Rapaz sorrindo e segurando cartão do Bilhete Único
Wanderson Bruno elogiou o rápido atendimento e a confecção do cartão

Com a ampliação do número de ônibus que aceitam apenas crédito eletrônico, o acesso ao transporte público na capital cearense tem sido mais aproveitado e, consequentemente, aprimorado pela Prefeitura por meio de instrumentos que facilitam a vida da população. Entre eles, estão o Bilhetinho e o Bilhete Único, serviços viabilizados pela Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor).

Criado em 2013 para otimizar o embarque de crianças, o Bilhetinho é um cartão que garante a gratuidade no sistema de transporte coletivo para menores de 1,10m e/ou com idade entre dois e sete anos incompletos. O cadastro é realizado na Etufor e tem facilitado a vida dos acompanhantes e das crianças. Para Marcus Flávio, pai da Ana Laura, de seis anos, o Bilhetinho e a gratuidade da passagem da filha fazem com que a família possa aderir ao transporte público com uma frequência maior ao invés de utilizar serviços de carro por aplicativo.

Menina sentada batendo foto do rosto
Para Marcus Flávio, pai da Ana Laura, o Bilhetinho faz com que a família possa aderir ao transporte público com uma frequência maior

De acordo o vice-presidente da Etufor, Antônio Ferreira, “o cartão também serve, prioritariamente, para dar mais dignidade às crianças que utilizam o transporte público, evitando que elas precisem se arrastar no chão ou pular a catraca”. Esse foi o principal motivo que levou Rosymeire Sousa e sua filha Ester à Etufor para fazer o Bilhetinho. Moradoras do Bairro de Fátima, as duas andam de ônibus praticamente todos os dias da semana, no caminho de casa até a escola de Ester. Em 15 dias, após o período de confecção do cartão, a garota já poderá voltar para a escola passando na catraca dos ônibus.

Além de mais comodidade para os pequenos, o Bilhetinho serve como uma comprovação do direito à gratuidade, já que o serviço de checagem de idade e estatura é feito no ato do cadastramento. Nesse processo, também é realizada a biometria facial, que evita que o cartão seja utilizado por terceiros, entre outros tipos de fraudes. O cartão dispensa a carteirinha de estudante que, se usada em conjunto com o cartão, leva inclusive ao bloqueio de ambos. Apenas em 2019, foram entregues 3.791 Bilhetinhos, totalizando quase 30 mil cartões emitidos desde 2013.

Já entre os adultos pagantes da passagem no valor integral que não utilizam carteira de estudante, o Bilhete Único surgiu, também em 2013, como uma solução para os usuários que utilizam mais de um transporte em curto período de tempo e não passam por terminais. Com ele, é possível pegar quantos ônibus quiser no período de duas horas em qualquer sentido, pagando apenas uma passagem e sem precisar passar por um terminal. A recarga pode ser realizada em qualquer valor de forma online pelo aplicativo Meu Ônibus, pelo Internet Banking do Banco do Brasil, no site vtefortaleza.com.br ou de forma presencial em mais de 3 mil estabelecimentos cadastrados.

Moça de frente posando pra foto e mulher de costas batendo a foto
Nayara Silva também aproveitou para tirar o bilhete intermunicipal, já que mora na região metropolitana e precisa se locomover entre dois municípios diariamente

Em 2019, com a implantação dos ônibus de autoatendimento, o Bilhete Único ganha cada vez mais adeptos. É o caso de Nayara Silva, que resolveu fazer seu cartão por causa dos ônibus que só aceitam crédito eletrônico. Além de usar o transporte todo dia para ir ao trabalho, ela também aproveitou para tirar o bilhete intermunicipal, já que mora na região metropolitana e precisa se locomover entre dois municípios diariamente. Das vantagens que o serviço traz, ela destaca o conforto e a praticidade dos ônibus de autoatendimento que, segundo ela, são mais vagos.

A praticidade também está presente no tempo de confecção do cartão. O usuário, que antes aguardava cerca de 15 dias para receber seu Bilhete Único, agora recebe na hora. O cadastro é feito nos sete terminais, Vapt Vupts e nas sedes do Sindiônibus e da Etufor, com CPF, RG e comprovante de residência atualizado com CEP (impresso ou digital). Segundo Antônio Ferreira, já foram realizados mais de um milhão de cadastros desde a criação do serviço.

Para Wanderson Bruno, que teve a carteira de estudante bloqueada recentemente e queria continuar pagando suas passagens através de cartão eletrônico, o Bilhete Único foi a solução. Morador do bairro Aerolândia, Wanderson foi até a Praça Coração de Jesus, no Centro da Cidade, e elogiou o rápido atendimento e a confecção do cartão. “Agora vai melhorar porque é mais ágil e não precisa andar com dinheiro, o que também é melhor para a segurança”, destacou.

Locais de solicitação do Bilhetinho
O cadastro pode ser feito na sede da Etufor, além dos postos do Bilhete Único localizados nos terminais da Parangaba, Siqueira, Papicu e nos Vapt Vupts de Messejana e Antônio Bezerra. Os postos de Bilhete Único das praças José de Alencar e Coração de Jesus e a sede do Sindiônibus realizam o cadastro, mas apenas para crianças que possuem carteira de estudante.

Quem tem direito à gratuidade:
- Crianças de 2 a 7 anos incompletos
- Crianças maiores de 7 anos e com altura até 1,10m (um metro e dez centímetros)

Documentos necessários:
RG e CPF do responsável, certidão de nascimento do beneficiário, comprovante de residência com CEP de Fortaleza.

