A Prefeitura de Fortaleza prorroga, a partir desta sexta-feira (03/06), as campanhas de vacinação contra a influenza e sarampo, até o dia 24 de junho. A população que faz parte dos grupos prioritários pode continuar buscando os postos de saúde, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h e aos finais de semana nos postos Paulo Marcelo e Messejana, no mesmo horário. Para ter direito à imunização, é necessário apresentar documento oficial com foto.

Endereços dos postos de saúde

A decisão foi tomada pelo Ministério da Saúde nesta quinta-feira (02/06), com o objetivo de aumentar as coberturas das vacinas. Até ontem (02/06), 268.605 pessoas foram vacinadas contra a influenza, o que representa 30% do público prioritário, e 89.194 foram vacinadas contra o sarampo, sendo 56.849 crianças, o que corresponde a 35% da meta.

Grupos prioritários

Influenza: Idosos acima de 60 anos, trabalhadores da saúde, Crianças de 6 meses de idade a menores de 5 anos, gestantes, puérperas, professores, portadores de comorbidades, pessoas com deficiência permanente, caminhoneiros, trabalhadores de transporte coletivo, rodoviário, urbano e de longo curso, trabalhadores portuários, forças de segurança e salvamento, forças armadas, funcionários do sistema de privação de liberdade, população privada de liberdade e adolescentes e jovens em medidas socioeducativas.

Sarampo: trabalhadores da saúde e crianças de 6 meses a menores de 5 anos.

Documentos necessários

Para ter direito à imunização, todos os grupos deverão apresentar documento oficial com foto. A SMS segue as orientações do informe técnico do Ministério da Saúde no que diz respeito à documentação e escolha dos grupos prioritários.

A vacina contra a influenza inclui caminhoneiros, trabalhadores de transporte coletivo, rodoviário, urbano e de longo curso, trabalhadores portuários, forças de segurança e salvamento, forças armadas e funcionários do sistema de privação de liberdade, que devem apresentar também documento que comprove a vinculação ativa na área.

Pessoas com comorbidades ou deficiência permanente, que também fazem parte dos grupos prioritários da influenza, poderão apresentar, além do documento de identificação, qualquer comprovante que demonstre pertencer ao grupo (exames, receitas, relatório médico, prescrição médica etc.). Adicionalmente, poderão ser utilizados os cadastros já existentes dentro das Unidades de Saúde, caso possuam. Pessoas com deficiência permanente deverão apresentar apenas os documentos básicos de identificação, já que a deficiência é autodeclarada.

Influenza

A vacina contra a Influenza atua contra os vírus Influenza A (H1N1 e H3N2) e B. A vacina de 2022 sofreu alteração na cepa H3N2, conforme o vírus circulante no ano anterior. O vírus da influenza, assim como o da Covid-19, é uma infecção viral aguda que provoca sintomas de síndrome gripal.

A vacina contra a influenza pode ser administrada simultaneamente a outras, incluindo a vacina contra a Covid-19, com exceção das crianças de 5 a 11 anos. Nestes casos, de acordo com o Ministério da Saúde, deve-se priorizar a vacina contra a Covid-19 e aguardar 15 dias para aplicação do imunobiológico contra a influenza na faixa etária indicada.

Vacinação contra o sarampo

A vacinação contra o sarampo este ano é de seguimento, ou seja, imunizará as crianças menores de cinco anos de maneira indiscriminada, independente da situação vacinal. Mesmo as que já iniciaram ou completaram seu esquema vacinal devem comparecer para receber a dose da campanha.

No caso dos trabalhadores da saúde, o objetivo é atualizar as doses que ainda estejam atrasadas, além de proteger esse público contra a doença, considerando o risco diante da maior exposição nos serviços de saúde, sem estabelecimento de meta.

A campanha de seguimento tem como objetivo eliminar os chamados “bolsões” de não vacinados, evitando novos surtos de sarampo, captando os não vacinados ou que, por acaso, não tiveram resposta imunológica satisfatória às doses anteriormente aplicadas. A última campanha de seguimento e vacinação contra o sarampo ocorreu em 2018.

Publicado em Saúde

A partir de segunda-feira (04/04), Fortaleza inicia a 8ª campanha de vacinação de seguimento do sarampo e dá continuidade à 24ª campanha de vacinação contra a influenza. As vacinas estarão disponíveis a partir dessa data nos 116 Postos de Saúde da Capital, das 7h30 às 18h30, de acordo com os grupos prioritários. A campanha será dividida em duas fases.

