O novo levantamento de preços nos supermercados da capital cearense, realizado pelo Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) e divulgado nesta quinta-feira (30/06), mostra que a variação de preços entre os supermercados chega a 308,17%, como é o caso do quilo do mamão, que pode ser encontrado de R$ 1,59 a R$ 6,49. Os preços foram coletados presencialmente, de 13 a 23 de junho, em 24 supermercados das 12 Regionais de Fortaleza.

Cenoura, tomate, pimentão e cebola também puxam as maiores variações de preços, conferindo diferença de preços acima de 180%.

Maiores variações

Produto Menor preço Maior preço Variação
Mamão (Kg) R$ 1,59 R$ 6,49 308,17%
Cenoura (Kg) R$ 2,99 R$ 9,99 234,11%
Tomate (Kg) R$ 3,99 R$ 11,99 200,50%
Pimentão (Kg) R$ 3,35 R$ 9,99 198,20%
Cebola (Kg) R$ 3,18 R$ 8,99 182,70%

Pesquisa completa.

Todos os preços também estão disponíveis no aplicativo Proconomizar, nas plataformas Android e iOS. O Procon acompanha, mensalmente, 70 produtos considerados essenciais, divididos por itens de alimentação, carnes e aves, padaria, refrigerantes, frutas e verduras, higiene pessoal, limpeza doméstica e ainda cuidados e higiene infantil. A pesquisa é informativa e possibilita ao consumidor optar por estabelecimentos que ofereçam preços mais baratos.

Entre os bairros de Fortaleza, a Regional 12 (Praia de Iracema, Centro e Moura Brasil) apresentou os maiores preços em junho, custando a média dos 70 itens, R$ 821,30. Já na Regional 1 (Álvaro Weyne, Floresta e Jardim Guanabara) foram encontrados os menores preços, somando R$ 622,96, a média dos produtos pesquisados.

Preços por Regionais

Regional Preço médio total
Regional 12 R$ 821,30
Regional 8 R$ 806,24
Regional 6 R$ 791,57
Regional 5 R$ 791,18
Regional 11 R$ 790,21
Regional 9 R$ 785,30
Regional 10 R$ 778,34
Regional 7 R$ 742,48
Regional 2 R$ 740,51
Regional 3 R$ 667,43
Regional 4 R$ 659,09
Regional 1 R$ 622,96

Para a diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, optar por dias de ofertas de frutas, legumes e carnes pode ser uma saída para fugir dos altos preços. "Os dias de ofertas e promoções nos supermercados podem representar uma boa economia. Sendo assim, vale a pena organizar uma lista de compras semanais, atentando para o mínimo de desperdício possível", orientou.

Dicas e direitos nos supermercados
- Verifique as datas de promoções e dias de ofertas;
- Analise os encartes distribuídos como sendo de produtos promocionais e exija os mesmos preços nos caixas. Se houver divergência, o consumidor tem o direito de pagar sempre o menor valor;
- Avalie e faça as contas com as despesas mensais, como mensalidades escolares, impostos parcelados e outros;
- Faça uma lista dos produtos que realmente precisa comprar;
- Evite realizar as compras com fome ou acompanhado de crianças. Isto pode influenciar sua decisão de compra;
- Pesquise preços e verifique a melhor forma de pagamento e descontos nos pagamento à vista, em dinheiro e no cartão de crédito;
- Confira a data de validade dos produtos;
- Nem sempre o produto com tarja vermelha é o mais barato. Procure a categoria do item exposto como promocional e escolha um produto que seja mais em conta. Certamente, você sairá economizando;
- Na entrada de lojas e supermercados, por exemplo, normalmente são colocados produtos que induzem o consumidor à compra. Portanto, evite-os;
- Alimentos congelados devem ser colocados por último no carrinho para que sua qualidade não seja comprometida.

Publicado em Economia

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou, nesta quinta-feira (09/06), uma pesquisa com 62 opções de presentes, serviços e destinos turísticos para o Dia dos Namorados, que é comemorado no próximo domingo (12/06). Há opções de presentes entre R$ 42,00 (ramalhete de rosas) a R$ 4.899,00, (smartphone).

A pesquisa foi realizada entre os dias 30 de maio e 03 de junho em lojas físicas, no Centro, bem como em lojas virtuais, além de floriculturas e empresas de cestas de café da manhã localizadas em todas as Regionais de Fortaleza.

Cestas de café da manhã, ramalhete de rosas, perfumes e celulares são algumas das opções de presentes mais procurados, neste período, além de opções de hospedagem para destinos turísticos cearenses e de suítes especiais para passar a noite do Dia dos Namorados.

Pesquisa do Dia dos Namorados

Entre as nove lojas físicas pesquisadas no Centro, o menor preço foi encontrado no barbeador elétrico, que pode ser comprado por R$ 63,85. Ainda nos itens de embelezamento, e também no Centro, a maior variação está no preço do depilador, que pode sair de R$ 179,00 a R$ 349,00, uma diferença de 95%.

Se a opção for um celular, o presente pode custar de R$ 639,00, na compra pela internet, a R$ 4.899,00, também de forma virtual, variando os preços por configuração, tecnologia, armazenamento ou marca.

Para os românticos, a opção pode ser o ramalhete de rosas, com seis unidades, que pode ser comprado por R$ 42,00 a R$ 150,00, uma variação de 257%.