Onde solicitar o Bilhete Único:
- Sindiônibus (Av. Borges de Melo, 60)
- Terminais (Siqueira, Parangaba, Papicu - segunda a sexta, das 7h às 19h)
- Vapt Vupt (Messejana e Antônio Bezerra - segunda a sexta, das 8h às 17h)
- Praça Coração de Jesus (segunda a sexta, das 8h às 18h)
- Shopping Riomar Kennedy e Aldeota (segunda a sexta, das 08 às 18h)

Documentos necessários:
RG, CPF e comprovante de endereço (somente originais)

Publicado em Mobilidade
Dois homens colocando lixo em lixeira subterrânea com prédios ao fundo
Das 15 lixeiras subterrâneas instaladas na Cidade, duas estão no Mercado dos Peixes, na Av. Beira Mar

A implantação de lixeiras subterrâneas, estrategicamente distribuídas por Fortaleza, vem potencializando a gestão de resíduos sólidos na Capital. Incorporadas à política de limpeza urbana da Cidade, as estruturas auxiliam a redução estratégica de pontos de descarte irregular de lixo. A iniciativa da Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos (SCSP), por meio da Coordenadoria de Limpeza Urbana, tem transformado de forma positiva cenários historicamente críticos.

A Avenida Presidente Castelo Branco, popularmente conhecida como Leste-Oeste, é um exemplo de sucesso. Desde 2017, com a implantação de um Ecopolo no trecho compreendido entre a Rua Jacinto Matos e a Avenida Pasteur, a mudança de cultura é perceptível aos olhos de quem transita pelo entorno.

“Existia uma angústia da gestão em relação à antiga situação de sujeira da Leste-Oeste, onde a coleta de lixo passava oito vezes por dia, mas a situação não se resolvia. Pensando nisso, com a implantação de um Ecopolo, vários instrumentos foram instalados. As lixeiras subterrâneas comportam mil litros cada uma e fortalecem a atuação dos Ecopontos, dos ciclomonitores e das ações de requalificação viária que envolvem nova iluminação e nova sinalização. A população aderiu à ideia e só nessa área 23 pontos de lixo já foram eliminados, principalmente nas imediações de trechos de difícil acesso”, informou Wigor Florêncio, assessor técnico da Coordenadoria Especial de Limpeza Urbana de Fortaleza.

Senhora ao lado de lixeira em calçadão com mar ao fundo
Para Célia Lopes, as pessoas no Pirambu se conscientizaram e entenderam que precisam continuar colaborando

Habitualmente, os moradores do entorno registram a importância da mudança estabelecida. “Vivo aqui há 21 anos. Com a iniciativa da Prefeitura, tudo mudou para melhor. Antigamente, o canteiro central da Leste-Oeste era pura sujeira. Hoje, temos acesso às lixeiras subterrâneas 24 horas por dia, além dos Ecopontos. As pessoas se conscientizaram e entenderam que precisam continuar colaborando. O entorno melhorou em todas as áreas, da limpeza, da segurança, em todos os sentidos. A política está mais que aprovada”, considera a comerciante Célia Lopes.

Ao todo, 15 lixeiras subterrâneas duplas estão instaladas em vários pontos da Cidade, cada uma com capacidade de mil litros. São duas no Mercado dos Peixes, uma no Morro Santa Teresinha, uma no Campo do América, uma quádrupla (que comporta 4 mil litros) na Avenida José Jatahy, seis na Avenida Leste-Oeste, três no Pirambu e uma no Morro Santiago. Os resíduos acumulados são estrategicamente recolhidos. O mecanismo se dá da seguinte forma: os caminhões coletores têm um sistema hidráulico ligado às lixeiras, fazendo que as estruturas subam e os contêineres sejam retirados e descarregados.

A implantação das lixeiras subterrâneas no Mercado dos Peixes, tradicional ponto comercial de frutos do mar de Fortaleza, traz à tona benefícios intersetoriais. “A Avenida Beira Mar atrai, além de fortalezenses, turistas de todos os lugares do mundo. Um Mercado como este, onde se trabalha com frutos do mar, precisava de uma atenção especial nesse sentido. Dessa forma, desde o primeiro semestre deste ano, o odor desagradável que irradiava para a vizinhança e atrapalhava a ocupação hoteleira nas imediações foi reduzido”, aponta Pablo Melo, coordenador do equipamento.

Pablo destaca, ainda, a importância da união de esforços em prol da construção de um ambiente mais agradável e saudável para todos. “Continuamos trabalhando no sentido de conscientizar os permissionários a descartarem os resíduos em sacos de, no máximo, 50 litros em horários estratégicos até o fim do dia, de preferência, para que a coleta, que aqui acontece todos os dias pela manhã, seja efetiva. A comunidade abraçou e todos têm saído ganhando”, finalizou.

Publicado em Meio ambiente
quiosques de ambulantes da rua guilherm rocha, mostrando as mercadorias
O calçadão da Guilherme Rocha conta com 39 quiosques que beneficiam 156 permissionários

As obras de requalificação do Centro de Fortaleza estão mudando a realidade de quem trabalha ou passa diariamente pelo bairro. As mudanças, já finalizadas na Rua Guilherme Rocha, deixaram o ambiente mais amplo e ordenado.