Primeira fase: 4 de abril a 2 de maio

- Idosos acima de 60 anos: receberão vacina da Influenza
- Trabalhadores da saúde: receberão vacina da Influenza e do sarampo

Segunda fase: 3 de maio a 3 de junho

- Crianças de 6 meses a menores de 5 anos: receberão vacina do sarampo
- Crianças de 6 meses de idade a menores de 5 anos, gestantes, puérperas, professores, portadores de comorbidades, pessoas com deficiência permanente, caminhoneiros, trabalhadores de transporte coletivo, rodoviário, urbano e de longo curso, trabalhadores portuários, forças de segurança e salvamento, forças armadas, funcionários do sistema de privação de liberdade, população privada de liberdade e adolescentes e jovens em medidas socioeducativas: receberão vacina da Influenza

Documentos necessários

Para ter acesso à vacina, os idosos devem apresentar documento oficial com foto.

No caso dos profissionais, é necessário também documento de comprovação do trabalho em Fortaleza, como, por exemplo, a carteira de trabalho, uma declaração de vínculo ou contracheque.

Os grupos prioritários da segunda fase também devem apresentar, além do documento oficial, o comprovante da sua condição profissional ou de saúde.

Grupos prioritários

O objetivo da campanha de vacinação é imunizar um grande quantitativo de pessoas em um curto espaço de tempo, interrompendo a cadeia de transmissão. Assim, a Prefeitura de Fortaleza pretende vacinar cerca de 900 mil pessoas dos grupos prioritários durante os dois meses de campanha, conforme a disponibilidade de imunobiológico.

“Uma campanha de vacinação deve ocorrer num espaço curto de tempo para que a cadeia de transmissão das doenças seja interrompida. Por isso, é necessário que os públicos prioritários compareçam no período determinado para receber a vacina, garantindo sua dose e evitando o ressurgimento do sarampo e a circulação do vírus da influenza”, alerta Vanessa Soldatelli, coordenadora de imunização da Secretaria Municipal da Saúde (SMS).

A aplicação dos dois imunobiológicos será feita de maneira simultânea, de acordo com as definições do Programa Nacional de Imunizações, evitando que a população precise se deslocar novamente aos postos.

Endereços dos postos de saúde

Vacinação contra o sarampo

Em relação à vacinação contra o sarampo será de seguimento, ou seja a campanha imunizará as crianças de maneira indiscriminada, independente da situação vacinal. Mesmo as que já iniciaram ou completaram seu esquema vacinal devem comparecer para receber a dose da campanha.

No caso dos trabalhadores da saúde, o objetivo é atualizar as doses que ainda estejam atrasadas, além de proteger esse público contra a doença, considerando o risco diante da maior exposição nos serviços de saúde, sem estabelecimento de meta. No caso das crianças menores de cinco anos, a meta estabelecida pelo Ministério da Saúde é de 95%.

O sarampo é uma doença infecciosa, aguda, transmissível e extremamente contagiosa, podendo evoluir com complicações e óbito. Com a baixa cobertura vacinal nos últimos anos no Brasil, o país voltou a ser endêmico para sarampo, em 2019. Em Fortaleza, até novembro de 2021, a cobertura da vacina tríplice viral, que combate o sarampo em crianças de um ano, chegou a 73%.

A campanha de seguimento tem como objetivo eliminar os chamados “bolsões” de não vacinados, evitando novos surtos de sarampo, captando crianças ainda não vacinadas ou que por acaso não tiveram resposta imunológica satisfatória. A última campanha de seguimento e vacinação contra o sarampo ocorreu em 2018.

O esquema vacinal contra o sarampo compreende duas doses: administração de uma dose com um ano de idade e uma segunda com um ano e três meses. A vacina tríplice viral atua contra o sarampo, caxumba e rubéola, e faz parte da rotina de imunização, por isso, está disponível durante todo o ano nos postos de saúde. É importante lembrar que todas as crianças de seis meses a menores de 1 ano continuam recebendo a “dose zero”.