E para aqueles que desejarem passar o Dia dos Namorados em suítes especiais, em motéis da Capital, o preço pode variar de R$ 28,00, no Barroso (Regional 9), a R$ 730,00, no Bairro de Fátima (Regional 4), uma diferença de 2.507%.

Há ainda opções de preços de perfumes importados, custando 30ml, cerca de R$ 208,90 a R$ 339,00, conferindo uma variação de 62%. Já um frasco de 100ml, pode sair de R$ 319,00 a R$ 559,00, uma diferença de 75%.

Maiores variações

Produto Menor preço (local) Maior preço (local) Variação
Suíte especial (2 horas) R$ 28,00 (Barroso) R$ 730,00 (Bairro de Fátima) 2.507%
Rosas (6 Un) R$ 42,00 (Passaré) R$ 150,00 (Aldeota) 257%
Máquina de cortar cabelo (Un) R$ 69,00 (Centro) R$ 237,90 (virtual) 245%
Cesta café da manhã (Un) R$ 179,00 (Maraponga) R$ 450,00 (Bonsucesso) 151%
Aparelho celular 32GB (Un) R$ 639,00 (virtual) R$ 1.371,12 (Centro) 115%
Perfume (100ml) R$ 319,00 (virtual) R$ 559,00 (virtual) 75%

Sobre a troca de presentes nas lojas físicas, a diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, explica que o lojista não tem obrigação de trocar o produto quando o motivo da troca for cor, modelo ou tamanho. "O consumidor deve pedir por escrito a política de troca do estabelecimento, pois se a loja prometer que troca o produto em qualquer situação, deste modo, ela passa a ser obrigada a cumprir a promessa".

Eneylândia também lembra que, nas compras pela internet, existe o "Direito de arrependimento", que é a possibilidade de trocar o produto em até sete dias da data do recebimento do item ou da contratação de algum serviço. Nestes casos, o produto não precisa apresentar nenhum defeito para a troca.

O Procon também pesquisou preços de destinos turísticos cearenses mais buscados para o fim de semana do Dia dos Namorados e encontrou variação de preços, para a mesma região, de até 627% na hospedagem de quarto simples para duas diárias.

Maiores variações - destinos turísticos

Região Menor preço (local) Maior preço (local) Variação
Serra R$ 220,00 (Ubajara) R$ 1.600,00 (Guaramiranga) 627%
Capital R$ 240,00 (Centro) R$ 1.598,50 (Mucuripe) 566%
Litoral Leste R$ 280,00 (Aracati) R$ 1.400,00 (Fortim) 400%
Litoral Oeste R$ 360,00 (Camocim) R$ 1.140,00 (Camocim) 217%
Sertão Central R$ 200,00 (Quixadá) R$ 600,00 (Quixadá) 200%
Cariri R$ 328,00 (Juazeiro do Norte) R$ 460,00 (Juzeiro do Norte) 40%

Cuidados e direitos nas compras do Dia dos Namorados
- É recomendável que o consumidor somente efetue compras em sites confiáveis. Para verificar a segurança da página, ele deve clicar num símbolo de cadeado que aparece no canto da barra de endereço ou no rodapé da tela. O endereço da loja virtual deve começar com https://
- Todo site deve exibir o CNPJ da empresa ou o CPF da pessoa responsável, além de informar o endereço físico onde a loja possa ser encontrada ou o endereço eletrônico para que possa ser contatada;
- Analise a descrição do produto e compare com outras marcas;
- Guarde encartes e anúncios publicitários de hospedagens, bem como de contrata de serviços;
- É muito importante imprimir ou salvar todos os documentos que demonstrem a oferta e confirmação do pedido (comprovante de pagamento, contrato, anúncios etc);
- Computadores de acesso público não devem ser usados para comércio eletrônico ou internet banking.
- Produto em promoção ou liquidação, possui as mesmas garantias previstas no Código de Defesa do Consumidor (CDC);
- Na compra de eletroeletrônicos, peça para testar o funcionamento do aparelho;
- Nas compras feitas pela internet, por telefone ou catálogo, existe o “direito de arrependimento” para desistir da compra sem qualquer motivo. O prazo para desistência é de sete dias, a contar da data de recebimento do produto;
- No pagamento com cartão de débito/crédito, poderá haver diferenciação de preços em relação a valores pagos em dinheiro;
- A loja não é obrigada a trocar o presente que não tenha defeito. No entanto, se o vendedor afirmar que realizará a troca, em qualquer situação, o consumidor deverá solicitar por escrito;
- A garantia legal de produto/serviço não durável é de 30 dias e de produto/serviço durável é de 90 dias, de acordo com o CDC;
- A garantia legal é complementar à contratual. Portanto, se um produto tem garantia do fabricante de 12 meses, a garantia total deverá ser acrescida de mais 90 dias da garantia legal, ou seja, 15 meses;
- Se houver divergência entre o preço anunciado com o registrado no caixa, o consumidor deverá pagar o menor valor;
- Peça a nota fiscal com a discriminação do produto ou do serviço detalhadamente.