O calçadão recebeu nova pavimentação, mobiliário urbano (bancos e lixeiras), paisagismo, canteiros e iluminação. As ações de ordenamento do comércio informal também incluíram a instalação de quiosques para os permissionários. O comerciante Ronaldo Amância trabalha há 20 anos com a venda de bonés e mochilas no Centro. Antes da reforma da Guilherme Rocha, ele trabalhava em um carro improvisado de madeira, mas ganhou qualidade de vida após as intervenções. “O projeto mudou a realidade da gente. Temos mais espaço, mais visibilidade, todo mundo passeando sem se esbarrar e como está organizado, as pessoas prestam mais atenção na mercadoria e param para comprar”, avisa o comerciante.

mulher na frente de um quiosque ambulantes com bonecas de pano
Edna Duarte produz e vende bonecas de pano bem na entrada do calçadão e diz que os produtos ficaram mais expostos

A artesã Edna Duarte também sentiu a diferença no movimento depois da requalificação. Ela produz e vende bonecas de pano bem na entrada do calçadão e diz que os produtos ficaram mais expostos. “O comércio não está bom, mas quem passa vê o produto assim que chega e a maioria se interessa e compra”, disse.

O calçadão da Guilherme Rocha conta com 39 quiosques que beneficiam 156 permissionários. Cada equipamento comporta quatro vendedores com um espaço reservado de 100x100cm para cada um. Quando fechados, os quiosques reproduzem imagens de locais históricos de Fortaleza.

“Os novos quiosques dos calçadões têm uma estrutura positiva de ordenamento territorial e os ambulantes, que agora são permissionários do município, conseguem economizar, já que não precisam mais pagar transporte e nem deposito para guardar a mercadoria. Eles fazem isso nos próprios boxes”, explica o secretário da Regional do Centro, Adail Fontenele.

As ações de ordenamento do comércio informal também incluíram a organização do cabeamento das concessionárias de energia e telefone, a instalação de novos postes elétricos, limpeza de galerias e execução de novas grelhas para drenagem pluvial superficial.

Após a reforma, o calçadão passou a atender os critérios de acessibilidade e mobilidade, com a instalação de quiosques, piso tátil, travessias elevadas e rampas que facilitaram a vida da aposentada Alzenir Barros. Moradora de Pedra Branca, ela sempre vem em Fortaleza e passa pelo Centro para fazer as compras de casa.

“Faz muitos anos que ando no Centro e agora eu noto coisas que eu nem sabia que tinha aqui. Tá tudo muito bonito e cada vez que venho encontro uma novidade”, falou Alzenir.

As obras de requalificação continuam na Rua General Sampaio e no calçadão da Rua Liberato Barroso.

A primeira via vai ganhar 15 quiosques para 60 permissionários. Já as intervenções na Liberato Barroso vão beneficiar 204 permissionários em 51quiosques. Os quiosques desse calçadão, vão homenagear personalidades do Centro de Fortaleza, contando um pouco da história do homenageado e o que eles representaram, historicamente, para a cidade.

Novo Centro

O Centro de Fortaleza recebe uma média de 350 mil pessoas em dias comuns e durante décadas sofreu com a falta de ordenamento, excesso de lixo nas ruas e falta de saneamento básico. Para resolver os problemas, o prefeito Roberto Cláudio lançou, em agosto de 2018, o Projeto Novo Centro, com seis eixos de atuação para modificar a realidade do bairro mais movimentado de cidade.

Até agosto de 2019, o Projeto prevê ações de Habitação, Política de Apoio a Pessoas em Situação de Rua, Turismo e Cultura, Infraestrutura e Mobilidade, Ordenamento do Comércio Informal e Segurança e Fiscalização.

As ações foram definidas por meio do trabalho de um Comitê Gestor formado por representantes da Prefeitura de Fortaleza, Câmara de Dirigentes Lojistas e outras entidades de classe, além de moradores e representantes da sociedade civil.

Publicado em Economia
Pipoqueiro em carrinho segurando saco de pipocas
Vender pipoca na Avenida Beira Mar virou a principal fonte de renda da família de Cristiano da Silva

O potencial econômico do microempreendedor individual Cristiano da Silva vem sendo transformado desde o ano de 2016. A partir da adesão ao Projeto Meu Carrinho Empreendedor, da Secretaria Municipal do Desenvolvimento Econômico (SDE), vender pipoca e fazer amigos na Avenida Beira Mar de Fortaleza virou a principal fonte de renda de sua família, composta pela esposa e pelo filho de 6 anos do casal.

A iniciativa da Prefeitura oferece, além de um carrinho de pipoca custeado e customizado, capacitações gerenciais e técnicas gratuitas no âmbito da gestão de negócios, das boas práticas de alimentação, da saúde e da segurança no trabalho. “Vendo pipoca aqui na Avenida Beira Mar desde 2014. À época, meu carrinho era mais simples. Em 2016, com o Projeto Meu Carrinho Empreendedor, troquei meu instrumento de trabalho, formalizei-me, capacitei-me e virei um microempreendedor individual. Isso vem nos provar que pequenos empreendedores, pessoas da periferia como eu, também têm chance no mercado”, relata Cristiano.

Pipoqueiro atendendo mulheres em carrinho de pipoca
As estudantes Yone Melo e Elen Sousa aprovaram as novidades que Cristiano oferece

O talento de Cristiano para as vendas vem sendo aprimorado há cerca de cinco anos. No entanto, a partir das capacitações oferecidas pela Prefeitura de Fortaleza em parceria com o Sebrae Ceará, o bem-humorado vendedor descreve o impacto em suas vendas. “É muito importante adquirir noções de como vender, como se comportar em público e de como fazer o cliente voltar. Em um ambiente como a Beira Mar, em que as opções são diversas, encontrei uma forma de me reinventar. Depois do projeto, também com a ajuda das redes sociais, minhas vendas aumentaram em 100% nos meses de julho, dezembro e janeiro. Em baixa estação, o aumento também foi positivo, de 30 a 40%”, estima.

