Oficina na escola Dep. Paulino Rocha
Oficina na turma de ensino médio da EEFM Deputado Paulino Rocha

O projeto internacional Recognize and Change (Reconhecer e Mudar) iniciou as atividades do terceiro ano neste mês de março. Iniciativa tem duração de três anos e seu objetivo é ampliar a divulgação de uma cultura baseada na pluralidade de identidades e no reconhecimento mútuo entre os jovens, além de promover uma conscientização sobre os Direitos Humanos, o combate ao bullying e às diferentes formas de violência e discriminações ao redor do mundo. 

O Recognize and Change atua simultaneamente na Itália, Bulgária, Cabo Verde, França, Grécia, Portugal, Romênia, Espanha e Brasil. Fortaleza é a única sede no País e o projeto é executado pela Prefeitura de Fortaleza, por intermédio da Coordenadoria Especial de Políticas Públicas de Juventude (CEPPJ) e cofinanciado pela União Europeia. 

As ações, que irão até maio, acontecem nas escolas estaduais parceiras do projeto situadas nas áreas das regionais V e VI. Este ano, os alunos do terceiro ano do Ensino Médio recebem em sala de aula oficinas mediadas por multiplicadores que debatem temas relacionados à violência, discutida como uma das possíveis consequências da discriminação. Os temas são as formas de violência, autor e vítima e reações assertivas e cultura de respeito. 

Eunice Araújo (16), que é aluna da Escola Dona Júlia Alves Pessoa, no bairro Bom Jardim, destaca a experiência de receber o Reconhecer e Mudar onde estuda. “Conheci o projeto no 1° ano do ensino médio e foi extremamente maravilhoso por ser feito por jovem que faz outros jovens abrirem a mente para propostas novas. Fico muito feliz em contribuir para o projeto e espero que continue assim em muitas escolas justamente porque a gente se sente acolhido por eles”, afirma.

Saiba mais

O Ano I do projeto se concentrou na identidade e nos relacionamentos, proporcionando aos alunos da Rede pública de ensino a possibilidade de reconhecer o direito/dever de ser reconhecido e respeitado, assim como reconhecer e respeitar os outros. Já no segundo ano, as oficinas nas escolas foram baseadas em debates em torno da diversidade e na discriminação, o valor e o respeito de si mesmo e dos outros com tópicos abordados como: análise e desconstrução de estereótipos (a partir dos estereótipos de gênero e culturais); os tipos de discriminação; a responsabilidade individual e a coletiva.

 

Publicado em Juventude