O esquema de vacinação do sarampo em adultos é de duas doses até 29 anos e uma dose de 30 a 59 anos. Caso haja atraso na aplicação dessas doses, independente da campanha, a população pode comparecer aos postos de saúde para atualizar o esquema vacinal.

“Os fortalezenses até 59 anos, que não fazem parte dos grupos prioritários, porém, que estão com seu esquema vacinal contra o sarampo atrasado, ou nunca receberam nenhuma dose, também estão convidados a buscar nossos postos de saúde para atualização do seu cartão de vacinação”, enfatiza Vanessa.

Vacinação contra a Influenza

A vacina contra a Influenza atua contra os vírus Influenza A (H1N1 e H3N2) e B. A vacina de 2022 sofreu alteração na cepa H3N2, conforme o vírus circulante no ano anterior. O vírus da influenza, assim como o da Covid-19, é uma infecção viral aguda que provoca sintomas de síndrome gripal.

O imunobiológico, além de poder ser aplicado em conjunto com a vacina do sarampo, pode também ser administrado com a vacina contra a Covid-19, com exceção das crianças de 5 a 11 anos que recebem a vacina pediátrica. Nestes casos, de acordo com o Ministério da Saúde, deve-se priorizar a vacina contra a Covid-19 e aguardar 15 dias para aplicação dos imunobiológicos contra o sarampo e a influenza na faixa etária indicada.

Além do intervalo de aplicação das duas vacinas, crianças de seis meses a menores de 9 anos recebem duas doses, com um intervalo de 30 dias entre a primeira e a segunda dose. Crianças que já receberam a vacina nos anos anteriores recebem apenas uma dose.

Cronograma

Influenza

1ª fase (2 de abril a 2 de maio): idosos com 60 anos ou mais e trabalhadores da saúde.

2ª fase (3 de maio a 3 de junho): professores; crianças (6 meses de idade a menores de 5 anos), gestantes, puérperas, trabalhadores da saúde; portadores de comorbidades, pessoas com deficiência permanente, caminhoneiros, trabalhadores de transporte coletivo, rodoviário, urbano e de longo curso, trabalhadores portuários, forças de segurança e salvamento, forças armadas, funcionários do sistema de privação de liberdade, população privada de liberdade e adolescentes e jovens em medidas socioeducativas

Sarampo (campanha de seguimento)

1ª fase (4 de abril a 2 de maio): trabalhadores da saúde que estejam com primeira ou segunda dose em atraso
2ª fase (3 de maio a 3 de junho): crianças de seis meses a 4 anos, 11 meses e 29 dias

Publicado em Saúde

A Prefeitura de Fortaleza segue com a vacinação contra a gripe, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), iniciando a terceira fase da campanha. A nova fase de imunização começa nesta quarta-feira (09/06), nas salas de vacinação dos 116 postos de saúde da Capital, das 8h às 17h.

A terceira fase da campanha tem como públicos-alvo pessoas com comorbidades ou deficiência permanente, caminhoneiros, trabalhadores de transporte coletivo, rodoviário, urbano e de longo curso, trabalhadores portuários, forças de segurança e salvamento, forças armadas, funcionários do sistema de privação de liberdade, população privada de liberdade e adolescentes e jovens em medidas socioeducativas.

A campanha, que teve início no dia 12 de abril, já contemplou trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, crianças de 6 meses a menores de 6 anos, idosos a partir de 60 anos e professores. Ao todo, quase 200 mil pessoas foram imunizadas até o momento, entre os públicos da primeira e segunda fases. Mesmo após o fim da primeira e segunda fases, os grupos podem se dirigir aos postos para receber a vacina.

A vacina contra a gripe protege contra três tipos de vírus: Influenza A (H1N1), H3N2 e Influenza B. A gripe H1N1 foi declarada como pandemia em 2009 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e infectou mais de 70 países. Em 2010, a vacina contra o vírus foi incorporada à vacinação contra as outras influenzas, e o H1N1 circula hoje como uma influenza sazonal.

“A vacina contra a influenza, assim como a da Covid-19, é uma vacina pandêmica. É importante que o público contemplado busque os postos para receber a imunização para evitar um novo surto de gripe e para que possa haver um diferencial de diagnósticos entre as duas doenças”, afirma Vanessa Soldatelli, coordenadora de Imunização da SMS.

Caso a pessoa tenha recebido a vacina da Covid-19, ela deve aguardar para receber a vacina da gripe respeitando o intervalo de, no mínimo, 14 dias, e vice-versa.