Dentre os diferenciais oferecidos, destacam-se, além da atenção à higiene, a variedade de coberturas disponíveis para incrementar a pipoca, que custa de R$ 3,00 a R$ 5,00 o pacote. O valor, que pode ser pago por meio de cartões de crédito e débito, inclui álcool em gel, acesso à internet gratuita e um kit com luvas, guardanapo, palito de dente e bombom.

“Aqui tem sabor para todos os paladares. Caramelo, chocolate, leite condensado, manteiga, sal do Himalaia, queijo ralado, ketchup, molhos diversos e cheddar. Quem manda é o cliente. Levo tudo muito a sério. Aqui é como uma empresa minha. Ofereço também cardápio bilíngue, embalagens personalizadas, cartão fidelidade e brindes. A partir de R$ 10 em compras, você gira a roleta e ganha um prêmio”, acrescenta Cristiano no momento da venda. As estudantes Yone Melo e Elen Sousa aprovaram a novidade.

Paralelamente, a capacitação ofertada rendeu a Cristiano noções de educação financeira. “A pipoca rende um lucro alto. Você ganha um valor bem acima do investido. Se eu invisto R$ 30,00 e ganho R$ 100,00, tenho uma margem de R$ 70,00. Mas desse valor, uma parte precisará ser novamente investida. Com essa noção, consigo arcar com as minhas despesas e entender qual o meu lucro real”, ressalta.

A Prefeitura de Fortaleza já entregou 150 carrinhos para empreendedores pipoqueiros da Cidade. A expectativa é de que o projeto seja expandido ainda em 2019. “A minha satisfação é em passar para as pessoas que, com um carrinho de pipoca, você pode empreender. Você tem que levar a sério, fazer as coisas com amor e se destacar”, finaliza Cristiano.

Publicado em Economia
Fisioterapeuta atendendo bebê em tapete no chão com menina assistindo
A fisioterapeuta Larissa das Neves, integrante do NASF, trabalha de forma multidisciplinar para acompanhar o desenvolvimento de bebês

Testar a glicemia, aferir a pressão arterial, checar uma tosse persistente, realizar o acompanhamento da diabetes. Estes são alguns dos atendimentos essenciais que o cidadão fortalezense pode contar nas 113 Unidades de Atenção Primária à Saúde da Capital, que ofertam serviços como clínica médica, puericultura, assistência farmacêutica e imunização, e que funcionam como a porta de entrada para o Sistema Único de Saúde.

No entanto, a Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), vem trabalhando para dispor uma gama multidisciplinar de serviços que vão além dos fundamentais normalmente conhecidos pela população. Há uma ampliação da Estratégia de Saúde da Família com o Núcleo Ampliado de Saúde da Família (NASF), que além de trabalhar em projetos próprios, também atua dentro dos projetos da Coordenadoria de Educação em Saúde, Ensino, Pesquisa e Programas Especiais.

O NASF inclui terapeuta ocupacional, fisioterapeuta, psicólogo, assistente social, nutricionista, educador físico e farmacêutico. Esses profissionais, junto a médicos, enfermeiros, agentes comunitários de saúde, cirurgiões dentistas e técnicos em enfermagem, além dos coordenadores, organizam e gerenciam semanas temáticas de prevenção, projetos voltados para mulheres e idosos, terapias coletivas ou integrativas, atendimento especial para crianças, entre outros. Hoje, há 27 equipes distribuídas nos postos de saúde de Fortaleza.

Para entender a distribuição das equipes, ressalta-se que cada unidade dispõe de autonomia para atender a população adscrita de seu território de acordo com a realidade socioeconômica. Este e outros fatores, como a própria sazonalidade (chuvas, altas temperaturas, floração de pomares etc.), são avaliados pelas Salas de Situação, que realizam um levantamento e apresentam o retrato epidemiológico da área.

Mulher sorrindo
Angélica Eufrásio passou a conhecer o serviço após encaminhamento médico e diz que o acompanhamento tem melhorado muito a qualidade de vida do filho Miguel

Conforme o gerente da Célula de Atenção Primária à Saúde de Fortaleza, Rui de Gouveia, a SMS vem trabalhando para promover mudanças de paradigma em relação à saúde na Atenção Primária, tirando o foco da doença e do profissional para colocar na pessoa e na prevenção. Para isso, conta com profissionais proativos e de visão abrangente, que trabalham de maneira interdisciplinar. “Este é um impacto positivo para os atendimentos, já que o trabalho multiprofissional potencializa o atendimento, que acaba não ficando apenas para os médicos”, disse.

Um exemplo disso é o trabalho da fisioterapeuta Larissa das Neves, que atua no Núcleo de Desenvolvimento Infantil do Posto Luís Franklin Pereira, no bairro Messejana. Integrante do NASF, ela trabalha de forma multidisciplinar para acompanhar o desenvolvimento de bebês. “A gente recebe as crianças da comunidade após encaminhamento do médico, enfermeiro, agente ou por demanda espontânea. Fazemos uma triagem inicial, analisamos o pré-natal ao contexto social da família, bem como o desenvolvimento neuropsicomotor, alimentação e sociabilização”, disse.