Publicado em Economia

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou, nesta quarta-feira (18/05), uma pesquisa com preços de itens que compõem o café da manhã. O levantamento, realizado entre os dias 02 e 03 de maio nas 12 Regionais da Capital, traz preços de 25 alimentos mais consumidos na primeira refeição do dia, como pão, tapioca, cuscuz, café, leite, caldos, sucos e frutas. O Procon visitou 12 padarias e panificadoras, algumas no interior de supermercados.

Itens mais consumidos no café da manhã podem sair mais baratos ou mais caros, a depender da região de Fortaleza. O preço da xícara de café pode variar até 400%. O pão carioquinha pode custar até 116% de diferença. Já a salada de frutas pode variar até 1.395%.

Pesquisa completa, que está disponível no portal da Prefeitura de Fortaleza.

Na Granja Portugal (Regional 5) foi encontrada a xícara de café (250 ml) com preço mais barato, custando R$ 1. Já no Meireles (Regional 2), a mesma quantidade de café custa R$ 4, uma diferença de 400%. O preço do pão de queijo (100g) foi encontrado por R$ 0,75 também na Granja Portugal, enquanto que a mesma quantidade chega a R$ 7,49, no Meireles, uma variação de 899%.

Ainda na Granja Portugal, o Procon encontrou o pão carioquinha mais barato de Fortaleza, custando R$ 8,99 o quilo. No Meireles, está o pão mais caro, com preço de R$ 19,40, a mesma quantidade, ou seja, uma diferença de 116%.

A maior variação, entre os 25 itens pesquisados, ficou por conta da salada de frutas. Cerca de 500ml podem custar de R$ 2, na Maraponga (Regional 10), a R$ 29,90, na Praia de Iracema (Regional 12), uma diferença de 1.395%.

A diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, explica que o levantamento de preços tem caráter informativo. "Realizamos uma pesquisa informativa. De posse dos preços, os consumidores podem optar pela situação mais conveniente à sua realidade". A diretora também alerta que os estabelecimentos são obrigados a cumprir os preços de cardápios e de promoções.

Combos
Se a opção for a tradicional tapioca com queijo, acompanhada de uma xícara de café com leite, o combo dos itens pode custar de R$ 8,48, no Jangurussu (Regional 9), a R$ 20,50, no Meireles (Regional 2), conferindo uma diferença de 142%.

Nos mesmos bairros foram encontrados a maior e a menor diferença quando o combo foi o cuscuz com queijo e a xícara de café com leite. Custa R$ 8,48 no Jangurussu, enquanto que o mesmo item chega a R$ 19,50, no Meireles, uma variação de 130%.

Buffet no peso
Caso o consumidor opte pelo café da manhã em buffet completo, pagando pelo peso dos itens na balança, o Procon encontrou o quilo mais barato no Passaré (na Regional 8), custando R$ 42,90. O quilo mais caro do buffet de café da manhã foi encontrado no bairro de Fátima (Regional 4), custando R$ 54,99, uma diferença de 28%.

Maiores variações café da manhã

Produto Menor preço Maior preço Variação
Salada de frutas (500ml) R$ 2,00 (Maraponga) R$ 29,90 (Praia de Iracema) 1.395%
Pão de queijo (100g) R$ 0,75 (Granja Portugal) R$ 7,49 (Meireles) 899%
Xícara de café (250ml) R$ 1,00 (Granja Portugal) R$ 5,00 (Meireles) 400%
Copo de suco (250ml) R$ 3,00 (Granja Portugal) R$ 11,00 (Meireles) 267%
Tapioca (un) e café com leite (250ml) R$ 4,50 (Granja Portugal) R$ 15,25 (Praia de Iracema) 239%
Pão carioquinha (Kg) R$ 8,99 (Granja Portugal) R$ 19,40 (Meireles) 116%
Buffet no peso (Kg) R$ 42,90 (Passaré) R$ 54,99 (Fátima) 28%
Publicado em Economia

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou, nesta terça-feira (03/05), o levantamento de preços do mês de abril, nos supermercados da Capital. Regionais 1, 3 e 4 possuem os menores preços, de acordo com o levantamento realizado entre os dias 18 e 25 de abril. O Procon pesquisa, mensalmente, 70 produtos e alimentos considerados de primeira necessidade. A coleta de preços é feita presencialmente em todas as regionais de Fortaleza.

Na Barra do Ceará e no Carlito Pamplona, foram encontrados os preços mais baratos, somando os 70 itens consultados R$ 599,42, enquanto que na Cidade dos Funcionários e em Messejana, ambos na Regional 6, estão os maiores preços (R$ 784,75).

Preços por Regionais

Regional Preço médio total
Regional 6 R$ 784,75
Regional 9 R$ 780,83
Regional 5 R$ 762,39
Regional 8 R$ 745,13
Regional 11 R$ 739,97
Regional 12 R$ 722,82
Regional 7 R$ 712,86
Regional 10 R$ 710,12
Regional 2 R$ 638,19
Regional 3 R$ 629,00
Regional 4 R$ 627,66
Regional 1 R$ 599,42

Pesquisa completa

Todos os preços estão disponíveis no aplicativo "Proconomizar", nas plataformas android e iOS, bem como no portal da Prefeitura de Fortaleza, na aba de defesa do consumidor.