Documentação necessária

Para ter direito à imunização, todos os grupos deverão apresentar documento oficial com foto e cartão do SUS. A SMS segue as orientações do informe técnico do Ministério da Saúde no que diz respeito à documentação e escolha dos grupos prioritários.

Caminhoneiros, trabalhadores de transporte coletivo, rodoviário, urbano e de longo curso, trabalhadores portuários, forças de segurança e salvamento, forças armadas e funcionários do sistema de privação de liberdade devem apresentar também documento que comprove a vinculação ativa na área.

Pessoas com comorbidades poderão apresentar, além do documento de identificação, qualquer comprovante que demonstre pertencer ao grupo (exames, receitas, relatório médico, prescrição médica etc.). Adicionalmente, poderão ser utilizados os cadastros já existentes dentro das Unidades de Saúde, caso possuam.

Pessoas com deficiência permanente deverão apresentar apenas os documentos básicos de identificação, já que a deficiência é autodeclarada.

Lista de comorbidades inclusas na vacinação contra a gripe

- Doenças respiratórias crônicas:
Asma em uso de corticoide inalatório ou sistêmico (moderada ou grave), doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), bronquiectasia, fibrose cística, doenças intersticiais do pulmão,
displasia broncopulmonar, hipertensão arterial pulmonar, crianças com doença pulmonar crônica da prematuridade.

- Doenças cardíacas crônicas:
Doença cardíaca congênita, hipertensão arterial sistêmica com comorbidade, doença cardíaca isquêmica, insuficiência cardíaca.

- Doenças renais crônicas:
Doença renal nos estágios 3,4 e 5, síndrome nefrótica, paciente em diálise.

- Doenças hepáticas crônicas:
Doença hepática crônica Atresia biliar; Hepatites crônicas; Cirrose.

- Doença neurológica crônica:
Acidente Vascular Cerebral; Indivíduos com paralisia Cerebral; Esclerose múltipla; Doenças hereditárias e degenerativas do sistema nervoso ou muscular; Deficiência neurológica grave.

- Diabetes Mellitus tipo I e tipo II em uso de medicamentos.

- Imunossuprimidos:
Imunossupressão Imunodeficiência congênita ou adquirida
Imunossupressão por doenças ou medicamentos

- Obesidade grau III.

- Transplantados.

- Portadores de trissomias:
Síndrome de Down, Síndrome de Klinefelter, Síndrome de Warkany, dentre outras trissomias.

Publicado em Saúde
uma enfermeira vacina uma criança que está no colo da mãe. Todas usam máscaras
Nesta primeira fase, iniciada no último dia 12 de abril, podem ser imunizados crianças, gestantes, puérperas e trabalhadores da área da saúde (Foto: Marcos Moura)

A campanha de vacinação contra a gripe continua sendo realizada nas salas de imunização dos 116 postos de saúde da Capital. Nesta primeira fase, iniciada no último dia 12 de abril, podem ser imunizados crianças (de 6 meses a 5 anos, 11 meses e 29 dias), gestantes, puérperas e trabalhadores da área da saúde. A vacinação contra a gripe nos postos de saúde está ocorrendo de segunda a sexta-feira, de 7h às 18h.

A Prefeitura de Fortaleza recebeu, da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), 90 mil doses da vacina da gripe, que atua contra a H1N1, H3N2 e o vírus influenza B. A quantidade de doses conseguirá imunizar cerca de 30% do público-alvo da primeira fase da campanha. Em 2020, Fortaleza conseguiu imunizar mais de 753 mil pessoas dos públicos prioritários contra a gripe.

Para a coordenadora de imunização da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Vanessa Soldatelli, a participação dos pais torna-se essencial em relação à vacinação das crianças. “É muito importante que os pais levem seus filhos até as unidades de saúde para buscar a imunização, pois a vacina é a única forma de proteção contra diversas doenças”, destaca Vanessa.

O público-alvo da primeira fase foi definido pela vulnerabilidade à influenza, de acordo com o informe técnico do Ministério da Saúde (MS) sobre a campanha.

Documentação necessária para vacinação nos postos

Gestantes: documento oficial com foto.

Crianças de 6 meses a 5 anos, 5 meses e 29 dias: documento oficial com foto ou cartão de vacinação.