A fisioterapeuta destaca ainda a importância da possibilidade de acesso das famílias a esse tipo de serviço por meio do SUS, ressaltando que o trabalho faz a diferença no futuro dessas crianças. “Pais de primeira viagem costumam não detectar alguma dificuldade do bebê e a gente trabalha tudo aqui. Quando tratamos de maneira precoce, a evolução é mais rápida. Nossa ficha é completa e abrange todos os profissionais”, comenta.

Mulher fazendo massagem em moça deitada na maca
Outro atendimento diferenciado, gratuito e acessível é a Terapia Integrativa Reiki

Larissa acompanha o pequeno Miguel, bebê com nanismo, há cerca de quatro meses. A mãe dele, Angélica Eufrásio, passou a conhecer o serviço após encaminhamento médico e diz que o acompanhamento tem melhorado muito a qualidade de vida do filho. “Quando tive minha primeira filha, não tive como levá-la ao médico para fazer fisioterapia. A pediatra me indicou para cuidar do Miguel aqui, mais perto da minha casa. Ele já está bem melhor, agora já consegue se virar, o desenvolvimento dele já é mais lento, mas eu consigo ver uma evolução", afirma.

Outro atendimento diferenciado, gratuito e acessível é a Terapia Integrativa Reiki, forma de medicina alternativa budista que utiliza a imposição de mãos para trabalhar a energia vital e promover o relaxamento do corpo e da mente do paciente. Também disponível na unidade Luís Franklin Pereira, o serviço é feito pela agente comunitária de saúde Marciana Assunção Vitoriano.

“Nas quartas-feiras é quando temos maior número de atendimentos, e vem sendo bastante indicado para pacientes com casos de ansiedade, depressão, distúrbios do sono, falta de concentração, o que impacta também problemas físicos relacionados ao psicológico. Para mim, é muito gratificante saber que consigo ajudar as pessoas com a prática do Reiki, e agora as pessoas precisam saber que existe esse trabalho e que funciona”, explica.

Onde encontrar

No Canal da Saúde é possível encontrar a relação completa de Unidades de Atenção Primária à Saúde por Secretaria Regional, com endereço e números de telefone indicados.

O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h, realizado por meio de agendamento ou conforme a possibilidade de cada serviço. Em caso de urgência, pode ser realizado no dia ou encaminhado para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA).

Publicado em Saúde
Dentista examinando dentes de criança em consultório
A equipe é formada por odontopediatras que atendem na Unidade de Atenção Primária em Saúde Anastácio Magalhães

Para que haja um crescimento saudável da dentição de um adulto, é necessário acompanhamento e cuidado desde a infância. Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde Bucal (SB Brasil) realizada pelo Governo Federal, 86,4% das crianças de zero a cinco anos, em Fortaleza, possuem algum tipo de cárie. Visando a prevenção de doenças e a manutenção da saúde bucal de bebês de até dois anos, a Prefeitura de Fortaleza criou o Bebê Clínica Odontológica que, desde 2017, busca melhorar esses números.

O serviço tem o objetivo de conscientizar os pais sobre a importância da saúde bucal infantil, além de oferecer um acompanhamento integral de odontologia na primeira infância. A iniciativa é pioneira na rede pública de Fortaleza e conta com a parceria do Gabinete da Primeira-dama. Desde sua criação, o Bebê Clínica Odontológica já realizou 1.058 atendimentos a 430 bebês em 60 diferentes bairros da Capital. A equipe é formada por odontopediatras que atendem na Unidade de Atenção Primária em Saúde Anastácio Magalhães, no bairro Rodolfo Teófilo. Diariamente, são disponibilizados 12 atendimentos com agendamento prévio, sendo metade deles reservada ao retorno de pacientes.

Para ter acesso ao serviço, é necessário um encaminhamento que pode ser feito nos 113 postos de saúde por qualquer profissional (enfermeiro, médico ou dentista) da Rede Municipal de Saúde. Foi esse o caso de Yan Jonathan, de um ano e seis meses, que já passou pela segunda consulta. Atendido no posto de saúde do bairro Genibaú, na Regional V, foi encaminhado para a Bebê Clínica pela enfermeira do posto. A mãe, Isabel Cristina, conta que o atendimento foi importante para diminuir as preocupações em relação ao crescimento dos dentes. “Ele já estava com um ano e três meses e não tinha nascido nenhum dente. Quando eu vim, a doutora disse que eu não precisava me preocupar e que já tinham alguns dentinhos prontos pra sair.”

Mãe segurando filho no colo
Três meses depois da primeira consulta, Yan já tem dois dentes de leite, o que traz uma mudança em relação à alimentação e aos cuidados que os pais devem ter

Três meses depois da primeira consulta, Yan já tem dois dentes de leite, o que traz uma mudança em relação à alimentação e aos cuidados que os pais devem ter. “Os retornos são de três em três meses até os seis anos de idade, que é quando acontece a troca de dentes e eles já podem ser atendidos nos postos. Isso é bom também para os dentistas da rede, que já recebem uma criança com uma rotina bucal correta”, afirma a dentista e coordenadora do serviço, Dra. Fabíola Diogo. Durante a consulta, além de verificar a dentição dos bebês e aplicar o flúor próprio para crianças, a equipe também conversa com os pais sobre alimentação, hábitos de higiene bucal e amamentação, aconselhando e ensinando como evitar cáries e outros problemas dentais. “A criança que tem dentes de leite saudáveis dificilmente terá cárie na vida adulta, porque ela já sabe se cuidar. É o que orientamos aqui, dos pais cuidarem dos filhos e dos filhos terem um autocuidado”, conta a dentista.