Maiores variações

Produto Menor preço Maior preço Variação
Alho (Kg) R$ 15,90 R$ 59,00 271,06%
Queijo mussarela (Kg) R$ 19,90 R$ 54,99 176,33%
Goiabada (300g) R$ 2,59 R$ 6,99 169,88%
Achocolatado em pó (200g) R$ 3,99 R$ 9,99 150,37%
Macarrão (500g) R$ 2,49 R$ 5,85 134,93%

A diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, sugere que o consumidor realize compras em dias de ofertas e promoções e alerta para direitos nas compras em supermercados. "O consumidor possui o direito de pagar pelo valor anunciado e havendo divergência de preços deve sempre pagar o menor valor", explicou.

Eneylândia lembra que a compra por aplicativos e pela internet também pode representar uma economia. "Muitos supermercados disponibilizam cupons de descontos. O ideal é verificar se realmente foi aplicado alguma redução de preço ou trata-se de uma publicidade enganosa". Nestes casos, a Diretora pede que o consumidor denuncie ao Procon pelo telefone 151 ou no portal da Prefeitura de Fortaleza, no Catálogo de Serviços (aba Defesa do Consumidor).

Publicado em Economia
Em pouco mais de um ano, os preços de alimentos e produtos nos supermercados da Capital sofreram alta de até 817,35%
Dos 61 produtos que se repetiram na pesquisa de fevereiro do ano passado e no levantamento de março deste ano, nenhum teve redução de preço (Foto: Rodrigo Carvalho)

Em pouco mais de um ano, os preços de alimentos e produtos nos supermercados da Capital sofreram alta de até 817,35%. É o que revela um estudo inédito do Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza), divulgado nesta quarta-feira (30/03). O órgão comparou os menores preços dos produtos, em fevereiro do ano passado, com os maiores preços registrados na última pesquisa, realizada entre os dias 07 e 10 de março.

O quilo do mamão subiu oito vezes no período analisado, indo de R$ 0,98 a R$ 8,99, uma variação de 817,35%. A cenoura também apresentou alta variação em pouco mais de um ano, saindo de R$ 2,99 (kg), em fevereiro do ano passado, para R$ 12,99 (kg), agora em março, ou seja, 334,45% de diferença. Em seguida, o quilo da cebola apresentou variação de 209,36%, no mesmo período, indo de R$ 2,99 para R$ 9,25.

Refrigerantes, arroz e feijão foram os itens que menos variaram de preços no período, subindo respectivamente de R$ 6,99 para R$ 7,99 (14,31%), R$ 4,99 para R$ 5,99 (20,04%) e R$ 6,75 para R$ 8,49 (25,78%).

Segundo a diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, uma boa dica é optar por frutas e legumes da estação, pois a grande oferta desses produtos pode baratear o custo. Ela também esclarece direitos dos consumidores. "Os supermercados são obrigados a cumprir ofertas e promoções. Portanto, o consumidor deve guardar encartes e anúncios e exigir o cumprimento. Outra saída para fugir da alta de preços é comprar em dias de ofertas de carnes, frutas e verduras", sugeriu Eneylândia.

Dos 61 produtos que se repetiram na pesquisa de fevereiro do ano passado e no levantamento de março deste ano, nenhum teve redução de preço. Pelo menos 20 produtos subiram mais de 100%. O Procon realizou o comparativo com fevereiro do ano passado, pois em março de 2021 não foi realizada pesquisa de campo devido aos cuidados de isolamento social para contenção da Covid-19.

Maiores variações (fevereiro de 2021 e março 2022)

Produto

Menor preço

fevereiro de 2021

Maior preço

março de 2022

Variação
Mamão (kg) R$ 0,98 R$ 8,99 817,35%
Cenoura (kg) R$ 2,99 R$ 12,99 334,45%
Cebola pera (kg) R$ 2,99 R$ 9,25 209,36%
Esponja de aço (60g) R$ 1,29 R$ 3,99 209,30%
Alho (kg) R$ 13,90 R$ 38,50 176,98%

Quando comparados todos os itens, o menor preço total dos 61 produtos ficou em R$ 542,98, em fevereiro do ano passado, enquanto que em março deste ano, os mesmos produtos somam R$ 971,80, uma variação de 78,98%.

Café da manhã

Preços de alimentos básicos do café da manhã também apresentam alta variação em pouco mais de um ano. O pote de margarina, por exemplo, subiu de R$ 3,99, em fevereiro do ano passado, para R$ 9,35, em março deste ano, uma variação de 134,34%. A bandeja de ovos, com 20 unidades, passou de R$ 7,99 para R$ 17,99 (125,16%). Já o pacote de café subiu de R$ 4,19 para R$ 9,39 (124,11%). O pão francês carioquinha saiu de R$ 12,39 para R$ 16,99 (37,13%). Caso o consumidor opte por uma fruta no café da manhã, o quilo da banana saltou de R$ 2,99 para R$ 6,45 (115,72%).

Análise mensal

Em março deste ano, alimentos e produtos pesquisados pelo Procon continuam mais caros na Regional 6, onde ficam bairros como Cambeba, Cidade dos Funcionários e Messejana, repetindo a maior alta, nas regionais, registrada no mês passado. O valor total dos itens nesses bairros ficou em R$ 758,06, enquanto na Regional 4, em bairros como Aerolândia, Fátima e Parreão, os produtos somam R$ 600,57. A Regional 4 também foi o local com os preços mais baratos no mês passado.

