido por eles”, afirma.

Saiba mais

O Ano I do projeto se concentrou na identidade e nos relacionamentos, proporcionando aos alunos da Rede pública de ensino a possibilidade de reconhecer o direito/dever de ser reconhecido e respeitado, assim como reconhecer e respeitar os outros. Já no segundo ano, as oficinas nas escolas foram baseadas em debates em torno da diversidade e na discriminação, o valor e o respeito de si mesmo e dos outros com tópicos abordados como: análise e desconstrução de estereótipos (a partir dos estereótipos de gênero e culturais); os tipos de discriminação; a responsabilidade individual e a coletiva.

 

Prefeitura de Fortaleza realiza oficinas nas escolas que recebem o Projeto Reconhecer e Mudar em Fortaleza

As oficinas fazem parte do terceiro ano de ações do projeto

Oficina na escola Dep. Paulino Rocha
Oficina na turma de ensino médio da EEFM Deputado Paulino Rocha

O projeto internacional Recognize and Change (Reconhecer e Mudar) iniciou as atividades do terceiro ano neste mês de março. Iniciativa tem duração de três anos e seu objetivo é ampliar a divulgação de uma cultura baseada na pluralidade de identidades e no reconhecimento mútuo entre os jovens, além de promover uma conscientização sobre os Direitos Humanos, o combate ao bullying e às diferentes formas de violência e discriminações ao redor do mundo. 

O Recognize and Change atua simultaneamente na Itália, Bulgária, Cabo Verde, França, Grécia, Portugal, Romênia, Espanha e Brasil. Fortaleza é a única sede no País e o projeto é executado pela Prefeitura de Fortaleza, por intermédio da Coordenadoria Especial de Políticas Públicas de Juventude (CEPPJ) e cofinanciado pela União Europeia. 

As ações, que irão até maio, acontecem nas escolas estaduais parceiras do projeto situadas nas áreas das regionais V e VI. Este ano, os alunos do terceiro ano do Ensino Médio recebem em sala de aula oficinas mediadas por multiplicadores que debatem temas relacionados à violência, discutida como uma das possíveis consequências da discriminação. Os temas são as formas de violência, autor e vítima e reações assertivas e cultura de respeito. 

Eunice Araújo (16), que é aluna da Escola Dona Júlia Alves Pessoa, no bairro Bom Jardim, destaca a experiência de receber o Reconhecer e Mudar onde estuda. “Conheci o projeto no 1° ano do ensino médio e foi extremamente maravilhoso por ser feito por jovem que faz outros jovens abrirem a mente para propostas novas. Fico muito feliz em contribuir para o projeto e espero que continue assim em muitas escolas justamente porque a gente se sente acolhido por eles”, afirma.

Saiba mais

O Ano I do projeto se concentrou na identidade e nos relacionamentos, proporcionando aos alunos da Rede pública de ensino a possibilidade de reconhecer o direito/dever de ser reconhecido e respeitado, assim como reconhecer e respeitar os outros. Já no segundo ano, as oficinas nas escolas foram baseadas em debates em torno da diversidade e na discriminação, o valor e o respeito de si mesmo e dos outros com tópicos abordados como: análise e desconstrução de estereótipos (a partir dos estereótipos de gênero e culturais); os tipos de discriminação; a responsabilidade individual e a coletiva.