Puérperas (mulheres no período até 45 dias após o parto): além do documento oficial com foto, deve ser apresentado documento que comprove o puerpério (certidão de nascimento, cartão da gestante ou documento do hospital onde ocorreu o parto) durante o período de vacinação.

Profissionais que trabalham em clínicas particulares, laboratórios e autônomos: documento de identidade com foto e um documento de comprovação do trabalho, como, por exemplo, a carteira de trabalho, uma declaração de vínculo, o contracheque ou a carteira do conselho da categoria.

Trabalhadores da saúde da rede hospitalar: serão vacinados na própria unidade onde atuam através de lista nominal, não sendo necessário se dirigir aos postos de saúde.

>>> Confira a relação com os endereços dos 116 postos de saúde

Vacinação Covid-19

Caso o trabalhador da saúde tenha recebido a vacina da Covid-19, ele deve aguardar para receber a vacina respeitando o intervalo de, no mínimo, 14 dias após o recebimento da segunda dose.

Além disso, é recomendado que pessoas com sintomas de síndrome gripal evitem receber a vacina, devendo aguardar 14 dias após o início dos sintomas.

Publicado em Saúde
Imunização de idoso em posto de saúde
A meta para este ano de 2018 é imunizar 630 mil pessoas que compõem o grupo prioritário, estabelecido pelo Ministério da Saúde

A Prefeitura de Fortaleza inicia hoje (20/04), por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), a campanha de vacinação contra a influenza em todos os Postos de Saúde da Capital.

As vacinas estarão disponíveis nas unidades de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h30. Para reforçar a campanha durante o final de semana, nos dias 21 e 22 de abril, a SMS vai disponibilizar a vacinação em sete Postos de Saúde, no horário de 8h30 às 16h30, nas seguintes unidades: Posto Carlos Ribeiro (Regional I), Paulo Marcelo e Irmã Hercília (Regional II), Anastácio Magalhães (Regional III), Luis Costa (Regional IV), José Paracampos (Regional V) e Messejana (Regioinal VI).

Durante a campanha, serão vacinadas pessoas com idade de 60 anos ou mais; crianças na faixa etária de seis meses a cinco anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias); gestantes; puérperas (até 45 dias após o parto); trabalhadores da área de saúde que atuam no enfrentamento às influenzas (emergências de hospitais, UPAs, Postos de Saúde e serviços que atendam pessoas com suspeita da doença). Os trabalhadores receberão a vacina no seu local de trabalho. Também serão vacinados os professores das escolas públicas e privadas (mediante comprovação profissional); grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais (estes deverão apresentar uma receita, recente, de medicação que comprove a situação clínica, ou solicitação médica).

A meta para este ano de 2018 é imunizar 630 mil pessoas que compõem o grupo prioritário, estabelecido pelo Ministério da Saúde. Em 2017, o Município imunizou cerca de 592 mil pessoas.

A vacina disponível nas unidades protege contra três sorotipos: Influenza A (H1N1, H3N2) e Influenza B. Estudos do Ministério da Saúde comprovam que através da imunização de uma pessoa cria-se uma rede de proteção contra a doença, alcançando de 11 a 17 indivíduos, o que chamamos de “imunização de rebanho”, quando a pessoa vacinada deixa de transmitir a doença e passa a proteger as pessoas do seu convívio.

Além da imunização, a população pode adotar cuidados básicos para evitar a Influenza, tais como: lavar as mãos com água e sabão com frequência; evitar levar as mãos ao rosto após pegar em maçanetas, corrimão de escadas, botões de elevadores, dentre outros; sempre que possível, utilizar álcool em gel a 70%; não compartilhar objetos de uso pessoal, como toalhas de banho, talheres e copos; manter os ambientes bem ventilados e evitar aglomerações; utilizar lenços descartáveis ao tossir ou espirrar; usar máscaras descartáveis caso apresente sintomas de gripe ou ao entrar em contato com pessoas doentes.

A influenza é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, que pode levar ao agravamento e ao óbito, especialmente nos indivíduos que apresentam fatores ou condições de risco para as complicações da infecção. A transmissão ocorre por meio de secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir, espirrar ou pelas mãos, que após contato com superfícies recém‐contaminadas por secreções respiratórias, pode levar o agente infeccioso direto a boca, olhos e nariz.