Preços por Regionais

Regional Preço médio total
Regional 6 R$ 758,06
Regional 11 R$ 727,36
Regional 9 R$ 726,31
Regional 7 R$ 720,55
Regional 12 R$ 697,34
Regional 5 R$ 696,81
Regional 10 R$ 694,11
Regional 8 R$ 693,45
Regional 2 R$ 688,19
Regional 3 R$ 650,69
Regional 1 R$ 626,15
Regional 4 R$ 600,57

Dicas e direitos nos supermercados

- Verifique as datas de promoções e dias de ofertas;
- Analise os encartes distribuídos como sendo de produtos promocionais e exija os mesmos preços nos caixas. Se houver divergência, o consumidor tem o direito de pagar sempre o menor valor;
- Avalie e faça as contas com as despesas mensais, como mensalidades escolares, impostos parcelados e outros;
- Faça uma lista dos produtos que realmente precisa comprar;
- Evite realizar as compras com fome ou acompanhado de crianças. Isto pode influenciar sua decisão de compra;
- Pesquise preços e verifique a melhor forma de pagamento e descontos nos pagamento à vista, em dinheiro e no cartão de crédito;
- Confira a data de validade dos produtos;
- Nem sempre o produto com tarja vermelha é o mais barato. Procure a categoria do item exposto como promocional e escolha um produto que seja mais em conta. Certamente, você sairá economizando;
- Na entrada de lojas e supermercados, por exemplo, normalmente são colocados produtos que induzem o consumidor à compra. Portanto, evite-os;
- Alimentos congelados devem ser colocados por último no carrinho para que sua qualidade não seja comprometida.

Publicado em Economia
vista panorâmica da av. beira-mar
Em Fortaleza, o preço de três diárias em pousadas ou hotéis é encontrado por até 80% de diferença, indo de R$ 405,00 a R$ 729,30 (Foto: Rodrigo Carvalho)

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou, nesta terça-feira (22/02), uma pesquisa com preços de hospedagem durante o período de Carnaval (26/02 a 01/03). O levantamento foi realizado, por telefone, entre os dias 14 e 18 de fevereiro, contemplando 52 hotéis e pousadas em 11 cidades das regiões Norte, Sertão Central, Centro-Sul, Serra, litorais Leste e Oeste. A consulta foi realizada levando-se em conta o preço total de três diárias, que compreendem a permanêndia de três noites nos destinos turísticos.

A diferença de preços de hospedagem pode chegar a 426% para uma mesma região turística, no valor total de três diárias. O Procon orienta que consumidores guardem anúncios e propagandas das hospedagens, bem como recibos e comprovantes de pagamento, para uma possível reclamação.

As festas públicas de Carnaval, bem como o feriado não acontecerão, conforme já anunciaram autoridades sanitárias, devido às medidas de contenção da Covid-19. As opções de hospedagem podem ser uma boa opção para aproveitar o período de forma segura, sem riscos à saúde da população. Segundo a Secretaria Municipal do Turismo de Fortaleza, a expectativa de ocupação hoteleira para o Carnaval é de 75%, na Capital.

Na pesquisa com os preços de hospedagem, foram coletadas o valor total de três diárias, de quarto para duas pessoas na modalidade standard (quarto simples), bem como chalés, nas regiões Norte, Sertão Central, Centro-sul, Serra, litorais Leste e Oeste. Também estão inclusos hotéis e pousadas da Capital.

Em Fortaleza, por exemplo, o preço de três diárias em pousadas ou hotéis com o mesmo padrão de hospedagem (quarto standard) é encontrado por até 80% de diferença, indo de R$ 405,00 a R$ 729,30. E quem desejar fugir da Capital e aproveitar o descanso no interior cearense pode aproveitar a cidade de Quixadá, no Sertão Central, cujas diárias variam de R$ 330,00 a R$ 1.000,00, no pacote de três dias, conferindo uma diferença de 203%.

Pesquisa completa com as variações de preços

A maior diferença de preços para o mesmo destino turístico, no período de Carnaval, está no litoral Leste, em Beberibe. Pousadas e hotéis, à beira-mar, podem custar até 426% de diferença, indo de R$ 705,00 a R$ 3.710,07.

Mas se o destino for o oposto ao calor das praias, ou seja, o clima de baixas temperaturas das serras cearenses, os preços de hospedagem podem variar até 133%, em Ubajara, na Serra da Ibiapaba, sendo encontrada três diárias por R$ 600,00 a R$ 1.399,00. Já em Guaramiranga, no Maciço de Baturité, é possível também desfrutar do clima ameno, vegetação verde e tranquilidade, por hospedagens que variam de R$ 840,00 a R$ 2.093,00, uma diferença de 149%.

Na região Centro-Sul, onde ficam balneários e açudes turísticos como o Trussu e o Orós, o levantamento do Procon encontrou preços para os três dias, entre R$ 267,00 e R$ 450,00, conferindo uma variação de 69%.

Para a diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, é muito importante que os consumidores guardem anúncios e propagandas de ofertas de hospedagem, e de aluguéis de casas de praia ou serra, por exemplo. Isto pode garantir o cumprimento da oferta. "Se for contratar o serviço e hospedagem pela internet, o consumidor pode imprimir a página e guardar como prova dos preços praticados", sugeriu. Para a Diretora, fazer reservas de hotéis e pousadas em sites confiáveis, buscando informações sobre a realidade da hospedagem, além de ficar atento às condições do contrato podem minimizar os transtornos.