Focado na orientação, o serviço não recebe crianças que já possuam cáries. Apesar disso, se houver algum problema bucal depois do início do acompanhamento, alguns procedimentos podem ser realizados. No caso de Ana Cecília, de um ano e 11 meses, uma frenectomia foi realizada, procedimento para retirar o tecido que deixa a língua da criança “presa”. Em sua terceira consulta, a mãe da criança, Ana Lúcia Castro, afirma que o acompanhamento foi muito importante para Cecília. Agora, na hora do banho, a bebê já começa a tentar escovar seus dentes de leite.

Com o objetivo de ampliar o serviço, oferecendo esse acompanhamento preventivo de forma mais acessível, o programa planeja uma ampliação, com a criação de outra clínica. De acordo com a coordenação da Bebê Clínica Odontológica, a previsão de entrega é para 2020. A nova sala, que será localizada na Regional V, ficará ainda mais próxima de Yan, que ainda tem uma longa rotina de cuidados com os novos dentinhos pelos próximos anos.

Serviço:
Bebê Clínica Odontológica
Funcionamento: Segunda a sexta-feira, das 8h às 12h
Local: Posto de Saúde Anastácio Magalhães (Rua Delmiro de Farias 1679 – Rodolfo Teófilo)

Publicado em Saúde
Senhor tomando banho de mar em cadeira acessível ao lado de ajudantes
José Barreto aproveita suas férias em Fortaleza pelo terceiro ano seguido para utilizar o serviço

“Eu achava que nunca mais ia tomar um banho de mar”. A frase dita por José Barreto, de 61 anos, resume a importância do Praia Acessível na sua vida. Morador de São Paulo, José aproveita suas férias em Fortaleza pelo terceiro ano seguido para utilizar o serviço. Após dois Acidentes Vasculares Cerebrais (AVCs), ele passou a ter dificuldades de locomoção e precisa de cadeira de rodas. Enquanto aproveita sua estadia na Cidade, vai todas as manhãs até a Praia do Lido/Crush, próximo ao Centro Cultural Belchior, tomar um banho de mar em um equipamento adaptado e com auxílio de profissionais.

O Praia Acessível, implantado em março de 2016 pela Prefeitura de Fortaleza em parceria com o Governo do Estado, disponibiliza esteira de acesso e cadeiras anfíbias que possibilitam o banho de mar de pessoas com deficiência física e/ou motora ou dificuldade de locomoção. O local tem estrutura para frescobol adaptado, piscinas, cadeiras e mesas cobertas com toldos, banheiro acessível e itens de segurança. Durante todo o mês de julho, o Praia Acessível funciona diariamente das 9h às 13h. Desde sua criação, o projeto já ultrapassou 5.400 atendimentos.

Jovem tomando banho de bar em cadeira adaptada com ajudantes
Para Lucas Silva, que possui paralisia cerebral, o banho de mar é um momento de interação com o ambiente

Cada usuário tem direito a 15 minutos de banho de mar e eles aproveitam cada minuto. José ressalta o quanto, para além da qualidade de vida, o serviço lhe deixa mais feliz. Usuário do serviço desde sua implantação, que descobriu enquanto passeava pela orla da Praia de Iracema, ele fala que a atenção dos funcionários e a qualidade dos equipamentos permaneceu a mesma ao longo dos anos. Sua esposa, Arlete Barbosa, acompanha-o todos os dias e faz questão de registrar tudo para mostrar aos filhos que estão em São Paulo. A alegria e a realização que ela diz que o marido sente também podem ser vistas nela, enquanto assiste e acena de longe à beira do mar.

De acordo com o titular da Secretaria de Turismo de Fortaleza (Setfor), Alexandre Pereira, o Praia Acessível é um atrativo para o turismo adaptado, voltado a pessoas com mobilidade reduzida. “Com esse projeto e com as parcerias que estamos buscando, mostramos que Fortaleza é uma cidade que também trata bem pessoas com deficiência e idosos”, afirma. A Setfor ainda pretende iniciar uma parceria com a Associação de Cuidadores e com hotéis da região litorânea para oferecer serviços especiais a idosos e deficientes físicos. A expectativa, segundo o secretário, é de iniciar a parceria no segundo semestre deste ano.

Para Lucas Silva, de 15 anos, que possui paralisia cerebral, o banho de mar é um momento de interação com o ambiente. Mesmo sem conseguir falar ou se locomover sozinho, é notável o relaxamento que o contato com a água traz ao adolescente. Sua cuidadora, Mariane Alencar, conta que aquela foi a primeira vez que Lucas utilizou o serviço e que ficou maravilhada com a experiência proporcionada a Lucas. Assim como ele, cerca de 10 pessoas são atendidas durante a semana no período de férias, demanda que aumenta aos sábados e domingos. Com uma equipe de cinco pessoas que auxiliam no transporte e no banho, a expectativa, conforme a Setfor, é realizar 300 atendimentos no mês de férias, possibilitando uma maior inclusão e acessibilidade na praia.

Serviço:
Praia Acessível durante as férias de julho
Data: todos os dias
Horário: 9h às 13h
Local: Praia do Lido/Crush, em frente ao Centro Cultural Belchior (Rua dos Pacajús, 123)

Publicado em Turismo
mulher aponta para uma chaminé que está emitindo fumaça
Estabelecimentos que emitam poluentes, estejam em forma de gases, odores, fumaças ou poeiras, precisam estar submetidos ao Licenciamento Ambiental Regular

A Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis) deu início à Operação Respirar Melhor, que tem por objetivo diminuir o número de fontes de poluição atmosférica na Capital. Por meio da regularização de atividades geradoras de poluentes atmosféricos, equipes estrategicamente distribuídas pela Cidade coíbem irregularidades.