Os sinais e sintomas da doença são muito variáveis, podendo ocorrer desde a infecção assintomática, até formas graves. A síndrome gripal, que se caracteriza pelo aparecimento súbito de febre, cefaleia, dores musculares (mialgia), tosse, dor de garganta e fadiga, é a manifestação mais comum. Nos casos mais graves, geralmente, existe dificuldade respiratória e há necessidade de hospitalização.

É importante ressaltar que, ao apresentar sintomas da doença, a população deve buscar atendimento nos Postos de Saúde, com destaque para as 24 unidades de referência com sala de observação, além das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) da Capital.

O atendimento nas unidades municipais segue o protocolo definido pelo Ministério da Saúde e os profissionais terão acesso à capacitação para reforço e atualização dos conhecimentos para o atendimento adequado aos pacientes com sintomas de Influenza. Para o tratamento da doença o medicamento já está disponível nas unidades de saúde de Fortaleza.

Em Fortaleza, de janeiro a abril de 2018, foram confirmados 21 casos de Influenza (A e B), com um óbito. Em 2017, foram registrados 29 casos da doença, com a confirmação de quatro óbitos. Já em 2016, foram confirmados 68 casos, resultando em três óbitos.

Região Metropolitana
Em conjunto com Fortaleza, a vacinação contra a influenza também ocorrerá em outros municípios da Região Metropolitana como Caucaia, Maracanaú, Maranguape, Eusébio, Aquiraz, Itaitinga e Horizonte.

Postos de Saúde de Fortaleza
Postos de Saúde referência para atendimento à Influenza

 

Publicado em Saúde
 
vacinação
A vacina protege contra os três subtipos do vírus da gripe
A vacina de imunização contra a influenza está sendo ofertada para toda a população de Fortaleza nos 109 postos de saúde da Capital desde o último dia 12 de junho, enquanto houver estoque. A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) informa que são cerca de 45 mil doses disponíveis para os usuários do Município.
 
De acordo com a assessora técnica de Imunização da SMS, Renata Dias, até a última sexta-feira (9/6), Fortaleza contabilizava 66% do público alvo imunizado, o que representa um geral de 331.347 mil pessoas entre puérperas, idosos, gestantes, trabalhadores da saúde e crianças de seis meses a menor de 5 anos.
 
Além dos grupos prioritários, toda a população fortalezense pode buscar o posto de saúde mais próximo de sua residência para ter acesso à vacina.  As unidades básicas funcionam de segunda a sexta-feira, no horário de 7h às 19h, e nos finais de semana, os postos de saúde Paulo Marcelo (Centro) e Messejana, de 8h às 16h30.
 
A vacina protege contra os três subtipos do vírus da gripe determinados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para este ano de 2017 (A/H1N1; A/H3N2 e influenza B). A influenza é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, que pode levar ao agravamento e ao óbito, especialmente nos indivíduos que apresentam fatores ou condições de risco para as complicações da infecção.
Publicado em Saúde
A ação acontecerá em 22 pontos distribuídos nas seis regionais (Foto: Marcos Moura)

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) promove até o dia 26 de maio (domingo) a campanha de vacinação contra a influenza. A ação acontecerá em 22 pontos distribuídos nas seis regionais de Fortaleza em horários diferenciados, entre 8h e 21 horas.

A 15ª campanha, direcionada para um grupo prioritário formado por adultos com 60 anos ou mais, crianças de seis meses a 2 anos, gestantes, mulheres no período de até 45 dias após o parto (em puerpério), doentes crônicos e profissionais de saúde, já atingiu uma marca de 241.311 pessoas vacinadas. O último balanço da vacinação realizado pela SMS foi liberado nessa sexta-feira (24). Confira os números:

TOTAL DE VACINADOS

GRUPO                         META                   TOTAL             %
Trabalhadores               39.400                     17955           45,57
Gestantes                       28.140                     15519          55,15
Crianças 6m à <2a         56.280                     30787          54,70
Crianças 2a à <9a            5.625                       3135          55,73
60 e +                          242.430                   142193          58,65
Puérperas                         4.626                       3504          75,75
Comorbidade de 9 à 59a  44.379                   28218          63,58
Comorbidade Geral          50.004                   31353          62,70
TOTAL                          420.880                   241311        57,33

Publicado em Saúde