Eneylândia lembra ainda que consumidores turistas que estejam em trânsito na Capital, podem registrar reclamação no órgão de defesa do consumidor para solucionar algum problema. A ferramenta está disponível no portal da Prefeitura de Fortaleza, na categoria Defesa do Consumidor do Catálogo de Serviços. O mesmo vale para consumidores residentes em Fortaleza.

Hospedagem Carnaval - maiores variações

Região

Menor preço

(três diárias)

Maior preço

(três diárias)

Variação
Litoral Leste R$ 705,00 R$ 3.710,07 426%
Litoral Oeste R$ 1.333,00 R$ 3.660,00 175%
Sertão Central R$ 330,00 R$ 1.000,00 203%
Serra R$ 840,00 R$ 2.093,00 149%
Norte R$ 390,00 R$ 944,20 142%
Capital R$ 405,00 R$ 729,30 80%
Centro-Sul R$ 267,00 R$ 450,00 69%

Metodologia
A pesquisa foi feita por telefone, buscando o número de quatro ou cinco hotéis e pousadas por município ou região, incluindo café da manhã e contendo as mesmas características de hospedagem (quarto standard), exceto para Guaramiranga, onde as opções variam entre quartos e chalés. Os preços podem sofrer alterações se comparados com a data em que foram coletados.

O Procon informa que, nas variações de preços, devem ser levadas em consideração a estrutura dos hotéis e pousadas, bem como a comodidade ofertada pelas hospedagens (quartos), se incluem serviços de ar refrigerado, wi-fi, vistas panorâmicas, modelos de aparelhos de TV (LED, smart, convencional) e ainda alimentos inclusos no café da manhã.

Publicado em Economia
Mamão, banana e laranja apresentam as maiores variações, em Fevereiro, com 364%, 221% e 178%, respectivamente
Mamão, banana e laranja apresentam as maiores variações, em Fevereiro, com 364%, 221% e 178%, respectivamente (Foto: Rodrigo Carvalho)

Pelo menos 18 produtos, dos 70 pesquisados mensalmente pelo Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza), apresentaram variações acima de 100%. É o que revela o novo levantamento, realizado entre os dias 01 e 10 de fevereiro, e divulgado nesta quinta-feira (17/02). Mamão, laranja e banana apresentam as maiores variações, em Fevereiro, com 364%, 221% e 178%, respectivamente. O Procon orienta que o consumidor opte por dias de promoção e ofertas e realize um comparativo de preços antes de sair às compras. Supermercados são obrigados a cumprir preços anunciados.

Quando analisados os preços dos produtos individualmente, a pesquisa aponta que os alimentos estão mais baratos em bairros da periferia de Fortaleza. O quilograma do mamão, por exemplo, está mais em conta no bairro Siqueira, custando R$ 1,29, enquanto que a mesma quantidade é encontrada, na Aldeota, por R$ 5,99, uma diferença de 364,34%. Outro produto que apresenta alta variação de preços é a banana, cujo quilograma pode ser comprado de R$ 1,99, no Jangurussu, a R$ 6,39, na Aldeota, conferindo uma diferença de 221,10%. Já a laranja pode ser encontrada de R$ 1,79, no bairro Passaré, a R$ 4,99, na Aldeota, uma variação de 178,77% no preço do quilograma da fruta.

Pesquisa completa com os 70 produtos

Todos os preços estão disponíveis no aplicativo Proconomizar, nas plataformas Android e iOS, bem como no Catálogo de Serviços do Portal da Prefeitura de Fortaleza

Maiores variações

Produto Menor preço (bairro) Maior preço (bairro) Variação
Mamão (Kg R$ 1,29 (Siqueira) R$ 5,99 (Aldeota) 364,34%
Banana (Kg) R$ 1,99 (Jangurussu) R$ 6,39 (Aldeota) 221,10%
Laranja (Kg) R$ 1,79 (Passaré) R$ 4,99 (Aldeota) 178,77%
Batata (Kg) R$ 3,39 (Jangurussu) R$ 8,99 (C. dos Funcionários) 165,19%
Mortadela (Kg) R$ 6,99 (Rodolfo Teófilo) R$ 18,48 (Aldeota) 164,37%

O Procon também realiza uma análise de preços por regionais. Nesse levantamento, a média de preços dos supermercados da Regional 6, onde ficam bairros como Cambeba, Cidade dos Funcionários e Messejana,  apresentou a maior somatória, custando os 70 produtos cerca de R$ R$ 765,92. Já na Regional 4, em bairros como Aerolândia, Fátima e Parreão, os mesmos itens somaram R$ 552,15. O Procon ressalta que a quantidade de itens em falta por supermercado pode afetar a média de preços por Regionais.