Tâmara Freitas, fiscal da Agefis, explica o como funciona o processo: “a partir das denúncias mais recorrentes da população, estamos visitando e avaliando a situação de estabelecimentos que possuam chaminés, a exemplo de indústrias, restaurantes e fábricas. Caso haja inconformidade com a lei, dialogamos com os proprietários, orientamos, notificamos e, quando necessário, autuamos e embargamos”.

De acordo com a Lei Complementar Municipal nº 208/2015, estabelecimentos que emitam poluentes, estejam em forma de gases, odores, fumaças ou poeiras, precisam estar submetidos ao Licenciamento Ambiental Regular, concedido pela Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma). “Esse documento é fundamental por estabelecer normas que devem ser cumpridas para amenizar a poluição emitida em função da atividade exercida e garantir o direito da população de respirar melhor”, acrescenta Tâmara.

Dentre os critérios passíveis de avaliação, destacam-se a altura da chaminé, a operacionalidade do filtro lavador de gases e a utilização de matérias-primas que cumpram regras previstas no Documento de Origem Florestal. “A chaminé dos estabelecimentos deve estar 5 metros acima do topo das edificações mais próximas. De acordo com a Lei 5.530, do antigo Código de Obras, que será substituído pelo novo Código da Cidade, as edificações instaladas em um raio de proximidade de 50 metros devem ser respeitadas. Já o filtro lavador de gases retém uma quantidade de partículas liberadas pela fumaça, diminuindo a liberação da fuligem”, informa a fiscal.

Benefícios à população

Uma moradora na Regional IV (que pediu para não ser identificada), solicitou, na manhã desta quinta-feira (11/07), a visita de fiscais da Agefis a um estabelecimento próximo à sua casa. “Aqui em casa, é impossível respirar com tranquilidade, lavar roupas e manter os cabelos lavados. A fumaça incomoda diariamente. É um risco à saúde e um problema social. Espero que o estabelecimento continue a funcionar, mas dentro da lei, regularizado. Dessa forma, fica todo mundo bem”, destaca.

O morador da mesma rua (que também pediu para não ser identifiado) explica que os pais são idosos e sofrem com a fumaça produzida pelo estabelecimento. “Toda a nossa rua agradecerá quando o problema for resolvido. Aqui há muitas crianças pequenas, pessoas vulneráveis à poluição. E a fumaça prejudica a também a quem emite. Então, o ideal é regularizar. Estamos confiando na Prefeitura e no bom senso de quem trabalha com isso”, aponta.

Denúncias

A população pode acionar a fiscalização por meio dos canais de denúncia da Agefis: o aplicativo Fiscalize Fortaleza (disponível para Android e IOS), o site denuncia.agefis.fortaleza.ce.gov.br e o telefone 156.

Balanço

Em 2019 (até 11/07), a Agefis realizou 250 fiscalizações e 26 autuações/notificações a responsáveis por atividades poluentes que não possuíam o licenciamento ambiental. Em 2018, foram realizadas 459 fiscalizações e 65 autuações.

Saiba Mais

Segundo o Decreto Federal nº 6.514/08, é infração ambiental o ato de construir, reformar, ampliar, instalar ou fazer funcionar estabelecimentos, atividades, obras ou serviços utilizadores de recursos ambientais, considerados efetiva ou potencialmente poluidores, sem licença ou autorização dos órgãos ambientais competentes, em desacordo com a licença obtida ou contrariando as normas legais e regulamentos pertinentes.

Para esses casos, a multa varia de R$ 500,00 (quinhentos reais) a R$ 10.000.000,00 (dez milhões de reais), conforme a capacidade econômica do infrator, os antecedentes e o dano causado.

Publicado em Meio ambiente
rapaz posa para foto sentado em uma mesa de trabalho com um mapa aberto
No estágio na Coareg, Raul Fernandes participa do projeto de reforma de praças. "Confiro se estão seguindo os padrões estipulados, além de monitorar as obras. Gosto muito de trabalhar com espaços públicos", conta

Para o estudante universitário, um contato prévio com o mercado de trabalho é fundamental para seu crescimento acadêmico, profissional e pessoal. Estar em contato com a rotina da carreira almejada é estar um passo mais próximo do futuro. Para Ian Lucas Santos, de 23 anos, estudante de Engenharia Civil da Universidade Federal do Ceará (UFC), o ano de 2017, quando iniciou seu estágio na Secretaria Municipal de Educação (SME), foi essencial para sua carreira. Ele foi um dos 900 universitários selecionados pelo Programa Jovens Talentos, iniciativa da Prefeitura de Fortaleza para contratação de estagiários.

Após a aplicação de prova e entrevista, os estudantes selecionados pelo Programa recebem uma bolsa mensal de R$ 500,00, vale-transporte e o contrato de um ano, que pode ser renovado pelo dobro do tempo. Em 2019, são 1.449 vagas disponíveis, 60% a mais do que em 2017, para estudantes de 42 cursos de graduação. Para participar, os jovens devem estar matriculados e cursando a partir do 4º semestre.

O estágio também é uma oportunidade de futuro no mercado de trabalho. Alguns estudantes, após a conclusão do curso, acabam sendo efetivados para o quadro de funcionários da Prefeitura. Inicialmente fazendo projetos de combate a incêndios nas escolas municipais, Ian Lucas foi efetivado no órgão em março deste ano, ao final do primeiro ano de contrato como estagiário. “Para mim foi uma oportunidade de ouro, que só foi possível por causa do estágio”, declara.