Preços por Regionais

Regional Preço médio total
Regional 6 R$ 765,92
Regional 8 R$ 743,05
Regional 9 R$ 726,27
Regional 12 R$ 709,73
Regional 11 R$ 690,04
Regional 5 R$ 674,20
Regional 2 R$ 664,51
Regional 7 R$ 648,02
Regional 3 R$ 647,86
Regional 1 R$ 632,84
Regional 10 R$ 587,48
Regional 4 R$ 552,15

Dicas e direitos nos supermercados
- Verifique as datas de promoções e dias de ofertas;
- Analise os encartes distribuídos como sendo de produtos promocionais e exija os mesmos preços nos caixas. Se houver divergência, o consumidor tem o direito de pagar sempre o menor valor;
- Avalie e faça as contas com as despesas mensais, como mensalidades escolares, impostos parcelados e outros;
- Faça uma lista dos produtos que realmente precisa comprar;
- Evite realizar as compras com fome ou acompanhado de crianças. Isto pode influenciar sua decisão de compra;
- Pesquise preços e verifique a melhor forma de pagamento e descontos nos pagamento à vista, em dinheiro e no cartão de crédito;
- Confira a data de validade dos produtos;
- Nem sempre o produto com tarja vermelha é o mais barato. Procure a categoria do item exposto como promocional e escolha um produto que seja mais em conta. Certamente, você sairá economizando;
- Na entrada de lojas e supermercados, por exemplo, normalmente são colocados produtos que induzam o consumidor à compra. Portanto, evite-os;
- Alimentos congelados devem ser colocados por último no carrinho para que sua qualidade não seja comprometida.

Publicado em Economia

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou, nesta segunda-feira (31/01), a primeira pesquisa do ano com preços de produtos nos supermercados da Capital. O levantamento, realizado entre os dias 11 e 21 de janeiro traz novidades, como a quantidade de estabelecimentos pesquisados, que passou de 12 para 24, além da ampliação dos produtos consultados mensalmente, saindo de 61 para 70 itens.

Supermercados dos bairros Coité, Barra do Ceará, Presidente Kennedy e Mondubim entram na lista de locais pesquisados mensalmente, somando-se a outros bairros como Aldeota, Conjunto Ceará, Fátima, entre outras regiões. A ideia do Procon é continuar pesquisando preços em todas as regionais de Fortaleza. Produtos como farinha de trigo, mortadela, goma para tapioca e achocolatado também entram na lista de itens pesquisados.

Em janeiro, 15 produtos apresentaram variações de preços a partir de cem por cento. O quilo da mortadela, por exemplo, pode ser encontrado de R$ 5,99, no bairro Jangurussu a R$ 26,90, no bairro Maraponga, uma diferença de 349%. Já o quilo do sabão em barra custa de R$ 5,59, no bairro Carlito Pamplona a R$ 20,99, no bairro Aldeota, conferindo uma variação de 275%.

Consulte a pesquisa completa com os 70 produtos. Todos os preços estão disponíveis no aplicativo "Proconomizar", nas plataformas android e iOS, bem como no portal da Prefeitura de Fortaleza, na aba de defesa do consumidor.

Maiores variações

Produto Menor preço (bairro) Maior preço (bairro) Variação
Mortadela (Kg) R$ 5,99 (Jangurussu) R$ 26,90 (Maraponga 349,08 %
Sabão barra (Kg) R$ 5,59 (Carlito Pamplona) R$ 20,99 (Aldeota) 275,49 %
Banana (Kg) R$ 1,99 (Barra do Ceará R$ 6,99 (Passaré) 251,25 %
Mamão (Kg) R$ 1,99 (Monte Castelo) R$ 5,89 (Messejana) 195,97 %
Queijo coalho (Kg) R$ 17,99 (Centro) R$ 48,00 (Aldeota) 166,81 %

A diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, comenta que a ampliação de supermercados e itens pesquisados vai possibilitar maiores opções para o consumidor. "Quanto maior a oferta de estabelecimentos e produtos melhor para o consumidor, que tem o poder de compra. A escolha por locais com preços mais baratos pode forçar o mercado a reduzir os valores praticados, e isso é muito bom para uma economia nos gastos com alimentação", disse.

Metodologia
A pesquisa do Procon Fortaleza é informativa e possibilita ao consumidor optar por estabelecimentos que ofereçam preços mais baratos. O levantamento é realizado presencialmente e dividido por itens de alimentação, carnes e aves, padaria, refrigerantes, frutas e verduras, higiene pessoal, limpeza doméstica e ainda cuidados e higiene infantil.

Dicas e direitos nos supermercados
- Verifique as datas de promoções e dias de ofertas;
- Analise os encartes distribuídos como sendo de produtos promocionais e exija os mesmos preços nos caixas. Se houver divergência, o consumidor tem o direito de pagar sempre o menor valor;
- Avalie e faça as contas com as despesas mensais, como mensalidades escolares, impostos parcelados e outros;
- Faça uma lista dos produtos que realmente precisa comprar;
- Evite realizar as compras com fome ou acompanhado de crianças;
- Pesquise preços e verifique a melhor forma de pagamento e descontos nos pagamento à vista, em dinheiro e no cartão de crédito;
- Confira a data de validade dos produtos;
- Nem sempre o produto com tarja vermelha é o mais barato. Procure a categoria do item exposto como promocional e escolha um produto que seja mais em conta. Certamente, você sairá economizando;
- Na entrada de lojas e supermercados, por exemplo, normalmente são colocados produtos que induzam o consumidor à compra. Portanto, evite-os;
- Alimentos congelados devem ser colocados por último no carrinho para que sua qualidade não seja comprometida.