Atuando na Coordenadoria de Infraestrutura da SME, Ian também teve a oportunidade de prestar apoio aos engenheiros, realizando medições e acompanhando obras, conhecendo a rotina de sua futura profissão. Assim como ele, a estudante de História na Universidade Estadual do Ceará (UECE), Ingrid Monteiro, de 23 anos, adquiriu experiência prática em um ano e meio de estágio na Secretaria Municipal de Cultura (Secultfor). Ela estagia na Coordenadoria de Patrimônio e realiza trabalhos de pesquisa voltados à Educação Patrimonial. Mesmo tendo interesse em seguir na área acadêmica, o trabalho de pesquisa realizado no órgão foi, segundo ela, um aprimoramento importante para sua carreira.

Além da experiência, os participantes do Programa Jovens Talentos se inserem no cotidiano dos órgãos públicos, passando a entender melhor o funcionamento do Município. De acordo com a secretária executiva da Secretaria do Planejamento, Orçamento e Gestão (Sepog), Christina Machado, isso auxilia no papel de cidadão dos estagiários. “O fato deles fazerem um estágio na Prefeitura, com um serviço tão próximo ao cotidiano deles, traz uma experiência diferente, de entender a atuação do serviço público, as necessidades e complexidades”, afirma. É o que também acredita o estudante Raul Fernandes, 27, do curso de Arquitetura e Urbanismo da UFC. No período de estágio na Coordenadoria Especial de Articulação das Secretarias Regionais (Coareg), ele se encontrou e agora espera seguir no serviço público depois de formado. “Eu analiso os projetos das reformas das praças das regionais e confiro se estão seguindo os padrões estipulados, além de monitorar as obras. Gosto muito de trabalhar com espaços públicos, então o que faço aqui é recompensador”, ele conta.

Inscrições abertas
As inscrições para o Programa Jovens Talentos seguem até o dia 14 de julho. Depois de fazer o Cadastro Único das Políticas Públicas de Juventude, disponível no Portal da Juventude, e gerar seu número de Cadastro Social, o estudante deve preencher o formulário eletrônico de inscrição no Canal Concursos e Seleções e pagar uma taxa no valor de R$ 30,00. No ato da inscrição, o candidato poderá optar por até dois órgãos públicos de sua preferência para estagiar. A seleção será dividida em prova objetiva, prova discursiva e entrevista. As provas objetiva e discursiva acontecerão no dia 28 de julho e o resultado final será divulgado no dia 19 de agosto.

Publicado em Concursos e Seleções
Homem de óculos com fone
Marino Neto trabalha no Plantão Gramatical há 26 anos e já realizou tantos atendimentos que diz que prestar esse serviço “é como respirar”

Escrever corretamente é essencial em qualquer atividade que necessite do uso da Língua Portuguesa. Para além dos dicionários e gramáticas, a Prefeitura de Fortaleza oferece os serviços do Plantão Gramatical, que esclarece dúvidas sobre fonética, semântica, crase, pontuação e regras gerais do português. Tudo via telefone e respondido na hora por professores plantonistas.

O serviço, que funciona no Instituto Municipal de Desenvolvimento de Recursos Humanos (Imparh), nasceu com o objetivo de auxiliar a comunidade sobre o uso correto da Língua Portuguesa. Em quase 39 anos de existência, o Plantão Gramatical registrou mais de 690 mil atendimentos. De janeiro a maio de 2019, já foram contabilizadas 3.960 consultas. As dúvidas são respondidas de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

O Plantão Gramatical é uma referência em Fortaleza e já atendeu usuários de outros municípios e estados brasileiros, além de registrar atendimentos a pessoas de outros países.

Marino Neto trabalha no local há 26 anos e já realizou tantos atendimentos que diz que prestar esse serviço “é como respirar”. O professor conta que as dúvidas mais frequentes são sobre o uso da crase e da vírgula, mas chega a corrigir convites, anúncios e até mesmo definir o uso fonético de uma palavra. Nesses vários anos de atuação, Marino já sabe o nome dos usuários mais assíduos.

Nos últimos anos, os atendimentos do Plantão diminuíram com o advento da internet, que possibilitou à população ter um acesso mais rápido a significados, sinônimos e antônimos de palavras, além do uso das regras de português. Porém, ainda existem usuários fiéis que permanecem utilizando o serviço.

A estudante de Direito Letícia Melo liga para o Plantão Gramatical pelo menos uma vez por semana. Trabalhando com documentos jurídicos, que exigem uma escrita impecável, a jovem de 21 anos conheceu o serviço pelos seus chefes no Núcleo de Práticas Jurídicas onde faz estágio. “Diferente da internet, eu não preciso filtrar os resultados, e vai criando uma discussão, uma conversa, e os professores são sempre simpáticos”, diz. Ela também conta que quando telefona para tirar uma dúvida, sempre acaba perguntando mais coisas.

Para Armando Damasceno, gerente do Plantão Gramatical, o serviço se mantém pela interatividade de falar e ter uma resposta exata. “Além disso, a qualificação dos professores, servidores da Prefeitura, é um outro ponto que dá credibilidade ao atendimento”, comenta. Diariamente, de um a três profissionais se revezam no serviço. Todos possuem graduação e até mestrado na área. E é por meio do diálogo entre esses profissionais e a população que o Plantão Gramatical, já pioneiro e consolidado, continua ativo.

Serviço:
Plantão Gramatical

Telefone: (85) 3225.1979
Funcionamento: segunda a sexta-feira, das 8h às 17h

Publicado em Educação