Publicado em Economia

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) notificou, nesta terça-feira (18/01), farmácias e laboratórios de análises clínicas da Capital para apurar denúncias de preços abusivos em testes de Covid-19. Consumidores relataram aumentos sucessivos nos testes de Covid durante as últimas semanas, com preços variando entre R$ 89,00 a R$ 300,00.

O Procon deu prazo de 10 dias para que o Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos e a Sociedade Brasileira de Análises Clínicas orientem a seus filiados e associados sobre a notificação do Órgão, que também alerta sobre preços abusivos na venda de máscaras, álcool em gel e luvas, bem como na realização de outros testes de infecções respiratórias.

De acordo com a diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, o Código de Defesa do Consumidor (CDC) é claro e veda a elevação de preços sem justa causa. "Esta prática abusiva fere a legislação e está passível de multa que pode chegar a R$ 15 milhões", lembrou.

A Diretora também pede que o comércio não se aproveite de uma situação tão sensível para obter lucros. "É inadmissível que farmácias e laboratórios aproveitem a alta procura por testes para obter vantagens. Vamos investigar para apurar se há justificativa nos preços elevados", explicou.

Denúncias e reclamações

O Procon pede que denúncias e reclamações sejam encaminhadas ao órgão por meio do portal da Prefeitura de Fortaleza, na aba de serviços Defesa do Consumidor.

Mais informações pela Central de Atendimento ao Consumidor 151 (horário comercial).

Publicado em Economia
mochilas escolares em uma prateleira
Entre as mochilas, de tamanho médio, o Procon encontrou variação até 309% (Foto: Thiago Gaspar)

O Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza) divulgou, nesta quinta-feira (13/01), a pesquisa com preços de 57 itens mais procurados nas listas de material escolar. O levantamento foi realizado entre os dias 7 e 10 de janeiro, em sete livrarias e papelarias, localizadas no Centro e no bairro Edson Queiroz. O Procon lembra que as escolas não podem exigir a compra de itens de uso coletivo, nem pagamento de taxas em substituição ao material, sob pena de multa de até R$ 15 milhões, de acordo com o Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Entre os locais pesquisados, o Centro da cidade oferta os menores preços. O preço da borracha escolar, nas cores rosa ou verde, por exemplo, pode variar até 520%, sendo encontrada de R$ 1,25, no estabelecimento mais barato, que fica no Centro de Fortaleza, a R$ 7,75, no local mais caro, localizado no bairro Edson Queiroz.

Entre as mochilas, de tamanho médio, o Procon encontrou variação até 309%. O item pode ser comprado de R$ 30,30, no Centro, a R$ 124,00 também no bairro Edson Queiroz.

A pesquisa do Procon contempla ainda preços de lápis, canetas, pastas escolares, borrachas, réguas, apontadores de lápis, tesouras escolares, cadernos, mochilas com e sem carrinho e, também, dicionários.

Veja itens e as variações de preços.

A diretora do Procon Fortaleza, Eneylândia Rabelo, alerta que as escolas não podem exigir a compra de itens de uso coletivo, o que caracteriza prática abusiva. "Marcas de produtos e especificação de livrarias também não podem ser determinadas pelas instituições", lembra.

Maiores Variações

Produto Menor preço Maior preço Variação
Borracha R$ 1,25 R$ 7,75 520%
Apontador sem coletor R$ 0,39 R$ 1,92 392%
Mochila média costas R$ 30,30 R$ 124,00 309%
Ecolápis grafite R$ 1,15 R$ 4,50 291%
Mochila média carrinho R$ 87,75 R$ 288,00 252%

Escolas notificadas

Desde o mês de dezembro do ano passado, pelo menos 60 escolas já receberam notificação do Procon, que deu o prazo de 10 dias para que as instituições apresentem a lista de itens do material escolar, acompanhada da proposta pedagógica de utilização dos produtos nas atividades diárias dos alunos. Desse total, em pelo menos 14 instituições, o Procon encontrou irregularidades nas listas de material escolar.

Na análise das listas, o Procon identificou itens considerados abusivos, como pincel para quadro, tinta guache, sacos plásticos, rolos de espuma, álcool, pasta colecionadora, baldes de praia, copos descartáveis, desinfetante e outros produtos.

Dicas e direitos

- Antes de comprar, verifique se existem itens que sobraram do período anterior e avalie a possibilidade de reaproveitá-los
- Escolas só podem pedir uma resma de papel por aluno. Mais do que isso já pode ser considerado abusivo
- Organizar um bazar de trocas de artigos escolares em bom estado entre amigos ou vizinhos, por exemplo, também é uma alternativa para gastar menos
- Pesquise em sebos, inclusive pela internet
- Algumas lojas concedem descontos para compras em grupos ou de grandes quantidades ou venda por atacado
- Produtos importados seguem as mesmas regras de marcas nacionais, resguardados os direitos do CDC
- Evite comprar no comércio informal. Isso pode dificultar a troca ou assistência do produto se houver necessidade
- Muita atenção a embalagens de materiais como colas, tintas, pincéis atômicos e fitas adesivas. Esses produtos devem conter informações claras, precisas e em língua portuguesa a respeito do fabricante, importador, composição, condições de armazenagem, prazo de validade e se apresentam algum risco ao consumidor

Publicado em Economia
Página 1 de 6